Tribuna Expresso

Perfil

A casa às costas

Roderick Miranda: “Num treino, o Ola John tenta fazer um chapéu e o Jorge Jesus: 'Olha, olha, ainda nem arroz come e já quer comer camarão'”

Diz que não quer voltar a Portugal tão cedo, sobretudo depois de ter sido constituído arguido por suspeita de ter participado num esquema para perder um jogo, enquanto estava no Rio Ave. De regresso ao Wolverhampton, após um ano de empréstimo ao Olympiacos da Grécia, Roderick refuta todas as acusações de que é alvo e explica as passagens por Suíça e Espanha, antes de rumar a Inglaterra. Pelo meio conta histórias de balneário, fala do Benfica, de Jorge Jesus e confessa que nunca foi ao Brasil, a terra natal do seu pai, um ex-futebolista que agora é taxista

Alexandra Simões de Abreu

António Pedro Ferreira

Partilhar

Nasceu em Odivelas mas tem dupla nacionalidade.
O meu pai é brasileiro e a minha mãe portuguesa.

O seu pai também era futebolista?
Sim, também teve uma carreira. Jogou mais fora, em França, na Ilha da Reunião, e chegou aqui para jogar na 1ª divisão, no Sporting Clube da Covilhã, em 1985/86, e depois andou pela 2ª divisão, por Almeirim.

Como é que ele conheceu a sua mãe?
Quando saiu do Brasil veio viver para Portugal e a minha mãe, que é do norte, de Montalegre, na altura tinha vindo para Lisboa para trabalhar num restaurante. Um dia o meu pai foi ao restaurante, conheceram-se, começaram a namoriscar e casaram.

É o primeiro filho?
Sou o segundo, sou o mais novo. Tenho um irmão mais velho, o Kristtofferson Miranda que tem 32 anos. O tempo passa rápido, ainda ontem tinha vinte e já tenho 28 [risos].

O seu irmão também joga futebol?
Jogava mas quando subiu a sénior teve uma lesão no joelho, uma rotura com complicações no menisco, a recuperação não foi muito boa e nunca mais conseguiu entrar em competição. Começou a trabalhar mas joga de vez em quando com os amigos.

Quando era pequenino torcia por que clube?
Pelo FC Porto, porque o meu pai e o meu irmão são os dois do FC Porto. Mas com oito anos ingressei no Benfica e comecei a torcer pelo Benfica [risos], houve uma mudança. Neste momento, para ser sincero, não tenho nenhuma equipa. Tenho amigos no Benfica e se calhar tenho um carinho especial mas pelas pessoas. Se tiver amigos no Sporting, é o Sporting, se for no FC Porto é o FC Porto. Agora também tenho um carinho especial pelo Rio Ave, mas não torço por ninguém.

Roderick em bebé

Roderick em bebé

D.R.

Como é que começa a jogar no Odivelas?
Aos sete anos pedi ao meu pai para ir para o Odivelas, porque o meu irmão também lá estava. O meu pai, como sempre jogou e esteve ligado ao futebol, levava-nos muito a treinar, a mim e ao meu irmão. Ou para treinar a técnica ou correr, sempre tive essa coisinha, e depois via o meu irmão a ir treinar e também queria ir. Mas pelos vistos a primeira vez não correu muito bem [risos].

Porquê?
Porque fui ao Odivelas com sete anos, estava no treino das captações e ninguém me passava a bola e, segundo o meu pai conta, comecei a brincar com as pedras que estavam lá ao lado e o meu pai agarrou em mim e disse: “Vamos embora”. Mas no ano seguinte voltei, correu melhor e ingressei no Odivelas, nas escolinhas.

Esteve pouco tempo no Odivelas, foi logo parar ao Benfica. Como é que se dá essa mudança?
Foi através do Tamagnini Nené. Num jogo no Fófó, o Futebol Benfica. Na altura eu jogava a avançado e fazia muitos golos. Ele foi ver o jogo para me ver e quando o meu pai o encontra, pergunta-lhe o que é que estava ali a fazer: “Vim ver aqui um rapaz. Anda o Sporting e o Benfica atrás”; “E quem é?”; “É o Roderick”; “Ah, é o meu filho” [risos]. Estiveram os dois a falar e ele quase “obrigou” o meu pai a deixar-me ir para o Benfica. Passados uns dois meses fui fazer captações ao Benfica e fiquei.

O que recorda desse primeiro dia no Benfica?
Tinha nove anos e a única memória que tenho é que fui muito bem recebido. Foi uma transição muito fácil. Sei que aconteceu tudo muito naturalmente, todos os colegas que lá estavam receberam-me muito bem. Fui para uma equipa mais velha, não era da minha geração.

Faz a sua formação toda no Benfica.
Dos nove aos 18 anos.

Ficou sempre a viver em casa dos seus pais?
Sim, nunca foi necessário ir para o Seixal.

Nesse percurso da formação quais são as maiores amizades que faz?
Tenho muitas. O David Simão, o Alexandre Soares, que está no Chipre; o David Cosmeli, que agora é jogador de futebol de praia; o Sérgio Rita, treinador do Cova da Piedade; o Artur Lourenço, que estava no Atlético; o Diogo Figueiras que está no SC Braga.

António Pedro Ferreira

Quando é chamado pela primeira vez a uma seleção?
Foi à de sub-17. Foi engraçado, porque eu já era médio defensivo e num jogo em que o central foi expulso, o treinador na altura, o João Couto, meteu-me a jogar a central, e nesse jogo estava alguém da seleção a ver, deve ter gostado de mim e convocaram-me para central para a seleção. A partir daí fui sempre central, nunca mais voltei a jogar noutra posição. Mas, como comecei a avançado, qualquer dia destes vou acabar como guarda-redes [risos].

Foi recuando no campo...
Foi por causa da minha altura. No Odivelas era avançado, depois fui para o Benfica e o José Paisana pôs-me a jogar atrás porque dizia que, como eu era muito alto, conseguia ver o campo todo e então comecei a jogar a médio.

Chateou-o ter de mudar de posição?
Quando uma pessoa é criança, quer é jogar. Eu continuava a fazer muitos golos. Como era muito grande e tinha muita força fazia golos quase do meio do campo, chutava fora da área e fazia golo, então estava tudo bem para mim, não me fez muita diferença.

Como foi o seu percurso escolar?
Com 18 anos já estava na equipa principal do Benfica, por isso acabei o 12º a estudar à noite, ainda pensei entrar na faculdade, mas depois, com os horários, não dava.

Para que curso?
Não sei. Na altura achava graça à matemática ou alguma coisa virado para a química ou para a ciência, algo assim. Ou mesmo para desporto. Mas depois os horários, com as pré-épocas fora, viajar, não viajar, treino de manhã, treino de tarde... Se calhar não foi a melhor opção mas neste momento também não posso fazer nada. Acabei por desistir da faculdade.

Com um pai futebolista Roderick habitou-se à bola desde muito pequeno

Com um pai futebolista Roderick habitou-se à bola desde muito pequeno

D.R.

É em 2009/10 que faz a estreia na equipa principal, com Jorge Jesus.
Sim, ele chama-me para engrossar o plantel.

É aí que assina o primeiro contrato profissional?
Sim, quando fui chamado pelo Jorge Jesus para a pré-época na Suíça. Foi o meu primeiro contrato profissional, 1200 euros brutos, o que dava uns 700/800 euros.

Lembra-se do que fez ao primeiro ordenado?
Guardei. Nunca fui de esbanjar dinheiro. Quando já tinha o necessário comprei o meu primeiro carro.

Qual foi o seu primeiro carro?
Foi um Fiat Bravo, preto.

Lembra-se do seu jogo de estreia?
Oficial, foi com o AEK, para a Liga Europa. Já estávamos qualificados e foi um jogo em que ele deu oportunidade a vários jogadores que não jogavam e fui um deles. Ainda era júnior mas pude jogar. Antes só tinha feito jogos amigáveis na pré-época.

Estava muito nervoso?
Não, por incrível que pareça, não estava nada nervoso. Sempre fui assim.

Tem algum tipo de superstição?
Não. Entro com o pé direito e benzo-me, mas se não o fizer não vai ser por isso que vou dizer que me vai correr mal o jogo.

Dos seus tempos de formação houve algum treinador com quem tenha tido maior empatia?
Empatia, tenho de dizer o mister Bastos Lopes, porque foi uma pessoa espetacular, muito amigo. Ensinou-nos muito, aos miúdos, também pelo que passou como profissional no Benfica. Ainda hoje guardo uma boa amizade com ele, de vez em quando encontro-o na rua, ele também mora aqui em Olival de Basto, e trocamos algumas ideias. Mas quem me marcou mais foi o João Couto, porque foi quem fez a minha transição de médio para central e se calhar é graças a ele que tive esta carreira. Se tivesse sido médio defensivo podia não ter chegado aonde cheguei, teria sido um caminho totalmente diferente, não sei aonde iria dar, mas acredito que por este tive mais sucesso.

Estava na equipa principal do Benfica com 18 anos, com dinheiro no bolso. Como era com as saídas noturnas?
Os meus colegas iam todos sair e eu não me importava, ficava em casa. Os meus pais também me incutiram isso. Mas não me importava nada. Nunca fui muito de saídas. Ainda hoje se alguém diz “vamos sair”, posso ir uma vez, mas no dia seguinte já não vou. Não faz parte de mim.

Roderick (à direita) nas camadas jovens do Benfica

Roderick (à direita) nas camadas jovens do Benfica

D.R.

Com que opinião ficou do Jorge Jesus?
Posso dizer que foi o treinador com quem mais aprendi.

Porquê?
Porque futebolisticamente creio que não há um treinador que passe tanta informação ao jogador e que ensine tanto. Qualquer jogador que passe pelas mãos dele sai mais inteligente do que quando chegou. Aprende-se muita coisa dentro do campo, o detalhe, a forma como ele olha para o jogo, a forma como ele lê o adversário. A forma como prepara a equipa para os duelos e para o campeonato. Foi dos melhores treinadores que apanhei até agora, sem dúvida.

Vários jogadores já o referiram. Mas depois dizem que há um outro lado…
É o lado da comunicação. Não se expressa da melhor maneira. Acredito que nem é por maldade de querer magoar, mas às vezes deixa um pouco a desejar e faz com que possa perder alguns jogadores, que lhe viram as costas porque ficam fartos da maneira como ele trata um ou outro jogador. Mas a nível de conteúdo é um dos melhores, ninguém pode dizer o contrário.

Está a dizer que ele é um bocadinho agressivo na forma de tratar os jogadores?
Para um miúdo pode ser complicado, porque, imagina, se estamos aqui e ele quer que estejamos ali, ele dá um grito, e se for um miúdo ou um jogador que não sabe reagir pode “prender” muito, ou então pode reagir a quente e responder. É por aí que pode pecar, às vezes.

Como é que ele reage a quem lhe responde?
Por acaso reage bem. Assisti a dois ou três casos e ele reagiu bem.

Nunca lhe respondeu mais torto?
Não, nem podia, era o mais novo do plantel. Se reagisse levava um estaladão do Luisão ou do David Luiz, sei lá [risos].

Tem algum episódio mais caricato com ele?
Tenho um logo no meu primeiro ano na equipa principal. O Jorge Jesus fazia muitos exercícios só com a linha defensiva e na altura estava a fazer com os quatro titulares da defesa, o Maxi, o Luisão, o David Luiz e não tenho a certeza se era o Shaffer ou Fábio Coentrão. Havia jogadores do outro lado a ajudar no exercício e eu era um deles. Estava na zona central com uma bola. Ele começou a explicar o exercício e a movimentação que os jogadores deviam fazer e eu fiquei muito atento a tentar perceber o que ia acontecer, a tentar interiorizar movimentos e as ideias. Fiquei tão concentrado que chegou a altura em que supostamente eu devia levar a bola para fazer o um contra um, para eles trabalharem a linha defensiva, e fiquei parado, porque estava a olhar para perceber movimentos. Nessa altura o JJ vira-se para mim e dá um berro: “Ó miúdo, estás a dormir ou quê?” E eu: “Peço desculpa, estava só a tentar perceber os exercícios…” E ele: “Abre mas é os olhos senão voltas para onde vieste” [risos]. Foi uma das primeiras duras que levei.

Roderick no dia da entrevista, em Odivelas

Roderick no dia da entrevista, em Odivelas

António Pedro Ferreira

Quando era pequeno, quem eram os seus ídolos?
Como era médio, sempre gostei do Zidane, do Iniesta e do Guardiola. Atualmente gosto muito do Ronaldo, obviamente, e do Messi. Depois comecei a gostar de quem estava na minha posição: o David Luiz. Quando fui para a primeira equipa com ele, tentava perceber como é que ele estava a treinar, o que fazia. O Luisão também, pelo seu profissionalismo e pela forma como trabalhava, acredito que tenha sido o melhor capitão que apanhei e que alguma vez vou apanhar, é um ser humano fantástico.

Quando entrou no balneário do Benfica, na equipa sénior, sentiu-se intimidado?
Não. O acanhamento que senti foi só ao dar o passo para dentro do balneário. Foi só esse momento. Entrar e sentir que estavam ali Luisões, Davides Luiz, Nunos Gomes, Carlos Martins, Saviolas, Aimares, jogadores com nome, e eu a entrar ali... Mas mal entrei toda a gente me falou bem e pôs-me à vontade.

Teve alguma praxe?
Não, porque na altura do Quique Flores eu já treinava muito com eles. Ele chamava dois ou três jogadores da formação para ir treinar e eu ia muitas vezes. Então quando ingressei na época seguinte, com o Jorge Jesus, já conhecia muitos, por isso nem me fizeram nenhuma praxe. Mas claro que muitas brincadeiras iam sempre para o miúdo, que era eu.

Que tipo de brincadeiras?
Obrigavam-me a levar tudo, o treino acabava, eles chutavam as bolas todas e diziam-me: “Vá, miúdo, vai buscar tudo” [risos]. Eu tinha de ir. Hoje em dia já não há isso, mas antigamente havia. Mas não era por maldade, era mesmo por brincadeira.

Entretanto, na época de 2010/11, o Benfica acaba em 2º e o Roderick é emprestado logo a seguir ao Servette da Suíça. Porquê?
Porque a primeira época em que fiquei, ainda era júnior, depois na segunda época era para sair, ma o Jorge Jesus falou comigo e disse que era melhor eu ficar no Benfica, porque iria aprender mais com ele, do que se fosse para outro lado.

Quando diz que era para sair, era porque queria sair ou porque o aconselharam a sair?
Toda a gente me aconselhava, porque iria ser muito difícil no primeiro ano ter muitos minutos ou ter sequer minutos, quando tinha centrais de renome. E para qualquer jovem é bom jogar. Na altura não havia equipas B, a solução mais acertada seria a de sair. Mas ele falou comigo e disse que não valia a pena sair. Que com ele iria aprender e como era o meu primeiro ano a seguir à formação, iria ser importante para mim aprender a metodologia de jogo dele, os conceitos, tudo isso e acabei por ficar. Não tive muitos minutos. No ano seguinte falei com ele, e ele disse-me que se calhar era melhor eu sair para poder jogar e ter mais minutos. Também para conhecer uma nova realidade, que não era a da formação, era uma realidade diferente. E foi então que fui para o Servette, que na altura tinha o João Alves à frente.

Nessa altura tinha empresário?
Sim, o Jorge Mendes, desde os 16, 17 anos.

Foi ele que foi ter consigo?
Na altura estava com o Nélson Oliveira e fui a um jogo qualquer no norte e houve um representante, acho que o Carlos Rente, se não estou em erro, que pertencia à Gestifute, que viu o jogo e pediu ao Nélson para falar comigo, para saber se tinha algum empresário. Eu não tinha ninguém e começámos a ter contacto aí. Nos juniores as coisas começaram a correr melhor e começou a sair mais o meu nome e aí sim, conheci o Jorge e fiz o meu contrato profissional com ele.

Então o Servette surge já através da Gestifute do Jorge Mendes?
Surge através do João Alves, que tinha sido meu treinador nos juniores e que me contactou, e eu depois transmiti isso à Gestifute.

Roderick (à esquerda) fez toda a sua formação no Benfica

Roderick (à esquerda) fez toda a sua formação no Benfica

D.R.

Sai diretamente da casa dos pais para a Suíça?
Sim.

Foi sozinho?
Fui.

Foi muito duro?
Os primeiros meses, sim, porque também estive sempre a mudar de hotéis. Na altura era muito difícil arranjar casa em Genéve, como era tempo de férias estava lá muita gente e as casas estavam todas arrendadas, por isso tive de esperar. Primeiro fui para um hotel, depois fui para outro que tinha um restaurante em que podia ter refeições à borla. Foi complicado gerir aqueles dois meses, mas depois, quando encontrei casa, foi muito mais fácil. Adaptei-me rapidamente e bem.

Nessa altura já havia namoros?
Tinha uma namorada, mas quando fui para a Suíça ela ficou a estudar e optámos por terminar. Namoros de escola.

Como lhe correu a época no Servette com o João Alves?
Foi positiva. Foi a minha primeira experiência fora e também a jogar regularmente numa liga profissional sénior. Correu bem.

Um futebol muito diferente ao que estava habituado?
Sim, sim. O futebol português deve ser dos mais difíceis que andam por aí. Porque é um futebol muito tático, em que todas as equipas sabem o que fazem dentro de campo. Lá fora não. Há muito mais espaço, há muito mais liberdade e os jogos são muito mais abertos. Na Suíça lembro-me que em todos os jogos todas as equipas vinham para jogar abertamente e nós também jogávamos abertamente. Havia muito espaço e era fácil meter as bolas. Era muito fácil aparecer o um para um contra os defesas, ou quatro para quatro ou dois para dois, como também era fácil passar por dois jogadores e já estar quase na linha de ataque.

Mas o João Alves muito diferente do Jorge Jesus.
Sim, muito diferente. O João Alves é um treinador que, quando gosta, dá muita liberdade, muita liberdade.

Foi o que aconteceu consigo?
Posso dizer que sim. Ele é uma pessoa muito perspicaz, não trabalha da maneira como o Jorge Jesus trabalha, mas depois é muito perspicaz, consegue perceber as fragilidades da equipa adversária, consegue perceber qual é o momento certo para fazer uma substituição e também são essa coisas que que lhe deram alguns triunfos como treinador.

E a adaptação à Suíça, às gentes, à cultura, à língua, como é que foi?
O pior, ao início, foi a língua, mas depois como há muita gente de fora, muitos emigrantes, falava inglês e sempre me safei bem. Depois também tinha dois companheiros portugueses, o Carlos Saleiro e o João Barroca, guarda-redes. Tentava passar algum tempo com eles para não estar sozinho. A adaptação à cultura aconteceu facilmente, o pior era, por exemplo, quando queríamos ir tomar um café. Não havia cafés, tínhamos que ir para dentro de um restaurante tomar café. Entrávamos para dentro de um restaurante com as pessoas todas a comer e tu entras e pedes um café, acabava por parecer mal. Não é como aqui, lá tinhas de ir a um restaurante e então ficava em casa.

Não tem nenhuma história da Suíça que possa contar?
Lembro-me que houve uma altura em que o presidente se queixava de falta de apoio, ele queria que as pessoas se juntassem para ajudar a investir na equipa para não ser só do bolso dele. Ninguém aderiu, não queriam saber disso para nada. Então o presidente ameaçou deixar de pagar os jogadores e de meter dinheiro no clube. Chegou uma altura em que o Costinha, diretor desportivo, nos chamou ao gabinete. “Bem, vocês sabem como está a situação do clube, está complicado, e se nada acontecer até à meia-noite o clube vai acabar”. Ficámos todos chocados, ainda por cima era a minha primeira experiência fora. “Peguem nas vossas coisas e levem, porque caso o clube acabe, eles vêm aqui e vão pôr uma corrente nos portões, ninguém poderá entrar para vir buscar nada”. Nesse dia, acabou o treino de manhã, peguei numa mala e enchi com as minhas coisas todas. Como estava emprestado pelo Benfica, comecei a ligar tanto para o empresário como para o advogado do Benfica. Foi um dia muito agitado. Até às 23h55 da noite não havia nada, estava para acabar e de repente apareceu o presidente do hóquei, também do Servette, que assumiu a presidência do futebol. Na altura comprou o clube por um franco suíço, não sei como [risos]. Felizmente o clube não acabou e conseguimos ir à Liga Europa.

Roderick (à esquerda) na seleção com Danilo

Roderick (à esquerda) na seleção com Danilo

GUILLERMO LEGARIA

Na época seguinte não regressa ao Benfica, vai para o Deportivo. Porquê? O Benfica não o quis de volta?
Ia acontecer a mesma situação, ia ter poucos minutos, e como apareceu o Deportivo, achei bem e fui. Na altura até fui com o Nélson Oliveira.

Mas não esteve lá muito tempo.
Voltei em janeiro, porque não estava a correr muito bem, a equipa estava mal posicionada e o Jorge Jesus chamou-me.

Espanha não foi uma boa experiência para si, não se adaptou bem?
Adaptei-me bem, o problema é que o treinador era espanhol e tanto eu como o Nélson não tivemos muitas oportunidades. É normal, o treinador é espanhol, tem de apostar nos jogadores espanhóis, um treinador português tem que apostar nos portugueses.

Sentiu um bocadinho essa discriminação?
Sim. Mas eu acho que isso é o que está correto e em Portugal devia ser assim. E aqui é o contrário, os portugueses apostam nos outros. Acho que o que eles fazem é o certo. Mas, claro, quando se vai para lá sente-se um bocadinho isso na pele. Mas não posso falar mal de ninguém. Simplesmente sentia-se nas opções que davam a primazia aos outros, mas faz parte do futebol.

Porque é que o Jesus o chama a meio da temporada?
Porque viu que não estava a ter muitos minutos e disse para eu voltar. Foi quando se criou a equipa B. Ele disse que ia treinar com ele e que sempre que fosse preciso ia jogar à equipa B e foi assim.

Não o chateava essa situação?
Ao princípio, sim, quando me chamaram e me transmitiram isso, fiquei um bocado... Já estava a jogar na primeira divisão espanhola, numa das melhores equipas do mundo e voltar ao Benfica para a equipa B...Mas depois comecei a jogar e estava sempre ali na equipa principal, podia ser convocado, podia ter alguma oportunidade, por isso passou.

Teve um problema com o Deportivo: não lhe pagaram. Certo?
Sim, isso também ajudou um bocadinho o Benfica chamar-me porque foi na altura em que o clube abriu falência, o presidente teve uns problemas quaisquer e não pagou. Praticamente o tempo que estive lá, não me pagaram nenhum mês, nada.

Vivia do quê?
Do que tinha.

Não recebia nada do Benfica?
Não, porque o contrato não foi com o Benfica, foi com o Corunha, que depois não pagou. Mas agora, passados quase seis anos, já consegui resolver a situação.

Roderick estreou-se na equipa principal do Benfica com Jorge Jesus

Roderick estreou-se na equipa principal do Benfica com Jorge Jesus

Icon Sport

Fez poucos jogos na equipa principal do Benfica, mas houve um que o marcou, com o FC Porto. Em que diz ter sido o “bode expiatório” para justificar o 2º lugar. O que aconteceu?
O que senti é que foi um lance em que sou um dos culpados, porque há uma dobra que é feita por mim, mas que não deveria ser feita por mim, eu nem sequer devia estar lá, mas fui e depois o outro faz um remate que se calhar em 10, acerta aquele e faz golo. Foi um lance em que nunca me senti minimamente culpado, mas as pessoas gostam sempre de arranjar um culpado e arranjaram o mais novo. Esqueceram-se que houve muitos pontos perdidos, mas pronto, no futebol é assim.

Nunca sentiu nenhuma culpa, nenhum peso por causa do que diziam?
Não. Sentia o peso de ver a minha família triste por seu eu o alvo.

Teve muitos sócios a chateá-lo?
Sim, todos.

Qual foi a pior coisa que lhe disseram?
Eu nem ligava. O meu Facebook foi inundado de mensagens. Tive de o apagar para não me estar a chatear, não valia a pena. Como o Instagram não estava tanto na moda, não me chateavam tanto por aí. Mas na rua falavam, mandavam bocas, mas também era para o lado que dormia melhor.

Não lhe riscaram o carro?
Isso fizeram, mas foi no jogo da Taça e fizeram a todos. Na altura em que saímos da garagem, atiraram pedras. Acontece quando uma equipa grande perde uma final. Não é normal, não é normal, mas infelizmente é normal, se é que me faço entender.

Já namorava com a sua mulher nessa altura?
Sim. Conheci a Catarina pelo Facebook, em 2013. Tinha visto umas fotos, depois conhecia-a pessoalmente num centro comercial, onde ela trabalhava, começámos a falar, fomos tomar um café e foi a partir daí.

O que é que ela fazia ou faz profissionalmente?
Quando a conheci, estava a trabalhar numa loja de roupa e estava a tirar o curso de esteticista. Neste momento não exerce porque é chato andar sempre de um lado para o outro.

É por causa desse jogo que vai embora do Benfica?
Sim, sim.

É o próprio Benfica que manifesta não estar mais interessado em si?
Não. Senti completamente que quiseram colocar-me à frente do desaire, como este ano estão a pôr os árbitros. Quando na altura perdemos o campeonato, senti que me puseram à frente e eu, sem problemas, agarrei nas minhas malas, na altura falei com o Jorge Jesus, disse que me tinham dito para me apresentar na equipa B, já nem era na principal, e a partir daí a melhor opção era sair.

A sua ideia era ficar em Portugal ou queria ir para o estrangeiro?
Queria sair, simplesmente. O que pudesse aparecer e ser melhor, onde tivesse oportunidade de jogar mais ou tivesse melhor projeto, era o que iria escolher.

Tinha opções lá de fora ou só de cá?
Na altura tinha várias opções em Portugal.

Roderick (à direita) jogou no Servette, da Suíça

Roderick (à direita) jogou no Servette, da Suíça

FABRICE COFFRINI

Por que razão escolhe o Rio Ave?
Porque me falaram muito bem do sítio, do clube e das pessoas, da organização, da estrutura, falaram-me muito bem de tudo. O Nélson Oliveira, que é um grande amigo meu, tinha estado lá e também me falou muito bem do clube, decidi arriscar.

Vai sozinho ou já vai com a sua mulher?
Já vou com a Catarina. Ainda não tínhamos casado. Ela disse que havia possibilidade de acabar o curso no Porto e foi assim.

No Rio Ave apanha o Nuno Espírito Santo como treinador.
No primeiro ano sim. Também muito perspicaz, trabalha muito bem. Um bocado dentro da linha do Jorge Jesus, com ideias muito interessantes de jogo. O problema é que ele quis pôr-me como médio no primeiro ano. Comecei a primeira parte da época como médio e só na segunda parte é que voltei a jogar como central. Porque na altura o Filipe Augusto estava lesionado e ele queria alguém para fazer a posição. Depois o Filipe Augusto voltou.

Prefere estar como central em vez de médio?
Sim, porque já perdi muitas rotinas. É muito diferente, são posições que pedem coisas diferentes e neste momento estou muito habituado a central.

No Rio Ave apanhou, entre outros, o Ukra, que é conhecido pelas suas maluquices. Lembra-se de alguma?
Tenho muitas histórias do Ukra [risos]. Uma vez um miúdo tinha perdido a virgindade e ele obrigou-o a deitar-se no campo e a fazer com ele as posições que fez com a namorada [risos], e nós e o treinador a ver. Era um balneário espetacular, tenho lá muito amigos. O Ukra é o cabeça de cartaz, porque é uma pessoa incrível, uma pessoa muito engraçada, bem disposta. Acho que nunca o vi triste na minha vida. Acho que nunca teve um dia mau. Está sempre bem disposto, sempre pronto a fazer alguma brincadeira, alguma malandrice com alguém.

Gostou de Vila do Conde?
Gostei, gostámos muito da cidade.

Entretanto a seguir ao Nuno Espírito Santo tem duas épocas com o Pedro Martins.
Exato. No primeiro ano com ele foi quando tive a minha lesão, não tive muito jogo.

Depois da Suíça, Roderick (à direita) jogou no Deportivo da Corunha

Depois da Suíça, Roderick (à direita) jogou no Deportivo da Corunha

MIGUEL RIOPA

Essa foi a primeira lesão séria?
Foi a primeira e única até agora, assim mais séria. Rompi o tendão de Aquiles.

Alguma entrada?
Não, foi sozinho num jogo contra o Gil Vicente, em janeiro de 2015. Lembro-me que recebo uma bola no peito e na altura em que vou arrancar sinto como se alguém me tivesse dado uma porrada. Lembro-me que estava no chão e a falar: “Eu vou apanhar aquele gajo”. Porque tinha a ideia de que tinha sido o avançado que me tinha dado uma porrada. Mas o Tarantini tinha ouvido o barulho. Dizem que é como se fosse uma cadeira a partir. Só que eu estava naquela, a pensar que tinha sido o gajo que me tinha dado, e quando me levanto e vou pôr o pé, não sinto nada. Pronto. Foi complicado.

Quanto tempo esteve parado?
À volta de sete meses e meio. Bastante tempo. Chorei muito no primeiro dia. As primeiras horas foram muito complicadas. Chorei muito no balneário.

Pensou que o futebol tinha acabado?
Não, isso nunca. Dormi e no dia seguinte já tinha mudado o chip, estava focado em ficar bem, só.

Na sua última época lá apanhou o Capucho e o Luís Castro.
Sim. O Capucho com métodos diferentes. Também acho que é muito jovem e, não sei, parece-me que tem muito aquela ideia do FC Porto de antigamente, que é muita raça, muita correria, e é muito à base disso. Mas posso dizer que é um treinador de que, pessoalmente, como pessoa, gostei muito. É uma pessoa muito frontal, o que tinha a dizer, dizia logo. Não é daqueles treinadores que dizem uma coisa na cara e depois se for preciso, lixa-nos atrás. Ele não, dizia-nos tudo na cara.

Teve desses treinadores que dizem uma coisa e fazem outra?
O que não falta é isso [risos]. Mas ele era com toda a gente muito frontal e nesse aspeto gostei muito. Do Luís Castro também gostei muito da forma como trabalhava, das ideias. Acho que foram uns sete meses em que o Rio Ave se mostrou muito bem e toda a gente falava do clube na altura.

Dessas quatro épocas no Rio Ave, o que lhe ficou de melhor e de pior?
O pior é a lesão, que acaba também por ser quase do melhor, porque depois da lesão voltei muito melhor. É esquisito dizer isto, mas digo que foi a pior coisa que me aconteceu porque fiquei sete meses parado, mas acredito que voltei muito bem depois da lesão. Tinha muitas dores, agora não tenho nenhuma dor e fez bem porque cresci muito enquanto estive parado, como jogador.

Como assim?
Dizem que os jogadores amadurecem muito a jogar, eu acredito que amadureci muito no tempo em que estive parado. Estava de fora a ver os jogos, a ver os treinos e acho que nesse tempo amadureci muito a minha forma de jogar. Quando voltei, senti diferença.

Roderick esteve quatro épocas no Rio Ave

Roderick esteve quatro épocas no Rio Ave

Gualter Fatia

É nesta altura que é acusado de fazer parte de um esquema de jogos viciados.
Sim.

Alguma vez foi contactado pelo César Boaventura?
Não, nunca fui contactado por ninguém. Nem conheço o César Boaventura, só conheço agora pelas notícias.

Então como é que aparece o seu nome?
Ah, isso tem a ver com o jogo com o Feirense. Na altura estávamos em estágio e saíram muitas notícias no Facebook a dizer que as apostas tinham sido canceladas porque havia suspeita de corrupção. E foi a partir daí que se montou a história. O que ninguém diz é que quando me chamaram para o processo, para ser arguido, chamaram os quatro defesas do jogo, não chamaram o Roderick, o Marcelo, o Nadjack e o Cássio. Chamaram os quatro defesas e o guarda-redes. Ou seja não tinham ninguém, não tinham nenhum nome, chamaram só porque sim. E depois a comunicação social fez o resto, que foi meter os nossos nomes e dizer que tínhamos recebido dinheiro, que estávamos a ser investigados, que éramos arguidos. Fomos arguidos só porque nos chamaram, aos quatro defesas e ao guarda-redes.

Mas não está livre dessas acusações.
O meu advogado o que me tem dito é que só aparece lá a dizer arguido Roderick Miranda, não aparece mais nada.

Sabia que tinha o telemóvel sob escuta?
Sabia e sei que ainda tenho agora. Não dizem, mas sei que tenho.

Quando foi chamado já sabia que tinha o telemóvel sob escuta?
Não. Não porque fizemos a época toda e no último dia, estávamos num hotel todos reunidos, o nosso diretor desportivo, o Miguel, é que nos disse: “Amanhã vocês os quatro e o guarda-redes têm de ir lá”. E nós: “Mas porquê?”; “porque chamaram os quatro defesas e o guarda-redes que jogaram esse jogo”. Nós fomos a pensar que só íamos prestar declarações. Chegamos lá e dizem-nos “são arguidos”.E ficaram logo com os telemóveis. Disseram que era só por uma semana, mas foram três meses com eles. Para devolver foi uma confusão do caraças, mas pronto.

O que eles queriam saber em concreto?
Não sei que é que eles queriam saber, mas já nos estavam a acusar, a dizer que nós tínhamos recebido dinheiro e ninguém tinha recebido nada. Entretanto juntaram este processo todo dos emails, juntaram o César Boaventura, estão a juntar tudo ao processo. É fácil a associação, porque eu joguei no Benfica, mas nunca recebi. Até o jogo em que me acusam, eu nem joguei, estava cá fora.

Insiste que nunca foi contactado por ninguém para viciar jogos nem recebeu dinheiro nesse sentido?
Não. Nem fui contactado para dizer 'A', 'B' ou 'C' para fazer isto ou aquilo. É que nunca me contactaram.

Ficou surpreendido com a situação?
Sim, bastante, e fiquei ainda mais surpreendido quando pessoas de alguns clubes me estavam a acusar. Isso foi o que ainda me deixou mais estupefacto.

Quem é que o acusou?
Pessoas que falavam nas televisões, falavam como se eu fosse a “mula” que levava o dinheiro. Mas pronto, fazer o quê?

Nem nunca se apercebeu de nada no plantel e à sua volta?
Não e acredito piamente que não aconteceu nada.

Acredita que está toda a gente inocente?
Sim.

Põe a mão no fogo pelos seus colegas?
Não ponho a mão no fogo por ninguém, ponho por mim. Mas acredito piamente que nenhum deles tem nada a ver. Porque não me lembro de em nenhum jogo alguém ter feito um erro propositadamente para perdermos um jogo. Nunca.

Roderick no dia da entrevista

Roderick no dia da entrevista

António Pedro Ferreira

Vai para Inglaterra antes ou depois de toda a situação dos jogos viciados surgir?
Isso “explodiu” quando eu já estava em Inglaterra. Inglaterra apareceu pela época que fiz, correu-me bem e apareceu a oportunidade. Ainda tinha mais um ano de contrato.

Foi o Nuno Espírito Santo que o chamou?
Sim, ligou-me e disse que contava comigo para o projeto do Wolverhampton. Decidi ir. O Rio Ave também recebeu algum dinheiro.

Era um sonho?
Sim. Acho que qualquer jogador gostava e gosta de ir para Inglaterra.

Gostou dos ingleses?
Dos ingleses gostei muito, agora as cidades, a comida... é muito diferente de Portugal.

A sua mulher foi consigo?
Foi.

Na altura já tinham algum filho?
Já, o nosso filhote, o Santiago, que tinha nascido em maio, também foi. Eu fui primeiro porque o Santiago ainda só tinha um mês e eles só deixam viajar com dois. Depois foi com a mãe.

Assistiu ao parto?
Sim. Assisti a tudo.

Roderick com a mulher e o filho

Roderick com a mulher e o filho

D.R.

Qual foi a sensação de assistir ao nascimento do filho?
Sou sincero, só me apercebi quando o agarrei pela primeira vez. Porque a gravidez toda passei ao lado, a minha mulher até dizia: "Ah, tu não vais gostar do teu filho” [risos]. Porque eu não beijava a barriga, não passava a mão, não fazia aquelas coisas que supostamente dizem que os pais fazem. Eu dizia-lhe: “Ó amor, mas eu não sinto nada, como é que vou já gostar de uma coisa que eu nem sinto! Tu sentes, está dentro da tua barriga, mas eu não sinto nada”. Mas a partir do momento em que o meteram nos meus braços, aí, esquece. Foi um amor... É uma coisa esquisita de ser. É um amor que aparece assim [estala os dedos]. É maravilhoso.

A sua mulher adaptou-se bem a Inglaterra?
Mais ou menos. Não gostou muito, foi difícil para ela também.

Gostou do futebol inglês?
Gostei muito pelo espetáculo que é. Um jogo muito intenso, em que não há perder de tempo, não há aquele jogo em que dás um toquezinho e cai, não há disso. E é bom porque os adeptos que vão ao estádio querem é um jogo aberto, um jogo onde haja emoção.

Apanhou o Nuno Espírito Santo três ou quatro anos depois de já o ter tido como treinador no Rio Ave. Notou evolução?
Sim, bastante. Também são equipas diferentes, com objetivos diferentes. O Rio Ave lutava por uma boa classificação, quiçá uma Liga Europa, e ali lutávamos por um título, por uma subida. Era totalmente diferente, mas senti que a metodologia de trabalho estava muito diferente.

Depois vai emprestado para o Olympiacos. Porquê?
Estava a jogar e a meio da época houve um jogo em que ele mudou a equipa, os centrais, e a partir daí nunca mais joguei.

Ele não deu nenhuma justificação?
Falei com ele e ele disse que era o momento, que o outro tinha entrado bem, e como a equipa estava a ganhar não queria mudar. Temos de respeitar a opção do treinador. Disse-lhe: “Ok, tudo bem”. Na pré-época seguinte falei com ele e ele disse que iam ser os mesmos três que iam jogar, e para estar ali sentado também não valia a pena. Comecei a ver opções e apareceu o Olympiacos .

Mas também lhe apareceu o Sporting de Braga, não foi?
Sim, já tinha aparecido a meio da época, no Wolverhampton, e voltou no início da época seguinte.

Por que optou pelo Olympiacos?
Porque não queria voltar para Portugal.

Porquê?
Por tudo o que falámos, pela polémica que estava a acontecer, não queria voltar para cá.

Sente-se magoado?
Magoado não, mas que me faltaram ao respeito, faltaram. Acho que nunca dei justificação a ninguém para pôr o meu nome em praça pública e quererem quase “matar-me”. Por isso neste momento é um sítio onde não quero jogar. Também por tudo o que está a acontecer no futebol português, que também não está num momento ideal. Há muita polémica, por tudo e por nada há discussão, acusam os árbitros disto, os jogadores daquilo, acho que não é um bom momento para voltar para cá.

D.R.

Na Grécia como é que foi a adaptação? Gostou, está a gostar?
Gostei muito. É um país completamente diferente de Inglaterra, gostei muito do país, a comida também é muito boa. E gostei muito do clube, um clube com muitos adeptos. Já me tinham falado, mas não estava à espera de encontrar um clube com adeptos com tanta paixão, que vivessem tanto o futebol.

São diferentes dos adeptos ingleses?
Sim. Os adeptos ingleses são muito bons, mas são adeptos que reagem. Ou seja, eles reagem ao que está a acontecer. Se está a ser um bom jogo eles aparecem, se não, calam-se. Já na Grécia não, são fanáticos, comparo-os se calhar um pouco aos do Benfica, mas mais fanáticos e mais malucos.

E a próxima época?
Estive emprestado. Agora vou voltar para Inglaterra., para o Wolverhampton.

Mas é para lá ficar ou ainda não sabe?
Ainda não sei, vou ter de falar com o Nuno.

Se pudesse escolher?
Escolhia sair para um sítio onde pudesse jogar e ficar alguns anos. Estabilizar.

Isso está fora de hipótese no Olympiacos?
Está.

Porquê?
Por causa do treinador e da direção.

Não gostou do Pedro Martins?
Também é daqueles que fala uma coisa e depois faz outra. E sendo português então, ainda parece mais baixo. O futebol tem destas coisas.

Roderick (à direita) foi para o Wolverhampton na época 2017/18 onde conquistou a Championship, juntamente com outros portugueses

Roderick (à direita) foi para o Wolverhampton na época 2017/18 onde conquistou a Championship, juntamente com outros portugueses

Tim Goode - PA Images

Entretanto como é que foi o seu percurso na seleção? É chamado pela primeira vez para os sub-17.
Sim. Fiz uma qualificação para o Europeu, não nos qualificamos. Depois sub-18 também não nos qualificamos, depois sub-19 qualificamo-nos para o Europeu, fiz o Europeu.

Quando é chamado à seleção A?
Só fui pré-convocado para a seleção A, nunca fui mesmo chamado. Tive uma pré-convocatória para a Taça das Confederações, no meu último ano, no Rio Ave.

Esse é o sonho que ainda está por realizar?
Sim, claramente. Acredito que ainda consigo concretizar, mas é como lhe disse, preciso de ir para uma equipa onde esteja a jogar e que tenha alguma continuidade.

Quando é que fez a primeira tatuagem e o que é?
A primeira é o meu nome e foi o meu irmão que me ofereceu, quando fiz 16 anos. Fiz e andei com o braço tapado uma semana em casa [risos], porque os meus pais não sabiam. Mas claro que depois uma pessoa é apanhada.

Ficaram muito chateados?
Claro, mais com o meu irmão, que me pagou a tatuagem [risos]. Foi uma coisa nossa.

Tem alguma mais especial?
Tenho as iniciais da minha mulher, tenho uma maori no meu gémeo, que também tem um significado especial porque foi depois da lesão. Dizem que é para nos reerguermos com mais força quando caímos. Depois nas minhas costas tenho transcrições do “Gladiador”, o meu filme favorito. Tem lá mensagens que são de batalha. Por vezes a vida é uma batalha e isso é importante. E depois tenho aqui também a cruz da fé. Sou crente à minha maneira. Não sou praticante, não sou de ir à igreja todos os dias, mas tenho a minha fé e acredito muito.

Roderick (à esquerda)esteve emprestado ao Olympiacos na época passada

Roderick (à esquerda)esteve emprestado ao Olympiacos na época passada

Mike Egerton - PA Images

Onde é que ganhou mais dinheiro até agora?
No Olympiacos.

E onde é que tem investido o seu dinheiro?
Neste momento estamos a pensar em comprar casas para começar a alugar. Nós queríamos abrir um negócio aqui, mas é complicado porque estamos muito tempo fora, a minha mulher também não gosta de estar longe de mim, mas estamos a pensar em abrir um negócio depois.

Ligado a quê?
Mais à moda, porque ela tem um curso de fashion and styling e gosta muito disso. Abrir uma loja de roupa ou alguma coisa na área do design de moda.

Há algum clube de sonho onde gostava de jogar?
Sim, o clube de sonho onde desde pequeno gostava de jogar era o Barcelona.

O que se vê a fazer depois de largar o futebol?
Neste momento vejo-me ligado ao desporto. Treinador... Já tenho pensado nisso, para o ano vou começar a tirar o curso. Ou agente desportivo ou trabalhar no scouting.

Tem em mente alguma meta de idade para terminar a carreira de futebolista?
Não, até gostar e sentir-me bem. A partir do momento em que deixar de gostar ou parecer que estou a ser obrigado a ir, já não vale a pena.

Qual foi o melhor conselho que o seu pai, enquanto futebolista, lhe deu?
Trabalha agora e vive depois.

Os seus pais estão ambos vivos?
Sim. O meu pai ainda trabalha, tem uma empresa de táxis, tem o seu próprio táxi. A minha mãe está em casa. Era cozinheira mas agora está só por casa.

Gosta de viajar?
Gosto muito.

Qual foi o país que mais lhe encheu as medidas ou que mais o surpreendeu?
O que mais me surpreende é Portugal. Porque às vezes as pessoas falam tão mal do nosso país, que está mal, que está assim, mas já vivi tantas vezes fora, já estive em muitos sítios, e quando volto para aqui para o nosso cantinho, vejo que isto é muito bom. Vejo que há muitas pessoas a reclamar do custo de vida, que as coisas estão caras, quando vou com a minha mulher fazer compras digo: “Nossa, isto está tão baratinho”. Lá fora é tudo muito mais caro.

Já foi ao Brasil, a terra natal do seu pai?
Nunca fui ao Brasil.

Mas tem lá família, não os conhece?
Tenho lá a minha avó e um tio, mas eles já vieram cá. Se estivessem à minha espera ainda estavam para me conhecer [risos].

Para terminar, não há mais nenhuma história divertida para contar?
Tenho outra com o Jorge Jesus, no Benfica.

Força.
Tínhamos acabado o treino, estávamos a alongar, enquanto alguns avançados ainda faziam treino de finalização. Na altura estava o Ola John, holandês, a fazer a finalização, houve um cruzamento ou algo assim, e a bola ficou fora de área. Ele recebeu e tentou picar por cima do guarda-redes, fazer um chapéu, só que o guarda-redes defendeu. O JJ vira-se e diz: “Olha, olha, olha ainda nem arroz come e já quer comer camarão” [risos]. Foi uma risota geral. O Ola John não percebeu, porque mal tinha chegado e não percebia nada de português [risos].