Tribuna Expresso

Perfil

A casa às costas

André Castro: “Vi a final da Liga dos Campeões que o FC Porto ganhou em 1987 mais de 100 vezes. Já quase sei os comentários de cor”

Depois de aprender os primeiros passes no clube da terra, o Gondomar, o FC Porto chamou-o, apenas com 11 anos. Na ida para os treinos na Constituição chegou a ser assaltado duas vezes, mas nunca desistiu de jogar no clube do coração, onde fez um dos maiores amigos, João Moutinho. Foi emprestado ao Olhanense, onde diz ter aprendido muito com Jorge Costa, estreou-se lá fora, no Sporting de Gijón, e regressou ainda ao FC Porto, antes de iniciar aventura na Turquia, onde ainda joga. Casado e pai de um filho, conta-nos de forma solta e divertida algumas histórias do FC Porto, da seleção, de Ukra e até oferece em primeira mão um vídeo que fez com colegas, imitando o estilo Harlem Shake

Alexandra Simões de Abreu

David Ramos

Partilhar

É de Gondomar. Fale-nos um pouco da sua família.
O meu pai é pasteleiro, tem uma confeitaria, e a minha mãe vende os bolos cá fora. Trabalharam sempre juntos e continuam a fazer a mesma coisa. Tenho duas irmãs. Uma é mais velha cinco anos e a outra é mais nova do que eu 16 anos. A minha irmã mais nova, Beatriz de Castro Pereira, é campeã nacional dos 1000m. Bateu um recorde com mais de 20 anos que era da Fernanda Ribeiro, o recorde regional dos 1000m, em infantil.

Gostava da escola?
Sempre gostei muito da escola. Do infantário não gostava porque era muito ligado à minha mãe e não queria ficar sem ela, por isso depois de três, quatro dias a chorar muito, a minha mãe decidiu que eu ficava em casa e podia jogar à bola com meus amigos na rua [risos]. A minha mãe diz que quando eu tinha três, quatro anos e chorava muito, a única maneira que tinha para me calar era pôr-me a ver o jogo do FC Porto em que eles ganharam a Liga dos Campeões, em 87. Eu vi esse jogo mais de 100 vezes, diz ela [risos]. É verdade. Já quase sei os comentários de cor [risos].

Nessa altura quem eram os seus ídolos?
Gostava muito do Roberto Baggio. Lembro-me de uma vez ir passar férias a Benidorm e o meu pai comprar-me uma camisola do Roberto Baggio.

André Castro, na praia

André Castro, na praia

D.R.

Toda a gente torcia pelo FC Porto lá em casa?
Toda a gente. O meu bisavô, Francisco Castro foi jogador do FC Porto e da seleção também. O primeiro campeonato que o FC Porto ganhou foi com o meu bisavô. E o meu pai deu-me o nome de André, por causa do André que jogava no FC Porto. Acabei por jogar com o filho dele, que é o André André, e já tive a oportunidade de estar com o pai dele e dizer-lhe que devo o meu nome a ele.

Como vai parar pela primeira vez a um clube, neste caso ao Gondomar?
Primeiro joguei futebol de 5. Com cinco anos já jogava com os de oito anos no Dramático de Rio Tinto. Era um amigo do meu pai que me ia buscar a casa e queria que eu fosse jogar. Eu era o mais pequenino. Depois com sete ou oito anos, um outro amigo do meu pai, o senhor Ângelo, levou-me para o Gondomar.

Nessa altura jogava em que posição?
Sempre a médio. Jogava pelo Gondomar ao sábado e no domingo jogava futsal por uma equipa que se chamava Caça e Pesca, o meu fim de semana era de futebol.

Desde pequeno que sonhava em ser jogador de futebol ou houve aquela fase em que queria ser outra coisa, médico, bombeiro, polícia...
Nunca me passou mais nada pela cabeça, sinceramente.

Com o que mais sonhava, jogar no FC Porto ou na seleção?
Nunca fui de sonhar muito. Não era o chegar à seleção ou ao clube... Tinha sempre aquela ideia de que gostaria de jogar no FC Porto, mas nunca fui de sonhar muito, as coisas simplesmente foram acontecendo.

André Castro torce pelo FCP desde pequeno

André Castro torce pelo FCP desde pequeno

D.R.

Esteve no Gondomar três anos.
Sim. Depois, num jogo contra o FC Porto, disseram-me que me queriam levar para lá. Fiz dois golos nesse jogo. Nessa altura não pude ir logo, estávamos a meio da época. No ano a seguir, já fui para o FC Porto.

Com quantos anos?
Com 11. O Gondomar pediu como forma de pagamento um jogo amigável com o FC Porto no estádio do Gondomar. Se não estou em erro até foi a estreia do Deco pelo FC Porto. Fui eu e outro colega para o FC Porto e esse amigável foi a forma de pagamento da nossa ida para lá.

Com 11 anos quando lhe disseram que ia para o Porto foi a euforia total?
Foi. O meu pai acompanhou-me sempre, via os jogos todos, ia aos jogos todos, levava-me aos treinos, o meu próprio avô ajudava muito quando o meu pai não podia. Sempre tive um grande acompanhamento. A minha mãe era quem se sacrificava porque quando o meu pai saía da confeitaria, era ela que tinha de lá ficar a trabalhar. Faziam tudo por mim. A minha família costumava comer às oito, mas como eu chegava do treino às nove, a minha mãe atrasava o comer para as nove. Muitas vezes também eu saía da escola, a minha mãe encontrava-se comigo na paragem do autocarro, dava-me o saco do treino, eu dava-lhe a mochila. Ia de autocarro de Gondomar até à Constituição, muitas vezes lanchava, adormecia e depois ia treinar. Às oito da noite, se o meu pai não me pudesse ir buscar, também ia de autocarro. Cheguei a ser assaltado duas vezes na Areosa [risos].

Foi assaltado como e por quem?
Eu tinha de trocar de autocarro na Areosa e uma vez nesse caminho veio um rapaz mais velho com os seus 17, 18 anos. Eu estava a ouvir música com um walkman, e ele virou-se para mim: “Dá-me os phones”. Eu tirei os phones do walkman e dei-lhe só os phones. Ele deu-me um cachaço e diz “dá também o walkman”. A paragem estava cheia de pessoas, mas ninguém fez nada. Na outra vez já foi mais sério, porque roubaram-me o telemóvel e deram-me uma cabeçada e fiquei a sangrar.

D.R.

Quando chega ao FC Porto quem era o treinador?
O senhor Álvaro Silva, que me quis lá. Sempre tive bons treinadores. Tive o Rolando, que foi defesa central; o Freitas, a quem chamavam o 112 ou 115. Também tive o Ilídio Vale, nos juniores. Um dos melhores treinadores que tive na formação foi o Hugo Guilherme, que depois foi para a seleção, chegou a ser treinador da Académica. Em termos de formação foi o treinador que me marcou mais.

Porquê?
A maneira como ele explicava aos mais novos era uma coisa incrível. Ele seguiu muito o trabalho do professor Vítor Frade, que escreve livros sobre futebol. Com ele toda a gente evoluiu muito, a mim marcou-me muito como treinador. Depois nos juniores, com o Ilídio Vale, fomos campeões nacionais pela primeira vez. Havia sempre uma grande disputa entre o FC Porto e o Sporting nessas alturas porque nós levávamos sete jogadores à seleção e o Sporting também.

Conseguiu ir fazendo a escola a par do futebol?
Sim, sempre fui muito disciplinado na escola. Chegava a casa dos treinos e ia estudar. Sempre fui muito esforçado até ao 10.º ano. Depois veio a seleção e aí prejudiquei um bocado a escola. Cheguei a faltar no 2.º período porque havia uma qualificação para o Europeu e a partir daí tive algumas negas. Falava-se do estatuto de alta competição, mas nunca senti isso como benéfico. Cheguei a ter duas ou três negativas e depois foi-me difícil recuperar.

Primeiro treino de André Castro (de colete amarelo à direita) nos seniores do FCP

Primeiro treino de André Castro (de colete amarelo à direita) nos seniores do FCP

D.R.

Quando é chamado pela primeira vez a uma seleção?
Nos sub-17, pelo professor Edgar Borges, num jogo contra a Itália em que ganhámos. Lembro-me perfeitamente. Com 14, 15 anos, eu era o único jogador do FC Porto do 11 titular que não ia à seleção e sempre me ficou aquilo: “Fogo, porque é que nunca sou convocado?!” Depois fui aos sub-17 e a partir daí fiz 65 jogos pela seleção. O Carriço era o capitão, eu era o sub-capitão. Foi espetacular.

E o primeiro contrato, assina quando?
Se não estou em erro nos sub-17, que é quando as coisas começam a ficar mais sérias para mim.

Antes disso o FCP não lhe dava dinheiro?
Logo nos infantis dava 50€. Depois eram 100€, para ajudas de custo.

Eram os seus pais que geriam o dinheiro?
Não, o meu dinheiro sempre foi o meu dinheiro. Os meus pais desde sempre me instruíram a juntar e a fazer o melhor com o dinheiro. Sempre me disseram: “Faz dele o que quiseres, mas não o gastes mal gasto, junta”.

O que fez com esse primeiro dinheiro?
O primeiro dinheiro, para ser sincero, era para ir ao McDonalds de vez em quando e para coisas minhas, jogos de computador. Sempre fui muito ligado a computadores e era mais para esse tipo de coisas.

Então o seu primeiro ordenado mais a sério foi aos 17 anos...
Sim, deviam ser mil e tal euros. Sei que na altura a primeira coisa que quis comprar foi um carro. Precisava do carro para ir ter com a minha namorada, que agora é a minha mulher. E na altura comprei um Opel Corsa Confort [risos]. Comprei antes de fazer 18 anos que era para ter logo carro mal tirasse a carta. Foi o meu pai que comprou, eu fui juntando e depois dei-lhe o dinheiro. E consegui juntar muito rápido.

André Castro (à direita) festeja um golo marcado ao serviço do Olhanense

André Castro (à direita) festeja um golo marcado ao serviço do Olhanense

D.R.

Como e quando é que conheceu a sua namorada?
Conheci a minha namorada, Joana Melo, quando estava na seleção. No quarto ficava sempre com o Rui Pedro, que é primo dela. Ele um dia virou-se para mim e disse: “Tenho uma prima para ti”. E eu: “Então dá-me o número que eu vou mandar uma mensagem”. A partir daí começámos a trocar mensagens [risos].

Ela é do Porto?
Não, é de Gaia. Vivia ao lado do centro de treinos. Eu acabava os treinos e ia sempre para casa dela, o meu pai depois ia-me lá buscar. Isto no início, porque eu ainda não tinha carta.

Chega à equipa principal do FC Porto pela mão de quem?
Chego à equipa principal pelas mãos do Jesualdo Ferreira, ainda era júnior e o Porto tinha criado o projecto 611. Eu era um dos jogadores em quem eles acreditavam que podia chegar aos seniores. A partir dos juniores comecei logo a treinar pela equipa principal. Cheguei a ser convocado para alguns jogos. Não entrei como júnior, mas depois no ano a seguir fiquei com o Jesualdo Ferreira na equipa principal.

Como é que foi entrar no balneário dos seniores?
Foi como um sonho. Treinar com aqueles jogadores era incrível. Eles recebem muito bem, a mística do Porto era uma coisa que não se consegue explicar, só quem anda lá dentro é que sente e eu fui muito bem recebido por todos os jogadores. Todos ajudavam muito.

Não lhe fizeram nenhuma partida?
Faziam muitas. Diariamente faziam de nós gato-sapato.

Conte-nos lá uma ou duas histórias.
O Nuno Espírito Santo, que era um dos reis do balneário na altura, obrigava-nos a dançar à frente deles e outras coisas. Nós limitávamo-nos a fazer porque quem mandava eram eles. O Bruno Alves metia sempre muito receio pela maneira como ele treinava. Uma pessoa aprende realmente como é que tem de treinar, com todos eles, não podes facilitar em nada. Um passe é um passe, uma receção é uma receção, e tenho que dar uma palavra também ao Jesualdo Ferreira, que me levou à primeira equipa e não há nenhum jogador que não tenha aprendido com ele. Ele realmente é um professor e ensina os jogadores a jogar futebol, a receber a bola, a passar. Eu vi-o tornar jogadores medianos em jogadores estrelas, como o Falcão e o Lisandro López, que quando chegaram ao FC Porto eram bons jogadores, mas saíram de lá outros, porque o Jesualdo Ferreira fez com que evoluíssem muito.

André Castro (2ª atrás à esquerda) na seleção de sub-19

André Castro (2ª atrás à esquerda) na seleção de sub-19

D.R.

Lembra-se quando foi a sua estreia como sénior?
Se não estou em erro foi contra o V. Setúbal, num jogo em casa, no Estádio do Dragão. Penso que entrei dez minutos. Estava ansioso, nervoso. Ainda por cima em casa, foi uma coisa incrível, e todos os jogadores passaram-me a bola. Já estávamos a ganhar 3-0, eu entrei para médio defensivo e todos os jogadores me davam a bola, todos. Era uma coisa... parecia que queriam que eu me mostrasse e foi muito bom. Essa estreia foi espectacular.

Mas nessa época, 2007/08, acabou por fazer só três jogos.
Sim, era muito difícil. O plantel era fantástico, tinha muita qualidade, tinha o Raúl Meireles, eu era um miúdo, vinha dos juniores. Não posso dizer que foi um bom ano, mas foi um ano em que consegui fazer uma coisa que já não acontecia há mais de sete ou oito anos, que foi sair de júnior para sénior. O último jogador que tinha saído de júnior para sénior no FC Porto tinha sido o Hélder Postiga. Consegui fazer uma coisa que já não se conseguia muito.

Ainda estudava?
Foi nessa altura que começou a ser cada vez mais difícil. Fui até ao 11.º ano, na altura. Depois, mais tarde, já no Olhanense, havia as Novas Oportunidades, aproveitei e tirei o 12.º.

A propósito de Olhanense, quem é que lhe diz que vai ser emprestado? Tinha empresário na altura?
Tinha empresário, mas não foi o empresário. Um jogador que estivesse ligado ao Porto, o empresário era o FC Porto. Na altura o Antero [Henrique] tomava conta de tudo. Ele é que mandava os jogadores para um sítio, trazia de outro. Não foi uma coisa que eu escolhesse, foi-me imposta pelo FC Porto. Foi o Jorge Costa com o Antero Henriques, eu até tinha outros clubes interessados, mas eles decidiram que o melhor para mim era ir para o Olhanense e foi conforme o que disseram, foi a melhor coisa que me podia ter acontecido.

André Castro a ouvir o treinador André Villas Boas

André Castro a ouvir o treinador André Villas Boas

D.R.

Foi sozinho?
Fui, a minha namorada estava na faculdade. Mas fui com mais companheiros do FC Porto. Vivia porta com porta com o Ukra, que foi o meu irmão naquela altura. Ele foi com a família e eu fazia parte da família, éramos todos uma família. A minha mulher, namorada na altura, ia lá aos fins de semana.

Então não lhe custou sair do ninho.
Custar custou-me muito, porque sempre fui muito caseiro, sempre vivi com os meus pais e custou-me. Só que fui muito mentalizado para que quando tem de ser, tem de ser, por isso nunca fui de chorar. Para mim sempre foi uma sorte poder jogar futebol, portanto fui com tudo. E o Jorge Costa foi talvez a pessoa mais importante que tive no futebol, porque me ensinou a ser um verdadeiro homem no futebol, a relacionar-me com os companheiros, como ser um líder, foi a pessoa que mais me transmitiu esses valores dentro do futebol. Foram dois anos fantásticos em que no primeiro ano subimos de divisão depois de 47 anos em que o Olhanense não subia e fizemos história. Ainda por cima subimos num jogo em Gondomar. O Gondomar desce e nós é que somos campeões.

Isso deve ter gerado uma mistura de sentimentos em si, não?
Foi, foi mixed feelings, ainda para mais a minha família toda estava no estádio, foi incrível. Nessa altura o meu pai também ia para Olhão ver os jogos, depois vinha de autocarro para cima. O meu pai, que é pasteleiro, tinha que se levantar às duas da manhã para ir ver os jogos. Ia com a minha namorada, depois vinham com o pai do Ukra. Ou seja, sempre tive um acompanhamento fantástico mesmo.

André Castro (à esquerda) com Falcão, no FCP

André Castro (à esquerda) com Falcão, no FCP

D.R.

O Ukra fez-lhe muitas partidas?
Muitas... Eu era o saco de boxe dele [risos].

O que é que ele lhe fazia?
Ui, tantas, mesmo no FC Porto e na seleção. Com ele é impossível alguém estar triste. O cérebro dele não para e tem de estar sempre a fazer asneiras. Mas é um excelente profissional e dentro do balneário deve ter sido a pessoa mais divertida que eu já conheci.

E não tem nenhuma história com ele que possa partilhar?
Visto que toda a gente já sabe que ele é maluco, prefiro ir por outro lado. Vou contar uma história para as pessoas saberem quem é o Ukra para além do palhaço que é. Uma vez estava muito constipado, um dia antes de um jogo da seleção. Na altura estávamos os dois a jogar no Olhanense e esse jogo da seleção foi no Algarve. Nós ficávamos no mesmo quarto. Eu estava com muita febre e levantei-me muitas vezes para ir à casa de banho e as tantas virei-me para ele e disse-lhe: “Mano, é melhores ires para outro quarto porque estou muito doente e ainda te vou pegar". E ele diz-me: “Mano, tu estás mas é maluco. Então tu estás aqui quase a morrer, achas que te vou deixar ficar aqui sozinho?” Este é o Ukra que eu conheço. E mais. Essa gripe que eu tive era aquela gripe A de que se falou muito naquela altura e que era muito contagiosa. Quando fui ao médico disseram-me que não podia sair de casa durante seis a sete dias e o Ukra, que era o meu vizinho da frente, levava-me comida diariamente. É um grande amigo.

O André subiu de divisão, foi campeão da II Liga nessa altura, mas antes...
Fui o melhor jogador jovem da II Liga, foi um ano fantástico.

Mas antes já tinha sido campeão pelo FC Porto.
Exatamente, fui campeão pelo Porto porque joguei aqueles dois jogos. Ou seja, fui campeão de juniores, no ano a seguir fui campeão de seniores e no ano a seguir fui campeão da II Liga. Não sei se há algum outro jogador que o tenha sido.

É muito diferente o sentimento de uns títulos para os outros?
Muito, muito. Ser campeão de juniores foi fantástico porque foram muitos anos a trabalhar para aquilo. Éramos quase sempre os mesmos jogadores desde os 14 até aos 18 anos, sempre com o objetivo de sermos campeões e finalizar a formação sendo campeões, com jogadores como o Ventura e muitos outros, o Candeias, o Ukra, o Rui Pedro, que era o nosso melhor jogador, deu-nos muito. E depois como sénior, aquele ano fui campeão e festejei mas não tinha aquela alegria dentro de mim. Se jogasse sentia mais, acho que é normal, uma pessoa quando joga, dá mais, sente mais. Embora estivesse envolvido nos treinos, porque o Jesualdo puxava muito por todos os jogadores, mas jogo é jogo e eu não sentia aquele campeonato como se fosse meu, foi mais como um outsider.

Ukra, amigo e companheiro de quarto de André Castro na seleção

Ukra, amigo e companheiro de quarto de André Castro na seleção

D.R.

Treinar durante a semana e saber que não é convocado deve ser difícil de gerir.
Muito difícil porque quem me conhece sabe que se não jogar eu não sou feliz. Mesmo sendo júnior e percebendo que os outros eram melhores do que eu, para mim era muito complicado. Nunca pensava: “Eles são mais velhos por isso é normal eu não jogar”. Não, eu pensava sempre “há alguma coisa que eu possa fazer para jogar?” Então tentava todos o dias, para mim era uma nova oportunidade de me mostrar e tentava tudo.

Nunca foi ter com o professor Jesualdo para lhe perguntar porque é que ele não o convocava?
Não, nunca fui muito de perguntar aos treinadores porque acreditava que eles queriam sempre pôr a melhor equipa a jogar e se não me punham era porque eu não merecia ou porque havia melhores.

Copiava ou tentava seguir alguém mais de perto?
O Lucho foi sempre um jogador que admirei bastante, principalmente naqueles anos, porque era um jogador muito especial. Não era um jogador rápido mas era muito rápido a pensar. Tentava aprender com ele, a maneira como ele pensava o jogo. E com o Raúl Meireles, que fez uma época fantástica. Tentava aprender principalmente a maneira como eles pensavam o jogo, que é algo que sempre me fascinou no futebol. Como é que os jogadores que não têm nenhum talento especial em termos físicos conseguem sobressair tanto em termos de jogo.

O que foi mais positivo nos dois anos em Olhão?
Foi tudo. Eu acredito que um jogador que não jogue não evoluí e para mim que joguei os jogos todos nesses dois anos, todos mesmos, sinto que evoluí. No segundo ano em que o Olhanense estava na I Liga, fui cinco vezes o melhor jogador jovem da Liga. Essas coisas falam-se muito porque há muitos jornais que ajudam, mas na altura era só o Sindicato que entregava o prémio e mal se falava. Se fosse o Coentrão falava-se muito, quando era eu pouco se falava. Isto era assim porque o Coentrão estava no Benfica, mas ele foi quatro vezes o melhor jogador jovem da Liga, eu fui cinco. No fim do ano quando foi para entregar o prémio do melhor jogador jovem, não fui eu. Senti sempre uma pequena mágoa porque como jogava no Olhanense, nunca se falava tanto como de um jogador que estivesse no Benfica. Mas fiz uma grande época, penso que fiz sete ou oito golos, o que para um médio até foi mais do que se calhar os médios do Porto ou do Benfica. Não sou de me gabar, mas realmente fiz mesmo uma época fantástica.

Má não foi de certeza porque foi chamado ao FC Porto.
Exatamente. Em fevereiro, março, o FC Porto começou a dar sinais de que queria que eu voltasse. E claro a minha ideia era voltar para jogar.

André Castro festeja título do FCP

André Castro festeja título do FCP

AFP

Regressa com o Villas-Boas, certo?
Sim, com o André Villas-Boas que também foi um excelente treinador. A mensagem que ele passava ao grupo era espetacular. Houve logo uma grande identificação de todos os jogadores com a equipa técnica mas desde o início, falando de mim, senti que não ia ter muitas chances para jogar.

Porquê?
Esse ano, para mim, foi dos anos em que o FC Porto teve um dos melhores plantéis. Tanto no 11, como no banco tinha soluções para todos os gostos, ainda para mais chega também um grande jogador, o João Moutinho, e na altura fica tudo muito fechado para mim. Eu quis sair logo ao início mas o Villas-Boas quis que eu ficasse e fiquei até janeiro. Fui jogando pouco, ainda cheguei a jogar para a Liga Europa, joguei para a Taça e para o campeonato um pouco. Sempre tentei dar o meu máximo, mas senti que não ia poder jogar a titular que era sempre o meu objetivo quando chego a um clube.

Quando regressa ao Porto, vindo de Olhão, volta a casa dos seus pais ou já vai viver sozinho ou com a sua namorada?
É nessa altura que compro o meu primeiro apartamento. Fui viver com a minha namorada para lá.

Nessa época com o Villas-Boas foi campeão, ganhou a Liga Europa, a Taça de Portugal, a Supertaça…
Sim, mas acabo por sair em janeiro, a meu pedido. Ele aceitou e ajudou-me.

Já tinha clube para onde ir?
Tinha algumas propostas do estrangeiro. Tinha do Panathinaikos mas fui para o Sporting Gijón. O Villas-Boas achava que o campeonato espanhol podia ajudar e então fui para a liga espanhola.

André Castro com o pai (à esquerda), no Sporting de Gijón, clube espanhol para o qual foi emprestado em 2010/11

André Castro com o pai (à esquerda), no Sporting de Gijón, clube espanhol para o qual foi emprestado em 2010/11

D.R.

Como é que foi a experiência fora?
Já fui com a minha namorada, mas foi duro, porque fui para uma equipa que estava em último na liga espanhola, com o único objetivo de se manter. Quando chego, os treinos tinham uma carga física fortíssima, era ir correr para a montanha, coisas completamente diferentes do que estava habituado. Mas adaptei-me e nunca fui de me queixar. No primeiro jogo em que entro, contra o Maiorca, faço golo e o jogo a seguir é com o Barcelona, em casa. Já jogo a titular e empatámos 2-2 com um dos melhores 'Barcelonas' de todos os tempos. A partir daí nunca mais saí da equipa. Empatámos com o Atlético Madrid, fomos ganhar a muitas equipas e esse ano foi fantástico. No dia 2 de abril ganhámos no Santiago Bernabéu.

No dia dos seus anos.
Sim, no dia dos meus anos ganhámos à equipa do Mourinho, quebrámos um recorde dele e que se não me engano ainda é dele, de estar nove anos seguidos sem perder em casa. O Sporting Gijón foi lá e conseguiu essa vitória. Nunca vou esquecer esse jogo. Essa meia época foi espetacular para mim. Acho que foi quando evoluí mais em termos futebolísticos, por jogar contra jogadores como Ronaldo e Messi. Consegui entrar numa equipa só de espanhóis e normalmente os espanhóis com os portugueses são complicados. Eu não tenho nada a dizer, sempre fui muito bem recebido. Mas se um espanhol jogar tão bem como um estrangeiro, joga o espanhol. Para jogar lá tens de ser melhor do que eles. Enquanto em Portugal acredito que seja o contrário. Entre um estrangeiro e um português optamos sempre pelo estrangeiro. Os espanhóis são mais nacionalistas e acredito que nós, portugueses, devíamos ser mais assim. No fim desse ano fiquei na equipa dos melhores jovens com jogadores super estrelas.

Gostou das Astúrias?
Adorei as Astúrias, adorei a comida, as pessoas, foi mesmo tudo fantástico. O estádio é incrível, os adeptos daquele clube não são do Real Madrid, nem do Barcelona, são do Sporting de Gijón. Para mim foi mesmo espetacular e por isso é que renovo no ano a seguir.

André Castro (à direita) durante um jogo do Sporting de Gijón

André Castro (à direita) durante um jogo do Sporting de Gijón

JOSE JORDAN

A sua namorada foi consigo. E o curso que ela estava a tirar na faculdade?
Quando fomos para Gijón ela já tinha terminado o curso de radiologia. Como ainda não estava a trabalhar, eu falei com o médico do clube para ver se a podiam pôr a trabalhar no hospital. Ele ficou assim um pouco… Mas expliquei que ela não queria estar em casa. Ele respondeu: “Ela pode ir lá, mas não há dinheiro”. “Não é pelo dinheiro, ela quer é trabalhar”. E foi trabalhar como técnica de radiologia com os espanhóis, sem ganhar dinheiro.

Gostou da experiência?
Gostou, gostou muito. Ainda para mais uma pessoa que tira radiologia em Portugal parece que está mais bem preparada do que em Espanha. Lá é como se fosse um mini curso e em Portugal é uma mesmo uma licenciatura.

A época seguinte no Sporting de Gijón também correu bem?
Correu bem, em termos pessoais joguei sempre e fiz uma boa época, mas a equipa ficou sem dois ou três jogadores importantes e acabámos por descer de divisão. Senti que demos tudo mas realmente as outras equipas eram melhores e acabámos por descer porque não tivemos reforços a meio da temporada, os melhores jogadores da época anterior tinham saído, tivemos quatro mudanças de treinador... Foi um ano muito mais difícil do que o anterior. Mas o futebol também é isso, temos de saber viver quando se ganha e quando se perde.

Quatro treinadores numa época é sempre complicado para os jogadores…
É muito complicado. Houve ali uma altura em que em quatro semanas o treinador mudou três vezes, foi um caos no clube e, claro, houve muitas mudanças de jogadores. Fui jogando sempre com os treinadores todos, fui conhecendo e tendo experiências. Houve um treinador, cujo nome não quero dizer, que nem sabia o nome dos jogadores. Chegou ao clube e nem conhecia os jogadores, foi uma coisa incrível. E uma pessoa teve que se adaptar àquilo rapidamente, a estilos diferentes. Fomos jogar ao estádio do Barcelona com um 4x6x0, invenções atrás de invenções [risos].

André Castro com Messi durante um jogo do Sporting de Gijón com o Barcelona

André Castro com Messi durante um jogo do Sporting de Gijón com o Barcelona

D.R.

Como é que no ano seguinte vem para o Porto? É o André que quer vir embora ou é o clube que o chama?
É o FC Porto que me chama. No Gijón acabei por ser chamado pelo Paulo Bento à seleção nacional para um jogo no Algarve, se não me engano contra a Eslovénia. Não joguei mas fui convocado.

Gostou do ambiente da seleção?
Adorei. Uma pessoa fala sempre do Ronaldo porque é a marca de Portugal, mas ele é incrível para os jogadores que chegam. Fui logo praxado.

O que era a praxe?
A minha foi contar uma anedota do Fernando Rocha, o meu comediante favorito. Ele foi o ator surpresa no meu casamento.

Ainda se lembra da anedota?
Lembro [risos].

Conte.
[risos] Tem asneiras [risos]. Então é assim:
O padre sai da missa e vai ao talho, quando chega, o talhante que estava a desfiar carne cortou-se e disse: F*da-se!
Padre: Não digas f*da-se, diz valha-me Deus.
Talhante: Peço desculpa Sr. padre. O que vai querer hoje?
Padre: Quatro bifes.
O talhante ao cortar os bifes fez um grande corte e cortou os quatro dedos. Os dedos separaram-se do resto da mão e o talhante diz: Valha-me Deus.
Os dedos do talhante voltaram a juntar-se à mão e diz o padre: F*da-se! [risos]

André Castro no dia do seu casamento com Joana Melo

André Castro no dia do seu casamento com Joana Melo

D.R.

Então gostou da passagem pela seleção A.
Adorei os treinos, a maneira como eles vivem aquilo, o ambiente da seleção é mesmo uma verdadeira família. O Ronaldo fala para todos, fazem-te sentir logo parte da equipa. Fui ao tal jogo, estávamos a ganhar 4-0 ou 5-0 e pensei que ia entrar. O Nuno Gomes, que estava a aquecer comigo, até me disse: “Prepara-te que vais entrar miúdo”. Mas depois por algum motivo ou outro acabei por não entrar, mas foi uma experiência que não vou esquecer.

Voltou a ser chamado à seleção?
Não, nunca mais fui chamado.

Consegue encontrar uma explicação para isso?
Uma pessoa pode dizer sempre que há muitos jogadores a sair. Não lhe vou dizer que se calhar não houvesse alturas que merecesse, porque houve alturas em que julgo que merecia. Quando estava aqui já na Turquia, no Kasimpasa, fiz épocas realmente espetaculares em que havia jogadores que iam à seleção e que se calhar não mereciam tanto, mas penso que a grande razão para não ir à seleção é a quantidade de jogadores que Portugal tem e bons. É difícil, perde-se aquele comboio e depois entrar... Não me considero injustiçado por não jogar pela seleção, acredito que numa ou noutra vez poderia ter merecido, mas a gente acha sempre que somos um pouco melhores do que os outros. É normal.

André Castro e os pais

André Castro e os pais

D.R.

Voltemos então à altura em que é novamente chamado ao FC Porto, pelo Vítor Pereira.
Sim. Eu já o conhecia, ele era adjunto do Villas-Boas e também era o treinador do Santa Clara na altura em que o Olhanense subiu. Falávamos um com o outro sobre futebol, por isso já estava muito bem identificado com ele.

Essa época como é que correu?
Correu totalmente diferente das outras em que estive no FC Porto. Joguei 26 jogos, desde o banco, a titular só para a Taça e Taça da Liga, e foi uma época muito boa em que fiz amizades incríveis. Tínhamos uma equipa fantástica. Fomos campeões, o Vítor Pereira na minha opinião fez um trabalho fantástico, poucos treinadores iam conseguir fazer um trabalho daqueles. Acho que realmente jogámos muito bem, consegui jogar e sentir o que é ser campeão pelo FC Porto, a jogar. No jogo em que fomos campeões, em Paços de Ferreira, entrei a jogar para defesa direito. Quando o jogo acaba estava a jogar e é totalmente diferente estar a jogar do que não estar. Fica sempre uma pequena mágoa porque nunca fui titular num jogo para o campeonato, foi algo que sempre me ficou aqui guardado, mas foi um ano espectacular para mim e principalmente para o FC Porto.

Falou que nesse ano fez grandes amizades. Com quem?
Principalmente com o Moutinho. Íamos para o treino juntos, vínhamos do treino juntos, estávamos muitas vezes em casa juntos, as famílias ficaram muito amigas. Ficámos amigos para a vida. Mas essa amizade transmitia-se entre todos, eles até nos chamavam…[risos] É uma asneira, mas vou dizer, chamavam-nos os colhões, porque andávamos sempre juntos [risos]. Mas no FC Porto tenho algumas coisas a dizer do departamento médico, do Nélson Puga, que essas é que são as verdadeiras pessoas do Porto e por isso é que o FC Porto é o que é. Foi nesses anos, em que em cada dez o FC Porto era nove vezes campeão. É a essas pessoas que tem de ser dado realmente o valor, porque eles transmitem o que é ser jogador do FC Porto, o que é ser jogador à Porto. Por isso é que se fala muito dessa altura.

André Castro e a mulher com José Mourinho

André Castro e a mulher com José Mourinho

D.R.

Teve lesões nessa altura?
Não, nunca tive lesões que me impedissem de jogar, mas parti um dedo do pé. E normalmente pára-se quando se parte um dedo do pé, mas eu não parei, continuei a jogar, continuei a treinar com grande ajuda do doutor e dos fisioterapeutas.

Como é que partiu o dedo do pé?
Foi num lance normal, levei uma pancada e acabei por partir o dedo do pé. São coisas que acontecem.

E do Pinto da Costa, que memórias tem?
Lembro-me de num hotel em Espinho ele virar-se para mim: “Tu és mesmo um guerreiro, até com o dedo partido vais lá para dentro”. Ouvir aquilo da boca dele, que para mim é como se fosse Deus a falar... Quando ele fala no balneário no início da época é sempre uma coisa… Tinha 18 anos quando o vi pela primeira vez, sente-se uma força, uma energia incrível.

Histórias para contar desse ano, não tem?
Tenho um vídeo que fizemos num jantar em que comemorámos o título. Já só estava eu, o João Moutinho, Paulinho Santos, Lucho, Otamendi e James. Na altura estava na moda fazer o Harlem Shake e nós fizemos um no final do jantar.

É nesse ano, em 2013, que casa?
Exatamente, caso quase no fim dessa época, dois ou três dias antes de começar a pré-época com o Paulo Fonseca.

Nessa altura já sabia que ia para a Turquia?
Não, não sabia de nada. O que eu tinha na minha cabeça nessa altura era afirmar-me como titular do FC Porto, para ser sincero, porque é um ano em que saem muitos jogadores, saiu o Moutinho, saiu o Fernando, se não estou em erro, e como tinha sido o 12º jogador da época anterior, ou seja com mais entradas em jogo, pensei que era o meu ano falando em termos de FC Porto.

Isso não aconteceu porquê?
Não aconteceu porque o Paulo Fonseca chegou e trouxe bastantes jogadores. Jogadores que não estavam habituados a estar no banco. Como os trouxe tinham de jogar e eu senti, mesmo fazendo uma pré-época fantástica, que não ia jogar e aí sim, pela primeira vez, sabendo que já tinha a proposta da Turquia, fui falar com o Paulo Fonseca e perguntei-lhe se contava comigo. Ele disse que sim, que contava comigo para a época, mas não para titular. Eu sentia que os outros não tinham feito mais nada do que eu para jogarem, senti-me um bocado injustiçado e pedi para sair, porque era melhor para mim a nível financeiro, principalmente, e porque queria jogar.

Como é que ele reagiu?
Não fiquei com uma má relação com o Paulo Fonseca. Acredito que foi um erro por parte dele principalmente porque já tinha perdido vários jogadores importantes no balneário e eu era um dos capitães na altura e perdeu-me. Pode ter sido um erro dele. Acho que ele também sentiu isso e foi mau porque eu sempre me quis afirmar no FC Porto. Nunca me importaria de voltar para o FC Porto para ganhar menos, mas vi que estava a ser muito injustiçado principalmente por ser um jogador da casa e depois de tantos anos... Não consegui aceitar.

Raúl Meireles, João Moutinho e André Castro na praia

Raúl Meireles, João Moutinho e André Castro na praia

D.R.

Nessa altura quem era o seu empresário?
O meu empresário é o mesmo de agora, o António Teixeira. Já fui enganado por alguns empresários, não tive muitos, mas o anterior que não vou dizer o nome, enganou-me...

Enganou-o como?
Principalmente em coisas contratuais, de dinheiro. Mais tarde vim a saber que ele já tinha recebido e eu ainda lhe paguei, foi mau. Não vou dizer o nome, claro, mas aconteceu-me e não gostei. Com o António Teixeira é completamente o oposto. Tudo o que ele me disse que ia fazer, fez, é sempre transparente com tudo.

Mas quando ele lhe propõe o Kasimpasa qual é a sua reação?
Para começar, um choque, porque não conhecia nada do clube, não conhecia nada do país e fiquei assustado. Passar do FC Porto para um clube desconhecido na Turquia? Agora o porquê disso acontecer, a principal razão, foi o aspecto financeiro, que não tem comparação. Eu já tinha 26 anos, era ali o momento. Tinha outros clubes de Espanha e de Portugal, bons clubes de Portugal, mas a diferença de salário era muito grande. Não quis ir sem primeiro saber como é que era o clube e por isso liguei para o Raúl Meireles, que já estava na Turquia. Perguntei-lhe: “Conheces este clube?”; E ele: “Espera aí que já te ligo. Vou falar com o meu diretor desportivo e já te digo alguma coisa”. Quando ele volta a ligar diz: “Mano, tens de vir, é um excelente clube, tem o melhor centro de treinos da Turquia, é um clube de Istambul, é um clube sério, que paga, o dono é das pessoas mais ricas aqui da Turquia”. Fui por empréstimo com opção de compra.

André Castro (à direita) com João Moutinho e James Rodrigues no festejo do título do FCP em 2012/13

André Castro (à direita) com João Moutinho e James Rodrigues no festejo do título do FCP em 2012/13

D.R.

Como foi o primeiro impacto na Turquia?
Quando chego vou logo para o centro de treinos, que era uma coisa incrível. Não é muito conhecido mas é um clube muito bom. Um clube organizado, não tem muitos adeptos, mas nessa altura levávamos bastante gente ao estádio. O meu primeiro jogo é fora e vou para uma cidade, das piores cidades aqui da Turquia. Quando lá chego penso: “Ui, o que é isto?” Quando chego ao estádio, que está completamente cheio, está um ambiente incrível. No segundo jogo, em casa, já jogo a titular e faço golo. Sempre tive esta coisa de logo nos primeiros jogos fazer golo. E nunca mais saí, joguei até ao fim, fiz uma época muito boa e eles acabam por me comprar.

A sua mulher foi consigo?
Sempre juntos.

Ela voltou a exercer a profissão em algum sítio?
Não, a partir daí nunca mais trabalhou porque na Turquia a barreira linguística é muito grande.

O André sabia inglês?
Sim, mas poucos falavam inglês. Ou seja, comecei logo a apanhar as palavras principais, tínhamos tradutor, o treinador falava inglês. O clube não deixa que te falte nada e por isso adaptei-me super bem. E depois tinha o Raúl Meireles, que jogava em Istambul, no Fenerbahçe, e era mais do que família, passávamos os Natais juntos. Ele convidava-me sempre para casa dele, recebiam-me como família. Isso foi das melhores ajudas. É das coisas que neste momento me faz mais falta, é ter um amigo como ele aqui. Porque tanto eu como a minha mulher tínhamos sempre onde ir no fim de semana, era realmente como família e tenho muito que lhe agradecer por isso também.

Gostou de Istambul?
Adorámos, é uma cidade espectacular. Também gosto muitos das pessoas turcas, são pessoas humildes, trabalhadoras, que sabem receber. Gostei mesmo muito. No primeiro ano fiquei a viver num apartamento pequeno, éramos só os dois e como na minha ideia, eu só ia um ano, pensei vamos ficar aqui e depois logo se vê. Depois, quando assino por três anos, já fui para um apartamento grande, tínhamos piscina, ginásio, era um condomínio fechado com um jardim enorme. A Joana sempre se adaptou muito bem aos sítios para onde fomos, ajuda-me muito, nunca se queixa de nada, para ela está sempre tudo bem.

André Castro com Deco, uma das suas referências no futebol

André Castro com Deco, uma das suas referências no futebol

D.R.

A família entretanto já tinha aumentado?
Temos uma cadela que já viaja connosco desde o tempo de Gijón. Chama-se Mel, é uma Yorkshire. Temos um filho que nasceu em Portugal mas foi feito aqui na Turquia. Estava no Kasimpasa. Os médicos em Istambul são bons, não falta nada, sempre um acompanhamento muito grande. Foi a maior alegria das nossas vidas. O Miguel nasceu a 15 de maio de 2015 e no jogo anterior estava com três amarelos e como aos quatro somos suspensos, acabei por levar o quarto amarelo para ir a Portugal, estava com medo que não me deixassem ir e então aproveitei [risos]. Nesse jogo até tinha aberto a cabeça e o médico disse-me “vais sair” e eu disse-lhe “não, não. Deixa-me ir lá dentro mais um bocado”. Entrei, levei um amarelo e aí sim. Nunca fui muito dessas coisas, mas não pude facilitar porque tinha mesmo de vir. Acabei por vir e estar cá no dia do nascimento, assisti ao parto.

Era uma coisa que queria, assistir ao parto?
Queria, principalmente para estar com a minha mulher. Gostava de estar com ela nesse momento.

Nessas quatro épocas no Kasimpasa o que mais o marcou? De que histórias é que se lembra?
As histórias estão relacionadas sobretudo com os estádios, que estão sempre completamente cheios. Chega-se aos 90 minutos e nunca se sabe quem é que vai ganhar. O jogo parte-se muito. Também é um país muito desorganizado. Há coisas que podem parecer fáceis e que aqui por vezes tornam-se difíceis. Por exemplo dizer para não se esquecerem de regar o campo antes do jogo. Se não dissermos outra vez, eles acabam por se esquecer porque são relaxados por natureza. Nos restaurantes, por exemplo, se em Portugal são precisos dois ou três empregados, na Turquia são seis ou sete. E essas seis ou sete não conseguem fazer o que as duas pessoas em Portugal fazem, porque pura e simplesmente eles são assim, de deixar andar, não têm aquele sentido profissional.

Os jogadores turcos também são assim?
Sim, mesmo os jogadores são assim, por isso é que a Turquia passa um momento difícil no futebol. Não é por falta de qualidade dos jogadores, mas sim porque eles facilitam muito, não são profissionais em termos de irem ao ginásio. Alguns deles estão gordos.

Entretanto aprendeu a falar turco?
Tive algumas aulas, aprendi o básico e já falo. Não falo perfeitamente mas já falo e entendo quase tudo. Mas temos sempre tradutor na equipa.

André Castro vai para o Kasimpasa da Turquia em 2013/14

André Castro vai para o Kasimpasa da Turquia em 2013/14

D.R.

Do que gostou mais da vida em Istambul?
Sinceramente, foi ter a amizade do Raúl Meireles. Era uma vida muito boa. Tanto podíamos ir visitar uma coisa antiga como podíamos ir a um shopping que era um dos melhores do mundo. Istambul é uma cidade em que se queres encontrar um pouco de história, encontras, se queres encontrar uma coisa muito recente, encontras. É uma cidade maravilhosa. Do que gosto menos é do trânsito, que é caótico. Mas, fora isso, nunca assisti, nem nunca tive nenhum tipo de problemas, nunca me senti com medo de alguma coisa. É um país muito seguro. Sei que há pessoas que têm uma ideia completamente contrária.

Não sente que a tensão política tem vindo a aumentar?
Mas não é algo que se sinta ao viver-se aqui. Este problema na fronteira com a Síria aqui não se sente, não se fala. Para eles isto é uma guerra que já dura há mais de mil anos, é como se já estivessem habituados e não chega ao resto da Turquia, é uma coisa muito local. Eu estou no lado oposto, estou quase tão longe de Portugal como desse sítio. É um país muito grande que está num sítio do mundo muito importante porque liga a Europa à Ásia.

Alguma história que possa contar desses primeiros anos na Turquia?
No meu primeiro ano na Turquia, no Kasimpasa, num jogo com o Besiktas, entraram duas bolas em campo, por isso o árbitro parou o jogo. Na 2.ª parte, um adepto do Besiktas entra em campo e dá uma pancada no Manuel Fernandes. Ganhámos 3-2 ou 2-1. Passámos para 2.º lugar e o Besiktas para 3.º. Isto em novembro. Quando chegou a janeiro/fevereiro disseram que esse jogo tinha de ser repetido porque tinha entrado um adepto em campo. Repetimos e acabámos por perder 3-0. Tivemos de fazer mais três jogos à porta fechada e perdemos todos. Passámos para 5.º lugar.

André Castro chuta a bola sob o olhar de Raúl Meireles, durante um jogo na Turquia

André Castro chuta a bola sob o olhar de Raúl Meireles, durante um jogo na Turquia

VI-Images

Como se dá a passagem para o Goztepe?
O Kasimpasa começou a ter cada vez menos adeptos e eu comecei a sentir que era altura de mudar porque chegava aos jogos e havia pouca gente no estádio e eu sempre gostei daquele calor humano, de estádios cheios, principalmente aqui, na Turquia. Houve um ano, e esta é uma história boa, em que nos qualificámos para a Liga Europa, só que eles esqueceram-se de mandar os papéis... Foi um grande problema porque conseguimos a qualificação e depois acabámos por não jogar a Liga Europa, foi muito complicado para nós.

Mas não jogaram por falta de papéis?
Exatamente. Foi algo que me desgastou muito e por isso é que decidi sair. Joguei os jogos todos no Kasimpasa, só falhei dois jogos por acumulação de amarelos, nunca fiquei lesionado, joguei tudo. Foram anos muito bons, mas mesmo assim decidi sair. Tive várias propostas aqui da Turquia, também tive uma do Fenerbahçe, só que foi-se falando, é para assinar, é para assinar, mas senti que eles estavam sempre a adiar. Eles queriam esperar até ao último dia do mercado mas nunca entendi muito bem porquê, se eu era um jogador livre. Senti que eles me queriam mas como uma segunda opção, estavam a tentar outro jogador e caso não conseguissem iam optar por mim. Esse jogador era o Giuliano, que veio do Zenit. Disse ao meu empresário: “Não quero voltar a ir para um clube onde sinta que não me querem mesmo. Ou querem ou não querem”. Aquilo esfriou um bocado e acabei por não ir. Tinha outras propostas mas depois apareceu-me o Goztepe. Vi onde é que era, era numa cidade que já conhecia, Izmir, o clube é um dos clubes com os adeptos mais incríveis que já vi. Jogamos sempre de estádio cheio, o centro de treinos também é muito bom e acabei por optar por vir, assinei.

Aí tem um colega português, o Beto.
Sim, chegámos no mesmo ano. Eu cheguei primeiro, ele chegou depois e temos mais alguns brasileiros. Ou seja, já temos aqui uma comunidade, um grupo de amigos de seis ou sete jogadores que é muito forte. Para nós é uma vantagem muito grande.

Não tem a ligação com o Beto que tinha com o Raúl Meireles.
Não é a mesma ligação em termos de família, principalmente. Com o Raúl identificava-me em tudo. Saímos muitas vezes juntos, dentro do balneário somos muito amigos, mas não é a mesma ligação em termos familiares.

Depois do Kasimpasa, André Castro foi para o Goztepe, também da Turquia

Depois do Kasimpasa, André Castro foi para o Goztepe, também da Turquia

VI-Images

Está no último ano de contrato…
E acredito que seja o meu último ano aqui também. Não sei o que vai acontecer para o ano.

Qual é a sua ideia, é voltar a Portugal, é ficar na Turquia, é experimentar outro país?
Voltar a Portugal é muito difícil principalmente por aspectos financeiros. Aqui é totalmente diferente do que possa ganhar em Portugal. E é por isso que um jogador depois de entrar na Turquia nunca mais quer sair. Só os prémios de jogo... Tudo o que envolve o futebol aqui é algo muito forte. E já sou o jogador português com mais jogos, um dos jogadores com mais golos, ou seja, sou mais bem visto e conhecido na Turquia do que em Portugal e isto é um país muito maior. Tenho mais moral aqui, por assim dizer. Quando acabar este contrato se calhar vou ter algumas ofertas, optar por outro país. Eu gostava de ir para Espanha, para a Alemanha ou para Inglaterra. Só que um jogador quando vem para a Turquia é como se perdesse um pouco a ligação para o resto do mundo, não é um campeonato assim tão respeitado e a pessoa fecha portas para os outros lados. Estou aberto a tudo, sabendo que as melhores propostas vão ser daqui.

Impôs-se alguma meta para deixar de jogar?
Não. Gostava de jogar o máximo possível, mas não gostava de estar longe de Portugal muitos mais anos, já são muitos fora de Portugal. Gostava de jogar mais dois ou três anos aqui no estrangeiro e depois sim, voltar. Isso é o que eu penso agora, não sei se vai mudar ou não. Mas penso que gostava de terminar a jogar em Portugal.

Em algum clube específico?
Não.

André Castro com a mulher em Istambul, Turquia

André Castro com a mulher em Istambul, Turquia

D.R.

Já pensou no que vai fazer depois de pendurar as botas?
Gostava de continuar ligado ao futebol. Gostava de começar a treinar jovens, porque gostei muito quando era jovem que me ensinassem e gostava de um dia poder ajudar outros miúdos a conseguirem sentir que estão a evoluir.

Tem algum nível do curso de treinador?
Ainda não. Aqui é impossível, mas o mais rápido possível vou começar a tratar disso. Isto não quer dizer que é o que vá fazer no futuro mas gostava de deixar uma porta aberta.

Além da alcunha que partilhava com o Moutinho, teve mais alguma?
Tive, por causa das minhas bochechas serem vermelhas. Aqui na Turquia eles têm um ator famoso que também tem assim as bochechas e por isso chamam-me pelo nome dele. O Ukra estava sempre a chamar-me o bêbado ou o borrachão por causa disso [risos]. E o professor Jesualdo Ferreira também tinha uma alcunha para mim, que era o Facas. “Como é que é, miúdo, trouxeste as facas hoje?”, porque eu não tinha pena deles nos treinos. Se tivesse de meter o pé, metia, e ele queria era que eu lhes metesse o pé.

Se não tivesse sido jogador de futebol o que teria sido?
Se não fosse ligado ao desporto teria ido pela área tecnológica. Quem me conhece sabe: todos os meus amigos que têm dificuldades com os iPhones, computadores, o que seja, eles passam para mim e eu resolvo os problemas.

Para além da Playstation o que gosta mais de fazer para passar o tempo?
Séries e filmes. Gostei muito do "Dexter". Gosto do "Peaky Blinders", o "Mindhunter". Também gosto do "Black List", tenho séries que vejo sozinho, séries que vejo com a minha mulher. Vejo mesmo muita coisa.

André Castro com o filho Miguel

André Castro com o filho Miguel

D.R.

Onde é que ganhou mais dinheiro?
Aqui no Goztepe.

Onde é que foi investindo o seu dinheiro?
Em imobiliário, mas pouca coisa, só um apartamento. O resto junto em casa própria.

Tem tatuagens?
Tenho só uma com a data e a hora em que o meu filho nasceu.

Qual foi a maior amizade que fez no futebol?
Não tenho muitos amigos no futebol, mas tenho alguns: o Raúl Meireles, o Moutinho, o Ukra e o Rui Pedro. Tenho outros mas estes são os que mantenho sempre, são pessoas especiais para mim.

Nunca se cruzou nem conviveu ou convive com o Ricardo Quaresma?
Nunca fui de estar com ele extra futebol, mas sempre que nos encontramos nos relvados, ele agora está no Kasimpasa, trocamos a camisola, sou sempre eu que lhe peço a camisola, tenho um grande respeito por ele. Ele é uma marca aqui na Turquia, é um deus.

Entre Istambul e Izmir tem alguma preferência?
Gosto das duas, é difícil. Istambul aconselho toda a gente a visitar mesmo. Para quem quiser passar férias de verão, Izmir é fantástico. No verão é uma cidade lindíssima. Agora vivo numa casa em frente à praia e é lindíssimo, é a melhor cidade para se viver na Turquia, onde as pessoas têm a mentalidade mais aberta, não se vê pessoas tapadas na rua, são mais liberais. As mulheres aqui são como os homens, é a cidade mais europeia da Turquia, mais do que Istambul.

André Castro com as duas irmãs, em 2012

André Castro com as duas irmãs, em 2012

D.R.

Qual foi a maior extravagância que fez?
Não sou muito de extravagâncias. Esta é difícil. Talvez um carro que comprei ao Miguel Lopes, um Audi A3. Gostava muito do carro e como na altura consegui a manutenção pelo Gijón, com esse dinheiro comprei o carro. Foi a única extravagância.

Não é colecionador de nada?
Não. Gosto muito de computadores e de gadgets. Isso tenho e entendo tudo.

E noitadas, gosta?
Eu sou o real profissional de futebol, cumpro tudo, mesmo em termos de alimentação. Nunca fui muito de sair porque preferia estar em casa com os amigos. Adoro jantaradas e almoçaradas, mas em termos de noite, discotecas, nunca fui muito.

Qual a maior alegria e qual a maior frustração no futebol?
A minha maior alegria foi ter sido jogador do FC Porto e ter conseguido ser campeão pelo FC Porto, mas principalmente ter jogado lá, porque era um sonho que eu tinha. A minha maior frustração foi nunca me ter conseguido afirmar como sentia que podia ter-me afirmado no FC Porto. Porque quando subi a sénior, e com todo o respeito que tenho ao FC Porto de agora, não é o mesmo FC Porto de quando eu lá estava. Era um FC Porto superior. Nunca tive um plantel mais fraco para me poder afirmar. A maior frustração foi não me ter conseguido afirmar da maneira como eu quis.