Tribuna Expresso

Perfil

A casa às costas

“Estive em coma, parti costelas, omoplata, perfurei o pulmão, fiz uma septicemia, tive 45º de febre, fui dado como inapto. Estou aqui”

Esteve com a vida por um fio há pouco mais de um ano e chegou a ser dado como inapto para a prática desportiva. Mas Bruno Simão não é homem de baixar os braços, foi à luta e está a jogar no Casa Pia, depois de ter iniciado a carreira no clube do coração, o Benfica, e de ter passado por países como a Roménia, Moldávia, Azerbaijão ou Eslováquia. Amante da noite, confessa que demorou a amadurecer e que o irmão David, apesar de mais novo, é o seu ídolo e conselheiro. No futuro, depois de ser personal trainer, o que gostava mesmo era ter um hostel numa ilha da Tailândia, com um barzinho onde pudesse servir os seus petiscos

Alexandra Simões de Abreu

Bruno Simão no dia da entrevista à Tribuna Expresso

TIAGO MIRANDA

Partilhar

Nasceu onde?
Em França, em Versalhes. Normalmente faço sempre a mesma piada, digo que nasci no palácio [de Versalhes]. Os meus pais eram emigrantes, como muitos portugueses.

Trabalhavam onde?
O meu pai era construtor civil e a minha mãe doméstica. Somos três irmãos, com diferenças certas de 5 anos. Tenho uma irmã mais velha, a Angélica, e um irmão mais novo, David, que está neste momento a jogar no Antuérpia.

Veio para Portugal com quantos anos?
Com 6.

O que recorda da sua infância em França?
Gostei muito. Estive a jogar em França há duas épocas e voltei a morar precisamente no mesmo sítio onde fui criado até aos 6 anos. Fui para casa dos meus padrinhos que estão lá, aliás como grande parte da minha família. Foi bom reencontrar amigos passados muitos anos, ver a evolução de cada um. Lembro-me perfeitamente que só podia falar em português e na creche tive problemas porque os educadores diziam ao meu pai que eu não falava francês e que não conseguiam comunicar comigo. Mas o meu pai dizia “Português a 100%”. Só podíamos falar francês na rua.

Os seus pais regressaram a Portugal porquê e para onde?
Viemos para o sítio onde estou a morar hoje, a Abóboda, porque o meu pai é muito patriota e chegou uma altura em que disse que não podia continuar a criar os filhos em França, queria voltar ao país de origem. Queria criar os filhos em Portugal. E viemos. Vieram trabalhar no mesmo.

Desde o berço que Bruno Simão teve sempre uma bola de futebol por perto

Desde o berço que Bruno Simão teve sempre uma bola de futebol por perto

D.R.

O futebol começou onde?
Em França. O meu pai, embora num estilo mais amador, esteve sempre ligado ao futebol. Adepto ferrenho, como a maior parte da minha família, do Benfica, desde pequenino que tenho fotos, logo na maternidade, com bolas (risos). Eu era o primeiro filho homem do meu pai e ele queria mesmo que eu fosse jogador de futebol, como muitos pensam e desejam para os filhos. Fui crescendo a ir ver jogos do meu pai e quando viemos para cá houve a oportunidade. O meu pai sempre a incutir-me o futebol e um dia em conjunto com a minha mãe viram uma notícia no jornal sobre treinos de captação no Benfica. Perguntaram-me se eu queria ir treinar ao Benfica.

Tinha quantos anos?
Tinha 7, fui com os meus pais ao Benfica e fiquei. Foi uma alegria em minha casa ser formado no clube do coração.

Gostava da escola ou nem por isso?
Honestamente nunca fui muito apaixonado e muito aplicado. Gostava “qb”, tive as minhas fases como qualquer adolescente, a rebeldia contra a escola. Estava muito ligado ao futebol, em bons clubes, comecei a ir muito cedo à seleção nacional, por isso na minha cabeça eu iria ser jogador de futebol profissional e a escola não me faria falta no futuro. O que é um erro muito grande, vim a observá-lo mais tarde e depois concluí os meus estudos.

Sai da escola em que ano?
No 10º ano.

Bruno Simão começou a dar os primeiros pontapés na bola assim que aprendeu a andar

Bruno Simão começou a dar os primeiros pontapés na bola assim que aprendeu a andar

D.R.

Quando é chamado a primeira vez a uma seleção?
Tinha 15 anos. Faço o Europeu de sub-17, na Dinamarca, e felizmente para mim, digo isto com muito orgulho, o Cristiano, o melhor jogador do mundo, fazia parte dessa seleção. Nós ficamos pelos grupos, infelizmente. Tínhamos no nosso grupo o campeão e o vice-campeão.

Aos 14 anos vai emprestado para Oeiras. Porquê?
Foi na altura em que acabaram com as equipas B. O Benfica tinha como presidente o Vale e Azevedo que acabou com as equipas B e foi nessa transição de infantis para iniciados que eu, juntamente com uma grande percentagem de jogadores, fomos emprestados e outros dispensados. Foi uma escolha minha porque estava a estudar em Oeiras e o clube de Oeiras disputava o campeonato nacional. Era uma altura em que os treinadores de formação queriam e apostavam em jogadores altos, fortes e não era o meu caso. Eu era pequenino, então, juntamente com o meu compadre, Rúben Amorim, fomos os dois emprestados.

Depois volta ao Benfica.
Regressei na época seguinte, depois vou para o Estoril ainda emprestado pelo Benfica, e no último ano de juvenis o Benfica queria emprestar-me novamente e foi aí que falei com os responsáveis e disse que não queria mais empréstimos, sairia livre para o Belenenses, onde passei 3 maravilhosos anos. Dos meus melhores anos.

Notou muita diferença do Benfica para o Belenenses?
Não e fui muito bem recebido. A estrutura era boa, trabalhei com treinadores muito bons. O Pereirinha, pai do jogador Bruno Pereirinha, o Akil Momade. O Belenenses é o meu segundo clube, o Benfica do coração, desde o berço e o Belenenses pela experiência excelente por que passei. Aliás foi no Belenenses que comecei a ir à seleção nacional.

Com o equipamento do Benfica

Com o equipamento do Benfica

D.R.

É no Belenenses que faz a sua estreia como sénior?
Não, só estive na Taça. Mas cheguei a ser convocado para vários jogos.

Pelo Manuel José?
Sim, no meu primeiro ano de júnior. Na última época de juniores integrei mesmo o plantel sénior. Tivemos três treinadores esse ano, acabámos com o mister Augusto Inácio e tivemos o Vladislav Bogićević pelo meio.

Dos três com qual se entendeu melhor, do qual gostou mais?
Do Manuel José.

Porquê?
Pela filosofia. Nunca me entendi muito bem, por exemplo, com o mister Augusto Inácio. Não guardo grandes memórias dele mas é algo um pouco pessoal. Do mister Manuel José sim, deu-me oportunidade de crescer mais, era alguém que estava sempre atento aos jovens e que perdia algum tempo a explicar. Sempre com um feitio duro, vincado, mas alguém que tinha alguma atenção com os jovens.

Bruno Simão (à direita) com a mãe e o irmão

Bruno Simão (à direita) com a mãe e o irmão

D.R.

Quando ganha ordenado pela primeira vez?
No Belenenses.

No Benfica não recebia nada?
Quando era menino nas camadas jovens recebia uma ajuda para o passe. A primeira vez que recebi, era o valor do passe, num envelope, com moedas e tudo (risos). Eram 60 euros.

Dava aos pais?
Ficava com ele, os meus pais não queriam. Mas a primeira vez que recebi, lembro-me que o meu pai ia buscar-me aos treino e eu super orgulhoso, agarrei-me a ele e disse “Papá vamos jantar fora, vamos à pizzaria que hoje pago eu o jantar”.

O primeiro contrato profissional é com o Belenenses...
….750 euros ainda como júnior.

Isso é muito dinheiro para um miúdo. Lembra-se de alguma coisa que quisesse muito comprar?
(Risos) Eu queria comprar tudo. Para mim, na minha cabeça, já estava rico (risos). 750 euros para um miúdo que não tinha despesas... Acho que pensava como todos os miúdos, queria comprar roupa, queria comer em todo o lado, queria passear, achava eu que com 750 euros podia fazer tudo.

Já tinha carro nessa altura?
Não, no Belenenses ainda não.

Bruno Simão (à esquerda) com o pai e irmão

Bruno Simão (à esquerda) com o pai e irmão

D.R.

E as noitadas quando é que começam?
Infelizmente começaram cedo, perdi-me algumas vezes devido ao gosto pela noite e pela dança. A dança foi outro gosto que nasceu comigo. Lembro-me de mim ainda pequenininho e toda a gente ficar contente de ver-me dançar porque eu ouvia as músicas e dançava sozinho nos bailaricos dos casamentos. As noites começaram com 17 anos. Estava a acabar a minha formação.

Levou muitas “duras” por causa disso?
Bastantes mas demorei algum tempo a aprender. Levei de todos os treinadores com quem trabalhei, levei de colegas… .

Chegava atrasado aos treinos?
Não, não era de chegar atrasado. Estava demasiado cansado porque dois dias antes do jogo, perdia uma noite. Fui aconselhado várias vezes, não foi falta de aviso, aliás muito por culpa disso é que fui obrigado a sair, a emigrar a primeira vez, porque a opinião formada sobre mim, e eu não posso fugir à responsabilidade, assumo as minhas culpas, era a de um jogador que tinha muito talento, era bom, mas fora do campo tinha um gosto muito grande pela noite. Infelizmente isso acompanhou-me durante alguns anos.

Já perdeu esse gosto?
Não é que o tenha perdido, mas hoje em dia sou uma pessoa adulta, pai de filhos, mais ponderado. Mas demorei algum tempo a perceber e como tinha talento, isso escondia muita coisa.

É por isso que sai do Belenenses e volta ao Benfica B?
Não. Aí havia a opção de compra e a opção de renovação por parte do clube, na altura o treinador era o mister Augusto Inácio e a relação não era a melhor...

Mas porquê? Por causa das noitadas?
Honestamente não sei, nunca tivemos muito boa relação, mas sei que cheguei ao final da época e os dirigentes não quiseram renovar. Recebo um convite por parte do Benfica para regressar. O mister Rui Oliveira da formação num jogo que vou ver dos juniores entre o Alverca e o Benfica disse-me “Simãozinho quando quiseres voltar para o Benfica é só dizeres, é só falares comigo que as portas estão abertas”. Assim foi. Contactei-o logo e passado uma semana estava a assinar contrato com o Benfica, regresso à casa que eu tanto gostava e onde tinha grande parte dos meus colegas e amigos, para fazer o meu primeiro ano de sénior na equipa B, em 2004 /2005.

Bruno Simão (à direita) com Rúben Amorim, no Benfica

Bruno Simão (à direita) com Rúben Amorim, no Benfica

D.R.

Nessa altura sonhava em jogar na equipa principal...
Claro. Mas não me deslumbrei. Fui trabalhando sempre na expectativa de um dia poder ter uma oportunidade, mas nunca foi algo que me tivesse tirado o sono. Sabia da minha qualidade, sabia onde estava, sabia das oportunidades que me eram dadas, que na altura também eram muito poucas. Eu queria muito, obviamente que queria muito, era um sonho.

Por que razão só fica uma época no Benfica B?
Só tinha assinado por um ano e até me correu bem, acabámos por ser campeões, mas depois foi uma opção minha. Por ver que não ia ter mais oportunidades quis sair para tentar outras coisas.

E vai para o Barreirense.
Sim.

Ainda vivia em casa dos seus pais?
Até aí sim. Quando vou para o Barreirense já estou com a mãe da minha filha, a minha ex-mulher, a Liliana. Aliás, ainda estava no Benfica B quando saio de casa dos meus pais, compramos casa na Póvoa de Stª Iria e fomos viver juntos.

Bruno Simão com um trofeu ganho pelo Benfica, aos 12 anos

Bruno Simão com um trofeu ganho pelo Benfica, aos 12 anos

D.R.

Quando nasceu a sua filha e como se chama?
A Carolina nasceu em 2006. Comecei a namorar muito novo, tinha 19 anos.

O que fazia profissionalmente a sua mulher?
Trabalhava no Montepio Geral. É licenciada em direito.

Como é que se conheceram?
Na noite. Foi um acaso feliz o de nos termos cruzado. Só casamos em 2010, estivemos 13 anos juntos.

Esteve no Barreirense quanto tempo?
6 meses. Na altura os meus empresários eram o Dimas e o Oceano, com quem mantenho ainda hoje uma muito boa relação, principalmente com o Oceano.

Já tinha tido empresários antes?
Já. O primeiro foi o Amadeu Paixão, estava nos juvenis, penso que tinha 16 anos. Na altura o Artur Futre, o irmão do Paulo Futre que está na Proeleven trabalhava com ele e o Oceano também trabalhava nessa empresa, depois é que sai. Aliás foi o Oceano que veio ter comigo depois para eu assinar com ele e com o Dimas e como eles tinham jogado com o Rui Bento que era na altura o treinador do Barreirense, propuseram-me ir para lá. Era um salto grande para uma liga profissional, a II Liga, aceitei e gostei muito.

Notou muita diferença?
Notei. Na competitividade. Há jogos muito bons, com uma dinâmica muito boa. Há rivalidade, ali já se sente o futebol. Hoje em dia jogo no Campeonato de Portugal e não tem nada a ver com uma II Liga. É só uma liga acima mas a distância é gigante em todos os aspectos. Para já é profissional e é uma diferença grande quando te deparas com ligas amadoras ou semi profissionais, como lhe quisermos chamar. Dá gosto jogar na II Liga. Tive a oportunidade de jogar 3 anos em equipas diferentes e realmente é bom.

Bruno (1º em baixo à esquerda,) e a equipa de juvenis do Benfica com a equipa do PSG

Bruno (1º em baixo à esquerda,) e a equipa de juvenis do Benfica com a equipa do PSG

D.R.

Sai do Barreirense a meio da época porquê?
A verdade foi esta, e não guardo mágoa nem rancor ao mister Rui Bento. Começa num jogo contra o Varzim em casa, eu marcava o Mendonça, um jogador extremamente complicado de marcar. Fui expulso no início da segunda parte por acumulação de amarelos. A partir daí, eu que a par de mais alguns jogadores, era dos que tinha mais minutos, não voltei a ser convocado. Não houve nada de nada, não havia casos extra futebol, rigorosamente nada. Havia um empenho muito grande da minha parte, todos os dias, como havia antes da expulsão, para provar ao treinador que não estava relaxado. Supostamente em modos normais, após um jogo de castigo que foi o que levei, voltaria a jogar, ou pelo menos a ser convocado. Não aconteceu e passadas três semanas, quis falar com o treinador para tentar perceber o que é que se passava.

O que disse ele?
O mister respondeu-me que não dava justificação a jogadores, mas que a mim não me poderia admitir os erros que admitia aos outros. Não sei qual foi o ponto de vista dele, lembro-me de lhe ter respondido “mister, mas eu não cometi nenhum crime. Fui expulso pela acumulação de amarelos, tenho trabalhado sempre bem”. Depois disse que os grandes jogadores também falham, “o Roberto Baggio falhou um penálti numa altura decisiva”. Foi aquilo que me veio à cabeça na altura. Ficamos por ali, não há inimizade, já tive oportunidade de o encontrar, ele também já foi treinador do meu irmão nas camadas jovens da seleção… Mas foi isso que aconteceu.

Não o voltou a convocar.
Não. Até que chegou a altura da reabertura do mercado das transferências de inverno, rescindi contrato e pedi para sair. Fiquei alguns meses sem jogar, depois estive no Povoense, no clube perto de casa, onde eu morava. A dada altura vieram dois moradores ter comigo e propuseram-me jogar lá, disseram que juntavam dinheiro e pagavam-me eles o salário (risos). Disse-lhes que não.

Bruno fez o Europeu de sub-17, ao lado de Cristiano Ronaldo, com a camisola Nº6

Bruno fez o Europeu de sub-17, ao lado de Cristiano Ronaldo, com a camisola Nº6

D.R.

Nessa altura já tinha nascido a sua filha.
Sim.

Assistiu ao parto?
Não. Foi um dia complicadíssimo. Foram 19 horas de parto em que eu já não sabia o que fazer à minha vida. Ainda por cima um miúdo de 21 anos... Ela em sofrimento, levou três epidurais e eu a única coisa que me vinha à cabeça para a ajudar era o que via nos filmes, dizia “expira, inspira, expira, calma” e às tantas ela, coitada, enervada, gritou comigo “cala-te já não te posso ouvir. A respirar estou eu” (risos). Até que liguei para a tia dela que é madrinha da minha filha e pedi-lhe “por favor vem para o hospital, vem ajudar-me porque eu já não sei o que hei-de fazer. Já tremo mais eu do que ela”. Eu já gritava com toda a gente, porque ela pedia auxílio e não havia ninguém que chegasse. Foram momentos complicados. Após 19 horas pediram-me para sair porque iam levá-la para cesariana. Tive pena. Não que seja um momento bonito, penso que não, mas tive pena porque gostava de ter estado ao lado dela para lhe dar apoio.

Como é que dá o salto para a Roménia?
O empresário português Oscar Dias entra em contacto comigo através de um jogador que fez a formação e jogou comigo no Belenenses, o Diogo Andrade. Propõe-nos irmos para a Roménia, à experiência para o UTA Arad. Quando recebi a notícia não tinha conhecimento nenhum sobre a Roménia, só sobre futebol, o Dinamo, o Rapid e o Steaua, mas do país não conhecia nada. Preocupava-me. Sair tão novo para um país como a Roménia, ainda se fosse para Espanha, França, Itália...

Correu bem?
Felizmente tive a oportunidade de mudar a minha opinião, que era a que muita gente tem aqui, de que é um país mau, de pobreza, de ciganos, disto e daquilo, e não é. Há de tudo na verdade, mas eu amei jogar na Roménia, aliás foi o sítio onde gostei mais de jogar e de viver. Principalmente em Bucareste, sou apaixonado por Bucareste.

Quando chega a casa e diz que tem uma proposta para ir jogar para a Roménia, qual foi a reação?
Ficaram boquiabertos, sem saber, à espera da minha resposta. “Então, o que é que decidiste, o que é que queres fazer?” E eu: “Não sei. Mas aquilo que me estão a oferecer, caso se concretize é bom, portanto... E não vou sozinho”. Sabia que o Diogo ia. Tive uma surpresa muito agradável, voltei a encontrar no aeroporto o Edson que foi jogar para essa equipa, eu não sabia. Não via o Edson há algum tempo, conhecíamo-nos da formação do Benfica. Fechei um bocado os olhos e decidi ir.

Foi ponto assente que a sua mulher ficava cá com a sua filha?
Ficaram os primeiros 6 meses, eu fui morar com o Diogo, para ver como é que ia ser a minha adaptação. Elas foram visitar-me mais do que uma vez, e na época seguinte mudaram-se para lá.

Bruno com a ex-mulher e a filha

Bruno com a ex-mulher e a filha

D.R.

Como foi o primeiro impacto com a Roménia?
Para já, muito frio. Nós fomos em maio. Lembro-me de ter dito que estávamos a ficar, não era amarelos, mas transparentes. Com o frio ficávamos sem cor. O Edson que é cabo verdiano dizia que nunca tinha estado tão branco na vida dele (risos). Estava mesmo muito frio. E era diferente quando saia, estava habituado a cidades grandes. Graças a Deus não fui sozinho porque senão o choque teria sido maior. Arad fica a 600 kms de Bucareste. O primeiro impacto foi um choque, depois cruzei-me com o presidente que tinha um aspecto um bocado dúbio. A arquitetura, os prédios muito velhos, muitos deles com aspecto da União Soviética, para um miúdo era um bocado chocante, um bocado assustador.

Ficaram num hotel?
Ficámos. Temos um episódio fantástico que foi assinar o contrato às 4 da manhã. Isto hoje em dia tem graça, mas podia não ter tido graça nenhuma. Chegámos ao hotel com o empresário português, com o empresário romeno com quem mantenho uma amizade excelente, um empresário excepcional, a ele devo-lhe tudo no futebol, e mais o advogado do clube. Apresentam-nos os contratos mas os contratos estão em romeno. Claro está que não podíamos assinar um contrato em romeno. Isto eram umas 11 e qualquer coisa da noite e eles dizem-nos que se nós quiséssemos podíamos ir dar uma voltinha que depois nos ligavam, quando acabassem de traduzir os contratos para inglês, para podermos assinar. Lá vamos nós, os miúdos todos, o mais velho era o Edson com 24, eu tinha 22. Apanhamos um táxi e, claro, fomos beber um copo, fomos conhecer a cidade. Fomos a um bar, a outro e a outro, quando nos ligaram eram três e qualquer coisa da manhã, já estávamos alegres (risos). Portanto fomos assinar um contrato praticamente sem saber aquilo que estávamos a assinar. Tínhamos os empresários que eram quem nos podia salvar, mas se eles estivessem feitos com o clube, podíamos ter assinado um contrato que valia zero euros (risos). Na verdade correu tudo bem, graças a Deus. Aí, mais uma vez a nível financeiro eu pensei, bolas isto é dinheiro a sério. Os primeiros tempos foram fantásticos e foi excepcional jogar naquele clube. Sente-se jogador ali.

Adaptou-se bem ao futebol.
Adaptei. Tanto que ao fim de 6 meses conseguimos os objetivos. Aquilo não era uma equipa de grande nome, mas ao fim de 6 meses eu só não tinha o Steaua de Bucareste interessado, de resto já tinha o Dinamo, o Rapid, o Timisoara que era o clube rival, da cidade ao lado. Adaptei-me muito bem.

Tinha assinado por quanto tempo?
3 anos e meio.

Bruno Simão (à direita) no Barreirense

Bruno Simão (à direita) no Barreirense

D.R.

Ao fim do primeiro ano vai para o Dinamo
Sim, fui embora porque a equipa desceu de divisão e eu tinha um acordo verbal, eu e o Edson porque demos muito nas vistas, de que quando houvesse uma proposta benéfica para o clube e para o jogador, não haveria entrave nenhum e poderíamos sair.

Eles deixaram-vos sair com esse acordo verbal?
Não. Eu sai na justiça com o UTA Arad porque eles ficaram a dever-me dinheiro. Rescindi o contrato com a ajuda do nosso sindicato dos jogadores profissionais de futebol (SJPF). Rescindi porque ao fim de 60 dias sem receber, a nossa lei protege-nos dessa forma, podemos rescindir com justa causa. Mas a nível interno, na Roménia, não, só após 90 dias. Rescindi o contrato, vim para Portugal, depois o Dinamo contacta-me, vou para o Dinamo e quando vão para meter a minha inscrição na federação, ligam-me a dizer que tenho um problema, estou suspenso a nível interno. Ou seja tive de abrir mão a cerca de 80 mil euros. Cheguei a acordo com o meu clube e disse, ok, eu abro mão, quero ir para o Dinamo. Podia ser inscrito em qualquer outro país que não fosse a Roménia porque estava suspenso a nível interno. Mas o que é que pensei? Vou assinar com o Dinamo, tenho confiança no meu valor, esta época nós vamos disputar o campeonato, o título e eu vou ganhar bastante mais dinheiro do que esse, portanto vou abrir mão. O que acontece é que o campeonato não correu como estávamos à espera no Dinamo e acabei por perder esse dinheiro, que é bastante.

As coisas no Dinamo não correram como estava à espera porquê?
Porque estávamos em primeiro a 3 jornadas do fim e acabamos em quarto ou quinto. Houve uma polémica enorme porque havia uma equipa que estava ainda com pontos suspensos que nos passou e nós perdemos os últimos três jogos. E aquilo estava tudo colado. Sei que eu tinha um prémio de 100 mil dólares se fossemos campeões e..... Eu escolhi, as coisas correram mal, na Roménia as coisas também estavam complicadas, foi na altura em que foram presos muitos presidentes. Perdemos um jogo que era decisivo e começaram os problemas com os nossos adeptos. No jogo seguinte houve invasão de campo e houve invasão nos nossos balneários como em Alcochete.

Chegaram a bater-vos?
Não cheguei a levar, mas eu tinha também quem me informasse bem. Num dos treinos em que eles invadiram os balneários eu nem sequer saí de casa porque me avisaram que naquele dia eles iam em massa. Houve um jogo em que não chegamos a ser agredidos mesmo, mas fomos sacudidos. Camisolas puxadas, invadiram o campo em pleno jogo. Foram momentos complicados.

O Bruno estava bem informado como?
Tinha pessoas amigas tanto na claque como na cidade. Havia um rapaz que era compadre de um médio extremo da minha equipa, que nos protegia em qualquer parte e dava-nos essas informações também.

Bruno com a filha, Carolina

Bruno com a filha, Carolina

D.R.

Estava a dizer que a sua mulher e a sua filha foram ter consigo.
Só estiveram comigo um ano na Roménia, no primeiro clube, no UTA Arad.

Elas não se adaptaram bem?
Não foi não se terem adaptado, mas eu depois acabo por sair quando tenho aqueles problemas com o clube que não me pagava e quando vou para o Dinamo já ia para uma cidade diferente, também queria ver primeiro como é que ia correr. E na minha cabeça também não queria que a minha filha fosse criada fora de Portugal. Eu vinha cá com alguma regularidade.

A sua mulher aceitou bem?
Não foi o aceitar bem, porque nem um nem outro lidava bem com a distância. Mas na altura foi assim que decidimos. Foi um erro, porque foi muito tempo, muita distância. Perdi muitas coisas da minha filha, como os dias do pai, o primeiro dia de aulas, várias coisas.

Alguma vez a Carolina pediu-lhe para ficar?
Pediu. Tenho um episódio bastante doloroso que nunca mais vou esquecer na minha vida. Quando eu tinha de regressar à Roménia, a minha filha e a minha ex-mulher iam levar-me. E há um dia em que a minha filha já estava mais crescida e eu dizia “O pai tem que ir embora para ir ganhar tostõezinhos para ti, filha”. E na altura em que nos estamos a despedir, ela que estava no meu colo começa a chorar compulsivamente sem parar, olho para trás de mim e estava a minha ex-mulher também a chorar, comecei a chorar, acho até que mais do que as duas. Pedi à minha ex-mulher para pegar na minha filha, que precisava de fazer um telefonema e liguei para o diretor do clube. Disse-lhe “Eu não vou mais. Podem fazer o que quiserem. Podem pôr-me um processo, rescindam, tudo o que vos passar pela cabeça, mas eu não saio mais do meu país, não deixo mais a minha filha.” E não fui, fui para casa.

Ainda estava no UTA?
Sim, estava a terminar e disse que não ia mais, não conseguia ir mais. Eles deram-me uma semana e disseram para eu pensar. Obviamente eu pensei bem, desci à terra, e tinha que regressar porque não iria ser bom para mim e a nível financeiro compensava bastante, por isso é que fazia também esse sacrifício. Passado uma semana regressei e a partir daí elas nunca mais me foram levar ao aeroporto. Os meus voos eram sempre de madrugada, combinava com a minha ex-mulher para depois dizer à menina que o pai teve que sair de urgência, que lhe tinham ligado e assim a dor já não era tão forte, nem para mim, nem para elas.

Bruno Simão (à direita) a jogar pelo UTA Arad, da Roménia contra o Clu, aqui num duelo com Pedro Oliveiraj

Bruno Simão (à direita) a jogar pelo UTA Arad, da Roménia contra o Clu, aqui num duelo com Pedro Oliveiraj

D.R.

Voltando ao futebol. No Dinamo de Bucareste as coisas não correram como o esperado…
...Perdi o prémio, o presidente recusou pagar-me o último mês de salário antes de eu ir embora.

Porquê?
Porque ficou chateado e disse que não pagava a mais ninguém. Lembro-me que o capitão de equipa estava reunido com o presidente e eu estava cá fora com o meu empresário e só se ouviam gritos. Quando entrei ele simplesmente gritou comigo e com o meu empresário para sairmos da sala. “Não viste o capitão acabou de sair e eu disse que não pago a mais ninguém nem mais um tostão, ganhassem o campeonato. Eu não pago.” Foi um dos clubes em que fiquei a perder dinheiro.

Como é que surge a Eslováquia a seguir? É através do empresário romeno?
É. Estive num clube muito bom, o melhor na altura. Lembro-me de receber a chamada do meu empresário, era verão, estava com o meu irmão na Costa da Caparica a petiscar. Começa a falar do clube e quando diz Eslováquia, eu: “Não. Não quero jogar em mais nenhum país do leste”. “Mas este contrato e tal, é x”. “Eu não quero saber disso para nada. Liga-me quando tiveres um clube num país decente, não quero saber”. E desliguei. Falei com o meu irmão, disse-lhe qual era a proposta, que era na Eslováquia, e ele: “Tem calma, pensa”. Pensei, pensei, falei com a minha ex-mulher e decidi ir. Porque se já compensavam os valores que tinha tido na Roménia, ali ia ganhar muito mais. Assinei por 2 anos e meio, mas fiquei só 6 meses. Foi o maior erro que cometi na minha vida até hoje.

Ter assinado ou ter vindo embora?
Ter vindo embora.

O que aconteceu?
Aconteceu que não tive estofo para aguentar, depois do que já se tinha passado na Roménia. Na Roménia já tinha vivido alguns episódios complicados a nível de balneário, a nível de adeptos, nas cidades, aquilo é muito bom mas só quando corre bem. Quando corre mal, é complicado.

Bruno Simão (1ª à esquerda) no Dacia da Moldávia

Bruno Simão (1ª à esquerda) no Dacia da Moldávia

D.R.

Pode dar exemplo de algum susto que tenha apanhado?
Insultos, chegar a vias de facto num estádio, não estar à vontade num café ou num restaurante com a família. O Edson recebeu mesmo ameaças de morte. Que o matavam e à família... Complicado. Lembro-me dos episódios em que tinha de fazer sinais, em pleno jogo, quando as coisas não estavam a correr bem e estávamos para descer de divisão, no segundo ano. Fazia sinal à minha ex-mulher que estava na bancada para ela ir embora com o carro com a minha filha que depois eu arranjava maneira de sair com a equipa. Tínhamos de fugir pelas traseiras do estádio, de táxi. Quem passasse à frente, era carros amolgados, vidros partidos… . No Dinamo foi a situação que foi também, com os adeptos complicados, com o presidente a mesma coisa. Na Eslováquia há um racismo enorme. Tenho vários episódios. Passei por dois. Um, quando ganhamos um jogo em casa vamos aplaudir e agradecer à claque e houve adeptos da nossa claque que cuspiram em jogadores que eram de raça negra. Vivo mal com isso. Tenho outro episódio em que os próprios jogadores, dentro do balneário, queriam andar à porrada com um miúdo da Costa do Marfim. Eu meti-me no meio para não deixar que as coisas acontecessem, não podia permitir aquilo.

Queriam andar à pancada com ele porquê?
Porque há um racismo muito grande dentro de muitos deles. Foram episódios que me marcaram. Rescindo contrato sem pedir autorização, sem falar com ninguém. E já estava tudo estabelecido que a minha filha e a minha ex-mulher iriam morar comigo na época seguinte, porque eu também fui para lá a meio. Realmente tinha todas as condições, elas tinham gostado, mas não dava para mim. Foram alguns episódios e eu juntei tudo aquilo que já tinha passado no leste e comecei a ficar... Quando rescindi foi uma surpresa infeliz para a minha ex-mulher. Assumo que foi um erro porque seria tudo diferente se tivesse ficado e eu não tive a capacidade para aguentar, chegou a um ponto em que explodi mesmo. Para eles também lhes convinha porque para além de mim, tinham mais dois jogadores muito bem pagos e eles estavam a começar a ter alguns problemas financeiros. Foi um acordo mútuo. A rescisão foi boa para o meu lado. Na Roménia tudo passava quando entrava em casa e via a minha filha pequenina a brincar e a minha ex-mulher, mas eu não tive essa capacidade na Eslováquia e rescindi. Tive uma proposta ainda melhor de um clube no país ao lado, na República Checa, mas não fui, não aceitei.

Qual era o clube?
O Slavia de Praga. Mas disse mesmo ao meu empresário “Esquece. Desta vez é mesmo para esqueceres. Não vou para mais nenhum país de leste. Pode ser o melhor do mundo, mas eu não vou mais. Não aguento mais isto”.

Bruno Simão (à direita) com a Taça que conquistou no FC Milsami Orhei da Moldávia

Bruno Simão (à direita) com a Taça que conquistou no FC Milsami Orhei da Moldávia

D.R.

Mas acaba por voltar à Roménia, jogou no Astra...
Volto numa altura em que o meu irmão estava no primeiro ano de sénior, no Fátima e eu estava a manter a forma com ele. Era o Rui Vitória o treinador. Estive para assinar pelo Fátima. Não assinei porque o mister Rui disse-me “Bruno, eu gostava muito de contar contigo, sabes que sim”, eu já o conhecia da formação no Benfica, “mas nesta altura se assinares, pode criar confusão no balneário” porque a época já está avançada, faltava um mês e meio para acabar a temporada. Entretanto um diretor que eu tinha tido no Dinamo tinha passado para esse clube, o Astra, e perguntou-me se eu não queria ir.

O Rui Vitória explicou que confusão podia criar se assinasse pelo Fátima?
Ele já tinha jogadores na minha posição e se eu fosse era para jogar, por isso… Foi uma opção dele e eu gosto muito do mister Rui, o meu irmão tem uma relação excelente, foi treinador dele no Paços de Ferreira no ano seguinte. O Astra ofereceu-me um contrato de 10 mil euros para fazer um mês, em que 6 mil eram ordenado e 4 mil prémio se a equipa se mantivesse na 1ª liga. E eu, claro que sim. O treinador tinha sido um dos quatro treinadores que eu tinha tido no UTA. Fui e acabei por perder dinheiro em mais um clube.

Então?
Porque desse valor pagaram-me os 6 mil, o meu ordenado, os 4 mil euros não me pagaram porque alegaram que eu já tinha recebido. O que é que acontece: nós tínhamos prémios de jogo, e nesses 4 ou 5 que fui fazer, ganhámos, tivemos um prémio bom e assinámos uma folha em como tínhamos recebido esse prémio. E eles fizeram ali uma falcatrua e esses prémios puseram nos 4 mil, ou seja como se já me tivessem pago os 4 mi. Mas os 4 mil que eles me tinham falado no meu contrato, era o prémio de manutenção, só que eles alegaram que já tinham pago. Meti um processo no clube e um dia mais tarde, já em Portugal, recebo um telefonema do mesmo diretor a dizer: “Tu meteste um processo aqui ao clube? Então vais ver que ainda vais ser tu que vais pagar ao clube”. Neste momento tenho um processo na Roménia em que eles dizem que eu levei equipamentos para casa, ou seja que estou a dever ao clube cento e tal mil euros. Isto é incrível, as coisas que se passam na Roménia, aliás, como na maior parte dos países do leste ou em países como o Chipre, onde também estive, e onde não existe verdade desportiva, vale tudo. Gostei muito de estar na Roménia, a nível financeiro poderia ter sido muito bom e não foi, porque honestidade não existe.

Bruno Simão no dia da entrevista à Tribuna Expresso

Bruno Simão no dia da entrevista à Tribuna Expresso

TIAGO MIRANDA

Azerbaijão, como é que surge?
Não gostei. Surge através do meu treinador no Dinamo. Ele foi para lá e quis levar-me para o Azerbaijão.

Antes de ir que ideia é que tinha do Azerbaijão?
Não tinha. E não gostei mesmo nada, zero. Ganhei lá a taça mas não gostei nada.

Porquê?
Porque para já passávamos o tempo quase todo em estágio. A nossa cidade, Lankaran, ficava a 3, 4 horas de Baku, a capital que é uma cidade enorme mas que não consigo gostar, pelas pessoas, tudo muito velho, casas, carros, toda a gente, 90% das pessoas vestem-se todas de preto ou de azul escuro. Eu era observado, saia à rua e por causa das tatuagens as pessoas viram-se para trás a comentar... Não gostei mesmo nada. O futebol também não era nada atrativo.

Ficou num hotel ou numa casa?
Tínhamos um apartamento onde passávamos lá 2, 3 dias e o resto em estágio. Foram seis meses assim. Ficamos em 2º lugar, mas ganhamos a taça. Foi a parte boa para ter no currículo, porque não gostei mesmo nada.

Bruno Simão com a mãe e a irmã

Bruno Simão com a mãe e a irmã

D.R.

Teve algum episódio engraçado no Azerbaijão?
Tive, na final da taça houve confrontos com a polícia, nós com a polícia. Quiseram levar-nos.

Então porquê?
Não sei, eu também não percebia aquilo. Turco e russo são duas línguas que não percebo. Começou tudo com uma coisa de nada, entre um diretor nosso e o árbitro e depois veio a polícia e ele bateu num polícia, depois veio a polícia toda. E eu para separar o polícia, ele pensava que eu queria bater-lhe e também já estava agarrado a mim, foi uma confusão do tamanho do mundo.

Foi parar à esquadra?
Não, mas foi por um triz. Lá conseguiram resolver. Mas para passar o dinheiro no final da época para vir embora foi outro número. Teve que ser numa mala, uma mala com dinheiro porque não conseguíamos fazer transferências. Dois colegas meus foram presos, cerca de 20 minutos antes de mim, porque tinham uma mala com 80 mil dólares lá dentro. A polícia descobriu, confiscou a mala e eles tiveram de pagar uma multa. Acho que o clube estava feito com a polícia e dos 80 mil tiveram que deixar 30 mil.

Não lhe aconteceu o mesmo?
A mim não. Transpirava por todo o lado, também levava um valor alto e tinha despachado tudo na mala. Tinha 10 mil dólares comigo, no bolso, e o resto levava dentro da mala. Ia para França ter com os meus pais, a minha ex-mulher e a minha filha também estavam lá. Lembro-me de chegar ao Charles De Gaulle e a minha mala nunca mais vinha. “Não acredito que me ficaram com a mala... O meu dinheiro...” (risos) Já transpirava por todo o lado, nervoso. Quando a mala veio a primeira coisa que fiz foi abrir e ver se tinha lá o dinheiro. Graças a Deus, tinha. Mas essa viagem... Normalmente numa viagem de uma hora, 40 minutos eu durmo e aí fui desde o Azerbaijão até a França sem conseguir pregar olho, só a pensar na mala. O Azerbaijão é a única experiência que não repetia.

Bruno (à direita), com o irmão, David Simão

Bruno (à direita), com o irmão, David Simão

D.R.

Como vai para a Moldávia?
Novamente através do meu empresário romeno, que tinha parceria com um moldavo, e entrou em contacto comigo para saber se eu queria ir para a Moldávia. Pufff, novamente? Não tenho sorte nenhuma, só me calham países destes (risos). Mas vamos lá ver como é que é. E gostei. Fui muito bem recebido, os adeptos trataram-me muito bem. Aliás, regra geral, sempre fui muito acarinhado pelos adeptos.

O futebol moldavo é estimulante?
Não posso dizer que seja de alta qualidade, que não é. Está uns bons furos abaixo do português, mas por exemplo, entre a Moldávia e o Azerbeijão, prefiro muito mais a Moldávia em todos os aspectos. E estava na capital, uma cidade que adorei e que hoje em dia está linda, cresceu. Na Moldávia ganhei títulos. Uma taça, uma supertaça. Na Eslováquia, no Slovan de Bratislava, já tinha feito a eliminatória da Liga dos Campeões e da Liga Europa, joguei contra o Ajax, esse grande Ajax, na altura perdemos por 5-0 em Amesterdão. Tinha o Luís Suaréz como avançado, que fez 4 golos.

É uma emoção diferente jogar a Liga dos Campeões?
É. Nem há explicação. Para nós e para mim que na altura estava num grande clube da Eslováquia, ir defrontar uma equipa como o Ajax... Aquilo foi deslumbrante. Ver um jogador como o Suaréz, que não sabíamos que um dia mais tarde viria para o Barcelona, a jogar e tantos outros, foi fantástico. O ambiente do estádio cheio, cheio, cheio. Fomos eliminados e fomos para a fase de apuramento da Liga Europa e calhou-nos o Olympiacos. Fomos eliminados mais uma vez, perdemos 2-0 em casa e 2-0 lá. Mas uma vez mais fantástico, maravilhoso. São experiências que ficam.

Os pais de Bruno Simão estão emigrados em França

Os pais de Bruno Simão estão emigrados em França

D.R.

Estava a contar que esteve 2 anos na Moldávia. Sozinho?
Sempre sozinho. Só estiveram um ano comigo na minha primeira passagem pela Roménia, a partir dai foi sempre sozinho. Elas nem conheceram a Moldávia. Mas ainda estava casado com a Liliana, só nos separamos há 3 anos.

O que fazia nos tempos?
Estávamos juntos em casa, fazíamos muitos churrascos, havia muitos jogadores brasileiros, espanhóis. Depois levei para lá um jogador português, o Marcelo, que foi para minha casa para o ajudar porque eu domino o romeno e na Moldávia fala-se romeno e russo.

Foi fácil aprender o romeno?
Foi, ao fim de 6 meses já falava. E falo ainda hoje, as pessoas ficam surpreendidas, mas falo e com a pronúncia mesmo deles. Ao início safava-me com o inglês, o espanhol e o francês. O nosso primeiro treinador na Roménia tinha jogado em Espanha e em Itália, Marius Lăcătuş, portanto falava em espanhol connosco.

Da Moldávia tem alguma história que queira partilhar?
Para já fica marcado os dois títulos que ganhei, que foram fantásticos. Tirando isso tenho uma história que não tem graça nenhuma. Na noite, a sair de uma discoteca tenho um episódio infeliz, de desacatos com moldavos, que são um povo bastante complicado, não tem nada a ver com a Roménia e tudo o que meta parte russa são bastante mais problemáticos e mais complicados de lidar, principalmente se estiverem já com algum excesso de álcool. E foi o que aconteceu. Eu fui para ajudar uns colegas de equipa. Eu estava a ir no meu caminho para casa mas comecei a ouvir gritos e por curiosidade fui ver o que era e eram jogadores da minha equipa que estavam envolvidos em desacatos. Meti-me também, não correu bem para o meu lado também porque estávamos em minoria. Aliás, eu nem sei de onde eles estavam a chegar.

Acordou no hospital?
Não, mas quase. Não fiquei num estado bonito (risos), levei um bocado. Mas fui ajudar colegas meus que estavam metidos em problemas, eu não consigo ficar indiferente. E naquela altura, com aquelas pessoas, não dá para ir falar, infelizmente eu não podia fazer nada a não ser tentar ajudar da forma a que estava a ser desenvolvido o acontecimento e não correu bem para ninguém.

Como foi a reação no dia a seguir?
No dia a seguir estava de óculos escuros, de gorro, todo tapado. Ia no meu lugar no autocarro para o complexo desportivo e já toda a gente sabia o que tinha acontecido e às tantas o treinador vem sentar-se no lugar ao meu lado e diz "Estás bem? Tira lá os óculos". "Não tiro". "Tira lá os óculos". "Não tiro, quero estar de óculos, não posso estar de óculos". "Anda lá", a rir-se. Tirei os óculos, olhei para ele, e ele disse "Estás bonito." (risos). "Só tenho jogadores malucos na minha equipa. Mas olha tens muita sorte em estar assim porque em modo geral ou estavas no meio de um descampado ou a flutuar num rio, porque era assim que se resolviam as coisas aqui". E pronto, a partir daí cortei também com tudo o que tinha a ver com espaços noturnos, porque não se estava em segurança e eles não sabem estar.

Bruno Simão também jogou na UD Oliveirense

Bruno Simão também jogou na UD Oliveirense

D.R.

Vai-se embora para o Chipre. Como e porquê?
Vou para o Chipre através de um convite do atual treinador do Estoril, Bruno Baltazar, que tinha jogado no Chipre e tinha boas relações com o presidente. Cheguei lá, acordei uns valores aqui e cheguei lá e os valores eram outros. Todos os dias havia uma coisa diferente e uma falcatrua, até que disse chega. Nem sequer cheguei a começar o campeonato. Fiz a pré-época, fiz os jogos todos contra as equipas grandes, sempre em bom plano. E quando ia começar o campeonato o presidente começou a complicar muito, ele estava sempre envolvido também em escândalos e casos de apostas. Desde o início o valor acordado de prémio de assinatura, reduziu para metade. O valor do ordenado também, já não estava a pagar como era, e como eu já não era miúdo, já sabia das histórias todas do Chipre, mais concretamente daquela pessoa, vim embora. Como tinha estado muito bem na Moldávia, liguei para um diretor que tinha tido e que estava noutro clube e fez a passagem para eu ir novamente para a Moldávia, para o Dacia. Gostei muito de lá estar. Mas a saudade começou a bater. Eu queria vir embora, mas não tinha como, estava a jogar, jogava bem, as pessoas cumpriam comigo, gostavam de mim. Até que do nada recebo um telefonema, numa ida para o treino, de um empresário que não conhecia, salvo erro chama-se João Henriques, e que me pergunta se estou interessado em vir para Portugal. "Claro". Disse-me que o clube era o U. Leiria e eu disse ótimo, vou. "Então mas não queres saber do valor?". "Não, eu vou. Depois falamos disso. Se for certo e concreto eu arranjo já uma desculpa aqui". Eu tinha assinado se não me engano por dois anos.

E depois?
Ele disse-me que o clube só podia dar-me 700€. Eu disse "Não quero saber. Eu não vou por dinheiro. Eu quero ir para casa. Só preciso que seja certo 100%. Se for, se me deres as garantias, se me enviares tudo e me puseres a falar com as pessoas, eu trato já das coisas". E inventei uma história enorme. Houve conferência de imprensa e tudo.

O que inventou?
Inventei que estava a ter problemas em casa com a minha ex-mulher, que a ela disse que ou eu voltava para Portugal ou nunca mais me deixava ver a minha filha, que fugia com ela...E eu não podia estar sem a minha filha, ela estava a precisar muito do pai. O presidente disse que tinha muita pena, que eu ia a fazer muita falta e que as portas iam estar sempre abertas para mim, caso resolvesse a situação em casa e quisesse voltar. Acabei por subir um bocadinho os valores do contrato com o U. Leiria, mas não foi nada de especial e eu também não ia à procura de dinheiro. Aliás, abdiquei uma vez mais de dinheiro no estrangeiro para vir para aqui porque não conseguia mais estar longe, estar fora do meu país e principalmente não estar com a minha filha e com a minha ex-mulher.

Bruno Simão assume que as tatuagens são um vício

Bruno Simão assume que as tatuagens são um vício

D.R.

Como foi no U. Leiria?
Fiz 6 meses. Encontrei possivelmente o melhor grupo de trabalho que tive até hoje.

Ficou a viver em Leiria?
Sim e adorei. Elas ficaram em Lisboa, mas eu estava constantemente em casa, porque ficava a uma hora de caminho. Estávamos muitas vezes juntos.

Porque é que ainda faz uma passagem pelo Oliveirense?
Porque tinha 2, 3 propostas. A terceira foi a Oliveirense, sem eu estar à espera. Tinha o Olhanense e mais um que não me recordo. São propostas de II Liga e o U. Leiria não estava na II Liga, estava no Campeonato de Portugal. E eu ainda ia em busca...Para mim ainda era mais do que possível chegar à I Liga um dia. Essa é a minha mágoa não ter disputado em Portugal o campeonato de I Liga. Vou para a Oliveirense, quando tinha uma proposta também do Mafra, do Campeonato Nacional de Seniores, cujo treinador era o Jorge Simão. Assinei, porque já tinha uma pressão grande do Mafra, embora ainda estivesse à espera de outras respostas de II Liga, que era o meu objetivo. Acabei por assinar pelo Mafra mas disse-lhes que eles tinham de me dar uma semana e se ao fim dessa semana eu tivesse a proposta de II Liga que estava à espera, podia sair automaticamente do clube sem encargos.

É quando surge a Oliveirense.
Sim. Ligam-me, estavam interessados em mim. E no dia a seguir estava em Oliveira de Azeméis. Sou apaixonado pelo norte também, tenho uma costela minhota, a minha mãe é minhota. Fui e fiz a minha melhor época em Portugal. Fiz uma hiper-mega temporada. Com muitos jogos.

Também sozinho, sem a família?
Sim, também sozinho. A minha ex-mulher também tinha trocado de emprego e não poderia estar a trocar de trabalho.

Bruno Simão gosta de cozinhar e fotografa os pratos que faz

Bruno Simão gosta de cozinhar e fotografa os pratos que faz

D.R.

Volta a Leiria.
Sim. Não sai muito a bem. A Oliveirense não me pagou o restante que eu tinha para receber. Tentei sair a bem mas não foi possível com aqueles responsáveis. Aquela família não é muito amigável, mas não quero entrar por outros caminhos. Adorei a cidade, fui muito bem tratado, assim como a minha família cada vez que lá iam. Deixou saudades. A época foi fantástica. Guardo lá amigos bons e de verdade. Por maldade do presidente não fui para a I Liga porque houve contactos diretos com a Académica na altura. Um empresário que tive, lá de cima, ligou-me um dia e disse-me que o presidente tinha acabado de me cortar as pernas porque os responsáveis da Académica falaram com ele, estavam interessados em mim e ele deu as piores informações minhas. E eu era um jogador imprescindível na equipa, jogava todos os jogos, fui várias vezes considerado o melhor em campo. Tive várias propostas e ninguém me deixou sair. Num jogo em que sou o melhor em campo contra o União da Madeira, o treinador, Vítor Oliveira, ficou interessado, houve contactos com a Oliveirense e não me deixaram ir. Sempre a dar as piores informações da minha parte. Nunca consegui perceber o porquê, porque eu nem sequer tinha uma má relação com o presidente. Foi um choque para mim.

Foi confrontá-lo quando soube do interesse da Académica?
Não. Pensei, eu não vou confrontar o meu presidente porque ainda faltava muito para jogar e eu quero jogar. Se vou confrontá-lo e ele fez isso é porque é gente que não interessa e eu vou ser prejudicado e não vou jogar e eu quero jogar. Fui depois para o U. Leiria. Fui contactado pelo Kata, que já conhecia da altura do Fátima, naquele ano em que estive a manter a forma no clube onde estava o meu irmão. Ele era da equipa do meu irmão. Uma excelente pessoa, possivelmente das melhores pessoas que conheci no futebol. Contactou-me com a ideia de que queriam fazer um plantel para subir à II Liga. Eu tinha proposta do Atlético na altura, acabei por ir para lá a meio da época. Mas estava balanceado porque havia muito aquela conversa de que havia jogos vendidos, do chinês do Atlético e que não cumpria e que ia ficar a perder. A proposta era o dobro ou mais do que o U. Leiria me oferecia. Apesar do U. Leiria me ter oferecido um contrato muito bom em todos os aspetos, casa, alimentação, salário bom, tive um contrato muito bom, que não tinha nada a ver com a primeira passagem lá. O plantel que se formou, bom, tínhamos tudo ou quase tudo para subir à II Liga. Não se concretizou. A meio da época acabei por sair.

Porquê?
Um desentendimento com o treinador, o Casquilha, que me começou a meter de parte porque cheguei bastante atrasado num treino e ele quis-me suspender. Lá falamos e as coisas resolveram-se. Joguei novamente, mas na semana seguinte ele foi buscar um jogador para a minha posição que já tinha sido jogador dele e a partir daí começou colocar-me de parte. Continuei a fazer o meu trabalho mas cheguei a janeiro e nessa altura foi quando terminei a minha relação e passado uns tempos iniciei outra relação.

Bruno com a filha

Bruno com a filha

D.R.

Com a Merche Romero.
Sim, com quem estive quase 2 anos. E quis-me vir embora de Leiria e o chinês entrou novamente em contacto comigo. E eu disse ok. Só que a proposta que ele agora tinha para me oferecer já era metade daquilo que me tinham oferecido no início de época. Eu disse que ia na mesma porque queria ir para Lisboa. E foi assim que vim para o Atlético. Mas o U. Leiria é um clube onde gostei muito de trabalhar. Acho que está mal, as pessoas à frente do clube não são as certas, tomam decisões muitas vezes erradas, mas o clube em si é bom, também gostei muito da cidade e tenho lá grandes amigos.

Ou seja, veio para Lisboa por causa do coração...
Um bocadinho, sim. Mas também já não me estava a sentir bem no clube porque já não estava a ser opção inicial. Ainda para mais vinha para uma II Liga e tinha muitos amigos no plantel do Atlético.

A exposição pública do namoro com a Merche Romero incomodava-o?
Eu fugi e ela também, nunca fomos de aparecer muito. Nem faziamos questão disso, aliás, antes pelo contrário. O objetivo era que houvesse paz.

Como vai parar ao Fatima?
Foi através de colegas que estavam no plantel.

Não queria ficar no Atlético?
O Atlético foi outro clube que ficou a dever-me dinheiro. O chinês ficou a dever-me o último mês de salário. O clube tinha descido de divisão e as condições estavam cada vez piores. Aliás, o clube foi para os campeonatos distritais. Não havia condições para continuar no Atlético. Tinha na altura proposta do Farense também, mas Faro ainda era mais longe e depois ouvi algumas opiniões e era só "cuidado que eles não pagam, cuidado com isto e com aquilo" e resolvi ir para Fátima. Tinha lá alguns colegas na equipa, com quem tinha jogado no U. Leiria na primeira passagem. Fui para lá através deles e gostei bastante. Foi uma época muito boa.

Bruno (à direita) jogou nos US Lusitanos de França

Bruno (à direita) jogou nos US Lusitanos de França

D.R.

Depois vai parar a França. Como?
A história de França é engraçada. As propostas que eu tinha não me compensavam, não eram vantajosas. Para sair ou estar em Lisboa a ganhar 400 euros, não estava para isso. Decidi esperar até ao último dia, se não houvesse nada de interessante, para mim acabou. Um dia à noite estou no Facebook, já deitado na cama, e vejo uma noticia do meu atual treinador, Luís Loureiro, que acabou o 12º ano através do Sindicato dos Jogadores. Eu sabia que ele estava no Lusitanos, houve uma altura em que tinha falado com um diretor do Lusitanos a propôr-me, mas nunca me disse nada. E nessa noite peguei no telefone e enviei uma mensagem ao Luís: "Boa noite mister, antes de mais parabéns por ter acabado o 12º ano. Depois queria perguntar-lhe se não está interessado em ter aí um lateral esquerdo. Estou disponível. Se assim quiser diga-me alguma coisa, vou ficar à espera". Dez minutos depois ele mandou-me uma mensagem "Olá Bruno, obrigado. Estás interessado em vir para cá?"; " Se a proposta for boa, sim"; "Ok, vou falar com o presidente e ligo-te já". E foi assim. Nunca tínhamos falado antes. Passada meia hora estava o presidente a ligar-me. Depois houve problema em arranjar-me casa e eu disse-lhe para me compensar mais no salário porque não precisava de casa, nem de carro porque tinha lá familiares, os meus pais, padrinhos e primos. Fui viver para casa dos meus padrinhos, relativamente perto de Paris. Assinei, mas uma vez mais, ao fim de 6 meses quis vir embora.

Porquê?
Porque a minha filha está a crescer e cada vez mais precisa do pai. Está a entrar naquela fase de pré-adolescência e é complicado. Não conseguia estar longe. Era doloroso demais para mim, o meu coração já não era aquele forte de outros tempos quando fui miúdo para a Roménia e para a Eslováquia. Em conversa com a minha ex-mulher, com quem tenho excelente relação, ela própria dizia que precisava de ajuda porque a nossa filha está a passar uma fase um bocadinho mais complicada. Falei com o mister, disse-lhe que precisava de vir para estar perto dela, abdico do dinheiro, hoje em dia também já não são milhões, e mesmo que fossem, pela minha filha, não há nada nem ninguém mais importante. E foi assim que vim. Tinha uma proposta do Marinhense, para assinar logo, mas à última hora o Pinhalnovense com o mister Cravo, que fazia parte da minha equipa técnica no Atlético, contactou-me e ofereceu a mesma proposta. Não tive como recusar. Não fiquei muito bem na fotografia, eu sei, e peço desculpa ao Marinhense, mas ofereciam-me exatamente o mesmo em casa. Se fosse para a Marinha, era um pouco como estar fora de Portugal. Infelizmente aconteceu o pior.

Bruno (à direita) depois do acidente que teve no inicio de 2018, com os treinadores e diretor do Pinhalnovense

Bruno (à direita) depois do acidente que teve no inicio de 2018, com os treinadores e diretor do Pinhalnovense

D.R.

Teve o acidente no início do ano passado.
Sim, um acidente de mota, fiquei 3 dias em coma. Por isso é que só tenho um jogo feito. Foi a sair do Campus de Justiça, onde fui buscar o meu registo criminal para ir trabalhar para um amigo meu, na Uber, porque dava para conciliar com o futebol e sempre era mais algum que entrava. Fui para o Campus de Justiça para levantar o documento e a partir daí não me recordo de mais nada.

O que aconteceu?
Despistei-me logo na rotunda a subir para os Olivais. Fiquei inanimado no chão. Tiveram de fazer trabalho de reanimação durante 30/40 minutos. Até que sou levado para o Hospital Santa Maria e fiquei 3 dias em coma e mais 15 dias nos cuidados intensivos. Estava dado como inapto para a prática desportiva. Parti 4 costelas, a omoplata, o ombro, perfurei o pulmão. Fui operado de urgência. Quando saí dos cuidados intensivos para o quarto ainda tive mais um azar, fiz uma septicemia e levaram-me de urgência para o bloco operatório, porque já estava com 45 graus de febre. Estive meses sem poder mexer-me praticamente, em casa acamado.

Em casa de quem?
Primeiro da minha irmã e cunhado. Depois estive em casa da minha melhor amiga, a Tânia, que conheço desde os 19 anos. Os meus pais também vieram logo de França. Tive o acidente no dia de anos da minha mãe, 24 de janeiro, estava a minha mãe a festejar o aniversário quando recebeu a chamada da minha irmã a dizer que eu tinha tido um acidente muito grave e estava em coma no hospital, não sabia o que me ia acontecer.

Bruno Simão e Tânia, a sua melhor amiga que o ajudou a recuperar do acidente

Bruno Simão e Tânia, a sua melhor amiga que o ajudou a recuperar do acidente

D.R.

Como conseguiu voltar a jogar?
Foram momentos complicados. Fiquei chocado a primeira vez que me vi ao espelho. Perdi 15kgs. Estava mal. Não conseguia fazer nada. Até que um dia, em casa, consigo fazer alguns movimentos e disse para mim mesmo "Eu vou ter de ir à luta. Tenho de ir à luta e eu vou conseguir. Vou jogar". E pouco a pouco tive, como muita gente disse, uma recuperação milagrosa, ao fim de seis meses eu já estava a começar a minha pré-época. Comecei sozinho.

Foi para um ginásio?
Tive o acompanhamento de um fisioterapeuta do Pinhalnovense ao qual eu agradeço imenso, o Bernardo, porque abriu as portas do gabinete dele e foi ele que foi uma força para mim enorme. Mais do que força física até, ele dava-me força psicológica, porque fui dado como inapto. Aparece-me também mais uma vez o Sindicato, tenho de agradecer ao Dr. Evangelista que propôs e assumiram todos os encargos de um curso de personal trainer que terminei esta semana precisamente. Tiveram esse gesto para comigo e agradeço-lhes imenso, vai ser-me muito útil e tem tudo a ver comigo, eu já o queria ter tirado.

Bruno Simão no dia em que o Sindicato de Jogadores ofereceu-lhe o curso de personal trainer

Bruno Simão no dia em que o Sindicato de Jogadores ofereceu-lhe o curso de personal trainer

D.R.

Voltou a jogar esta época, agora no Casa Pia Atlético Clube.
Sim, com o meu compadre, Rúben Amorim, padrinho da minha filha e um dos meus melhores amigos desde os meus oito anos, desde que jogamos juntos no Benfica.

Foi ele que o chamou para o Casa Pai?
Não. Fui eu que entrei em contacto com ele. Meti-me com ele, quando soube que ele ia ser treinador estagiário no Casa Pia. Tinha à vontade com ele, não conhecia a restante equipa técnica e foi com ele que falei. Perguntei "Não querem aí para o Casa Pia o melhor lateral esquerdo desta divisão?" (risos). Ele disse que tinha de falar com as pessoas mas que à partida não porque já estavam 3 no plantel e eu era um jogador caro para ir para lá. Disse "Ok, tudo bem, não há problema. Desejo-vos a melhor sorte do mundo e um dia sei que vais ser um treinador que vai dar cartas". Passadas 2 semanas, eu sempre a fazer os meus treinos e a publicar os treinos de recuperação, e recebi uma mensagem "Então como é que está a correr essa recuperação?". Senti que já havia algum interesse, até que acabei por assinar, chegamos a acordo.

Como é que foi voltar a jogar depois do acidente e de tantos meses de recuperação?
Foi fantástico, emocionante. Foi uma superação fantástica e agradeço todos os dias a Deus, todos o jogos que eu faço tenho o meu ritual, as minhas rezas. Não vou todos os domingos à igreja, mas costumo ir. E no estrangeiro fazia sempre questão de também ir, na Roménia, na Eslováquia, no Azerbaijão. E este sábado vou novamente a um sítio que me diz muito, o Santuário de Fátima. Desde a falecida avó materna que passei a ir. Eu ia com elas e não consigo explicar o que sinto cada vez que piso o santuário, é uma emoção, saio de lá sempre de "rastos" mas com uma paz de espírito gigante. Sempre fui crente. Se estou aqui, com o acidente que tive, foi Deus que me quis aqui.

Emocionou-se quando voltou a jogar?
Emocionei-me no primeiro jogo e em outros jogos mais para a frente, porque voltar a jogar depois de tudo o que passei, foi uma vitória. A minha vitória é essa.

Bruno Simão no Casa Pia Atlético, clube que representa esta época

Bruno Simão no Casa Pia Atlético, clube que representa esta época

D.R.

Já pensou obviamente em pendurar as botas. A primeira vez que pensou nisso, o que queria fazer a seguir?
Sempre algo direcionado com o desporto. Este curso de personal trainer tem tudo a ver comigo, está ligado a ajudar as pessoas a alcançar objectivos, metas. É mais uma vertente para estar ligado ao futebol, se houver oportunidade, como técnico de ginásio. Mas também pensava muitas vezes que gostava de ter, e um dia hei-de ter se Deus quiser, mas não em Portugal, um hostel. A minha ideia seria numa ilha, na Tailândia por exemplo, emigrar para ter um hostel e um bar de praia. Isso é o meu sonho. Vou lutar por isso. A pessoa com quem eu estou neste momento partilha do mesmo sonho, o que foi muito engraçado quando soube.

Essa relação é recente?
É. É uma pessoa de Gaia, chama-se Cátia e à partida, não para já, irei mudar-me para o norte. Gosto muito do norte e agora tenho uma forma maior para ir para lá. Para já é enveredar por esta parte de personal trainer e depois o tempo o dirá. à partida estabeleci que este será o meu último ano como futebolista e só não será assim se eu conseguir cumprir o objectivo com o Casa Pia de subirmos de divisão. Se nos deixarem, se a federação e se os outros clubes que nos estão a tentar pôr para baixo nos deixarem, eu continuo a jogar e na II Liga que tanto gosto.

Bruno Simão é devoto de Nª Srª de Fátima e gosta de visitar o Santuário

Bruno Simão é devoto de Nª Srª de Fátima e gosta de visitar o Santuário

D.R.

Quando diz se a FPF vos deixar e os outros clubes, tem a ver com o que aconteceu há poucas jornadas, quando o Rúben Amorim deu instruções para dentro de campo, quando não o podia fazer e foi castigado, assim como o clube?
Sim, com o que aconteceu na penúltima jornada e com o caso Rúben Amorim e os 6 pontos que nos tiram e que nós ganhamos em campo justamente. E que está a pôr em causa a época de todos. É uma falta de respeito gigante, aquilo que estão a fazer com ele, porque quem serviu e tão bem o futebol português, o Benfica, o Belenenses, o Sp. Braga, a seleção nacional em campeonatos da Europa, em campeonatos do Mundo... A maior parte dos treinadores não tem habilitações para dar indicações e fá-lo muitas vezes, na I e II Liga. O Silas falou muito bem na entrevista que deu, na proteção do Ruben e dos treinadores. Acho uma vergonha o tempo que é preciso para se tirar o IV nível de treinador. Jogadores do nível do Ruben mereciam um bocadinho mais de respeito e consideração por aquilo fizeram.

A equipa técnica da qual fazia para o Rúben Amorim entretanto demitiu-se.
Sim. Estão a prejudicar principalmente o clube, e isso é grave, um grupo de trabalho que é semi profissional e que dá a vida, para além dos empregos que tem, muitos deles têm família, filhos pequenos, e uma ida à II Liga pode abrir portas para muita coisa. Estão a hipotecar isso tudo, as pessoas não pensam nisso. É triste. Uma das frases que tenho é estão a estragar o sonho que tinha de menino e que graças a Deus cumpri, que era ser jogador profissional de futebol. Mas hoje sei que o futebol não é aquele mundo cor de rosa, que eu pensava quando era menino e comecei a dar os primeiros pontapés na bola. Infelizmente vi muitos episódios tristes, muitas pessoas desonestas no futebol, não existe muitas vezes a parte humana e isso deixa-me triste e saturado. Serei um adepto de futebol, ferrenho do Benfica, ferrenho da nossa seleção. Mas quando perguntam "Então e ser treinador?". Não, obrigado.

Bruno com a atual namorada, Cátia

Bruno com a atual namorada, Cátia

D.R.

Falou no que aconteceu na penúltima jornada. Pode contar?
Fomos jogar contra o Olhanense, estávamos a perder 1-0, mas ao minuto 81 conseguimos dar a volta ao resultado 1-2, nesse momento, após os nossos festejos efusivos há invasão de campo dos adeptos do Olhanense. Não havia polícia em campo, só havia 4 seguranças, dois homens e duas senhoras, de uma empresa privada, e não garantiam a segurança dos jogadores. O árbitro esperou 30m até chegar a polícia. A polícia não chegou e o árbitro deu o jogo como terminado. A vitória seria nossa, porque o jogo não foi suspenso, foi terminado. Mas após isso houve uma pressão gigante da parte do Olhanense no árbitro. Estivemos de esperar 3 horas para que o árbitro escrevesse um relatório fechado numa sala. Só saímos às 21h de Olhão, chegamos à uma da manhã a Lisboa. A meio da viagem, às 22h30, o diretor desportivo recebe um email da FPF a dizer que teríamos de fazer o resto do jogo às 16h de segunda-feira. Ou seja, chegávamos à uma da manhã, às 8 da manhã teríamos de voltar novamente para Olhão para fazer os últimos 8 minutos. Foi informado que era impossível porque os jogadores trabalham e não poderiam àquela hora informar os patrões que não iriam trabalhar passado umas horas, porque havia jogadores que iam trabalhar logo nessa manhã. Com tudo isto, foi marcado o jogo para segunda-feira, nós não estávamos presentes, o Olhanense foi, a equipa de arbitragem foi, houve falta de comparência do Casa Pia, perdeu o jogo por 3-0 e o caso vai para tribunal. Mais uma caso, mais 3 pontos. Neste momento são 12 pontos que estão em disputa que nos metia no 2º lugar que dava acesso ao play-off com todo o mérito porque foram jogos que ganhamos e não íamos à procura de ganhar nada na secretaria. A verdade é que estamos sem esses 12 pontos. No dia 29 deste mês salvo erro sai a sentença do Caso Rúben Amorim e vamos ver. Temos tido a vida muito complicada com tanta coisa, já é o 4º treinador que temos este ano e isso mexe com o psicológico dos jogadores. O sentimento de injustiça e revolta é enorme.

Bruno no dia da entrevista, no passeio marítimo de Carcavelos

Bruno no dia da entrevista, no passeio marítimo de Carcavelos

TIAGO MIRANDA

Qual é a sua maior frustração no futebol?
Não ter jogado na I Liga em Portugal e não ter jogado com o meu irmão. Esse sim, mais do que jogar no Benfica como sénior, era o meu sonho, ter jogado no mesmo plantel que o meu irmão. Já nos defrontámos, eu no Oliveirense e ele no Arouca.

Acha que ele é melhor jogador do que o Bruno?
Essa é uma pergunta... (risos). É o meu ídolo. Sempre disse. O meu ídolo é o meu irmão tanto dentro de campo como fora.

Porquê?
Porque é o meu exemplo. É aquele que me deu sempre a par do meu pai e da minha mãe, os melhores conselhos. Temos uma relação muito próxima. Desde muito cedo, um menino muito maduro, muito adulto.

Acaba por ser como um irmão mais velho?
É tudo. É tudo. É meu irmão, meu pai, meu amigo. É o meu menino de ouro que é assim que eu lhe chamo. E não permito a ninguém dizer alguma coisa mal dele porque é pior do que me estarem a tocar a mim. Sou fã dele. Tem uma qualidade, para mim, acima da média. Não teve oportunidade. A geração dele não conseguiu singrar no Benfica, mas ele não ia fazer muito porque na altura o Benfica tinha jogadores no meio campo como o Javi Garcia, Pablo Aimar, Carlos Martins, Matic, portanto era complicado. Mas ele para mim é um senhor dentro e fora de campo.

Quando era pequeno quem eram os seus ídolos no futebol?
Roberto Carlos e Maldini.

TIAGO MIRANDA

Gostava de ter mais filhos?
Gostava e vou ter com toda a certeza. Deus me abençoe, que não haja nenhum problema meu ou da minha atual namorada.

Queria ter um rapaz?
Sim, gostava. Gostava de ter mais dois filhos, porque três é a conta que Deus fez e é a conta que Jorge Simão, meu pai, fez. A maior parte das pessoas da minha família tem três filhos. O meu pai diz que o certo é ter três filhos. E eu gostava muito também. A Cátia diz que gostava de ter dois filhos, por isso... .

É supersticioso?
Entro sempre com o pé direito. Faço sempre a minha reza, agarrado à cara da minha filha que tenho tatuada no braço. Não é bem reza, é uma fala com ela. E com os meus avós que faleceram e com dois grandes amigos que perdi, um com 18 anos, o Bruno Baião, e o outro com quem morei também algum tempo, Rodrigo Menezes. Falo sempre com eles a pedir, e com Deus nosso senhor e Nª Srª de Fátima, para fazer um bom jogo, para que ninguém se lesione dentro de campo e que a minha equipa ganhe.

Quando fez a primeira tatuagem e o que é?
A primeira foi na zona do abdómen, tinha 18 anos quando a fiz com mais três colegas meus, é o nome do meu falecido amigo Bruno Baião, em chinês. Éramos os melhores amigos, estávamos sempre juntos, nas férias ele vinha para minha casa ou eu ia para casa dos pais dele. Ainda hoje tenho uma ligação gigante com os pais e o irmão que tem um restaurante em Linda-a-Velha, o Horácio. Chocou-me muito. Fui logo para o hospital passei lá a noite. Ainda hoje sofro, ainda hoje falo e emociono-me.

Já perdeu a conta às tatuagens que fez?
(Risos) já. Já são muitas, mas não acabaram. Ainda tenho mais umas quantas que quero fazer, para infelicidade da minha mãe (risos). A mais importante que tenho é a da minha filha. Tenho a minha família quase toda tatuada, com as suas iniciais, desde os meus afilhados aos meus irmãos, pais, etc. Todas têm significado. Quero fazer a mão de Fátima numa coxa, quero fazer uma mandala na outra perna, e tenho guardado um lugar para o nome dos meus futuros filhos. E vou ter de tatuar também o rosto deles uma vez que a Carolina já teve direito à cara dela. As tatuagens são o meu vício.

Bruno Simão com a filha

Bruno Simão com a filha

D.R.

Tem algum hóbi extra-futebol?
Não. Gosto muito de passear. Tenho os meus retiros. Isso foi uma coisa que a Merche Romero me deixou, a meditação, os retiros. Vou muitas vezes para a praia sozinho, tenho o meu cantinho, a ver o mar, falo comigo. Mas o meu principal hóbi é estar com a família. Sou família 100%, não há nada mais importante. Sofro por não estar com a família. Chorava constantemente quando estava na Roménia. Qualquer coisa me fazia chorar. Acho que não é um defeito, mas sou muito emotivo. Sempre que falta e que os via na webcam já estava a chorar.

Os seus pais voltaram para França quando e porquê?
Há 10 anos, quando estalou a crise. As coisas aqui não estavam fáceis e o meu pai resolveu voltar. E ficaram lá até hoje.

Onde ganhou mais dinheiro?
Na Eslováquia.

Investiu o seu dinheiro em alguma coisa?
(Risos). Infelizmente esse foi o meu maior erro. Fiz tudo sempre sem pensar. Comprei uma casa, carro, e por aí fora... Quis fazer um grande casamento fantástico e depois não fui gerindo o dinheiro da melhor forma, não por falta de aconselhamento, a minha ex-mulher sempre tentou, mas eu fui criança e rebelde até quase aos 30 anos.

Qual foi a maior extravagância que fez com dinheiro?
Foi quando estava na Eslováquia, com a minha ex-mulher e a minha filha. Um dia peguei nelas e disse, vamos passar o dia em Viena de Áustria, onde há todas as lojas e marca e vamos gastar o dinheiro que nos apetecer, sem olhar a números. Fomos para a Louis Vuitton, para a Gucci, Dolce & Gabbana, para todo o lado e gastamos à volta de 4000 euros numa tarde.

Como prefere que o chamem, Bruno ou Simão?
Em casa sou Bruno, para os amigos, Simão.