Tribuna Expresso

Perfil

A casa às costas

“Em Inglaterra, no Ano Novo, até bêbado podes chegar que o treinador não liga. Se o Wes Brown está com os copos, o que posso eu fazer?”

Na primeira parte da longa entrevista que Nani deu a Tribuna, o jogador fala da vida atual nos EUA, da família, do bairro "Sucupira" onde cresceu, do início da carreira no Real Massamá; conta como andou a treinar no Benfica e no Sporting ao mesmo tempo antes de se decidir pelo clube de Alvalade e descreve como foi chegar ao Manchester United, viver com Cristiano Ronaldo e aprender com Sir Alex Ferguson. Pelo meio relembra histórias divertidas, outras mais dramáticas - e fala de tentações

Alexandra Simões de Abreu

TIAGO MIRANDA

Partilhar

Está a viver nos EUA desde fevereiro. Está a gostar? É o que esperava?
Sim. Os EUA sempre foi um país que gostei de visitar, sempre achei interessante e esta nova aventura é boa porque trouxe-me novas sensações, motivou-me muito, deu-me mais alegria, por tudo aquilo que aconteceu na minha chegada. Pela recepção no clube, pelos novos objetivos.

Mas é uma realidade muito diferente da que estava habituado.
É muito diferente porque estás longe de casa, longe dos teus amigos, longe de tudo. Estás do outro lado do mundo e, quando te sentes assim, é diferente. Mas passados alguns meses essa sensação já não está presente. Já me adaptei a cem por cento, estou feliz.

Já se adaptou também ao futebol?
Já. No início foi complicado, porque em Orlando há muito calor e uma humidade enorme. Ao início é difícil para um jogador que está habituado a jogar na Europa poder mostrar todo o seu talento e qualidade. Mas agora já me sinto em casa, já me sinto bem com o clima e é mais fácil.

O seu dia-a-dia é muito diferente do que viveu até agora?
O dia-a-dia em Portugal nunca é igual ao de qualquer outro país porque aqui tenho tudo. Tenho os amigos, foi onde cresci, conheço Lisboa melhor que ninguém e há sempre qualquer coisa para fazer. Motivação para sair, para ir tomar café, estar com amigos, irmãos ou primos, há sempre pessoas para estar e para fazer alguma coisa. Lá fora a minha rotina sempre foi mais treino-casa, casa-treino, um dia ou outro posso fazer algo diferente mas a minha rotina basicamente é essa.

Houve algum jogador ou alguém com quem já tenha criado laços de amizade, alguém com quem saia e vá jantar?
Sim, já tinha jogado como o Oriol Rosell aqui no Sporting, em 2014/15, e quando lá cheguei e o encontrei foi bom para mim. Devido à nossa boa relação anterior foi mais fácil termos esse convívio de sair e irmos jantar. Ele deu-me a conhecer um pouco o clube e a cultura de Orlando. Mas os meus colegas receberam-me bem e mostraram sempre muito respeito, não houve complicações nesse aspecto com ninguém.

A sua mulher e o seu filho também se adaptaram bem?
Adaptaram-se muito bem, especialmente o meu filho. Orlando é um sítio de sonho para qualquer criança e ele já tem a noção do que é a Disney, do Mickey Mouse e do que são os parques de diversão. Eu não, porque não tenho tempo, mas a minha mulher e o meu filho passam a maior parte do tempo a fazer visitas a esses parques, a divertirem-se e a levar familiares. Achei que devia proporcionar esses momentos a alguns familiares e com certeza no futuro irão outros para conhecer a Disney. Acho que é um sítio que fica marcado na vida de qualquer criança e mesmo de qualquer adulto. Então levei alguns e é ela que vai faz esse papel, que os leva quando eu estou a treinar ou a jogar. Ficaram todos muito encantados e felizes.

Nani (à frente à direita) com a mãe, irmãos e primos

Nani (à frente à direita) com a mãe, irmãos e primos

D.R.

Nasceu em Lisboa, foi criado na Amadora, mas as suas raízes são cabo verdianas. Apresente-nos a família.
O meu pai está em Cabo Verde. Numa viagem que ele fez de Portugal a Cabo Verde acabou por não poder regressar por causa de documentos e ficou por lá. Também já lá tinha filhos e continuou a fazer a sua vida por lá.

Tinha quantos anos quando ele lá ficou?
Cinco, seis anos.

E a sua mãe?
A minha mãe veio muito nova de Cabo Verde para Portugal, trabalhou muito em restaurantes, fez de tudo para que pudesse sobreviver e adaptar-se à vida aqui na Europa. Depois, teve muitos filhos também, teve de trabalhar para os sustentar e criar.

No total tem quantos irmãos da parte de pai e de mãe?
No total somos 16.

O Nani é o mais novo?
Da parte da minha mãe, sou. Somos oito e são estes os irmãos com quem cresci e passei toda a minha infância. Praticamente crescemos todos cá em Portugal, tirando um ou outro que no meio da sua juventude foram para a Holanda. Da parte do meu pai só tenho uma irmã que nasceu e cresceu em Portugal e que vive cá. Só a conheci quando tinha 15 ou 16 anos. Fui ter com ela. E quando tinha 18 anos fui ter com o meu pai que estava em Cabo Verde.

Foi a primeira vez que o viu desde os cinco anos?
Sim, fui ter com ele a São Vicente graças a um senhor muito relacionado com o Sporting, o senhor Agostinho Abade, que proporcionou as viagens. Teve oportunidade de ir fazer algo a Cabo Verde, soube da história e proporcionou esse momento.

Calculo que tenha sido emocionante, ver o seu pai ao fim de 13 anos.
Sim, mas já estava calejado.

Era o homem que estava à espera de encontrar?
Era igual. Não lhe pedi nenhuma explicação, não falámos de nada, apenas vivemos o momento como se nada se passasse.

Excerto da entrevista de Nani à Tribuna Expresso

Cresceu no Bairro da Santa Filomena, na Amadora...
...Não é exatamente no bairro de Santa Filomena, é um pouco mais ao lado mas que também faz parte porque nos conhecemos todos, crescemos todos juntos. Tínhamos um ringue, um campo de futebol onde todos íamos jogar, tantos os do bairro da Santa Filomena, como os do meu bairro a que chamávamos de Sucupira.

Viveu sempre com a sua mãe?
Vivi sempre com ela até aos meus 13, 14 anos. Depois, devido a algumas situações da vida, ela teve de mudar de casa; mudámos de casa algumas vezes e nessas vezes que mudávamos de casa eu gostava sempre de ficar no meu bairro e a única maneira de conseguir isso era ficar na casa da minha tia. E comecei a ficar aos poucos, fui ficando, fui ficando até que, quando ela muda para Vila Franca, isso era muito longe e eu disse: não, fico na casa da minha tia. Fiquei lá um ano.

O futebol começa no tal ringue.
Sim.

Tinha alguém na família ligado ao futebol?
Tinha o meu irmão Paulo Roberto que era mais velho do que eu cinco anos. Foi ele que, naquela altura, fez o papel de pai, quando o meu pai estava em Cabo Verde. Ele ensinava-me tudo, menos as coisas más que ele não me deixava acompanhar nem presenciar. Se ele tivesse que fazer algo que não fosse bom, e se me visse lá perto, era motivo de cascar (risos) e isso não me esqueço. Era uma coisa muito boa que ele tinha e gostava de me ver jogar bem. Nós jogávamos em qualquer lado. Para nós, o campo era onde nós quiséssemos. Era só arranjar duas pedras para fazer as balizas e jogava-se.

Quando era pequenino torcia por algum clube?
Quando era pequenino o meu pai dizia que eu falava “quica”, o meu pai era do Benfica. Mas não me lembro disso. O meu irmão era do FCP e uma vez o Porto ganhou o campeonato, estavam a festejar e como eu andava sempre atrás dele, naquele dia ele disse: “Estás a ver?! O Porto é o melhor, esquece lá os outros clubes, anda mas é para o Porto. O Porto é campeão, o Porto ganha”. E eu via aquela gente toda a ir para cima e para baixo e a dizer “o Porto é campeão, Benfica no caixão”, ainda aguentei, mas como eu queria estar na festa, meti-me lá no meio deles a dizer também “ O Porto é campeão...” (risos). E pronto por uns dias fui do Porto. Até que depois, passados uns tempos, tive a oportunidade de ir jogar para o Sporting, para as camadas jovens. A partir daí percebi que o meu amor e carinho ia ser pelo clube que me recebeu e que me ia dar oportunidade de desenvolver as minhas capacidades para um dia ser quem eu sou.

Gostava da escola ou nem por isso?
A escola… gostava, mas não gostava assim tanto (risos). Houve alturas em que me desliguei da escola porque o que eu queria era jogar à bola. Queria fazer desporto. Tudo o que fosse desporto eu queria fazer, não queria era perder tempo com muita escola. Mas as minhas professoras diziam que eu era muito habilidoso, que tinha muitas capacidades e muita facilidade em aprender. Se eu quisesse, aprendia rápido, mas tinha que ir às aulas (risos). Lembro-me que, quando tinha 12, 13 anos lá me convenceram e no terceiro período fui a todas as aulas a tempo e horas, porque a professora dizia: “Se vieres todos os dias, vou ver o que é que faço para te dar a positiva”.

Quando deixa em definitivo a escola?
No 8.º ano. Quando passei para o 8.º ano fui para o Sporting à experiência e não quis saber mais da escola. Quando fui fazer a experiência, tinha um companheiro, o Álvaro que a gente chamava de Tuga, que se calhar até era melhor do que eu, mas que estudava e gostava muito, estava no 9.º ou no 10.º ano e não faltava à escola para ir para os treinos. Dizia: “ah não tenho dinheiro, não vou faltar às aulas amanhã”.

Nani (em baixo à esquerda) com os amigos com quem jogava futebol no ringue do bairro "Sucupira"

Nani (em baixo à esquerda) com os amigos com quem jogava futebol no ringue do bairro "Sucupira"

D.R.

Mas antes do Sporting ainda há o Real Massamá. Como é que lá vai parar?
Um dia estava na rua a brincar e passou um grupo de amigos, todos de mochila às costas e eu perguntei-lhes: “Onde é que vão?”; “Vamos treinar, vamos fazer captações ali a um clube em Queluz”; ”Ah, que fixe!”; “Não queres vir? Bora”; “Não sei, tenho de perguntar à minha mãe”; “Então 'bora, passamos por tua casa, perguntas e vamos”. Descemos a rua, perguntámos à minha mãe, que quase não me queria deixar ir, mas lá fui: vesti uma t-shirt e uns calções e fui com eles. Quando chego lá, treino uns cinco, dez minutos e o treinador leva-me lá para baixo e diz-me: “assina aqui” (risos).

Nem sabia o que estava a assinar...
...Eu percebi que queriam que ficasse mas não sabia o que é que estava a assinar. Comecei a treinar com eles, mas não tinha a documentação. Eles depois ajudaram-me a tratar dos documentos e continuei no Real.

Aos treinos não faltava.
Aos treinos, não.

Algum dos seus irmãos ia consigo?
Esse meu irmão mais velho acompanhou-me em muitos jogos, ele fazia o papel de pai. Ali só iam os pais levar os filhos e ver os jogos. Houve um momento interessante, muito bonito que se passou num jogo contra o Benfica, em que quem ganhasse passava à fase final. Éramos escolinhas ainda, eu tinha uns nove anos. O Benfica era sempre muito forte, nós tínhamos bons jogadores na nossa equipa, mas nunca conseguíamos ganhar. Naquele dia estávamos muito confiantes em como íamos ganhar, mas começámos a perder por 1-0. No desenrolar do jogo, conseguimos dar a volta ao resultado, marcámos dois golos. Eles lá fora todos a puxar e vibrar por nós e nós a defender, a levar bolas na trave, no poste, e de repente o árbitro acaba o jogo e eram os pais todos a correr para os filhos e os filhos a correr para os pais e eu a correr para o meu irmão e ele para mim. Saltámos para o colo a gritar e a celebrar e ficou-me marcado, porque naquela altura, ele era como se fosse o meu pai.

E quem é o Mustafá?
O Mustafá é um senhor que sempre gostou muito de desporto. O ringue do bairro ficava à frente da sua casa e ele estava sempre na janela a apreciar os mais jovens. Como gostava muito de futebol, decidiu fazer uma equipa dos miúdos lá do bairro e começou a organizar jogos com outros bairros, da Buraca, da Damaia, do 6 de Maio, nós íamos jogar contra eles. Ele cuidava de nós, dava-me equipamentos, foi uma pessoa muito carinhosa e atenciosa comigo. Ele olhava para mim de uma maneira diferente da que olhava para os outros porque ele sabia que eu chegaria mais longe. Sempre tinha palavras e conversas que ninguém tinha, era como se fosse um sábio.

Tem alguma história com ele?
Uma vez fomos jogar ao Bairro Seis de Maio, num jogo que nem sei como é que conseguimos jogar porque, quando entrámos no bairro e passámos pelos becos, a polícia estava a fazer uma rusga e estavam com pistolas. Nós olhámos para aquilo e ficámos cheios de medo, já nem queríamos jogar à bola. Mas lá passámos pelos becos e quando chegámos ao campo estava um monte de pessoal, toda a gente dos bairros tinha rodeado o campo, com conversas agressivas, como é costume nos bairros. Sentimo-nos intimidados, mas o Mustafá sempre muito tranquilo “'Bora, vamos lá jogar”. Eles à volta do campo continuavam: “Têm que lhes dar, têm que lhes partir as pernas” e nós cheios de medo. Começámos o jogo já a perder. Primeira parte, 9-0, e eu comecei a discutir com o meu melhor amigo que era o Sabino: “Tu não passas a bola”; “Tu é que não passas”, até que vem o Mustafá e diz: “descansem um bocadinho, calma, calma. Nós vamos ganhar esse jogo” (risos). Concentrámo-nos, entrámos para o campo e começámos a dar show. Fomos sem medo, metemos dois lá atrás a defender e mal passavam a bola, nós era cuecas, cabritos e golos, na linguagem do bairro. Começámos a virar o resultado e as pessoas lá fora começaram a ficar a nosso favor, começaram a gritar: “Eh, espetáculo, 'bora miúdos” e começámos a marcar golos atrás de golos, a bola vinha a meio campo, golo.

Acabou como?
Ganhamos 16-12 e vieram as miúdas de cima das casas, dos becos, vinham com garrafões para nos dar água e lembro-me de uma miúda ter vindo ter comigo, com um papelinho e dizer: “Podes assinar?”. Eu olho para ela e fico assim “Assinar!? Vou assinar o quê?” E vira-se o Mustafá: “Assina, assina. Escreve como tu quiseres”. E, depois, virou-se para a miúda e disse: “Leva, leva que esse autógrafo daqui a uns anos vai valer milhões”. Isso ficou-me marcado nesse dia, fiquei a pensar. Assinei Luís (risos). Nada a ver com o que assino agora que é Nani.

A alcunha Nani vem de onde?
Da minha irmã Elizabete. Era ela que tomava conta de mim quando a minha mãe ia trabalhar e eu era bebé. Era ela quem me dava a papa, só que ela também gostava e dizia “papa ti, papa mim, papa mim, papa ti” e com esses miminhos fica sempre um nome. Ela diz que foi por aí e depois no bairro pega-se rápido. Foi assim.

Excerto da entrevista de Nani à Tribuna Expresso

Dos tempos do bairro, o que era pior?
O mau era quando se viam ambulâncias e que coisas de errado tinham acontecido. Só que eu era muito pequeno e tentava sempre afastar-me. Eu tinha muito medo e quando via que havia algo de errado, não chegava perto. Não tinha a curiosidade de ir lá ver o que é que se tinha passado. Era só ver que havia ali; uma coisinha e eu já ia para o outro lado. E felizmente estive sempre no lado oposto.

Nunca o tentaram com nada?
Sim, sim. Mesmo alguns amigos que andavam no mau caminho. Primeiro com cigarros, passámos por uma fase que eram os cigarros. Fizemos uma barraquinha e eu, quando estava com eles tinha de acompanhar, e então começámos com o teste de fumar. Depois, eu não gostava de fumar, porque nem sabia, nem conseguia travar. Provei uma vez e “não, não, isso não é para mim, nem consigo com o fumo”. Depois, começaram a passar para outro tipo de fumos, eu presenciava, mas não me afetava e eles nunca tentaram porque eles sempre me olharam como o desportista. Isso é uma das coisas que mais me deixa satisfeito em relação aos meus amigos, porque nós naquela altura não tínhamos noção de nada, éramos muito jovens, mas eles sempre olharam para mim como: “Ele está connosco, mas não faz o que nós fazemos”. Agora ir mexer nas coisas dos outros e (risos) roubar bicicletas, nas lojas apanhar alguma coisa e levar, isso também fiz. Fiz com os meus amigos, porque é impossível tu viveres num bairro e não fazeres essas coisas. Mas nunca nada de mais. Tenho uma história com um amigo…

Conte.
Não sei como, mas ele descobriu um carro que estava aberto e nós já sabíamos como é que se ligavam os carros sem chave. Esse meu amigo tinha ido para a casa da tia e viu lá um carro. Não sei quem lhe disse que era só chegar lá com a micha que ele ligava. Ele ligou e trouxe o carro para a Amadora. E ligou-me. E eu: “Então pá, ando a ligar-te há tanto tempo, andas desaparecido”; “Ah estava na casa da minha madrinha. Olha, eles ofereceram-me um carro”; “Ofereceram-te um carro como?”; “Ofereceram, mas não digas nada à minha mãe porque ela não sabe que me deram dinheiro, estava a juntar e depois tive de comprar, mas ela ainda não sabe, vou-lhe dizer hoje”; “Onde é que tens o carro?”; “Está lá em baixo”; “Porque é que não meteste à tua porta?”; “Não, ela não pode saber ainda”; “Então vem lá mostrar o carro”. E lá fui. Quando chegámos, olhei e disse: “Bom carro”. Ele abre a porta e eu: “Não precisas de meter a chave, nem nada?”; “Ah, não, mas isso é tranquilo”. Entrámos e então vi ele a fazer a ligação com a micha. “Não, estás a brincar!”. Só que já estava dentro do carro (risos). Começámos a andar, demos uma voltas e depois eu disse: “Não quero mais andar neste carro. Vamos embora”. Naquele momento vimos um carro de polícia atrás com a sirene ligada. Era por outra coisa, só que nós ficámos assustados, pensámos que era para nós (risos). Desde aí nunca mais (risos).

Nani (5º atrás, a partir da esquerda) com os amigos do bairro com quem jogava à bola

Nani (5º atrás, a partir da esquerda) com os amigos do bairro com quem jogava à bola

D.R.

Entretanto vai para o Sporting, mas há o Benfica pelo meio não há?
A história foi assim. Estávamos quase no final da época no meu clube, tinha feito uma excelente época, faltava um jogo e no início da semana decido ir ao Benfica, porque tinha estado a conversar com um amigo que me tinha dito para tentar ir para outro clube, porque no ano seguinte passava a júnior e depois era mais difícil alguém vir-me buscar. Fiquei com aquilo na cabeça e decidi ir ao Benfica pedir para treinar com eles. Fiz uns treinos e o treinador disse-me: “O máximo que a gente pode fazer é ires para o teu clube, jogas o jogo que falta, vou mandar um olheiro, eles vão-te avaliar e depois é mais fácil”. Voltei para o meu clube, mas não tinha treinado a semana toda e o mister diz-me: “Não vais jogar este fim de semana”; “Eh mister...”. E os meus colegas: “Andaste de férias a semana toda agora vens aqui e vais jogar?”. Como já tínhamos ganho a Liga, ele ia pôr a jogar os jogadores que tinham sido menos utilizados.

O que fez?
Pensei: “Não, não pode ser assim, vem cá um olheiro para me ver, tenho de jogar”. Fui falar com o mister: “Mister, por favor, você não disse que um dia gostava de ser treinador do Real Madrid? Eu também tenho os meus sonhos, também quero ser um jogador desse nível. Deixe-me jogar só um bocadinho que vem cá um olheiro para me ver”. E ele: “Não sei, vai depender do comportamento. Treina que eu já vou ver isso, treina, treina que a gente depois fala”. Como ele não podia fazer isso por mim e deixar o Álvaro de fora, disse: “O Nani e o Álvaro Tuga têm 45 minutos porque vem cá um olheiro para os ver. Têm 45 minutos, aproveitem-nos. Se não aproveitarem o problema é vosso”. Vou para o jogo e como estava com aquilo na cabeça, de que estava lá o olheiro, estava todo nervoso, a jogar mal e a falhar tudo. De repente, o mister já devia estar farto de me ver a jogar mal e resolve tirar-me. Vi que ele tinha chamado um jogador para aquecer para entrar no meu lugar. Quando vejo aquilo, o meu colega já pronto para entrar, ganho a bola no meio campo, finto todos os jogadores, finto o guarda-redes, meto-o no chão e empurro a bola para dentro. Toda a gente a aplaudir, e eu a pensar, o olheiro está lá fora, viu isto de certeza.

E estava?
Quando chego lá fora, todo contente, os meus colegas vêm ter comigo: “Eh grande lance, ele deve ter visto. Já estás no Benfica”. Fomos almoçar e o treinador: “Não esteve lá nenhum olheiro a ver. Não esteve ninguém do Benfica, fui conferir as pessoas todas na bancada”. Nem queria acreditar, fiquei bem triste. Acabou a época e recebo uma carta do Sporting para eu e o Tuga irmos lá treinar. Fiquei feliz da vida, só que entretanto voltei a ir ao Benfica. Então treinava às terças no Benfica e às quartas e quintas no Sporting.

Os clubes sabiam?
Não sei, com certeza, as pessoas conhecem-se. Fiquei a treinar algum tempo assim e depois de ter acabado a época, o treinador do Sporting, o João Couto, que já me conhecia, dava aulas na minha escola, veio ter comigo e disse: “Nani, infelizmente não vai dar para ficares, o plantel já está cheio. Há os miúdos da tua idade que vão subir para os juniores e há os juniores de 2.º ano que já estão lá. Temos muitos jogadores e não vai dar para ficares. O máximo que podemos fazer por ti é vires fazer a pré-época connosco e depois voltas para a tua equipa, mais forte, fazes uma excelente época e depois logo se vê”. Eu não quis ser mal educado, não quis estar a contradizer o que o mister estava a dizer e disse: “Sim mister, pode ser, obrigado”. E fui-me embora.

E o Benfica?
Ainda tinha o Benfica, mas acabou a época, disseram que me iam contactar, mas não disseram nada. Até que um dia eu estava na rua, com uns amigos, e recebo a chamada do Sporting para saber se eu podia estar lá no dia tal às dez e meia. Disse: “OK, vou estar lá”. Passado um dia recebo uma chamada do Benfica a dizer “no dia tal”, que era o mesmo do Sporting “às dez e meia” e eu disse “OK” (risos).

Disse sim aos dois para o mesmo dia?
Sim. Fiquei a pensar e a falar com o meu amigo Sabino que estava no Sporting e que me disse para eu ir para o Benfica porque no Sporting eles não me tinham dito nada. Só que eu queria estar com um amigo, queria estar no Sporting porque tinha gostado dos treinos lá, das condições e então fui para o Sporting. Fiz a pré-época com eles, fomos fazer um torneio a Gaia que me correu muito bem, saltei duas vezes do banco para ajudar a equipa. Ganhámos o torneio e eu marquei o penálti decisivo. Já estava entrosado com os meus colegas da equipa e eles já estavam habituados a mim, diziam: “Eh, tu já ficaste”; “Não, ainda não assinei nada, eles ainda não me disseram nada”; “Mas vais assinar, estás a brincar,? Tens de ficar. A gente vai falar com eles”. Fiquei todo contente, alguns eram jogadores que eu já apreciava e que tinham muita qualidade. Passado um mês de ter estado a treinar com eles, tinha feito uma evolução enorme, estávamos a passar para o campo e o treinador abraça-me e diz: “Sabia que tu ias ficar. Já estamos a falar com o Real Massamá, estamos só a tratar de uns pormenores. Podes ficar tranquilo”.

Tinha que idade?
16 anos. Ia ser júnior, só que eu faço anos em dezembro e a época já tinha começado.

Nani (3º em baixo à direita) começou a jogar no Real Massamá

Nani (3º em baixo à direita) começou a jogar no Real Massamá

D.R.

Viveu na Academia, em Alcochete?
Não cheguei a viver lá, continuava a viver na Amadora, mas uma vez ou outra cheguei a ficar lá com um colega de quarto, cheguei a fazer algumas refeições, porque depois eles tiveram a sensibilidade de ver que as minhas condições não eram as melhores, que tinha algumas dificuldades na alimentação que era importante, mas fazia sempre aquele trajecto de autocarro.

É no Sporting que começa a ganhar dinheiro com o futebol.
Exatamente.

Ainda recorda o valor do primeiro ordenado?
Antes de ter ido para o Sporting, o Real queria assinar contrato e acho que ainda cheguei a receber um salário no Real Massamá. Julgo que foi 120 euros.

Lembra-se do que fez a esse dinheiro?
Devo ter comido umas gomas e uns chocolates (risos).

Ordenado mais a sério foi no Sporting.
Sim, eram uns 150 euros. Muitas das vezes partilhava com a minha tia, como estava a viver na casa dela, mas comprava uns ténis ou gastava no dia-a-dia com guloseimas. Eu era um miúdo muito de doces, de bolos. Eu não ligava muito a dinheiro, nunca liguei muito. Nunca tive. Se tivesse muito na mão não sabia o que fazer. Por isso, muitas das vezes dava à minha tia. Mas é lógico, passados uns anos começas a ter mais a noção das necessidades, do que é que tem que se comprar, do que é que tem que se ter e comecei a dar melhor uso ao dinheiro.

A estreia na equipa sénior do Sporting, lembra-se?
A minha estreia num jogo oficial foi, se não me engano, aos 45 minutos num jogo com a Académica. O treinador era o Peseiro.

Estava muito nervoso, tremiam-lhe as pernas?
Talvez estivesse um pouco ansioso de entrar em campo, não foi mau mas aquela ansiedade de querer fazer e mostrar estava lá porque foi tudo muito rápido.

Nani estreou-se como sénior no Sporting ainda com 19 anos

Nani estreou-se como sénior no Sporting ainda com 19 anos

MIGUEL RIOPA

A transição de júnior para sénior foi fácil?
Fui uma vez ou outra fazer uns treinos com os seniores. Fizemos jogos amigáveis, juniores contra seniores, mas nunca joguei pelos seniores sendo júnior. Fui direto para os seniores depois de ter feito dois anos de júnior. Quando fui treinar aos seniores na pré-época, já era sénior.

Notou muita diferença? Os treinos e o balneário eram muito diferentes dos juniores?
Sim, havia uma diferença enorme porque havia jogadores muito experientes. Sá Pinto, Liedson, Polga, Carlos Martins, Caneira, Ricardo, o guarda-redes...

Fizeram-lhe alguma partida?
Não me lembro. Havia muita brincadeira. Eu brincava muito com todos e eles gostavam de me pôr à prova. Eu tinha uma maneira de ser muito brincalhona, mas era muito jovem e fervia muito rápido, em pouca água, como se costuma dizer, e eles gostavam disso. Gostavam de me ver nervoso, de me picar e me baralhar a cabeça, mas eu depois percebi.

Respondia-lhes? Ia à luta de igual para igual?
Não respondia. Ficava chateado, às vezes não percebia as brincadeiras. Mas nunca deixava de estar ao pé deles, estava sempre lá. Podiam fazer-me uma brincadeira que não gostava, mas no minuto seguinte estava ali ao lado. Era isso que eles gostavam em mim, dava-me bem com toda a gente.

Nesta altura já se tinha cruzado com o Ronaldo. Houve logo empatia entre os dois?
Naquela idade é mais um que está ali, até realmente conheceres e veres as habilidades. Naquele tempo, o Cristiano já era um jogador diferenciado no meio de todo o grupo. Apesar da maioria dos jogadores serem mais velhos, toda a gente tinha a noção de quem ele era ali no meio, por tudo o que fazia no campo. Só que eu não conhecia, já tinha ouvido falar. Quando cheguei tinha o meu amigo Sabino que conhecia o Cristiano, que já tinha estado na casa dele. Lembro-me de fazer um exercício com ele e de ele me dizer: “Olha, isto não é para ganhar, isto é para fazer rápido”. Foi uma das coisas que me ficou marcada. Depois, esse meu amigo pediu-me para fazer o salto mortal para mostrar ao Cristiano e aos outros colegas, eu cheio de vergonha a não querer fazer, eles insistiram até que tive de fazer. E dali começou a haver uma pequena relação. Brincávamos no autocarro, fazíamos música e pedíamos uns aos outros para mostrar o que sabiam fazer. No dia em que o treinador teve de decidir se eu ficava ou não, fui ao balneário do treinador e ficaram todos à espera que eu voltasse com uma resposta. Foi quando o treinador me disse: “Desculpa, não vai dar para ficares porque tenho o plantel cheio e porque também ainda não estás ao nível destes jogadores, com um físico diferente, uma corrida diferente”. Fui para o balneário e o Cristiano veio ter comigo: “Então, como é que foi?”; “O mister disse que não dá, que está cheio”; “Epá, tem aqui gajos que não jogam nada, tu deves ser dos cinco melhores na equipa. Como é que é possível?!” (risos). Começou a mandar vir com os que estavam lá dentro, a mandar algumas bocas para alguns e isso marcou-me. Mais para a frente vim a encontrar-me com ele e viemos a jogar muitos anos juntos. Quando tu olhas para trás e vês que não é por acaso que já houve um encontro, que temos histórias para trás, é bonito.

Nani, Sir Alex Ferguson e Hargreaves, no dia da apresentação no Manchester United

Nani, Sir Alex Ferguson e Hargreaves, no dia da apresentação no Manchester United

ANDREW YATES

Entretanto ganha a Taça de Portugal pelo Sporting, já com Paulo Bento a treinador. Muito diferente do Peseiro?
Sim, era diferente porque o Paulo Bento já tinha sido meu treinador nos juniores. Nos seniores fiquei seis meses com o Peseiro, a meio da época o Peseiro saiu e entrou o Paulo Bento. No segundo ano foi uma grande época, estivemos perto de ganhar o campeonato, fomos à final da Taça e conseguimos ganhar a Taça e foi aí que apareceu o interesse de todos os clubes.

Tinha empresário nessa altura?
Nessa altura tinha, trabalhava com o Jorge Mendes, mas antes já tinha tido.

Quem?
A primeira pessoa que me abordou foi o pai do Miguel Veloso. O senhor Veloso. Na altura ele veio ter comigo, falou também com a minha mãe e eu disse OK. É a primeira pessoa que me quer representar e ajudar a chegar aonde eu queria. Achei que ele era o empresário, mas afinal não era ele. Ele trabalhava com uma empresária, a Ana Almeida. Comecei a trabalhar com eles. Mas chegou uma altura em que não gostei do comportamento, só que como era muito amigo do Miguel Veloso… Até que quis sair porque muitas coisas não correram como era de esperar, como era prometido. Não só para mim, éramos muitos companheiros representados por ela e tínhamos todos as mesmas queixas.

Que tipo de queixas?
Comprometia-se com algo ou precisava de algo com urgência e ela :“Já te ligo”. E não ligava. E fazia isso com outros. Depois eram promessas de chuteiras, disto e daquilo e nós naquela altura precisávamos mesmo. Eu dei-lhes a minha palavra e quando me apareceu a oportunidade do Jorge eu disse-lhe: “Jorge, não, estou a trabalhar com essas pessoas e dei a minha palavra”. Só que depois as coisas começaram a não correr bem e quando surgiu a oportunidade, quando as pessoas não cumprem, aí sim, fui ter com as pessoas e fizemos tudo a bem, sem nenhuma guerra.

Na segunda época de sénior, em 2006/2007, ainda vivia com a sua tia?
Não, assim que tive condições aluguei um apartamento e comecei a viver lá.

Sozinho?
Com um irmão, mas como não tínhamos todas as condições, vínhamos para a casa da minha tia outra vez, porque era lá perto. Era como se não tivéssemos saído ainda da casa dela. Foi no meu primeiro ano nos seniores.

Já tinha carta de condução? Tinha carro?
Não, ainda não. Depois do primeiro ano de sénior é que passei a ter outro salário e o Sporting arranjou uma casa mais perto, mas, como não tinha carro, quem me levava aos treinos era a Ana Almeida. Tinha de estar à espera dela e depois tinha de pagar as multas porque ela chegava atrasada. Chegava ao treino atrasado e tinha de levar com os meus colegas: "Miúdo, vais pagar. Estás armado em estrela agora?”. Mal eles sabiam que eu tinha estado à espera dela. Ia no carro com a empresária e olhava para o lado para nem falar com ela de tanta azia que tinha (risos). Depois tratei da carta de condução e comprei um carro.

Qual foi o seu primeiro carro?
Foi um Mercedes C320

Não teve nenhum acidente com um carro tão potente logo nas mãos?
Um cheirinho (risos). Não me espetei com ele, mas no primeiro dia, tomei o gosto, comecei a andar um bocadinho mais rápido, perto de casa tinha uma curva e eu armado em Schumacher, o carro deslizou e eu bati no passeio (risos), mas nem olhei, não aconteceu nada, siga (risos).

Anderson, Cristiano Ronaldo e Nani viveram juntos em Manchester

Anderson, Cristiano Ronaldo e Nani viveram juntos em Manchester

John Peters

Como surge o Manchester United?
Foi o Jorge Mendes. Havia muitos ruídos de clubes, do Chelsea, do Bayern, da Juventus, do Real Madrid e ele um dia chegou e perguntou-me qual era o clube para onde eu queria ir. E eu disse-lhe: “Quero ir para um clube top. O que for melhor para mim é aquele que eu quero”; “Acho que se fores para o Manchester United era o melhor que fazias”; “Se é isso que tu achas, está bom”; “É, porque tens outros portugueses que te podem ajudar. Tens o Carlos Queiroz, o Cristiano... O treinador quer apostar em ti”; “OK, não falamos mais nisso”. Foi assim.

Era um sonho que tinha, jogar no estrangeiro ou em algum campeonato em particular?
Sim. Lembro-me de ver aquele jogo do Manchester com o Bayern de Munique, em que eles ganharam a final, eu estava com um amigo meu na rua, parámos num café para ver esse jogo e numa conversa de brincadeira, disse-lhe: “Um dia vou jogar nessa equipa aí, no Manchester”. E quando era júnior estive em Manchester. Fomos fazer uma pré-época em Inglaterra, visitámos o museu do Manchester e passámos pelo balneário dos jogadores. Quando estávamos lá dentro, começamos a ver onde é que eles se sentavam e nós: “Eish, espectáculo, um dia ainda me vou sentar aqui”. Nem passados dois anos e eu estava lá. Foi fantástico. Quem diria, nós a falar na brincadeira e aconteceu.

Inicialmente era para viver num hotel em Manchester, mas acabou na casa do Cristiano.
Sim, foi tudo muito rápido, como o Cristiano vivia sozinho surgiu a ideia de ficar lá e fazermos companhia uns aos outros, eu, o Cristiano e o Anderson que foi ao mesmo tempo do que eu. Ficámos juntos, fazíamos companhia uns aos outros e ajudámo-nos.

Devia haver também muita coboiada. Três miúdos na flor da idade…
…(risos). Sim, éramos divertidos. Éramos aventureiros e gostávamos de competir. Fazíamos muita competição na casa dele. Era ténis, ping-pong, piscina, mesmo no treino às vezes inventávamos um jogo com a bola para ver quem ganhava. Até nas conversas às vezes tínhamos competição.

Normalmente quem ganhava?
Aquilo era um dia eu e o Anderson contra o Ronaldo, no outro dia era o Ronaldo e o Anderson contra mim, noutro eu e o Ronaldo contra o Anderson, havia sempre um dia em que deixávamos alguém chateado (risos). Algum tinha de ficar na azia porque tinha de se concordar sempre com algum e essa é que era a nossa diversão. Mesmo nas viagens, quando íamos de avião, os nossos colegas às vezes mandavam-nos calar, já não nos podiam ouvir. Nós era dia e noite, não parávamos, estávamos sempre na picardia, sempre a falar alto e sempre em português (risos). Era um espectáculo.

Excerto da entrevista de Nani à Tribuna Expresso

Como foi o primeiro impacto com o Sir Alex Ferguson?
Foi espectacular, ele sabe como lidar com o jogador, seja ele mais velho ou mais novo, ele sabe como gerir a carreira profissional e o ser humano.

Mas consta que era muito exigente.
Exigente com a disciplina. Por exemplo se tu fores uma pessoa ciente das coisas corretas que tens de fazer, ele não te vai exigir tanto, só vai exigir dentro de campo. Agora se fora de campo tiveres um comportamento que não é adequado a um desportista, se não é exemplar, ele vai com certeza chamar-te ao seu gabinete e vai-te punir, vai-te dizer certas coisas.

Alguma vez lhe aconteceu?
Relacionado com a minha vida pessoal não, mas por exemplo, se tivesse a recuperar de uma lesão eu era muito exigente, tinha as minhas ideias de como é que tinha de ser e de com quem é que tinha de me tratar, então podia haver ali um conflito com outras pessoas e ele depois tinha de me chamar e dizer é assim, não é assado, tu não podes reagir assim. Ou então, no rendimento desportivo, podia uma vez ou outra chamar-me para dizer que tinha de dar mais, tinha de me focar no trabalho e esperar pela minha oportunidade. Isso foi mais no início, a partir do momento em que chegas a uma certa maturidade ele já nem comunica contigo sobre esses pontos, só toma decisões. Mas com ele posso dizer que ganhei uma experiência e uma maturidade únicas, porque foram fases da minha vida muito importantes. Eu precisava de crescer muito rápido, de aprender e lidar com aquela cultura e com a cultura do clube. Para mim foi muito bom ter o Sir Alex Ferguson. E o Carlos Queiroz que também foi exemplar nesse aspecto, falava a língua, foi fundamental para mim.

As saídas à noite começam quando?
Lembro-me de nos tempos em que vivia na Amadora ter saído com um amigo meu para uma matiné. Devia ter uns 16 anos. Foi a primeira vez que fui a uma discoteca para dançar. Era à tarde, ficava ao pé das Amoreiras, já não me lembro do nome.

Nunca foi homem de noitadas?
Não vou mentir. Gosto. Agora que evito, evito. Porque para se poder render ao mais alto nível, tens de deixar as noitadas de lado e saber o momento certo para desfrutar de uma boa noite. Basicamente é isso que faço.

Levou alguma dura por causa de uma noitada ou por chegar tarde ao treino por isso?
Não. Noitadas fazia no momento certo, amanhã é folga, OK, hoje posso esticar a corda. Ou em dias especiais, Natal, Ano Novo, aí sim. Aí ninguém liga em Inglaterra. No Ano Novo, até bêbados podemos chegar ao treino em Inglaterra que o treinador nem liga. Esse é aquele lado que ele sabe lidar com os jogadores e ter a percepção para dizer este dia é especial não posso exigir... Nós andamos aqui um ano inteiro a jogar sem parar, e se me aparece aqui um dia bêbado o Wes Brown, o que é que eu vou fazer? (risos). Era uma alegria, aquilo até era um momento de descontração, era um treino até diferente, de palhaçada.

Nai acarinhado pelos colegas do ManchesterUnited, depois de marcar um golo

Nai acarinhado pelos colegas do ManchesterUnited, depois de marcar um golo

Matthew Peters

É em Inglaterra que de alguma forma o "chip" da sua cabeça muda, no sentido de perceber a necessidade de trabalhar mais a parte física do corpo?
Foi ainda no Sporting que desenvolvi uma capacidade física muito boa, porque eu era muito magrinho, muito lingrinhas no Real Massamá e quando cheguei ao Sporting, os métodos de treino, os preparadores físicos, o Carlos Bruno que era o treinador do ginásio, foram espectaculares. Eu bati recordes passados dois, três meses, já era dos jogadores mais fortes da equipa, devido à minha rápida evolução. Quando cheguei eles gozavam comigo. Fui fazer a barra com 20kgs e o braço esquerdo nem levantava eles começaram todos a rir, mesmo o Carlos Bruno dizia: "Então, o Real Massamá não te dava comida?". Enquanto os meus colegas carregavam 65kgs eu nem 20kgs levantava.

Quando Ronaldo sai do Manchester sentiu que cresceu porque deixou de estar na sombra dele?
Não. Nunca senti estar na sombra do Ronaldo, do Giggs ou do Rooney. E não havia sombras naquela altura. Nós tínhamos uma equipa fantástica. Muitas das vezes joguei com o Ronaldo a titular. A nossa equipa tinha dois ou três estilos de jogo e quando era para defrontar certas equipas era o Nani e Ronaldo, quando eram outras era o Ronaldo com o Rooney. Eu tive a sorte de, quando cheguei a Manchester, no meu primeiro ou segundo ano, fazer muitos jogos, fui dos jogadores mais utilizados na Champions League. Por isso não tenho razão de queixa. Agora, quando o Cristiano sai do Manchester criou-se uma ilusão. Sai Ronaldo, o Nani era um jogador que tinha um estilo muito semelhante a Ronaldo, havia muitas comparações, e queriam um substituto que fosse o n.º1, a cara do clube. E tinham-me a mim. Só que pegaram errado, não deviam ter dito o próximo Ronaldo, deviam ter dito temos o Nani. Menos bom ou melhor, com diferentes qualidades. Por acaso até me correu bem, nos dois primeiros anos após a saída do Ronaldo. Fiz épocas excelentes. Depois tive a infelicidade de ter tido algumas lesões e o rendimento caiu, veio a cobrança. Já não foram correspondidas as expectativas, que era talvez ter os mesmos números de Ronaldo, tantos golos. Quando eu era um jogador diferente, nunca fui de tantos golos, mais assistências.

O próprio Ferguson foi um dos que disse que o Cristiano foi um problema para si por causa das comparações. Por isso pergunto se quando ele sai, e apesar de ser muito amigo dele, não foi um alívio para si.
As pessoas fizeram confusão. Quando eu jogava com o Cristiano na equipa eu era um miúdo e eu não olhava para o ser melhor. Nós éramos mesmo amigos. Eu olhava assim. Não fazia tipo: “No próximo fim de semana vou fazer mais golos do que ele, tenho de jogar melhor que ele”. Não. Eu apostava com ele: "Hoje vais marcar dois", estava eu no banco. E havia prémio. Dizia: "Vais marca dois. Se marcares dois como é que é?". E ele: "Então vá, se marcar dois ofereço-te isto". Fazíamos coisas assim. Nós vivíamos juntos. Muitas das coisas eram criadas fora, não dentro. Muita da ilusão, que é isto e aquilo, foi criado fora. E se calhar às vezes mesmo na relação um do outro cria uma fricção ou aquele mal estar em certos momentos por coisas que se ouvem fora, por coisas que foram ditas por outras pessoas que nem sei quem são. Hoje, olhando para trás, vejo-me feliz no Manchester a fazer grandes golos, grandes jogadas. Eu não tive esse pensamento de competição ou de sombras, ou de ser o próximo, ou disto ou aquilo. Eu fui eu. Sempre fui eu, até hoje. Só que talvez outras pessoas quisessem que eu fosse o Cristiano Ronaldo, quando isso não pode acontecer, cada um tem de ser o seu nome, o seu estilo, por mais semelhanças que possam ter.

Isso é o Nani a falar hoje. Mas na altura essas comparações deitavam-no abaixo?
Irritava-me um bocadinho certas pessoas. O modo como falavam. Era vira o disco e toca o mesmo. Qual a razão? Nós somos crianças até um certo ponto, mas começamos a perceber as coisas passado um tempo e havia certas pessoas que faziam como se fosse para irritar. Mas não me afeta nada no meu dia a dia. Sempre fui distraído com o futebol. Eu chegava ao treino, não me lembrava de mais nada. Essa foi a minha vantagem até hoje.

Cristiano e Nani tornaram-se mais próximos em Inglaterra

Cristiano e Nani tornaram-se mais próximos em Inglaterra

John Peters

Quando é chamado a primeira vez à seleção?
A primeira vez foi no jogo com a Dinamarca, com Scolari. Antes estive nos sub-20 e sub-21.

É um orgulho diferente representar a seleção?
Com certeza. Tu nasces e cresces no teu país a jogar o desporto que move o mundo e o teu país, o teu país é representado por este desporto, é a paixão de Portugal, é um país que entende muito o futebol, é uma cultura o futebol….E quando chego a um certo ponto da minha carreira em que vejo que todos os portugueses gostavam da maneira como jogava e do meu comportamento no campo, quando chega a altura de representar Portugal, que já não é um clube, é o país inteiro, queres jogar por eles, retribuir. Torna-se uma paixão. Torna-se sentimental. Cada vez que íamos jogar fora era uma loucura, porque os portugueses que vivem lá fora têm saudades do país e as palavras que ouvimos não são as mesmas que ouves em Portugal, porque têm muitas saudades e é uma oportunidade única de chegar perto de Portugal. Quando chegavam junto de nós era como se estivessem em Portugal. Os abraços, autógrafos e choros eram comoventes. Falo por mim, cada vez que representei Portugal era uma oportunidade única de jogar pela minha família, pelos meus amigos e por todas aquelas pessoas que nos admiram e que não têm oportunidade de estar em Portugal ou mesmo aquelas que estão em Portugal e sonharam sempre que o país chegasse a um patamar que todo o mundo pudesse reconhecer.

Como se dá o empréstimo ao Sporting? Era algo que desejava porque já não se sentia bem em Manchester?
O Sporting foi a seguir ao Mundial de 2014, no Brasil, em que regresso a Manchester e há uma troca de treinador. Era o Louis van Gaal. No ano anterior já tínhamos trocado também, era o Moyes. Quando saiu o Ferguson, eu também queria sair, achava que era o momento certo, porque tinham acontecido coisas que não me tinham deixado contente.

Por exemplo?
Uma final da Champions que eu achava que devia ter jogado a titular, num ano em que estive destacado o ano inteiro, melhor jogador da equipa, tinha feito uma excelente época e quando chegou o momento decisivo, que era jogar a final da Champions, não pude jogar, não optou por mim, deixou-me no banco. Isso marcou-me muito, achava que devia experimentar um outro clube ter uma outra oportunidade, noutro campeonato talvez. Fixei isso na cabeça. Só que não era assim tão fácil, o Manchester não ia deixar-me ir para qualquer lado assim tão fácil. Infelizmente, tive uma lesão, embora já depois de ter assinado pelo Manchester porque sabia que não tinha hipótese de ir para outro clube qualquer. Apareceram-me mil e uma propostas, mas o clube achou que, renovando o meu contrato e dando-me um bom contrato, estava tudo resolvido. Eu disse: "OK, já ganhei tudo neste clube, estou em casa, fica mais fácil, se vão reconhecer o meu valor, se vão respeitar-me e dar-me mais oportunidade, OK". Fiquei joguei um jogo e o treinador, o Moyes, andou a elogiar-me: "Ah se não fosse o Nani, sem o Nani isto não anda", etc, etc e passado dois, três jogos só me metia no banco. E quando era titular, tirava-me.

Percebeu por que isso acontecia?
Porque tinha preferência por outros. Metia miúdos que tinham começado a jogar. Não tinha lógica, mesmo os meus colegas diziam que não tinha cabimento. Do 100 passei para 0? Dás um contrato de cinco milhões e depois não usas o jogador, o que é que se passa? Atenção, quando falei cinco milhões é um modo de falar, não cheguei a esses valores. Passado um tempo, pensei, se me fizeram isso tenho mesmo de sair. Comecei a forçar, a forçar e o que aconteceu? Fiquei stressado e fiz uma grande lesão na perna que custou-me um bom tempo a recuperar. Quando recuperei ia para a Juventus, estava tudo acordado, a Juventus queria-me. O diretor disse que sim, o treinador disse que sim. E no último minuto, no último segundo, quando fecha o mercado, eles disseram: "Não, já não queremos, não vamos deixar o Nani sair".

O que aconteceu depois?
Perguntei porquê se estava tudo acertado e tinham aceitado. "Não, vais ficar aqui, não estás para vender". Chateei-me, discutimos. Depois pensei, já que fiquei aqui vamos fazer ao contrário. Falei com o diretor e disse-lhe: “Fico aqui este ano, vou dar o meu melhor, mostraram que eu sou uma peça valiosa para vocês, muito obrigado. Fico chateado pelo modo como foi feito, deixaram ir até ao último segundo, mas aprecio a vossa atitude em querer manter-me porque isso significa que sou importante para o clube”. No ano a seguir é que houve uma brecha com o van Gaal, um treinador muito, como dizem, ditador, e numa conversa com ele, tranquila, disse que não tinha tempo nem idade para provas e testes e que estava a precisar de um novo ar, que já tinha acumulado muito stress. Foi exatamente o que aconteceu, houve uma oportunidade de negócio e vim para o Sporting.

O van Gaal não colocou nenhum entrave ou era também vontade dele que saísse?
Ele disse-me que contava comigo, que sabia das minhas qualidades, sabia que era uma mais-valia. Mas expliquei-lhe a minha situação. Recuperei e depois de alguns treinos ele começou a ver eu a meter a minha qualidade no treino e chamou-me: “De certeza que queres mesmo ir? Vê lá, porque precisamos de ti”. Eu disse: "Não, já está tomada a decisão, nós já tínhamos falado, não é?". "Sim, sim, era só para ver se tinhas mesmo a certeza". E vim para o Sporting.