Tribuna Expresso

Perfil

A casa às costas

Edinho: "Onde investi o dinheiro? Comprei um carrossel que costuma estar nas festas do norte. Tenho encontrado gente espetacular nas feiras"

Aos 37 anos, Edinho sente-se com forças e capacidade para voltar a representar a seleção nacional. Recentemente comprou uma máquina utilizada pelos ciclistas da Movistar, para acelerar a recuperação e, inspirado em Cristiano Ronaldo e LeBron James, começou a publicar pequenos vídeos no Instagram, nos quais dá conselhos aos mais novos. Depois da formação feita no Almada, sob supervisão do pai, ex-futebolista, que estava sempre pronto a criticá-lo, rumou ao norte, onde representou SC Braga, Paços de Ferreira e Gil Vicente, antes de regressar a Setúbal. A seguir inicia aventura lá fora, primeiro na Grécia, depois em Espanha e por fim na Turquia. De regresso a Portugal, passa novamente pelo V. Setúbal, e pelo Feirense, até chegar ao Cova da Piedade. Entre várias histórias que metem Fernando Santos e Sérgio Conceição, por exemplo, revela que tem dois filhos, mas que gostava de ainda ter uma menina. E confessa ser viciado na PlayStation

Alexandra Simões de Abreu

TIAGO MIRANDA

Partilhar

Nasceu em Aveiro, mas tem raízes africanas, da Guiné. Fale-nos da sua família.
O meu pai, Arnaldo Silva, veio para Portugal com 17 anos, para o Vitória de Setúbal, onde começou a jogar futebol. Em 1982, quando eu nasci, ele jogava no Beira-Mar. A minha mãe, que tinha vindo com ele, foi dar aulas para Aveiro, era professora primária. Eu nasci em Aveiro, onde vivi os primeiros três, quatro anos, antes de ir viver para Almada, quando o meu pai foi jogar para o Amora. Tenho três irmãs mais novas e um irmão da parte do pai, mais velho. Tenho uma ligação muito boa com as minhas irmãs. Uma delas joga voleibol, já foi chamada à seleção. As outras duas apesar de terem qualidades para o desporto não quiseram seguir a área, só eu e a Núria. Mas somos uma família unida.

Quem eram os seus ídolos quando era criança?
Eu gostava muito do Homem-Aranha. À parte disso era o George Weah, sempre tendo o meu pai como referência, como é óbvio.

Gostava da escola, ou nem por isso?
Gostava da escola mas... é curioso que pergunte isso, porque ainda há semanas estive na escola, porque fez 35 anos, houve um convívio entre ex-alunos e professores, e foi engraçado, porque os professores estavam a comentar que já na altura eu dizia que gostava de ser futebolista e faltava a algumas aulas para ir jogar futebol. Mas a escola também era importante e eu tinha essa noção, só que o meu objetivo de ser profissional, de ir mais além naquilo que era o meu sonho, falou mais alto.

Edinho em bebé

Edinho em bebé

D.R.

Nunca pensou ser outra coisa?
Quando era pequenino queria ser piloto, gostava dos aviões, mas a partir dos nove anos comecei a gostar mesmo de futebol. O meu pai levava-me, porque era treinador da formação do Almada. Comecei a ganhar o “bichinho” e com ele a incentivar-me… Ao sábado jogava no meu escalão e ao domingo no escalão acima, que era o que ele treinava. E é curioso, porque com o meu pai nunca fui titular. Chegou uma altura em que até os pais dos meus colegas diziam que eu tinha de jogar. Mas o meu pai sempre teve aquele complexo, "é meu filho, não posso pôr a jogar, vão pensar outras coisas". Só que eu era o melhor marcador, fazia sempre golo e até o presidente perguntava. Mas o meu pai dizia-lhe “Se a gente precisar ele depois ajuda, não há problema. Ele está bem”, mas eu não estava, como é óbvio, ficava chateado.

Ficava zangado com o seu pai?
Ficava e ainda ficava mais chateado quando fazia dois ou três golos e ele dizia que eu devia ter feito mais, que tinha tido oportunidade de fazer mais, que não devia ficar contente. Ou seja, naquela altura eu não percebia, mas aquilo já era uma aprendizagem para as coisas que vinham no futuro.

Era muito exigente consigo.
Muito, muito exigente. Hoje em dia dou-lhe o mérito, porque ele preparou-me para situações que vivi durante a minha carreira. Tenho a certeza de que não teria a mesma confiança, a mesma disponibilidade para as ultrapassar da forma como as ultrapasso. O não jogar naquelas alturas em que sabia que podia jogar e era o melhor ajudou-me mais tarde em situações em que não fosse opção ou que o treinador não estivesse a gostar de mim. Isso para mim era encarado como um objetivo, era uma motivação extra. Acabava sempre por melhorar as minhas condições, as minhas capacidades e os meus números porque já tinha passado por aquilo.

Quando era pequenino torcia por algum clube?
Pelo Benfica. A minha família é toda sportinguista e eu torcia pelo Benfica.

Só para contrariar?
Não, a minha mãe diz que foi um tio meu que já faleceu que me incutiu o gosto pelo Benfica. Até hoje brincamos, porque as minhas irmãs também são sportinguistas, eu é que saí benfiquista. Depois acabei por ir para Braga e mudei completamente, apaixonei-me.

Edinho quando começou a jogar futebol

Edinho quando começou a jogar futebol

D.R.

Já lá vamos. Começa a jogar em Almada aos nove anos mas é emprestado ao Vitória de Setúbal aos 13 anos. Porquê?
Foi o senhor Massano Tomé, que era diretor desportivo em Setúbal e tinha jogado com o meu pai. Ele veio ver uns jogos e gostou da minha prestação. Andava desde o ano anterior a dizer para eu ir para o Vitória. Só que, salvo erro nesse ano ou no ano seguinte, estava para ir para o Sporting, mas tenho uma lesão.

Estava para ir para o Sporting como?
Através do Aurélio Pereira. Desde os iniciados até aos juvenis tive sempre oportunidade de ir para o Sporting e para o Benfica, só que o meu pai achava que era cedo. “Não. Vais trabalhar comigo, porque os jogadores que têm saído tem voltado quando chegam a seniores e quando tu saíres daqui, quero que saias e não voltes mais”.

O que pensa hoje da atitude do seu pai? Sente que o prejudicou de alguma forma?
Não, de maneira nenhuma. Eu vejo de outra maneira. Eu aprendi coisas aqui no Almada e no Vitória que tenho a certeza não aprenderia nos grandes.

O quê?
O dar valor a certas situações. Não é que aconteça em todos os clubes, mas naquela altura pelo que me falava o irmão do Quaresma, eles não tinham o gosto por simplesmente receber umas meias. Se as meias estivessem rotas eles já não queriam treinar porque as meias estavam rotas. Pequeno pormenores que aqui, num clube pequeno, onde a qualidade é menor, só o facto de ter as meias já marca a diferença. Acho que num clube inferior temos uma visão diferente das coisas, damos mais valor e se calhar tiramos mais proveito das nossas capacidades.

Vai para Setúbal, mas na época seguinte regressa ao Almada. Por que não continuou no V. Setúbal?
Porque tive uma pequena lesão no tornozelo. O meu pai gostava muito de me acompanhar, de estar por perto para ver a minha evolução e decidimos que seria melhor para mim voltar para o Almada, para recuperar e fazer o trajeto tranquilo com ele a supervisionar.

Manteve-se no Almada até tornar-se sénior.
Sim, até ir para o Barreirense.

Quando assina o primeiro contrato?
No Barreirense. No Almada só ganhava aquelas ajudas para o autocarro. Vou para o Barreirense com 19, 20 anos.

A estreia como sénior é no Almada ou no Barreirense?
No Barreirense. No Almada, que estava na 3ª Divisão, fiz alguns jogos mas não era profissional.

Quando deixou de estudar?
Quando vou para o Barreirense, comecei a tirar más notas, porque comecei a dedicar-me mais ao futebol e fui perdendo o comboio das notas. Foi quando a minha mãe me disse: “Ou tu aprumas na escola ou não continuas no futebol”. Então fiz um acordo com ela. Disse-lhe que o que queria jogar futebol, queria ser profissional e que até ser profissional iria estudar, mas assim que assinasse o contrato iria parar com os estudos. E foi assim.

Parou em que ano?
Não acabei o 11º.

Saídas à noite quando começam?
Só no Braga, não era muito de sair.

Lembra-se do valor do primeiro ordenado?
Mil euros e qualquer coisa.

Recorda-se do que fez com esse dinheiro?
Perfeitamente. Dei metade aos meus pais e a outra metade dei entrada para comprar o meu primeiro carro. Um Opel Corsa preto. Já tinha a carta.

Edinho (3º em baixo à esq) com a equipa que o pai treinava em Almada

Edinho (3º em baixo à esq) com a equipa que o pai treinava em Almada

D.R.

É emprestado pelo Barreirense ao Braga como e porquê?
Faço uma época com o mister José Rachão e ele indica-me ao SC Braga. O meu empresário na altura, José Caldeira, a caminho do norte, leva-me para o FC Porto. Era para ir para Braga e acabo a treinar no Futebol Clube do Porto. Só que faço o primeiro treino, era Domingos o treinador, e o Jesualdo Ferreira liga ao José Caldeira, porque ele também era empresário do Jesualdo Ferreira, a dizer que me queria no Braga. Um vez que já tinha sido treinador do meu pai, queria trabalhar comigo, que ia ser melhor para mim porque ia ter mais chance de chegar à primeira equipa, iria trabalhar com o primeiro plantel. Mediante isto, eu vendo a perspectiva de ir para o Braga, de trabalhar com a equipa principal e jogar na equipa B, achei que devia ser o caminho a tomar e não me arrependo. Apesar de ter estado a treinar no FC Porto e ter chegado àquelas condições que era o que eu idealizava, chegar ao mais alto nível, ponderei e pensei que se calhar era melhor ir primeiro um pouco mais abaixo, para mais à frente colher os frutos.

Quanto tempo esteve a treinar no FC Porto?
Quatro, cinco dias.

Não sabia se o queriam lá ou não.
A priori era para ficar, mas decidimos ir para o Braga. Não havia problemas porque o José Caldeira e o Adelino Caldeira são irmãos e eles próprios chegaram a um entendimento.

Edinho com o pai, Arnaldo Silva

Edinho com o pai, Arnaldo Silva

D.R.

É a primeira vez que sai do ninho. Foi difícil?
Foi. Fui viver para um apartamento com uma pessoa de Lisboa, o Paulo Fonseca, que vinha do Benfica. Apesar de me dar logo muito bem com ele, éramos como irmãos, foi difícil, porque nunca tinha saído do meio a que estava habituado, com as minhas irmãs, os meus amigos. Mas no sítio onde comia, que era por baixo da minha casa, havia três irmãs que me acolheram como se fosse família e até hoje falamos. Elas viram que eu estava um bocado fora do ambiente, então levavam-me para comer no restaurante, falavam comigo, orientavam-me um pouco e a mãe delas igual. Isso permitiu que começasse a sentir-me em casa aos poucos. Depois tive a sorte do mister Rui Águas, adjunto do professor Jesualdo, vir morar no mesmo prédio, em frente ao meu apartamento, e acabou por ser determinante porque eles é que acabam por me dar a mão.

Gostou do professor Jesualdo?
Até hoje a única coisa que sinto é que ou eu não demonstrei o que valia ou ele estava à espera de demasiado e eu não consegui demonstrar. Foi o treinador que me lançou, mas foi o treinador que acaba por fazer com que eu saia do meu clube do coração, o SC Braga, quando vou para a Turquia. Já lá iremos.

OK. Lembra-se do jogo de estreia?
Não me posso esquecer. Foi no antigo estádio das Antas. FC Porto-Braga, para o campeonato. Entrei nos últimos minutos. Lembro-me que o estádio estava a abarrotar, estava nervosíssimo. Foi o momento em que pensei “agora cheguei ao mais alto patamar, não posso largar, tenho de agarrar com unhas e dentes”. Entrei a dez minutos do fim, tenho uma oportunidade frente ao Vítor Baía e acabo por não marcar. Tremiam-me as pernas, o nervosismo era tanto de ver aquele senhor à baliza que acabei por chutar para o lado. Mas desde aí, disse para mim que iria trabalhar para ter mais momentos daqueles porque era aquilo que eu queria para a minha carreira e era aquilo que eu queria voltar a sentir.

O professor Jesualdo disse-lhe alguma coisa nesse dia?
Deu-me os parabéns. Essa altura foi fantástica porque da equipa B só subiu eu, o Eduardo e o Narciso. Era uma altura em que havia muitos jogadores com valor e subimos os três. O Eduardo era o melhor guarda-redes, eu era o melhor marcador e o Narciso era o homem das assistências e foi fantástico.

Só sobe à equipa principal na época seguinte?
Sim. Eu treinava com eles e jogava com a equipa B. Quando não era convocado para a equipa principal, ia jogar pela equipa B. Só começo a ser chamado com mais frequência no ano seguinte, comecei a fazer muitos golos na equipa B e o mister começou a apostar mais em mim. Até que me chama num jogo para a Taça de Portugal, com o Odivelas, estávamos a perder 1-0, eu entro e faço dois golos na segunda parte. Acho que a partir daí ficou claro e as pessoas também começaram a entender que eu podia ser aposta, que era uma aposta válida.

Edinho (3ª à esquerda, atrás) com a equipa de Almada

Edinho (3ª à esquerda, atrás) com a equipa de Almada

D.R.

Aposta que não aconteceu porque foi emprestado ao Paços de Ferreira.
Exatamente. A pedido do Paços de Ferreira. Na altura vem um argentino, o Bevacqua, para o SC Braga e precisavam de uma vaga. Então o mister entendeu que era bom para mim, era uma equipa da I Liga, eu queria era jogar e fui.

Disse que foi em Braga que começaram as primeiras saídas à noite. Isso acontece como e com quem?
Quando digo saídas à noite, falo em convívio. Íamos a casa dos colegas ou ficávamos no café. Éramos como uma família, muitos jogadores viviam nos mesmos prédios e então começámos a juntar-nos, íamos ao bar, ao café à tarde, ficávamos um bocado no karaoke, começou a haver um convívio maior com os colegas, que era normal e também ajudava a que me integrasse. Saídas à noite só depois de cimentar o meu nome, só depois de estar firme na equipa principal é que havia um convívio, com as mulheres dos jogadores e tudo. Saíamos em grupo, mas nunca fui muito de abusar.

Como foi com José Mota no Paços de Ferreira, muito diferente do Jesualdo Ferreira?
Sim, muito diferente em termos de treino.

Em que aspecto?
Trabalhava bastante a parte física. O mister Jesualdo era mais a parte técnica. Mas gostei, era um treinador exigente, não deixava os jogadores acomodarem-se. Há muitos jogadores que não gostam disso, mas eu acho que é importante. Por vezes, e eu falo por mim, tens o mau hábito de te acomodar, eu confesso que gosto de viver com a competitividade, com o risco de sair da equipa a qualquer momento. Acho que isso é que me leva a ter força e a encarar o meu objetivo. E ele é um treinador assim, bastante exigente, não larga o pé do jogador. Às vezes excede-se mas eu encaro como positivo porque é um treinador experiente, está há muitos anos na I Liga. Isso quer dizer algo, o trabalho dele é válido, devemos dar valor e aprender.

Mas quando diz que ele se excede, refere-se a quê?
À maneira como ele é capaz de chamar nomes aos jogadores [risos]. Excede-se um bocado, perde a cabeça [risos]. Mas também é homem para pedir desculpa, é uma pessoa com um coração bom, reconheço isso. Embora eu às vezes respondesse um bocado quando ele se excedia, mas hoje reconheço que é um bom treinador.

Respondia-lhe?
Respondia [risos]. Sempre fui uma pessoa que nunca tive medo de falar. Dou a minha opinião, se estiver errado também sou menino para dizer que estava errado, mas quando penso que a minha opinião é correta, digo, não escondo. Acho que era por isso que ele também gostava de mim. Gostava que os jogadores dele fossem corretos e honestos com ele. Isso é a base de tudo. Se houver ligação entre jogador e treinador as coisas correm de melhor maneira.

A época no Paços de Ferreira correu-lhe bem?
Fiz alguns jogos, comecei a fazer golos. Depois houve um período em que deixei de fazer golos...

Alguma razão para isso?
Não, foi um momento. Há aquela fase em que a bola não entra mesmo, mas acaba por ser uma época positiva e de aprendizagem. Tanto é que fiz lá grandes laços de amizade, com o Geraldo, Renato Queiroz e o próprio mister José Mota, temos uma amizade muito boa.

Edinho fez toda a formação no Almada

Edinho fez toda a formação no Almada

D.R.

Entretanto não volta ao Braga, vai para o Gil Vicente.
Sim. Na altura o Paulo Alves era o treinador, sabia da minha situação, de que poderia ter de fazer alguns jogos pela equipa B e uma vez que eu já tinha feito um ano de transição na equipa do Paços de Ferreira na I Liga, achei por bem ir para o Gil Vicente, já que não ia ter tantas oportunidades de jogar na equipa principal do SC Braga.

Foi viver para Barcelos?
Fui. Eles preferiram que eu ficasse a viver em Barcelos.

Foi sozinho ou já tinha namorada?
É quando começo a namorar com a mãe do meu primeiro filho, a Cláudia.

Como é que a conheceu?
Através do Paíto, que jogava no Guimarães. Foi ele que nos apresentou.

A Cláudia vai consigo para Barcelos?
Não, ela estava a morar em Braga, ainda ficou lá algum tempo, só passado um ano é que vai viver comigo.

Quando vai para o Vitória de Setúbal.
Sim.

Como é que isso acontece?
Era o meu último ano de contrato com o SC Braga, que queria renovar comigo, até o mister Jesualdo: “Edinho queremos que renoves”. Mas surge, através do Paulo Barbosa, a possibilidade do Bordéus. Eu alertei o SC Braga de que havia uma possibilidade de ir para França, de maneira que só iria renovar o contrato se fosse para ficar realmente na equipa principal. Já estava há dois anos emprestado, queria mostrar o meu valor e ter oportunidade de jogar na primeira equipa, o que me foi negado. Na altura o presidente disse que não me deixava ir para o Bordéus e eu acabo por ir para o V. Setúbal no meu último ano de contrato com o SC Braga. Foi bom para mim, porque faço uma meia época fantástica e vou para o AEK.

Essa época no Setúbal é com o Carlos Carvalhal. Gostou dele?
Gostei muito do mister Carvalhal. Foi mais parecido com os métodos do Jesualdo Ferreira. Era um treinador que trabalhava mais a parte técnica e tática.

E no fundo é um regresso a casa.
Sim, vinha para perto dos meus pais. Comecei por ficar em casa deles para matar saudades e rever os amigos de longa data. Acabou por ser muito bom para mim.

Ganha a Taça da Liga esse ano.
Sim, estávamos a fazer uma temporada fantástica, só que coincidiu com o período de falta de pagamento e quando surgiu a possibilidade do AEK, chegámos a acordo.

Edinho (à direita) em ação pelo Almada

Edinho (à direita) em ação pelo Almada

D.R.

Era um sonho que tinha, jogar no estrangeiro?
Sempre foi um dos meus objetivos ir para o estrangeiro. A minha liga favorita era a inglesa, era o objetivo que tinha. Posso dizer que hoje vai ser quase impossível, mas a gente não sabe, daqui a seis meses posso estar a jogar lá. Acho que já será tarde para isso, mas era o meu sonho: jogar na liga inglesa.

Que tal a Grécia?
Depois de passar pela experiência que passei no Braga, a partir daí não tive mais problemas alguns.

O que quer dizer?
Cheguei à Grécia com motivação alta, sem problemas de adaptação, sem pensar nos problemas que poderia ter com a língua, totalmente motivado e lúcido daquilo que era a minha qualidade e daquilo que me propunha fazer. A Grécia vem através do Geraldo, que jogou comigo no Paços de Ferreira. Tornámo-nos amigos e quando ele vai para lá perguntam-lhe se em Portugal havia um ponta de lança que ele conhecesse e ele indicou o meu nome, é daí que surge a minha transferência. Cheguei totalmente motivado, já tinha o Geraldo lá, mas acabo por encontrar o Rivaldo e outros jogadores brasileiros também, o Moretto e o Júlio César, senti que tinha ido para o sítio certo, onde não iria ter problemas nenhuns e assim foi.

Não teve problemas com a língua, sabia inglês?
Sabia inglês, sempre fui bom a falar inglês, sempre gostei de línguas, inglês, francês... O italiano percebia porque gostava de ver o George Weah, assistia aos jogos na Rai Uno e na Rai Duo, quando ele estava no Milan e era obrigado a aprender italiano, então quando cheguei à Grécia não tive problemas com a língua e tínhamos tradutor. Mas lembro-me que logo no primeiro ano eles todos ficaram surpreendidos porque comecei a falar grego facilmente. Falava fluentemente, porque era muito curioso, apontava num bloco de notas o que é que isto queria dizer, dizia, chegava a casa começava a montar frases e mais tarde, quando vou para a Turquia, adoto o mesmo estilo, só que acabo por perder tudo do grego [risos]. Curioso.

Edinho (à direita) foi emprestado ao Barreirense com 20 anos

Edinho (à direita) foi emprestado ao Barreirense com 20 anos

D.R.

Mas, quando chegou, qual foi a primeira impressão do país, das pessoas, do futebol?
O maior impacto que tive foi no estádio. Quando fui ver um jogo, fogo, agora é que vai ser a doer, porque eles são malucos [risos]. Nunca tinha entrado em campo com 30 mil pessoas. Ai Jesus, meu Deus do céu, foi um pandemónio. Lembro-me da estreia, fui para o banco, o treinador que era espanhol diz-me que eu tinha de aguentar, o Blanco era o melhor marcador, a equipa estava bem. Eu disse-lhe “mister eu estou tranquilo, vou esperar pela minha oportunidade, quando ela surgir cá estou para dar mostras”. Fui entrando aos poucos. Nisto a minha mulher na altura engravida do meu primeiro filho, o Rodrigo, e o primeiro jogo a titular surge quando recebo a notícia de que ela está grávida. Nesse jogo acabo por fazer golo e celebrar a notícia do bebé e a partir daí comecei a jogar com mais regularidade.

O Rodrigo nasceu na Grécia?
Não, nasceu em Portugal e com duas semanas foi para a Grécia.

A época seguinte ainda lhe corre melhor.
Sim, faço os jogos praticamente todos, começo a jogar de estaca por causa de um problema que o Manú tinha com o treinador, não se davam, e o treinador pergunta-me se eu podia jogar na extrema direita. “Mister, eu jogo em qualquer posição na frente, quero é estar lá dentro”. O Manú estava afastado da equipa nessa altura e eu começo a jogar a extremo. Só que ele dizia-me que quando a bola estivesse no lugar contrário, eu era o segundo ponta de lança, não me queria ver na ala. E então fui fazendo golos assim, atrás do ponto de lança, até que começámos a jogar depois com dois avançados.

Depois do Barreirense, Edinho foi para o SC Braga

Depois do Barreirense, Edinho foi para o SC Braga

D.R.

Segue-se o Málaga.
Sim. Tudo surgiu na pré-época. Vamos para a Noruega e temos um treinador bósnio que começou logo na primeira semana a complicar com o Rivaldo. Começou a dizer que o Rivaldo já estava velho, que se calhar era melhor ele ser emprestado e nós começamos a ver que havia uma certa dualidade de critérios para os estrangeiros. Eu, como sou desconfiado, estou sempre atento a tudo, percebi que aquilo não era bom charme, embora o Rivaldo desvalorizasse. “Achas? Sou o rei das assistências, nem pensar”. Mas eu já dizia ao Geraldo: “Geraldo, não estou a gostar da maneira como ele aborda, da maneira como ele está a falar. Ele está a preparar a cama aqui à malta e a malta não está a perceber.” E ele: “Eh pá, lá estás tu, sempre precavido”; “Pois é, mas mais vale precaver. Já sei como é que as coisas funcionam. Não te esqueças que a gente está noutro país. A gente vai vendo como eles vão falando dos outros clubes. Se nos outros acontece, no nosso também pode acontecer”.

O que é que isso quer dizer?
Esse treinador tinha a fama de ser conflituoso. Começamos a pré-época, as coisas estavam a correr-me bem, estava a fazer golos e tudo, até que recebemos a notícia de que ele tinha dispensado o Rivaldo. Só que tinha passado a imagem de que o Rivaldo é que quis sair porque tinha recebido uma proposta do Uzbequistão. O Rivaldo tinha saído assim do nada, nem tinha falado connosco. Até que o Rivaldo chega e conta que não foi bem assim, que foi ele, o treinador que lhe disse que não contava com ele. Nós ficámos surpreendidos porque o Rivaldo tinha 38, 39 anos, mas era o primeiro a puxar pelo pelotão, tinha uma disponibilidade física tremenda, não facilitava, mesmo nos jogos e nos treinos, dava sempre no duro e nós ficamos surpresos, percebemos que ele queria fazer uma limpeza. Depois do Rivaldo, foi o Mohamed Kallon e foi aí que o meu alarme começou a tocar. Os dois jogadores com mais influência na equipa e que ganhavam mais foram dispensados. Pensei se estes dois foram dispensados, isto vai chegar a mim de certeza. Até que fazemos um jogo de treino em Salónica, eu tenho dois ou três lances em que falho e ele veio para cima de mim, que eu não podia falhar e tal. Aceitei, como sempre fazia, só que senti nas semanas seguintes que ele andava à procura de mim.

Como assim?
Chamava-me muito à atenção, em muitas situações que se passavam no treino corrigia-me, ou era por causa do atraso no pequeno-almoço... Estava à procura de motivos e antes que a corda rebentasse, como tinha uma boa relação com o presidente, falei com o meu empresário da Gestifute. Disse-lhe que sentia que ele andava atrás de mim e que o melhor era procurar outro clube, porque ali não ia ter vida fácil. Na altura até saíram notícias que eu podia ir para o PSG ou para o Nantes. Mas no AEK começaram a dificultar as coisas. Não me deixava sair, até que esmoreceram esses interesses e surge, no último dia do mercado, o Málaga. O Jorge Mendes faz a transferência do Cristiano e liga-me. Eu acabo por rescindir o contrato, já estava num clima... Eu não queria partir para a rutura, mas já eram muitas situações. Houve uma vez em que dois colegas, o Djebbour e um grego, pegam-se e eu a separar o Djebbour da confusão, ele vem e agarra-me pelos colarinhos como se fosse eu o culpado. Vi logo que já havia interesse em ter um conflito comigo. Ele sabia que eu tinha moral com os adeptos, que era um jogador acarinhado e o presidente que me veio buscar adaptou uma postura de não se meter. Só que eu como nunca fui jogador de andar em conflito, na minha carreira dá para ver isso, quando não estou bem, simplesmente mudo, procuro o meu lugar noutro lado.

Edinho ainda guarda o recorte de jornal com a notícia da sua transferência para o AEK, da Grécia

Edinho ainda guarda o recorte de jornal com a notícia da sua transferência para o AEK, da Grécia

D.R.

Vai de armas e bagagens para Espanha.
Exatamente. Feliz por ser mais perto de Portugal. Já tinha sido chamado à seleção e a minha ida para o Málaga foi a maior contratação do Málaga na altura, veio fortalecer mais a minha carreira e a minha imagem.

Quando é chamado pela primeira vez à seleção A?
No final dessa época no AEK, em 2008. Já tinha ido aos Sub-21 e na formação, à distrital.

Foi praxado na seleção?
Praxado, praxado não fui, mas havia aquelas brincadeiras que eles fazem, aqueles calduços e tal, mas nada de muito agressivo ou muito constrangedor [risos].

Como foi a adaptação a Espanha e aos espanhóis?
Tenho a felicidade de calhar numa equipa amiga, digamos assim. Os espanhóis não gostavam muito de portugueses, mas apanhei um grupo que já tinha o Duda e o Hélder Rosário. Já os conheciam e se calhar por aí tinham outra maneira de tratar os portugueses. E tive essa felicidade de encontrar um grupo muito bom, que me acolheu muito bem.

Adaptou-se bem ao futebol espanhol?
Sim, sim. Ao início foi difícil porque vinha de um campeonato diferente, com um futebol mais direto e mais combativo. Em Espanha acabei por ver um futebol mais pé a pé, mais tático, mais posse de bola, mais pensado o jogo, o que acabou por ser benéfico para mim no resto da minha carreira.

Edinho (à esquerda) jogou no Málaga de Espanha em 2009

Edinho (à esquerda) jogou no Málaga de Espanha em 2009

Jasper Juinen

Mas não fica no Málaga. É emprestado ao PAOK, da Grécia. Porquê e como?
Houve um problema com a mudança do sheik e com a saída do treinador do Málaga, do Muñiz, que deu lugar ao professor Jesualdo. O sheik queria jogadores sonantes e vieram o Rondón e o Sebastián Fernández. Embora eu já tivesse a minha estrutura, a minha moral e o meu lugar, o professor ao início queria dispensar-me. O Nuno Espírito Santo não deixou. Foi o Nuno que disse: “Não, deixe-o trabalhar connosco e no final da pré-época a gente vê”. Antes da pré-época era logo para ser dispensado.

Pelo professor Jesualdo Ferreira ou a mando do sheik?
Por ele. Até porque o sheik na altura estava bem comigo, eu tinha feito uma boa época.

Descobriu por que é que ele o queria dispensar?
Não sei se foi por causa de lugares. Porque precisam de lugares de inscrição, os objetivos eram maiores, queriam apostar na Liga Europa, não era agora que eu ia sair, ainda por cima depois de ter feito uma boa época. Eu penso que na altura ele pensou como eu era português, seria mais fácil. Ele não ia dizer ao Rondón ou aos outros para sair. Talvez por eu ser português, talvez fosse mais fácil e uma vez que havia a possibilidade do Sérgio Conceição me levar para o PAOK...

Foi o Sérgio Conceição que o quis no PAOK?
Sim. Ele na altura era diretor, falou comigo e acabei por ir, porque vi que ali ia ser complicado. O diretor desportivo depois mete-me de parte. Começo a jogar mas as coisas começam a não me correr bem e ele mete-me de parte quando vem o Manuel Pellegrini na sequência dos maus resultados do professor, que acaba por sair. Eu e o Hélder Rosário, que não contávamos para o Jesualdo, ao começarmos logo de parte... Aí tive de mudar. Não ia continuar ali a sujeitar-me a treinar à parte. Eu queria era jogar, queria ser feliz, então fui para onde me queriam, o PAOK.

Edinho (ao centro) num jogo amigável da seleção A ,com a África do Sul

Edinho (ao centro) num jogo amigável da seleção A ,com a África do Sul

Julian Finney

Que tal foi regressar à Grécia e treinar com o Fernando Santos?
Foi muito bom. Sempre fui acarinhado na Grécia, até hoje as pessoas mandam-me mensagens, lembram-se do meu aniversário. Quando vou não podia ter um melhor começo. Vou jogar contra o Olympiacos em casa deles e faço o golo da vitória. Mas curiosamente sou chamado à seleção e não pude voltar para lá para comemorar com os adeptos [risos]. Eles todos à minha espera mas eu tive de apanhar logo um avião em Atenas para vir para Portugal.

Ia fazer o quê na seleção nessa altura?
Um jogo de qualificação com Malta, para o campeonato do mundo na África do Sul.

Correu-lhe bem?
Correu. Nesse jogo com Malta entro e faço golo; o outro, não sei se foi o anterior com a Suécia... houve dois jogos, já não me lembro qual foi primeiro. Lembro-me que faço o golo em Guimarães, com Malta. O outro jogo fiquei na bancada.

Como foi a experiência no PAOK?
Foi uma boa experiência, embora tivesse azar, porque na equipa havia o avançado, Muslimovic, que estava a jogar bem, a fazer golos e acabei por não jogar tantas vezes, acabo por ser mais vezes suplente. Mas a experiência foi boa, fui bem acolhido, tínhamos um bom grupo.

O que achou do Fernando Santos enquanto treinador? Há quem diga que ele é muito fechado.
É fechado mas eu apanhei um Fernando Santos alegre, comunicativo. Depois, ele tinha sido colega do meu pai, tínhamos essa afinidade. Tinha sido colega do meu pai no Marítimo, colega de quarto, então já havia outro tipo de afinidade, tínhamos uma ligação muito boa, por isso já apanhava melhor as coisas dele, o humor dele. Embora não pareça ele tem um humor muito engraçado [risos], mas foi boa a experiência e acabo por apanhá-lo depois mais tarde.

Tem alguma história que possa partilhar dessa altura?
Tenho uma mas... Ah, vou contar à mesma, não faz mal. Há um período em que ele estava mais constipado, estava a dar a palestra e a escrever no quadro. Entretanto começa a tossir muito e solta-se uma expectoração para o quadro. E lembro que alguém começou a dizer “fogo, eh que nojo” e ele “que nojo!? Vocês não ficam doentes? É só a mim que acontece? Eh pá, nojo é a gente não poder limpar isto. Eu limpo já isto” e fez assim [gesto de limpar com o braço] e limpou aquilo com os jogadores todos a rir [risos]. Mas ele tinha muitas saídas, era uma pessoa muito engraçada e ainda é.

Não há também uma história com Sérgio Conceição?
Ah, isso foi no estádio. Ui, Jesus. O jogo a ferver contra o Aris. Eles estavam a chamar nomes e o Sérgio fervia em pouca água, e o que é que ele foi fazer, foi atirar uma daquelas garrafas das bebidas energéticas aos adeptos e depois ainda tentou subir a vedação para ir ter com os adeptos. "Que foi? Eu encaro-os a todos" [risos]. Da maneira como ele estava encarava-os a todos [risos]. Lembro-me de que estivemos quatro horas para sair do estádio. Só víamos bombas a rebentar, estava a ver que não chegavamos a casa, Deus me livre. O PAOK com o Aris é um dérbi fervoroso. O PAOK até pode perder com o Olympiacos e com o Panathinaikos, agora com o Aris é impensável. A gente naquele jogo perdeu e, ai Jesus, os adeptos estavam só a mandar bocas e ele passou-se.

Edinho (ao centro) também jogou pela Académica de Coimbra

Edinho (ao centro) também jogou pela Académica de Coimbra

PATRICIA DE MELO MOREIRA

Depois volta ao Málaga.
Volto ao Málaga no último ano, na terceira época.

Quem é que lá está como treinador?
O Manuel Pellegrini. Decidiram logo que eu seria para emprestar. Só que aí bati o pé, disse que queria ficar pelo menos para a pré-época e demonstrar o que não tinha tido oportunidade de demonstrar, que tinha valor. Na altura o Nistelrooy e o Júlio Baptista lesionam-se e faço a pré-época. Fiz golos e quando acaba a pré-época tinha a hipótese de ficar, mas fui falar com o mister Pellegrini, fiz-lhe uma pergunta e ele foi honesto e íntegro, porque se fosse outra pessoa, se calhar dava uma desculpa. Perguntei-lhe: “Mister, quando eles recuperarem, como é que vai ser? Vou continuar a jogar, vou ter a minha oportunidade?” E ele disse-me: “Edinho, no futebol já sabes como é. Não vou dizer que vais ser titular porque já sabes com o mediatismo que eles têm vais passar a ser terceira ou quarta escolha. Depois vai depender do rendimento. Não posso prever”. Perante as palavras dele, que foi honesto, surge uma oportunidade de ir para o Marítimo, através do Pedro Martins. Só que as coisas não correm bem, não me adaptei.

Porquê?
Não sei. As coisas não funcionaram.

Foi sozinho ou com a mulher e o filho?
Fui com a mulher e o meu filho, mas não sei, as coisas não me correram bem, não me senti bem.

Do que é que não gostou?
Não sei se era o facto de estar toda a semana a viajar para o continente. Não sei, mas não consegui render. Embora o meu pai diga que as melhores épocas dele foram lá, eu não consegui aguentar e acabei por vir embora.

Para a Académica.
Exatamente, porque o mister Pedro Emanuel já me conhecia.

Conhecia-o de onde?
De jogar contra, a gente falava muito. Disse-me que eu era o ponta de lança que ele queria, eu vinha de dois anos quase sem jogar e ia ajudar-me a relançar a minha carreira, ajudar a ganhar motivação e de tal modo puxou por mim que resolvi aceitar o desafio dele.

Edinho na semana em que foi entrevistado por Tribuna

Edinho na semana em que foi entrevistado por Tribuna

TIAGO MIRANDA

Foi viver para Coimbra?
Sim, fomos os três e gostei muito da cidade. Acabámos por ganhar a Taça de Portugal, acabei por fazer uma época fantástica a todos os níveis.

Apesar de ter concorrência. Tinha o Eder.
Exato, só que ele soube tirar o melhor de mim numa altura que eu precisava e no ano seguinte tenho a possibilidade de ficar no Málaga outra vez, no meu último ano de contrato, mas resolvo voltar à Académica, porque me tinha sentido bem, as coisas tinham-me corrido bem.

A saída do Eder ajudou?
Também, porque sabia que ele tinha saído, eles precisavam de um ponta de lança e eu precisava retribuir a confiança que me tinham dado. Era o meu último ano de contrato e sabia que ali tinha todas as possibilidades para jogar e arranjar um contrato melhor. Nesse ano sai o Pedro Emanuel, vem o Sérgio Conceição e acabo por fazer o meu melhor ano na 1ª Liga, com 18 golos.

Que tal o Sérgio Conceição como treinador?
Eu gostei. Gostei apesar de logo no primeiro treino termos tido um arrufo [risos].

Então?
Ele disse que eu tinha de ser mais expedito, que se calhar eu estava a pensar que ele era o mesmo Sérgio diretor desportivo e colega dele. Aquilo foi para dar o exemplo, só que na altura caiu-me mal, porque foi de uma situação do nada e eu percebi. Depois mais tarde ele falou comigo: “Eh pá quis mostrar que não estou aqui a brincar e foi contigo porque toda a gente sabe a ligação que temos”. Mas pronto as coisas acabaram por se sanar e foi uma coisa passageira.

Respondeu-lhe na altura?
Respondi, trocamos aqueles palavrões nada amigáveis, mas depois no mesmo dia, depois do treino, falámos e ele até disse: “Fogo, achas que me ia chatear contigo a sério. És uma pessoa que conheço bem, levei-te para o PAOK, foste meu colega, mas tinha de mostrar este exemplo a ti, não podia começar com outro”. Acabo por fazer uma época fantástica com ele e ter um campeonato brilhante.

Edinho voltou ao SC Braga em 2013

Edinho voltou ao SC Braga em 2013

MIGUEL RIOPA

Regressa a Braga.
Regresso. O SC Braga vai à final com o FC Porto em Coimbra, na Taça da Liga, encontro o presidente na bancada, estivemos a falar e ele disse: “Ainda vais regressar a casa”. “Presidente, regressar a casa é quando você quiser. Só depende de você. Já sabe que sou bracarense e o amor que tenho por este clube. No dia que quiser que eu regresse, eu regresso”. Ele pergunta-me como é que estava o meu contrato com o Málaga, disse-lhe que o contrato terminava no final dessa época e então pediu-me para não resolver nada sem falar com ele. E assim foi. Não falei com mais nenhum clube, havia a possibilidade do Sporting através do Inácio mas aquilo depois foi esfumando, ou o Inácio não queria ou o Sá Pinto não queria, já não me recordo bem como foi, sei que o presidente Salvador liga-me e pergunta-me se podíamos agilizar o contrato.

Como é que foi regressar a Braga?
Foi ótimo, apesar de outro senão [risos]. Mas foi óptimo.

Qual foi o senão?
O Braga estava sem treinador. Tinha saído o Peseiro e ainda não havia treinador e eu tinha sido contratado pelo presidente, então passado um mês da minha contratação, quem vem treinar o Braga? O mister Jesualdo Ferreira [risos]. Comentei na altura com o Alan: “O mister está-me a perseguir. Isso é perseguição, onde eu vou ele vai” [risos]. Mas as coisas até começaram a correr bem, falámos e eu cheguei a perguntar o que é que se tinha passado porque ele tinha sido o treinador que me tinha lançado na 1ª Liga e depois apanho-o no Málaga, depois de eu ter estado bem no primeiro ano, e ele quando chega lá, as coisas começam a correr-me mal e acabo por ser dispensado. Ele disse que eram opções, não tinha nada a ver uma coisa com a outra. Até me lembro que houve uma altura em que ele me disse que se realmente não gostasse de mim não me tinha dado a oportunidade de jogar na 1ª Liga e não me tinha puxado para o Braga. Compreendi e até hoje está tudo tranquilo. A única coisa em que penso é o que faltou provar-lhe. Às vezes fica aquele sentimento de que faltou alguma coisa, alguma coisa falhou. Mas, quando ele vem para o Braga, pensei: “Bom, tenho de me aprumar. Não vou ter vida fácil”. Mas comecei a fazer golos e tudo, o Eder lesionou-se, comecei a ter ainda mais oportunidades, só que depois contratam o Rusescu e do nada começa a ser ele a opção. Embora algumas pessoas estivessem contra, começa a ser ele a opção. Acabo por perceber que havia uma proposta para a Turquia, de um valor elevado, e ele começou a pensar que seria bom para mim. Confesso que naquela altura não era de todo a minha intenção ir para fora, estava bem, era muito o meu desejo ter voltado ao Braga e foi um revés. Foi um revés porque não contava mesmo nada sair, só que lá está, ao ver a situação que estava, que mais uma vez não ia ter oportunidade, resolvi sair. Era uma proposta financeira boa, um projecto aliciante e lá fui eu de malas para a Turquia.

Edinho antes de marcar a Malta num jogo de qualificação para o Mundial 2010

Edinho antes de marcar a Malta num jogo de qualificação para o Mundial 2010

MIGUEL RIOPA

Como foi o impacto ao chegar ao Kayseri Erciyesspor?
Enquanto na Grécia eles eram fanáticos ali eu vi os extra-fanáticos. É impressionante. Mas não tanto no estádio, é fora dele. As pessoas viviam o futebol 24 horas. Eu cheguei ao aeroporto e tinha umas 500/600 pessoas à minha espera, de um clube pequeno. Um clube que lutava para não descer de divisão. Chego ao centro de estágio e vejo aquela enormidade, cinco campos de treino, dormitórios, piscina, um conjunto de infraestruturas que nem no Málaga tinha. Nem no AEK. Ou seja, um clube daquela dimensão, pensei, afinal não vim para um clube mau. E acabo por perceber isso no primeiro jogo. Tínhamos um estádio de 60.000, estavam 45.000 pessoas, mais ou menos, a gritar o jogo todo. Eu faço golo, no final dos jogos as pessoas vêm à rua e ficam lá mais 40/50 minutos a falar com os jogadores, a acarinhá-los, trazem baklava, um doce típico. A pessoa como não sabe fica com receio e eles dizem "tens de aceitar que as pessoas adoram e vais ver que em tua casa hoje..."; "Em minha casa?! Como é que eles sabem onde fica a minha casa?"; "Não te preocupes que eles vão a tua casa". E a verdade é que sabem onde ficam as casas dos jogadores e levam oferendas, doces, pedem para beber o chá que levam numa jarra. Eu fiquei viciado em chá por causa disso. São muito cuidadosos com as pessoas, muito acolhedores.

Como era a cidade?
Muito conservadora, as mulheres andavam de burca, mas para o estrangeiros eram fantásticos. Ao início foi complicado ouvir o chamamento mas só porque não estava habituado e despertava às cinco da manhã com a música da reza. Acho que era a mais importante deles. Nos estágios também, às vezes, dava por mim de manhã e via um vulto, era o meu colega a rezar, e eu assustava-me um bocadinho [risos]. Mas depois acabei por me habituar.

O que mais o marcou dessas duas épocas no Kayseri Erciyesspor?
O afeto. O afeto e o carinho das pessoas. Para lá além do bom desempenho que tive lá. O calor humano foi o que mais me fascinou nessa minha estada. Adorei.

Foi com mulher e filho?
Não, eles ficaram, porque não tinha escola para o menino. Às vezes eles iam lá, de dois em dois meses.

Kader Mangane, Georges Mandjeck, Edinho e Pape Malickou Diakhate do Kayseri Erciyesspor comem bananas solidários com Dani Alves em protesto contra o racismo

Kader Mangane, Georges Mandjeck, Edinho e Pape Malickou Diakhate do Kayseri Erciyesspor comem bananas solidários com Dani Alves em protesto contra o racismo

Anadolu Agency

Histórias para contar?
Tenho várias. Na altura arranjaram-me um motorista e uma limusine, que tinha televisão lá dentro e tudo. A certa altura, as pessoas ainda não conheciam o meu carro e andavam loucas por me apanhar na rua. Eu andava a fugir, porque, embora as entendesse, acabava por não ter privacidade nenhuma. Uma das vezes, fui para a Capadócia e tive que fugir num outro carro, num táxi. O meu motorista meteu-me num táxi de um amigo dele e andou com o meu carro pelas ruas, porque um grupo de turistas gregos, que tinha me reconhecido, andava atrás de mim. Eu como há algum tempo não tinha privacidade com a família, queria aproveitar aquele tempo para estar à vontade, então acabei por fugir no táxi e o motorista a ligar-me a dizer "eles estão a seguir-me, continuam a seguir-me no autocarro, podes sair à vontade". E eu saí tranquilo de táxi sem que ninguém topasse [risos].

Foi ainda no Kayseri que foi considerado o melhor jogador no ano.
Sim, foi no meu último ano lá, antes de haver os problemas financeiros e políticos que atingiram o nosso presidente.

Atingiram como?
Acho que ele pertencia a um partido e esse partido financiava 60 ou 70% do clube e quando houve cortes porque esse partido perdeu umas eleições, ele acaba por sair e começam os problemas. Quando veio o novo presidente teve de fazer cortes no orçamento e os jogadores começaram a sair. Até por causa da falta de pagamento. Eu ainda estive quatro meses para receber e ainda tenho algum que ficou na FIFA para receber.

Como se dá passagem para o Sanliurfaspor?
Estava de férias em Portugal, o presidente do Sanliurfaspor veio ver o Tiquinho Soares a Guimarães e encontra-me no hotel de Guimarães.

Edinho com algumas fãs na Turquia

Edinho com algumas fãs na Turquia

D.R.

Em Portugal a sua base é em Guimarães. Porquê?
Depois de viver lá sempre adorei o norte e acabou por ficar lá a minha base. Comprei casa em Guimarães e fiquei lá. As pessoas do norte cativaram-me de uma maneira a que não estava habituado. O norte tem um encanto que eu gosto. Não sei se é a comida, as pessoas, não sei explicar.

Mas estava a dizer...
Ele veio ver o jogo do Guimarães para observar o Tiquinho Soares, e acaba por me encontrar com ele. O meu filho na altura jogava futebol no Brito e fomos apanhar um colega dele lá e ele encontra-me no hotel e começa a sondar-me. "Tu não és Edinho?", em turco porque eu já falava turco naquela altura. "Sou, sou"; "E hpá, sou fã teu, fazes-me falta..." Começamos a falar aí até que o interesse passou a ser real. Ele liga para o pai, que era o presidente, ele era vice-presidente, e o pai dá o aval da contratação. E até consegui que fossem o Diogo Valente e o Cícero.

Estava sem clube?
Nessa altura tinha rescindido com o Kayseri devido a falta de pagamento. Já tinha tido propostas, mesmo de Portugal, o próprio V. Setúbal, só que eu estava virado para ficar no estrangeiro. As coisas correram-me bem, estava a ser bem tratado, era meu desejo continuar.

E vai uma época para Sanliurfaspor.
Sim, com o Diogo e o Cícero. Acaba por ser uma experiência boa também.

Edinho com Rodrigo, o filho mais velho

Edinho com Rodrigo, o filho mais velho

D.R.

Mais aventuras na Turquia?
Há uma muito boa num táxi, com o Diogo Valente. Nós chamávamos-lhe “o agarrado” pelo facto de andar sempre a contar os tostões e não gostar de largar um euro que fosse [risos]. Esquecia sempre a carteira. Uma vez estávamos no táxi e ele diz: "Como nós não falamos muito bem turco, vamos dar-lhe uma tanga e vais ver que vamos pagar menos". Eu disse-lhe: "Eu não vou entrar nessa. Dizes tu". E ele diz, eu vou falar com ele um preço, quando chegar a hora de pagar vou dizer que ele disse-me outro preço e ele vai ver que nós não percebemos bem, vai ziguezaguear e vai acabar por dar". Porque os turcos eram assim, começam a discutir, a discutir e a determinada altura eles dizem: "Pronto, está bem, fica assim, fica assim". Ele apanhou-lhes isso... [risos]. De manhã, era uma semana um, uma semana outro a pagar o pequeno-almoço, e para variar o menino Diogo Valente esquecia-se sempre da carteira. Antes de sair de casa dizia: "Hoje sou eu a pagar o pequeno-almoço". Mas saía de casa e esquecia-se sempre da carteira. Eu dizia-lhe que ele tinha amnésia na hora do pagamento [risos]. Acabou por ser uma experiência boa. Tivemos azar depois porque apanhámos a tentativa de golpe de estado, estivemos dois meses a ferro e fogo e viemos embora.

Sentiu medo alguma vez?
Senti. Mais em janeiro. Tanto que quando venho embora deixo tudo. As minhas roupas, o carro... Acabo por rescindir o contrato.

Vem embora porquê em concreto?
Por causa das bombas e daquilo tudo. Quando chegou cá a Portugal, vejo aquela confusão toda a acontecer lá, as bombas na ponte, as pessoas a levar tiros, decidi que não voltava. Tinha mais três anos de contrato, mas deixei tudo.

E deixou lá tudo?
Deixei tudo, roupa, tudo. Acabei por mais tarde ir buscar as coisas, nas férias [risos].

Quando deixa tudo e resolve cá ficar, o que acontece?
Surge a possibilidade de vir para o Vitória de Setúbal, e é aí que opto por mais uma vez em voltar para casa.

Veio através do Couceiro.
Sim, através do José Couceiro, que me faz a proposta. Não olhei para trás, era um bom período, as coisas tinham-me corrido mal fora.

Vai viver para Setúbal?
Sim.

Com a mulher e o filho?
Já não, nessa altura as coisas não estavam a dar e acabo por me separar e venho sozinho. O clube dá-me um apartamento em Palmela, embora tivesse a casa dos meus pais também.

Que tal o José Couceiro como treinador?
Bom treinador, amigo dos jogadores. Sabe entender o jogador, também foi jogador, por isso sabe pôr-se no lugar do jogador. É um treinador exigente, mas também tem a parte humana. Acho que o segredo dele é esse. É um bom condutor de homens, sabe o momento certo de entrar numa conversa com o jogador, sabe o momento certo de extrair o melhor do jogador, quando o jogador está chateado. Acho que um treinador também é isto, psicólogo, e ele encarna isso muito bem.

Teve duas épocas boas em Setúbal. Por que não continuou?
Porque há mudança de treinador. Vem o Lito Vidigal, tinham-me dito que estava tudo certo, eu vou de férias, nem renovei o contrato, disse ao presidente Vitor Hugo que bastava a palavra dele e ele disse-me que sim. A verdade é que quando estou no estágio, eles resolvem dizer-me que não dava, que tinha de baixar o salário porque estava a ganhar muito para aquela realidade. Quando eu já tinha acertado tudo com o presidente. Vim a saber que o Lito não concordava com aquilo.

Não concordava com o quê? Com o que lhe estavam a pagar?
Exatamente. O clube tinha problemas financeiros, diziam que era excessivo o que me pagavam e fizeram-me uma proposta de contrato que era menos de metade daquilo que era o meu contrato. Um valor irrisório para aquilo que tinha atingido, fui o melhor marcador, melhorei a marca. Vi logo que era para não ficar e optei por sair. Surgiu o Feirense com uma proposta...

Financeiramente melhor?
Também melhor e resolvi logo ir. Era no norte, ia-me permitir ver e estar mais vezes com o meu filho e aceitei o desafio. As coisas não correm mal a nível pessoal, acabo por fazer oito golos, embora no final, por causa do meu contrato, havia um problema relacionado com os prémios e acabo por ser afastado da equipa...

O que aconteceu, pode contar?
Aquilo basicamente foi um erro deles, que acaba por afetar a equipa. Fui eu e o Sampaio que não jogámos. A gente tinha no contrato prémios e era mais fácil não jogarmos para não atingir esses prémios. Eu se chegasse aos 10 golos tinha prémio. Chego aos sete e deixo de jogar. E, antes disso, tenho uma lesão gravíssima, rompo o tendão do adutor, consigo recuperar num mês porque a equipa precisava. Fiz tratamentos de manhã à noite, às oito da manhã saía de casa, chegava às onze da noite, porque a equipa precisava de mim. Falavam em três meses de recuperação e eu consegui recuperar num mês, com um sacrifício enorme, e quando recupero, para ajudar a equipa, deparo-me com esse problema. É impressionante porque até ao último jogo, quando me deram oportunidade, continuei a ser o melhor marcador da equipa com sete golos. E no dia em que me dão oportunidade de jogar, acabo por fazer golo. Naquela altura tinha sido pré-convocado e acredito que se tenho jogado tinha sido convocado para a Liga das Nações. Estava pré-convocado para a Liga das Nações. Mas acabo por não jogar os últimos 18 jogos no Feirense e acaba por se esfumar a minha convocatória.

Depois da passagem pela Turquia, Edinho regressa ao V. Setúbal

Depois da passagem pela Turquia, Edinho regressa ao V. Setúbal

Gualter Fatia

Não foi à África do Sul, nem ao Mundial do Brasil.
Não. Apesar de ter feito uma época fantástica, em que faço 16 golos em 11 jogos, na altura vão o Hugo e o Postiga ao Mundial.

Sentiu-se injustiçado?
Senti. Acho que o mister Paulo Bento não foi justo na convocatória para o Mundial no Brasil. Fui o mais produtivo dos avançados e depois no Campeonato da Europa, além de pensar que poderia ser chamado porque as épocas me correram bem, os outros jogadores não fizeram épocas boas, mas como andavam sempre a ser chamados, o mister foi coerente nas escolhas que fez. Já havia um grupo que estava ser formado e eu já há muito tempo que não fazia parte desse grupo e entendi a coerência que ele teve nas convocatórias. Mas fica sempre aquele sentimento, podia lá estar porque estava num bom momento, mas não aconteceu .

Ainda tem esperança de ir à seleção?
Tenho. Às vezes as pessoas perguntam-me, como é que eu consigo alimentar esse sonho. Pelo simples facto de que conheço o mister Fernando Santos e a prova disso foi o Ricardo Carvalho, que foi à fase final com 37 anos. O mister privilegia muito não só a capacidade física, como mental, e não abdica das ideias e do estilo de jogador que ele quer. Eu sei que se estiver bem, se estiver a fazer golos, se estiver confiante e num bom momento, se ele tiver de me chamar, chama, não tem problemas com a idade. É mais um objetivo, é mais um foco e sinto-me bem.

Cuida-se muito?
Sempre fui uma pessoa que se cuidou muito. E este ano até aconteceu uma coisa engraçada. O meu cunhado, que é ciclista no Maia, teve uma prova que fui ver e tive oportunidade de ver uma máquina que a equipa da Movistar tem para preparação dos atletas. É uma máquina que combina crioterapia e compressão. Achei curioso, resolvi experimentar e a verdade é que se tornou num aparelho imprescindivel para mim, porque me permite recuperar mais rápido. Enviei um email para a empresa a solicitar uma parceria para divugar a máquina em Portugal e noutros países. A ideia foi bem aceite e a verdade é que tenho divulgado a máquina a muitos colegas. É uma forma de estar bem e é bom poder ajudar outros colegas a estarem na melhor forma possível.

Edinho com a atual mulher, Paula Barbosa

Edinho com a atual mulher, Paula Barbosa

D.R.

Atualmente joga no Cova da Piedade. Veio para o clube porque acaba o contrato no Feirense e não o renovam?
Pelo projeto. Tive a oportunidade de outras equipas, Aves, Tondela, Moreirense, mas todos eles puseram em causa a minha idade e todos me falaram de ser um jogador caro para a idade que tinha. Aqui não me falaram de idade, aqui falaram-me da importância do meu estilo de jogo, da importância da experiência que poderia trazer e que poderia ajudar os outros jogadores mais novos. Isso foi um desafio importante para mim, porque vinha para um sítio onde comecei a jogar, onde sou acarinhado, onde a margem de erro e a margem para crítica seria enorme, logo não iria permitir acomodar-me. Aqui desde o início demonstraram um querer muito grande. Depois tinha colegas que já conhecia, o Sami, o Carvalhas, que me falaram muito bem das pessoas e eu não quis esperar mais. Até acho a II Liga bastante competitiva porque as equipas são mais equilibradas, a diferença não é grande.

Mas está um bocadinho desiludido ou não?
Estou um pouco, mas comigo, porque acho que por esta altura já podia estar com mais golos, num outro pico de forma. Também sinto que poderia estar a ajudar mais os meus colegas.

Isso não está a acontecer porquê?
Não sei, não sei se é somente uma fase ou se é por não estar tão adaptado à realidade da liga, apesar de pensar que estava preparado. Estava habituado à I Liga e a diferença, apesar de eu pensar que não, é muita.

Em que aspectos?
A nível de treinos, a nível táctico, a maneira de pensar e ler o jogo, aqui não dão tanto espaço como dão na I Liga, os próprios colegas reagem de maneira diferente, alguns se calhar não conseguem compreender a minha maneira de ler o jogo também. Para tudo isto é preciso tempo e a equipa também é nova, com jogadores novos. É uma equipa feita este ano, saíram bastantes jogadores.

Edinho joga pelo Feirense, depois de sair de Setúbal

Edinho joga pelo Feirense, depois de sair de Setúbal

Gualter Fatia

Faz alguns vídeos no Instagram, tem sempre uma mensagem muito positiva e num deles diz “eu sou o melhor”.
Sim.

Porque é que faz esses vídeos e o que quer transmitir? É também uma forma de se motivar?
Sem dúvida. Acabo por seguir também um pouco a imagem do Cristiano e do LeBron James, que são dois atletas fora do normal, e procuramos segui-los. Eles têm uma ideia que é, se eu próprio não acreditar no meu valor a 100%, que sou melhor do que os outros, em qualquer momento vou falhar, porque eu próprio duvido de mim. Então procuro motivar-me dessa maneira, embora tenha realmente essa noção, de que para mim eu tenho de ser melhor que os outros e eu sou melhor do que os outros na minha posição. Porque eu estou disponível para trabalhar mais do que os outros, estou disponível enquanto os outros cansam ou procuram o básico, eu procuro o mais difícil.

Mas quando diz que é o melhor, é sempre em relação à equipa, ao clube onde está?
Exatamente. Ou então à minha posição de ponta de lança. Eu criei estes vídeos a pedido de alguns jovens que me têm mandado mensagens a pedir conselhos. Começou como brincadeira e agora ganhei o gosto de poder ajudá-los.

Num desses vídeos está chateado por causa do jogo com o Benfica, que não correu bem, ficou desiludido. Disse que foi uma oportunidade única que se perdeu. O que é que quis dizer com isso?
Fiquei desiludido porque acho que muita gente dos clubes de menor dimensão sonha pouco ou não é capaz de sonhar mais alto. Para mim era uma oportunidade do Cova da Piedade e a cidade em si ganhar outra dimensão. A mensagem que eu vi passar não foi essa. A mensagem foi de que era mais uma festa, digamos assim. Na minha cabeça isso não existe, acho que são jogos desses que podem definir imagem e contratos. Podem definir momentos melhores da equipa porque a gente não vinha de um bom momento e ter oportunidade de defrontar o Benfica, nem que perdêssemos, era diferente de perder com o Benfica num prolongamento ou em penáltis do que perder por 4-0. E naquele dia vi alguns a dizer: “Ah pronto, já passou, este jogo também não era do nosso campeonato”. Lá está, se calhar nós perdemos o jogo antes de o começarmos porque já estamos a pensar assim. Lembro-me de na Académica, a primeira mensagem do mister Pedro Emanuel ter sido hoje é o primeiro dia do vosso sucesso, e lembro-me do João Real perguntar: “Mister, porque é que diz isso?” E ele respondeu: “Porque hoje não vos vou pedir para que façam nada de extraordinário, hoje vou pedir-vos para vocês serem quem são e para fazerem história, porque hoje é dia de fazer história. Hoje não é dia de jogar o jogo pelo jogo. Hoje é aquele dia que amanhã não vai haver. Vocês quando chegarem lá dentro, até aos 90 minutos, saibam que podem ganhar ao Sporting, é 50/50 e aquela equipa do Sporting vai temer-vos mais do que vocês a eles. Eles têm tudo a perder”. E neste jogo do Benfica eu quis passar essa mensagem, que era o jogo do tudo ou nada. Nós não tínhamos nada a perder, era normal perder com o Benfica, mas o Benfica perder com o Cova da Piedade não era normal. E isso não cabia na cabeça de alguns, que se calhar não estavam habituados a este tipo de vivências, a outro patamar e não ligavam tanto. Então aquilo revoltou-me um bocado porque eu sentia que a gente podia fazer mais.

Diz também que não gosta da maneira como cresceu. Que nunca lhe faltou nada mas… o que significa esse “mas”?
É assim, quando vim para Almada vivia no bairro Monte da Caparica e custou-me bastante a mim e aos meus pais lutar para sair do bairro. Quando me referi a isso, refiro-me com orgulho, porque esse é o meu ponto de partida para o sucesso. Ou seja, qualquer que fosse a minha dificuldade, eu iria lembrar-me sempre de onde é que comecei e porquê é que comecei e de onde eu estou, seria sempre o meu elo. Foi por isso que disse isso.

Por que não gostava do bairro?
Não gostava porque havia muita violência, havia droga, havia todo o tipo de aliciamento e queria sair dali.

Tinha quantos anos?
Sete, oito, dez anos, foi antes de ir para a Quinta do Conde.

Nessa altura foi aliciado para outras vidas?
Havia na escola, havia os colegas na rua. Os meus pais sempre me alertaram e aos meus colegas, mas era à nossa mercê. A gente via as pessoas na rua a drogarem-se.

Houve alguma situação que o tivesse marcado mais?
Não, a mim fazia-me impressão só de ver aquele meio e por isso queria sair dali. Sabia que tinha de fazer tudo para sair dali e conseguimos, fomos para Setúbal.

Edinho (à esquerda) disputa a bola com Marega do FCP

Edinho (à esquerda) disputa a bola com Marega do FCP

NurPhoto

Voltando à seleção e ao facto de ainda ter esperança de lá voltar, tendo em conta aquilo que conhece do mundo do futebol e sabendo que está num clube como o Cova da Piedade, não acha que isso lhe dificulta a vida?
Sim, dificulta, mas o meu objetivo não é ficar aqui. Vim para cá, mas o meu objetivo é ir sempre para melhor. Estou aqui para deixar mais uma marca na cidade que eu adoro, ajudar o clube a crescer com a minha experiência, com os meus golos e poder ajudar outros jovens também, mas sempre com o intuito de ir para melhor.

E agora, o que era o melhor para si?
Não sei, uma I Liga, outro campeonato. Estou aberto a tudo. Arábia Saudita, China, eu quero é um objetivo, um projeto bom. Agora movo-me mais pelo projeto, nem é tanto pelo lado financeiro. Costumo dizer que muitos deles não vão chegar à minha idade com esta vontade. Eu não vivo só o futebol no dia de vir treinar. Futebol para mim não é só vir ao treino, é fora dele também, e enquanto estiver na carreira de futebol, vai ser o chegar a casa, pensar no treino... Óbvio que tenho tempo para a família mas aquelas duas horas quando chego são para pensar e refletir porque é que o treino não me correu bem se for caso disso. Porque é que eu falhei isto e porque é que falhei aquilo. Chega o meio da semana e eu penso no adversário, tenho a imagem do adversário, estudo o adversário porque isso vai permitir-me ter um desempenho melhor no jogo. Ou seja, é já uma vantagem que eu levo. Há jogadores que não pensam nisso e eu costumo dizer-lhes que isso faz toda a diferença e aprendam isso enquanto são jovens porque quando forem mais velhos, vão dizer: “Eh pá, se eu soubesse há mais tempo, se calhar estava noutro lado".

Portanto, o Edinho está longe ainda de pendurar as chuteiras.
No mínimo nos próximos quatro anos não penduro. Quero jogar no mínimo até aos 41.

Porque é que tem essa meta?
O meu pai parou aos 39, 40, e eu disse-lhe que ia bater esse recorde.

Ele continua a dar-lhe na cabeça?
Continua, embora muitas vezes diga que eu trabalho demasiado para a equipa, que devia focar-me mais na minha área de ação. Mas já lhe disse sou um jogador de equipa. Se calhar podia cortar-me a algumas coisas, eu entendo o que ele quer dizer, às vezes devia cortar-me mais, mas é o que costumo dizer, se não corto nos treinos, não vou cortar no jogo. E não corto porque me sinto bem e sei que o posso fazer. Se não estivesse em condições, se calhar cortava.

Paula Barbosa, mulher de Edinho, com Gabriel, filho de ambos

Paula Barbosa, mulher de Edinho, com Gabriel, filho de ambos

D.R.

O que herdou do seu pai?
O jogo aéreo, a disponibilidade para a competitividade, o não desistir, o ser ambicioso, que ele também me diz muitas vezes. Só não herdei a velocidade. Ele era mesmo supersónico, toda a gente diz que ele era muito rápido mesmo. Mas de resto acho que vejo nos olhos dele quando ele fala de mim, o orgulho que ele tem.

Só tem um filho?
Agora tenho um mais pequeno, o Gabriel, que tem oito meses.

Como é que conheceu a mãe do Gabriel?
Nós já nos conhecíamos, éramos amigos. Conheço-a no último ano do Vitória de Setúbal, já estava separado, começámos a falar e acabámos por nos encontrar e as coisas aconteceram.

Gostava de ter mais filhos?
Gostava de ter uma menina, é um sonho ter uma menina e acredito que vou ter, também se trabalha para isso [risos].

O seu filho mais velho joga futebol?
Sim.

Revê-se nele?
Em algumas coisas sim, embora ele seja mais agressivo, gosta muito mais do contacto do que eu. Eu procuro evitar o contacto, jogo mais à base do contra movimento.

Tem tatuagens?
Tenho. A primeira foi o nome do Rodrigo, no antebraço. Tenho a do meu afilhado e vou fazer outra em breve, do Gabriel.

Joga esta época no Cova da Piedade

Joga esta época no Cova da Piedade

Gualter Fatia

Onde é que ganhou mais dinheiro?
Na Turquia.

Qual foi a maior extravagância que fez com o dinheiro?
Foi quando comprei o Panamera. Andei dois dias no carro, comprei-o de seguida, foi amor à primeira vista [risos]. Fogo, nunca tinha andado num carro com aquela potência, fiquei apaixonado. Ao terceiro dia comprei-o.

Já o vendeu?
Já, meu Deus. Acabas por perceber que o gasto que tens é desnecessário. Usufruí dele vários anos, matei o bichinho que tinha, mas tive outro filho, tive de trocar, antes que ele começasse a perder o valor, foi melhor trocá-lo [risos].

Onde é que investiu o seu dinheiro ao longo dos anos?
Tive a oportunidade de comprar um carrossel.

Um carrossel?
Sim, um carrossel de feiras. Um negócio que na altura o pessoal ficou um bocado, como?! Não estavam à espera. Ao início foi um bocado a medo, mas a coisa correu bem. Ainda o tenho, está na zona norte, faz as festas. Tenho encontrado gente espetacular nas feiras, gente humilde, trabalhadora, com as quais tenho travado amizades.

É crente?
Sou. Foi incutido pelos meus pais e sempre fui uma pessoa de muita fé. Muita fé em Nossa Senhora de Fátima, muita fé em Deus e acredito que é a minha fé que me tem ajudado a não ter tido lesões, que tenha tido a carreira que tive, a vida que tenho. Posso dizer que sou uma pessoa feliz, uma pessoa realizada e completa. E acredito que isto vem da fé que tenho.

Vai à igreja?
Sempre que posso vou. Nem sempre tenho oportunidade de ir à missa, mas sempre que tenho oportunidade vou. Inclusive quando vou para o norte passo sempre por Fátima. A minha atual esposa também é crente. A verdade é que eu sinto que há algo que me abençoa. Já passei por momentos...Vou contar uma história. Tenho um momento, acho que foi no Málaga, em que venho a Portugal, antes de vir para a Académica, em que estava bastante triste, não acreditava, não compreendia o porquê de estar a passar por esta situação. Lembro-me de ter vindo a Fátima no regresso para Málaga. Nessa noite não conseguia dormir e vou para o meu terraço da casa que na altura eu tinha comprado lá e acendo uma vela com a imagem da Nossa Senhora de Fátima e pedi-lhe amparo e que me desse uma luz, uma oportunidade de pelo menos ir para um sítio onde me quisessem realmente. E contei isto a algumas pessoas, até ao Pedro Emanuel. Nessa semana recebo a chamada dele para ir para a Académica. A partir daí comecei a ter ainda mais fé e a acreditar que realmente há um poder que nos ilumina e que Deus realmente olha por nós. Acabo por ter outras situações do género, outros pedidos e que realmente acabo por vê-los. Como quando me lesionei no ano passado, quando estava no Feirense. Muito pedi a Deus para me ajudar a recuperar, para ultrapassar essa fase rápido porque a equipa precisava de mim e acabei por recuperar antes do tempo.

Tem ou teve superstições?
Não, não sou muito disso. Quando saio de casa no dia do jogo, peço a Deus que não me lesione, que corra tudo bem, que não haja nenhum infortúnio para mim e para os meus colegas. São as únicas coisas que faço.

Rodrigo com o irmão Gabriel, de oito meses, ao colo

Rodrigo com o irmão Gabriel, de oito meses, ao colo

D.R.

Já pensou no que vai fazer quando pendurar as chuteiras?
Tenho várias ideias, mas nenhuma ainda ao certo. Gostava de ser treinador, quero tirar o curso. Ser empresário, diretor desportivo... vou começar aos poucos fazer qualquer uma delas, qualquer um dos cursos e depois, na altura, vou ver qual a que me vai dar mais gosto. Mas, neste momento, confesso que o que me dá mais prazer é treinar. Cada vez gosto mais do jogo.

Tem algum passatempo para além do futebol?
Sou viciado na Playstation [risos].

O que é que quer dizer com viciado? São quantas horas por dia?
Depois de chegar do treino tenho aquelas duas horas de dormida, tenho aquela hora para ver o que aconteceu e não aconteceu no treino, o que fiz de bem e de mal, tenho a hora da família e normalmente das oito às dez, é hora para jogar PlayStation.

Joga o quê?
Call of Duty e futebol, FIFA. Mas é mais o Call of Duty, porque o pessoal gosta mais de guerra, jogo com os colegas.

É bom nisso?
Sou, sou.

Há algum desporto que goste de seguir para além do futebol?
Gosto de ver a NBA, gosto de ver ténis, sou fã do Nadal e do Federer.

Se não fosse jogador de futebol tinha sido o quê?
Não sei... provavelmente cantor. Gosto muito de cantar. Gosto de tudo um pouco. Gosto de Adele, tem músicas calmas, Ed Sheeran também. Gosto de músicas africanas, de kizomba.

TIAGO MIRANDA

Alguma vez foi à Guiné, à terra do seu pai?
Fui. Mas já não vou lá há cinco anos.

Sentiu-se em casa quando lá chegou?
Senti. Estava à espera de pior, a imagem que eu tinha era pior, mas é um país já desenvolvido. Agora tem muita ajuda dos holandeses. Este ano em princípio vou lá com a minha mulher que ela quer conhecer e o meu pai também quer voltar lá, já não vai há alguns anos.

Qual foi a sua maior alegria e a sua maior frustração na sua carreira?
A maior frustração foi ter ganho o campeonato pelo AEK e ter perdido na secretaria por um ponto. Essa foi a maior frustração. Aconteceu na primeira época. Perdemos na secretaria porque um jogador estava mal inscrito. O Olympiacos tinha poder sobre tudo, só deu aval para investigar isso depois da gente ter ganho [risos], mas pronto, aconteceu, enfim.

E alegria?
A chamada à seleção foi o momento alto da carreira. Ser titular, jogar contra a África do Sul e ouvir o hino nacional, foi o ponto mais alto. Foi fantástico.

“O prof. Alexandrino, o firme e hirto do Herman SIC, pôs as mãos nos nossos pés descalços e disse: ‘vou dar-vos técnica’. Só rir”

Carlos Fangueiro cresceu no bairro dos pescadores de Matosinhos, iniciou carreira no clueb do coração, o Leixões e saltou para as páginas das revistas quando foi pai de quadrigémeos. Esteve seis anos no V. Guimarães, mas pelo meio foi emprestado ao Maia e Gil Vicente. Depois de uma época na U. Leiria rumou a Inglaterra e depois para a Grécia, onde foi despejado de casa e chegou a comer só cereais por não ter dinheiro para mais. Passou pelo Vizela e Beira Mar, mas só conseguiu ser campeão no Vietname. Regressou ao seu Leixões onde praticamente arrumou as botas. Há oito anos a viver no Luxemburgo onde atualmente é o treinador da equipa líder da 1ª divisão, chegou a acartar sacos de 50kgs e foi camionista para garantir um futuro melhor para os filhos. Adora cinema, chegou a pintar quadros e segundo diz, tinha jeito. Porque no domingo há Luxemburgo - Portugal
  • “O prof. Alexandrino, o firme e hirto do Herman SIC, pôs as mãos nos nossos pés descalços e disse: ‘vou dar-vos técnica’. Só rir”

    A casa às costas

    Carlos Fangueiro cresceu no bairro dos pescadores de Matosinhos, iniciou carreira no clueb do coração, o Leixões e saltou para as páginas das revistas quando foi pai de quadrigémeos. Esteve seis anos no V. Guimarães, mas pelo meio foi emprestado ao Maia e Gil Vicente. Depois de uma época na U. Leiria rumou a Inglaterra e depois para a Grécia, onde foi despejado de casa e chegou a comer só cereais por não ter dinheiro para mais. Passou pelo Vizela e Beira Mar, mas só conseguiu ser campeão no Vietname. Regressou ao seu Leixões onde praticamente arrumou as botas. Há oito anos a viver no Luxemburgo onde atualmente é o treinador da equipa líder da 1ª divisão, chegou a acartar sacos de 50kgs e foi camionista para garantir um futuro melhor para os filhos. Adora cinema, chegou a pintar quadros e segundo diz, tinha jeito. Porque no domingo há Luxemburgo - Portugal

  • “Nasci em Paris e jogava num parque onde apareciam skinheads com ratos no ombro e biqueiras de aço. Tinha de os deixar jogar senão...”

    A casa às costas

    Filipe Teixeira jogou até aos 38 anos e está agora a viver a ressaca de quem acabou de pendurar as chuteiras. Quer continuar ligado ao futebol, mas ainda não descobriu como. Por enquanto joga Padel para matar o "bichinho" da competição e vai tomando consciência de que no final do mês já não há dinheiro a entrar na conta. Nasceu em Paris, onde jogou com skinheads com ratos pendurados no ombro, formou-se no Felgueiras, chegou ao seu PSG e esteve quase a jogar em dois dos três grandes portugueses, mas acabou por fazer carreira na Académica, Inglaterra e Roménia, com passagens pela Ucrânia e Dubai

  • André Castro: “Vi a final da Liga dos Campeões que o FC Porto ganhou em 1987 mais de 100 vezes. Já quase sei os comentários de cor”

    A casa às costas

    Depois de aprender os primeiros passes no clube da terra, o Gondomar, o FC Porto chamou-o, apenas com 11 anos. Na ida para os treinos na Constituição chegou a ser assaltado duas vezes, mas nunca desistiu de jogar no clube do coração, onde fez um dos maiores amigos, João Moutinho. Foi emprestado ao Olhanense, onde diz ter aprendido muito com Jorge Costa, estreou-se lá fora, no Sporting de Gijón, e regressou ainda ao FC Porto, antes de iniciar aventura na Turquia, onde ainda joga. Casado e pai de um filho, conta-nos de forma solta e divertida algumas histórias do FC Porto, da seleção, de Ukra e até oferece em primeira mão um vídeo que fez com colegas, imitando o estilo Harlem Shake

  • David Caiado: “Na Polónia, aos 30 minutos racharam-me o maxilar, mas, como ganhava ao minuto, continuei a jogar para não perder 600 euros”

    A casa às costas

    No Luxemburgo, onde nasceu, aprendeu a torcer pelo Benfica, mas foi no Sporting que David Caiado se formou como jogador e homem. Aos 13 anos, já a viver no centro de estágio, sofre a primeira grande cicatriz da vida ao ver o pai ficar numa cadeira de rodas na sequência de um acidente de viação. Depois da estreia no Sporting, de duas épocas no Estoril Praia, euma e meia no Trofense, inicia o percurso além-fronteiras na Polónia, passando por Chipre, Bulgária e Ucrânia, antes de voltar a pisar solo português, no V. Guimarães. Sem conseguir impôr-se devido à incapacidade de lidar com a pressão da expetativa criada, volta a sair, primeiro para os relvados da Ucrânia, depois de Espanha e, por fim, instala-se na Roménia, onde ainda joga. No meio disto tudo é pai, vive de perto a guerra da Crimeia, apanha sustos e foge com dinheiro debaixo dos pés

  • Toni Conceição: "No Estrela da Amadora cheguei a fazer um jogo apenas com 10 jogadores aptos. Olhava para o banco e... nada”

    A casa às costas

    À beira dos 58 anos, o mais recente selecionador dos Camarões, que começou a jogar com 12 anos no SC Braga, revela que nunca foi muito de namorar e que a maioria do seu tempo continua a ser dedicado ao futebol. Enquanto jogador esteve longe de brilhar, apesar de ter envergado a camisola do seu SC Braga e de ter atuado, entre outros, no FCP, antes de pendurar as chuteiras, após várias lesões. Como treinador foi na Roménia que atingiu maior sucesso - conquistou duas Ligas, três Taças e duas Supertaças -, mas andou também pelo Chipre e Arábia Saudita. Diz que não vingou mais porque nunca soube trabalhar a imagem, revela que ainda tem um sonho por cumprir e está apostado em vencer a CAN

  • “O clube ficava no meio do nada, liguei ao meu pai, pedi ao motorista para parar. Depois, despejaram maços de notas - e eu assinei contrato”

    A casa às costas

    Vive atualmente em Inglaterra onde tem uma empresa de entregas e confessa que não pensa voltar a Portugal tão cedo. Criado na Zona J de Chelas, onde chegou a ajudar vizinhos na altura em que começou a ganhar dinheiro com o futebol, Rui Duarte revela algumas peripécias dos vários processos de transferências que viveu e conta como saiu furada a prometida ida para o Benfica. Pai de três rapazes, esteve cinco anos na Roménia e ainda jogou no Chipre onde, diz, parecia que estava de férias. A carreira terminou abruptamente por causa de um problema renal, mas não baixou os braços e passou a treinar Muay Thai, uma paixão antiga