Tribuna Expresso

Perfil

A casa às costas

Edmilson: “Gosto muito de tomar a minha cervejinha. Acho que o Fernando Santos vetou a minha contratação no Benfica pelas minhas noitadas”

É presidente do clube de futebol que fundou na sua terra natal, o Brasil, e está com um pé em Portugal, mais concretamente no Guarda Desportiva FC, clube da II divisão distrital. Mas é sobretudo pela sua passagem no FC Porto e no Sporting que este brasileiro de 47 anos ficou conhecido entre nós. Não só pelos golos que marcava como também pelas noitadas que adorava - e ainda gosta de fazer - e que não esconde, Jogou também em França, na Bélgica, na Noruega e, claro, no Brasil. Com as duas filhas a viver na Maia, confessa que o Porto é a sua segunda casa e que um dia ainda vai escrever um livro com as muitas histórias que viveu no futebol

Alexandra Simões de Abreu

Tony Marshall - EMPICS

Partilhar

Nasceu em Santa Teresa, mas foi muito pequeno, com um ano, para Colatina. Porquê?
Os meus pais resolveram mudar porque Santa Teresa é uma cidade muito de interior e Colatina é uma cidade um pouco maior e o meu pai resolveu vir para cá.

Os que é que os seus pais faziam quando nasceu?
Viviam da terra, da plantação. Nós tínhamos um sítio em Santa Teresa. Depois, em Colatina, montou um café.

Tem irmãos?
Tenho dois irmãos e uma irmã. Um irmão mais velho, um mais novo e a irmã também mais nova.

Como é que surge o futebol? Na rua?
Desde pequeno a gente andava sempre com a bola na mão e no meio dos pés, jogando no meio das ruas da cidade de Colatina, e foi ali que começou. A maioria dos jogadores do Brasil é nas ruas que começa a jogar.

Com que idade e como vai parar a um clube?
Quando comecei a estudar comecei também a jogar futebol na escola, nos jogos escolares. Daí fui para os juniores do Colatina, da Associação Atlética de Colatina.

Nessa altura já jogava a avançado?
Jogava a meio-campo, médio esquerdo.

Quando é que faz a sua estreia como jogador sénior?
No Colatina, depois de ter jogado o campeonato de juniores onde me destaquei muito, subi aos seniores do clube. Fiz um campeonato muito bom nos primeiros anos de sénior e foi aí que surgiu o Democrata Governador Valadares em Minas Gerais.

Tinha quantos anos?
20 para 21.

Ainda estudava ou já tinha deixado a escola?
Já tinha deixado a escola. Com 17 anos comecei a trabalhar em contabilidade. Era contabilista. Fiz o segundo nível completo da escola, só não cheguei a fazer a faculdade.

Quando começou a ganhar dinheiro no futebol?
No Colatina. Mas chegou a atrasar salário, que é normal aqui no Espírito Santo. Quando fui para o Democrático comecei a ganhar o salário mínimo do país e foi aí que comecei a aparecer para o futebol, fiz um excelente campeonato mineiro. Na altura fiz uns 7, 8 golos e surgiu o interesse do Cruzeiro, do América Mineiro, do Atlético Mineiro e também do Nacional da ilha da Madeira. Optei pelo Nacional.

Queria vir para a Europa.
Era o sonho de todo o brasileiro, vir para a Europa. Na Europa o mercado é bom, um jogador aparece mais e foi por isso também que optei, para aparecer.

Antes da sua vinda para Portugal, quando era pequeno torcia por que clube?
Vasco da Gama. Tem origens portuguesas [risos].

Quem eram os seus ídolos?
No Vasco tinha o Roberto Dinamite, que era um avançado muito bom, ficou na história do Vasco da Gama. Mas na minha infância gostava muito do Romário, o Caniggia que era da seleção argentina. Eram grandes jogadores.

Edmilson chegou ao FCP na época 1995/96

Edmilson chegou ao FCP na época 1995/96

MARCEL MOCHET

Quando foi para o Nacional da Madeira, qual foi o primeiro impacto?
Adaptei-me perfeitamente até porque a Madeira tem um clima parecido com o Brasil, entre aspas, lógico. Mas adaptei-me perfeitamente à ilha e ao clube. Os diretores do Nacional sempre me deram muito apoio e foi fruto disso que também consegui elevar-me mais em Portugal e pelos clubes todos por onde passei.

Foi fácil adaptar-se ao futebol português?
Na minha situação, sim, por causa das minhas características: bastante velocidade, bastante força física, eu tinha um pulmão muito grande para fazer o corredor todo, acho que isso também facilitou. Sei que o futebol português é muito mais duro do que o futebol brasileiro. É um futebol bastante aguerrido. Eu não fugi da luta e acho que isso também ajudou na minha adaptação ao futebol português.

Como é que vai para o Salgueiros? Tinha empresário?
Tinha, o Adelson Duarte era o meu empresário, que ainda hoje faz negócios em Portugal. Também tive proposta do Gil Vicente, cheguei a falar com o Vitória de Guimarães, mas optei pelo Salgueiros, pelo Mário Reis que era o treinador. O Ádamo, que era o guarda-redes do Nacional, tinha muita afinidade com o Mário Reis e me indicou ao Mário Reis. Então o adjunto dele foi-me ver jogar e logo avalizou a minha contratação.

Como correu? Gostou do Mário Reis?
Espetacular. Tenho profunda amizade com o Mário Reis, admiração e carinho por tudo o que ele fez por mim no Salgueiros. O que eu cresci também como jogador no Salgueiros, devo-o a ele. Fizemos uma época espetacular, ficámos a meio da tabela, em 10.º lugar. Para uma equipa como o Salgueiros é muito bom e eu fui o terceiro melhor marcador do campeonato, com 15 golos.

Destaca-se e vai para o FCP, certo?
Sim. Antes de terminar o campeonato já o Adelson Duarte me tinha dito que o Pinto da Costa tinha ido ver um jogo a Santo Tirso. Eu nem sabia que o presidente estava lá e fiz três golos. Mal acaba o jogo, o Pinto da Costa foi falar com o Adelson para fechar o contrato. Foi bastante legal.

Andreas Rentz

Como foi a adaptação ao Porto cidade e ao Porto clube?
O Porto é a minha segunda cidade. Primeiro é Colatina, apesar de ter nascido em Santa Teresa, e depois é o Porto. Uma cidade que adorei, fantástica, onde ainda hoje moro, as minhas filhas vivem lá, é uma cidade que guardo no coração. Também me adaptei perfeitamente bem ao clube, aos adeptos que me acarinharam bastante. Tudo correu bem nesses dois anos que em que estive no Porto, só tive alegrias.

A sua mulher é portuguesa?
Sim, conheci a Tânia num centro comercial do Porto. Ainda estava no Salgueiros mas já estava contratado pelo FCP. Conheci-a, começámos a namorar e dessa união saíram duas meninas: a Tatiana, que tem 20 anos, e a Bruna, que tem 15.

O que recorda de Bobby Robson e José Mourinho?
Nossa, foram fantásticos. O Bobby Robson foi quem pediu a minha contratação e para mim é um dos grandes treinadores. O Mourinho era auxiliar dele mas já se via que num futuro próximo se ia lançar como treinador. É o que é hoje, um dos melhores treinadores do mundo. Ainda lá está no top dos melhores do Mundo.

Quando diz que percebia que Mourinho iria ser um bom treinador, refere-se a quê?
Pela conduta, pelo relacionamento dele com os jogadores. Fazia essa ponte para o Bobby Robson, por isso a gente tinha essa identificação com ele. Ele sabia lidar com os jogadores. É complicado e ele fazia isso perfeitamente bem.

Adaptou-se bem à forma de pensar e de treinar de Bobby Robson?
Sim, perfeitamente. Ele já sabia como é que eu jogava no Salgueiros. Utilizava-me em várias posições que eu podia jogar. Cheguei a jogar no meio-campo e como atacante, eu e o Artur na frente, ou mais descaído como extremo direito.

Mark Thompson

Diz-se que os adeptos do FCP controlam muito os jogadores. Sentiu isso na pele?
Sim, mas acho que é normal. Tive alguns episódios mas sempre contornei bem. Era uma pessoa fácil de lidar, mas tive alguns contratempos [risos].

Pode contar um?
Lembro-me de uma vez em que praticamente já éramos campeões e empatámos um jogo, já não me lembro com quem, e depois do jogo eu saí para tomar um copo numa discoteca e houve um adepto que dentro da discoteca começou a dizer: “Vai para casa, o que é que estás a fazer aqui?” Eu resolvi da melhor maneira. Não há hipótese [risos].

O que fez?
Chamei o segurança e falei para ele que era ele ou eu.

Quem saiu?
Foi ele [risos]. Foi convidado a sair, teve que sair, não se estava a portar bem.

Chegou a ter um bar na zona da Foz.
Sim, tive o “Foz Brasil”, que era um bar discoteca e churrascaria, na zona da Foz. Mas não correu bem e acabei por fechar.

Não correu bem porquê?
Estava no Sporting e tinha o bar no Porto, era meio fora de mão para mim, e então deixei na mão de outras pessoas que não souberam gerir para mim, e, para evitar mais problemas, optei por fechar.

Na altura em que teve o bar ainda estava no FCP?
Não, já estava no Sporting. Tinha regressado de França.

Meteu-se em mais algum negócio ao longo da vida?
Não. Tenho o clube na minha terra, que é o Espírito Santo Sociedade Desportiva, disputamos os campeonatos da região.

Foi praxado no FCP?
Não, nunca me fizeram esse tipo de coisas, sempre estive bem no Porto.

De quem é que guarda memórias mais fortes desses anos no FCP?
Dei-me bem com todos os jogadores. Vítor Baía, João Pinto, Secretário, Sérgio Conceição, Aloísio, Emerson, Jorge Costa, Folha... Sempre me dei bem com eles todos. Guardo eles na lembrança, são pessoas fantásticas que fazem bem ao futebol.

Costumava participar nas almoçaradas e jantaradas com eles?
Sim, toda a quinta-feira. É disso que sinto falta às vezes. A gente se reunia depois do treino e íamos almoçar. Era fantástico. Ali é que surgiam as vitórias, o grupo era muito unido. Todos iam, ninguém faltava ao almoço. Fazia uma união espectacular.

O seu primeiro título em Portugal foi no FCP. Foi também o seu primeiro título enquanto futebolísta?
Não. No Democrata fui campeão do interior, mas isso não conta muito. Realmente o primeiro título de campeão mesmo foi no Futebol Clube do Porto. Foi espetacular.

Quando veio para Portugal estava à espera de ter uma ascensão tão rápida e ir logo para um clube como o FCP?
Eu sempre gostei muito de jogar e de fazer golos. Aquilo era uma sensação única, então eu confiava muito em mim. Acho que isso é essencial para você crescer. Sabia que jogar num clube como o FCP, o Sporting, o Paris Saint-Germain não é para qualquer um. Tem um grupo bastante grande de jogadores e todos podem jogar, então todos os dias você tem que matar um leão porque se não você perde o lugar. E eu consegui. Cheguei, comecei debaixo por jogar na reserva mas quando consegui titularidade, conquistei.

O segundo ano foi com o António Oliveira. Com que impressão é que ficou dele?
Um grande treinador. Como jogador foi fantástico, todos sabemos e como treinador também, junto com o Joaquim Teixeira, o adjunto dele. Fizeram uma boa dupla. Penso que ganhamos tudo e chegamos longe na Champions League, chegámos aos oitavos de final, acho que representámos bem o Porto.

Edmilson chega ao Sporting em 1997/98

Edmilson chega ao Sporting em 1997/98

Tony Marshall - EMPICS

Ainda vai para o Paris Saint-Germain no final dessa época ou na época seguinte?
Fui no final de 1998, no meio do ano, depois de ter sido tri campeão pelo FCP.

Antes disso, ainda há aquele famoso jogo da Supertaça, dos 5 -0 ao Benfica em que o Edmilson marcou um golo.
Memorável, sim o segundo golo.

Esse é o jogo de que tem mais memória em Portugal?
Bem tenho esse jogo, mas tem também o jogo do 3-2 em Milão, também memorável . Vários jogos interessantes mas esses foram os principais que guardo como os melhores.

Como acontece a ida para o Paris Saint-Germain e porquê?
Já tinha feito duas Champions League pelo FCP onde fui muito bem nesses jogos todos, por isso já tinha bastantes pretendentes, Olympique de Marselha, Bordéus, o La Corunha, cheguei até a conversar e negociar com o La Corunha que na altura estava bastante grande no futebol espanhol, o Inter de Milão também. Já havia um leque bastante grande de clubes e então juntamente com o meu segundo empresário, que é o Luciano D' Onofrio, escolhemos o PSG.

Como é que foi a adaptação a França e à língua francesa?
Confesso que tive um pouco de dificuldades, hoje falo mal francês. Em relação aos franceses, ao clube, eles são um pouco... Quando uma pessoa não fala a língua, eles te isolam e eu senti isso. Tanto que quando cheguei a Paris comecei logo a jogar, mas depois senti que eles me isolaram e eu comecei a não render. Tenho para mim que devia ter-me esforçado mais em ficar, esse é um dos erros que cometi no futebol, devia ter ficado em França, tinha 3 anos de contrato com o Paris Saint-Germain, poderia ter tentado um pouco mais e não quis. Naquela altura fruto também da inexperiência. Se fosse hoje ficaria.

Quando vai para Paris vai sozinho ou vai com a sua mulher e com as suas filhas?
Foi nessa altura que levei a Tânia. Começamos a morar juntos e casei com ela.

Foi em Paris que começaram a morar juntos?
A morar juntos foi em Paris. Tive que fazer uma opção, ou largo ela no Porto ou levo ela para Paris. Optei por levá-la para Paris com certeza (risos).

A sua mulher adaptou-se bem a França?
Bem. Ela fala muito bem o francês, adaptou-se melhor do que eu. Pena é que jogar era eu (risos). Foi em Paris que fizemos a Tatiana.

Como é que se dá a sua “ruptura” com o Paris Saint-Germain?
Foi fruto disso, comecei a não render. Conversei com o Ricardo Gomes que era o treinador, disse-lhe que não admitia jogar na segunda equipa do PSG porque achava que tinha qualidades. Mas ele pôs-me a jogar na segunda equipa, não gostei, disse-lhe que ia arranjar um clube e que ia embora. Ai o Raí aconselhou-me a ficar, ele também demorou um ano a adaptar-se a Paris, a França, mas realmente eu não quis ouvir. Depois comecei a negociar com o Flamengo no Brasil e o Sporting apareceu. Optei pelo Sporting porque tinha amigos no Sporting.

Quem?
O finado Manuel Pedrosa que era o diretor desportivo do Carlos Manuel. E o Carlos Manuel que é um grande amigo meu também.

Tony Marshall - EMPICS

Mas quando chega ao Sporting apanha muitos treinadores.
Havia alguma instabilidade quando cheguei. Depois do Carlos Manuel cair entrou outro treinador, vários treinadores, um italiano o Giuseppe Materazzi, depois o Augusto Inácio, isso já foi depois, no outro ano. Mas estava com muita instabilidade e realmente estava complicado naquela altura no Sporting.

Quando vem para Lisboa, vai morar para onde?
Primeiro para a Avenida de Roma, depois fui morar próximo da embaixada dos Estados Unidos.

A sua filha nasceu em Lisboa?
A minha filha nasceu em Colatina onde estou agora. Ela foi feita em França e quando estávamos de férias no Brasil, ela nasceu. Em 1998.

Quais são as recordações mais fortes que guarda do Sporting?
Com certeza o título, depois de 18 anos sem título, fomos campeões. Foi uma festa única, uma festa muito grande de que me recordo perfeitamente, desde que fomos campeões em Vidal Pinheiro naquele jogo, até ao estádio do Sporting.

Foi muito diferente do Porto?
Não, a sensação é a mesma pelo tempo sem ser campeão. As pessoas estavam bastante alegres, foram vários dias de festa.

No Sporting nunca teve problemas com adeptos ou com alguma saída?
Também tive porque eu saía muito à noite, gostava de ir a restaurantes, discotecas e saia, não tinha problemas em ir e por isso às vezes tinha uns choques. Aconteceu também no Sporting várias vezes, mas a gente contornava.

Nunca teve nenhum problema mais sério?
Não, só tive um episódio em que estacionei o carro em frente à discoteca, tinha acabado de comprar, um Ferrari, e quando saí da discoteca tinha um risco de todo o tamanho no carro. Ai fiquei bravo (risos).

De todos os técnicos que teve no Sporting, qual foi aquele que o marcou mais, aquele de quem gostou mais?
Gostei muito do Materazzi, o italiano, uma pessoa fantástica, foi uma pena ele não ter continuado no Sporting. Acho que fizeram uma injustiça com ele. Gostei muito dele, gostei do Manuel Fernandes quando chegou à equipa, do Carlos Manuel que era meu amigo e grande treinador também, do Inácio, fomos campeões com ele.

Como é que foi jogar contra o FCP?
É o que eu sempre digo quando me perguntam, nós temos que honrar o símbolo, a camisa que nos paga, eu sempre honrei, tanto que nos jogos que jogamos contra o FCP, marquei várias vezes golo e sempre comemorei.

Não houve nenhum jogador do FCPorto que se tivesse zangado consigo?
Isso são aquelas rixas normais, mas a minha maneira de estar no futebol sempre foi muito respeitada, todos gostavam de mim. Às vezes havia aqueles problemas entre brasileiros e argentinos que têm aquela rivalidade, mas comigo pelo contrário os argentinos gostavam muito de mim. O Beto Acosta, o Duscher, Kmet, a gente estava bastante juntos.

Tony Marshall - EMPICS

Entre Lisboa e o Porto, prefere o Porto?
Com certeza o Porto. Apesar de conhecer bem Lisboa onde vivi 3 anos e ser uma cidade lindíssima, fantástica, eu gosto muito do Porto.

O que é que o Porto tem de tão especial para si?
Não sei, acho que as pessoas, a cidade mesmo que é bastante bonita. As pessoas são mais aconchegantes, deve ser por isso.

Nunca foi aliciado pelo Benfica?
É uma das minhas mágoas, queria ter jogado pelo Benfica e ser campeão pelos 3 clubes, ficar na história porque são poucos os jogadores que conseguem ser campeões pelos 3 clubes e quando saí do Sporting até se falou em eu ir para o Benfica, mas acho que o Fernando Santos vetou a minha contratação justamente pelas noitadas [risos].

Ele disse-lhe isso?
Não, mas eu calculei, tinha o Jorge Baidek e o Veiga que estavam a tratar para mim e acredito que foi isso, porque dentro de campo eles sabiam das minha qualidades, tinha valor para jogar no Benfica.

Porque sai do Sporting e volta para o Brasil, para o Palmeiras, não tinha outras opções na Europa?
Porque eu também queria jogar um campeonato brasileiro, tinha esse sonho de jogar o brasileirão. Surgiu o Palmeiras, o Cruzeiro e optei pelo Palmeiras e joguei um ano lá.

Mas não jogou muito.
Não. Peguei um treinador horrível, Celso Roth. Eu falo o nome dele porque é horrível mesmo e nem sequer olhou o meu currículo, me desvalorizou porque quem me contratou não foi ele, foi o presidente do Palmeiras, ele achou uma afronta e descontou em mim. Não me deu muitas oportunidades. A única oportunidade que me deu fiz um golo. Depois ele foi despedido.

Não ficou no Palmeiras porquê?
Acabou o campeonato, ficamos a meio da tabela, o que para o Palmeiras é horrível. Entrou o Vanderlei Luxemburgo e fez uma reformulação no plantel, mandou praticamente todos os jogadores embora.

Estava sem clube?
Tinha uma proposta da China, cheguei a viajar para lá mas na hora de concretizar o contrato não deu certo. Fui para Portugal e depois voltei para o Brasil para o meu clube, mas já estava naquela curva descendente, já estava pensando em parar de jogar. O meu projeto era parar de jogar aos 30 anos, joguei até aos 34, está bom.

Era um sonho ter um clube de futebol na sua terra?
Na verdade eu sempre quis ter uma escola de futebol e ainda tenho, mas a coisa cresceu para o clube. Então jogamos, subimos de divisão, disputamos a I divisão no Brasil e chegamos até a uma Copa do Brasil o que para um clube como o Espírito Santo é bastante bom.

Depois disso vem para o Portimonense.
Sim, fui convidado pelo Dito, o treinador da altura. A cidade é fantástica, mas quando cheguei o clube estava a passar uma fase financeira dificílima. A equipa não evoluiu e nem cheguei a acabar a época, pedi ao presidente para voltar para o Brasil porque estava praticamente pagando para jogar.

Nestas suas andanças, a sua mulher e filhas estiveram sempre consigo?
Sim, sempre comigo de um lado para o outro, é a vida.

Esteve pouco tempo no Brasil porque vai jogar para a Noruega.
Sim, mas nessa época fui sozinho. O futebol norueguês é bastante viril, com bastante força física, clima muito ruim, chove muito. Peguei campos horríveis. Futebolisticamente não foi bom, mas eu acho que toda a experiência é boa, conheci outro país, conheci Oslo e outras cidades da Noruega.

Regressa ao Brasil e a seguir vai para a Bélgica.
Sempre voltava a Colatina [risos].

A sua mulher e filhas estavam lá?
Não, elas ficaram a viver na Maia. Claro que também viveram comigo em Colatina, mas depois a gente se separou e elas ficaram na Maia. Mas dou-me muito bem com a minha ex-mulher, falo com as minhas filhas todos os dias.

Como e por que razão vai para a Bélgica?
Foi um amigo meu empresário que me convidou para o RCS Visé para fazer três, quatro meses. Foi outra experiência. Mas muito frio também [risos].

Depois da Bélgica o que se seguiu?
Regressei de novo ao Brasil, para o meu clube o Espírito Santo SE.

Mas ainda passou pelo clube Guilhabreu em Portugal, ou não?
Sim. Conheci o presidente e convidou-me para fazer uma escolinha de futebol e ao mesmo tempo jogar. Eu não queria mais jogar mas como ele me convidou e fez força e como são pessoas fantásticas, cheguei a jogar com eles.

Como é que veio parar a Portugal já como coordenador técnico dos Nazarenos?
Tive um convite de um... Não vou chamar nem de empresário porque para mim é uma pessoa que tem de ser banida do futebol. Não é nem ético falar o nome dele. Basta ver o que se passou agora, jogadores irregulares, jogadores passando fome, houve bastante problemas. Eu cheguei a ir lá mas graças a Deus, Deus, me protege bastante nessas situações, não acertei com ele porque senti que não era um projeto confiável. Não por causa do presidente, o Sr. João, que é advogado e que é uma pessoa fantástica. Não. Foi realmente por esse grupo que estava investindo nos nazarenos. Acabaram tendo grandes problemas com esse pessoal. Depois disso fui para o Porto, para a Maia, sempre à procura de um projeto em Portugal.

É quando surge o Guarda Desportiva?
Sim. Um amigo meu convida-me para ir à Guarda. Fui ver, gostei da estrutura, do estádio e da cidade também, resolvemos pegar no clube e começar do zero. Estamos começando do zero, disputamos a II distrital, chegamos muito em cima da hora e a experiência só não foi perdida pelo facto de a gente estar conhecendo a cidade. Mas esse ano vamos aprender com os erros. Vamos montar uma equipa para na próxima época, sim, tentar subir de divisão para a I distrital.

Qual o seu papel na estrutura?
Sou manager. Aquilo é uma sociedade com um parceiro meu da Espanha. Fizemos uma comissão executiva onde eu faço parte da comissão e vamos eleger novamente a direção.

A ideia é fazer intercâmbio com jogadores brasileiros?
Com certeza. Não só de jogadores brasileiros como outros. Temos no nosso plantel um angolano, um guineense, portugueses, brasileiros, é fazer essa ponte. Fazer esse intercâmbio daqui do Brasil, do meu clube onde eu sou presidente mesmo, de facto. A ideia é levar jogadores que vão fazer a diferença, não adianta levar jogador que vai chegar aí e vai ser igual aos que estão aí. Têm que ser jogadores que achamos que vão render em Portugal e jogar em clubes grandes em Portugal.

Que características têm de ter os brasileiros para vingarem no futebol português?
Tem de ser um jogador veloz e forte fisicamente, além da qualidade técnica.

Qual o objetivo principal do Guarda?
Neste momento é conquistar os adeptos porque durante muitos anos o clube ficou inativo. Eu sei que para isso temos de ter uma grande equipa. Este ano não conseguimos porque foi muito rápido, mas para essa próxima época vamos fazer uma boa equipa.

Onde ganhou mais dinheiro?
No PSG.

Qual foi a maior extravagância que fez?
O Ferrari vermelho convertível [risos]. Estava na França, passei na loja da Ferrari vi, gostei do carro, estava em lançamento, era o 355 S1 Spider. Fiquei na lista de espera e fui receber ele quando estava já no Sporting.

Ainda o tem?
Não, vendi depois de sair do Sporting, quando vim para o Brasil.

Tem algum hóbi?
Não. Realmente é o futebol o meu hóbi. Gosto muito de ler, sobretudo livros de autoajuda. e leio muito a Bíblia também. Não sou católico praticante, não vou a igrejas, as minhas ideias não batem com a igreja católica, com o Vaticano, mas leio muito a Bíblia.

O que fazem as suas filhas?
A Tatiana está a estudar Desporto na Maia e a trabalhar. A Bruna está estudando no Porto.

Elas nunca cobraram o facto de andar sempre de um lado para o outro?
Não. às vezes quando eu vinha ao Brasil e ficava cá muito tempo, aí sim. Também talvez foi por aí que nós nos separamos, essas ausências por força da vida, acabou por criar algum problema.

Continua a gostar de sair à noite, de ir a discotecas?
Sim, muito, muito. Tomar a minha cervejinha e o meu vinho, gosto bastante.

Tem algum clube português preferido?
Não. As minhas filhas, por exemplo: a Tatiana é fanática pelo Sporting e a Bruna é do FCP. Eu não tenho nenhuma preferência por nenhum clube, gosto bastante dos dois, sigo os dois. Sigo até o Portimonense, o Salgueiros, o Nacional da Madeira, todos os clubes onde joguei.

E tatuagens?
Não, não gosto de tatuagens, não tenho.

Quando chegou a altura de pendurar as botas custou muito?
Não, não custou. Mantenho-me ligado ao futebol. Eu jogava mas já estava atento a outro jogadores, sempre tive o objetivo de trabalhar com jogadores, de buscar, descobrir novos talentos.

Nunca lhe passou pela cabeça enveredar por uma carreira de treinador?
Eu já fui treinador no meu clube, acho até que tenho o perfil de treinador mas teria que fazer os cursos e não tive tempo ainda. Talvez na Guarda, eu possa até começar a fazer um curso, talvez, mas eu não tenho ainda ideia.

Dos tempos que passou em Portugal qual o jogador com quem se entendia melhor em campo?
Dava-me muito bem com o Emerson, sempre fui amigo dele dentro de campo e fora de campo, saíamos muito juntos; do Jardel também, saíamos muito; o Marcos, o central do Sporting, também saía muito com ele. No Salgueiros, o Luís Carlos.

E histórias para contar?
Tenho muitas, até estou a pensar em fazer um livro com essas histórias. É um projeto.