Tribuna Expresso

Perfil

A casa às costas

“O Jesus dava muitas duras ao Matíc, ao Jardel, ao Nelson Oliveira por fechar os olhos e encher o pé. Ao Aimar dizia: ‘Já sabes tudo’”

David Simão fez toda a formação no Benfica mas nunca conseguiu impôr-se na equipa principal, onde sente ter sido mal-tratado por António Carraça, ainda jovem. Acabou por estabilizar três anos em Arouca, depois de passar pelo Fátima, Paços de Ferreira, Académica e Marítimo. Mas foi com o início da aventura lá fora, na Bulgária, Bélgica, Grécia e Israel, que conseguiu amealhar o suficiente para tentar dar um futuro desafogado à família. Com a vida em suspenso, apesar de ainda ter contrato com os gregos do AEK, diz que o seu futuro passará sempre pelo futebol, embora esteja a estudar a hipótese de abrir um sítio especializado em francesinhas, na capital

Alexandra Simões de Abreu

José Fernandes

Partilhar

Nasceu em França mas viveu lá pouco tempo.
Exatamente, vim bebé, tinha um ano.

O que faziam os seus pais quando nasceu?
O meu pai era construtor civil e a minha mãe doméstica.

Para além do seu irmão Bruno Simão que também é jogador, tem mais irmãos?
Sim, uma irmã mais velha.

Quando vieram para Portugal foram viver para onde?
Fomos viver para a Abóboda, na zona de São Domingos de Rana. A infância foi toda passada aí.

Gostava da escola?
Nem por isso [risos]. Nunca fui um aluno muito exemplar e nunca gostei muito da escola. Mas era um miúdo calminho, gostava era muito de jogar à bola, de resto não era de armar muita confusão. O meu irmão foi o pior de nós os três.

O que dizia que queria ser quando fosse grande?
Desde a escola que era ser jogador. É aquela inocência de criança de vermos na televisão e de um dia querermos estar ali. Nunca a pensar que podia tirar dividendos, ganhar dinheiro com o futebol, mas na ingenuidade de gostar daquilo que via, de jogar à bola que era o que fazia na escola e de querer ter pessoas a ver-me jogar à bola.

David (1ª em baixo à esquerdo) na equipa do Abóboda, onde o seu pai (1º à esquerda) era um dos treinadores

David (1ª em baixo à esquerdo) na equipa do Abóboda, onde o seu pai (1º à esquerda) era um dos treinadores

D.R.

Quem eram os seus ídolos?
Nunca tive grandes ídolos. À medida que vou crescendo vou olhando com mais atenção para os jogadores. Sei lá, o Zidane, o Figo porque era português, apesar de não ser da minha posição, o Rui Costa, esses jogadores mais mediáticos, mas um dia era um, no outro dia era outro.

Era adepto de que clube?
Sempre do Benfica. Quando nasci o meu pai e a minha mãe já eram ferrenhos pelo Benfica, depois passou para a minha irmã, para o meu irmão e, quando crescemos nesse meio, vamos na corrente.

Costumava ir ver a bola?
Sim, costumávamos ir ao estádio da Luz em família ver os jogos. Depois o meu irmão entrou para o Benfica com uns nove anos; eu tinha cinco e com essa idade já andava ali no meio do Benfica. Comecei a ter memória do viver dentro do clube muito cedo.

Mas começa por jogar no Abóboda, não é?
Exatamente. Aquilo era ao lado da minha casa. O meu pai também era lá meio treinador e pronto acabou por levar-me. Eu conhecia as pessoas, eram pessoas com quem privava no meu dia a dia, era um clube muito familiar a um minuto de casa, até podia ir a pé.

Isso com que idade?
Com seis já estava na equipa mas só pude jogar uns joguitos. Agora há muitas escolinhas onde começam com três ou quatro anos, na minha altura, não. As escolinhas de competição começavam com nove anos, eu tinha seis mas quando fiz sete comecei logo na competição.

Nas escolinhas do Benfica. David é o 3º atrás, a partir da esquerda

Nas escolinhas do Benfica. David é o 3º atrás, a partir da esquerda

D.R.

Como se dá a passagem para o Benfica?
Eu saía da escola e nunca tive em ATL's, nem queria, preferia ir com a minha mãe aos treinos do meu irmão. Enquanto ele treinava, eu dava uns chutos atrás da baliza, levava sempre a minha bola ou pedia uma emprestada, já era uma cara familiar ali, e eles começaram a ver que eu podia ter algum jeito. Também havia os olheiros nos clubes e já me tinham visto jogar no Abóboda. Foi assim, de forma natural. Juntado os olheiros com o que eles iam vendo naqueles treinos, falaram com os meus pais e perguntaram se eu não queria começar no Benfica, porque achavam que eu tinha muitas possibilidades de ficar. Fiz um treino e fiquei.

Fez toda a formação no Benfica. Chegou a viver no centro de estágios do Benfica?
Eu fiquei no Seixal mais tarde, já era juvenil. Tinha uns 15 anos, lembro-me que ainda estava na escola. Levantava-me às sete e meia, ia à escola, quando saía a minha mãe deixava-me no comboio, mas depois ainda tinha que apanhar o barco para o Seixal, treinava e voltava a altas horas. Andava cansado e um dia disse à minha mãe: "Se quero fazer disto vida eu assim não estou a aguentar. Nem consigo treinar em condições, nem consigo estar na escola em condições, quero ir viver para lá". E fui.

Como foi sair da casa dos pais, sair do ninho?
Ao início é um choque. O chegar ao fim do dia e não estar com os meus pais, com os meus irmãos, coisa a que estava habituado, foi difícil, mas o resto foi bom. Eu já conhecia toda a gente, vivia com jovens da minha idade que gostavam de brincar, gostavam de jogar PlayStation, gostavam de fazer traquinices, ou seja, era quase uma brincadeira diária. Almoçamos com os nossos colegas, jantamos com os nossos colegas.

Usando as suas palavras, qual foi a maior traquinice que fez?
Foi faltar à escola para ir ao cinema uma vez, no Seixal. Fui logo castigado por causa disso e fiquei cheio de medo.

Ainda se lembra qual era o filme?
[riso] Não, não me lembro qual era o filme. Mas lembro-me qual foi o filme que me fizeram [risos]. O António Carraça fez-me um filme que até pensei que tinha matado alguém. Mas sentia que era uma coisa mais pessoal, como veio a confirmar-se. Sempre tive problemas com o António Carraça, o meu irmão teve problemas com ele também… Mais tarde, na equipa B, foi ele que me afastou - apesar de eu também não querer ficar na equipa B -, mas foi ele que me afastou na equipa B.

Percebeu a razão?
Não, mas também não tenho interesse. Se há pessoa que não tenho interesse em falar no meio do futebol, e acho que deve ser a única, é ele. Porque foram ditas coisas completamente fora do contexto que não me esqueço. Bem sei que nós muitas vezes temos atitudes reprováveis, como essa de não ir à escola e ir ao cinema, mas eu era uma criança com 15 anos. Senti sempre que aquilo era uma coisa pessoal e mais tarde veio-se a comprovar, porque eu já era um homem feito, já tinha jogado na primeira divisão, e, na equipa B, voltou a tentar humilhar-me perante todos os jogadores.

A receber um troféu pelo Benfica

A receber um troféu pelo Benfica

D.R.

Conte lá isso melhor.
Foi um ano em que comecei a pré época com a equipa B, antes já tinha feito parte da equipa principal do Benfica, entretanto tinha sido emprestado à Académica. Quando regresso no fim da época, não ia fazer a pré-época com a equipa principal, mas também não queria ficar na equipa B, porque tinha jogado na I divisão, tinha acabado de ganhar a Taça de Portugal. E falei com o mister Norton de Matos, porque por um breve período foi proibido o empréstimo entre equipas da I divisão. Eu já tinha mais ou menos as coisas alinhavadas com o Marítimo, mas nesse mês, enquanto as coisas não ficaram resolvidas, comecei a pré-época na equipa B do Benfica. Estava lá o Miguel Rosa, que também tinha a intenção de sair, e eu comentei com ele: “Já sei que vou sair, esta lei não vai seguir em frente e portanto já tenho as coisas mais ou menos alinhavadas com o Marítimo". Não sei o que é que foi dito depois por trás, mas um dia antes de um treino, eu até já estava equipado, o António Carraça entrou no balneário, quis fazer uma reunião e disse uma série de coisas: "É preciso ter valores para jogar no Benfica, coisa que tu não tens, estás a tentar desestabilizar os teus colegas para ninguém querer ficar na equipa B". Eu nem tive oportunidade para me defender porque ele falou, falou, falou e disse "Agora podes desequipar-te e ir embora".

O que fez?
Na altura eu tinha uma boa relação com o Rui Costa, é uma pessoa que dispensa apresentações, e eu até já tinha falado com o Rui e ele, o António Carraça, ainda disse: "Se quiseres vai falar com o teu amiguinho Rui, fazer as queixas que quiseres, mas aqui no Benfica não treinas mais, podes tirar o equipamento". Não me chamou à parte, não tentou perceber o que é que se estava a passar... tentou logo humilhar-me em frente aos meus colegas. Felizmente consegui falar com o mister Norton de Matos e ele percebeu, porque eu disse-lhe: “Fui sempre muito claro, não quero ficar ficar na equipa B mister, eu joguei na equipa principal, joguei na I divisão e a minha intenção é continuar na I divisão, já tenho as coisas mais ou menos fechadas com o Marítimo”. Íamos jogar a Liga Europa, era um projeto que achei que era bom para mim. "Enquanto eu estiver aqui, você pode contar comigo - porque era um projecto muito inicial, a equipa B - para ajudar no que for preciso, já sou dos que têm mais experiência - era um dos capitães na pré época, eu e o Miguel Rosa -, agora, a minha intenção não é continuar". E como tive sempre essa abertura com o treinador, ele percebeu o que se estava a passar. Expliquei-lhe que tinha falado com o Miguel Rosa, não com o intuito de ele sair, mas ele perguntou-me e eu fui completamente aberto com ele. As coisas com o treinador e com todo o staff do Benfica ficaram bem esclarecidas, menos com esse senhor. Disse muita coisa de que não me esqueci.

Como por exemplo.
Já na altura em que ele me castigou quando eu era miúdo, disse-me: "Tens dois anos de contrato de formação, meto-te a treinar à parte nesses dois anos e se no fim desses dois anos alguém te quiser, eu passo as informações todas negativas a teu respeito". Como é óbvio eu com 15 anos, senti-me com muito medo, em choque, fartei-me de chorar nesse dia. Ele até proibiu-me, e aí tudo bem compreendo, de ir a casa, mas o que foi dito... E no fim, em tom de brincadeira, ainda disse: "Olha, vais jogar para o Povoense com o teu irmão, ele faz cruzamentos para ti. É o que vocês dois merecem" e coisas assim deste género que não têm nada a ver. Portanto é uma pessoa de quem não guardo boas recordações. Felizmente, a maior parte das pessoas partilham da mesma opinião que eu, pelo menos as pessoas com quem falei e que privaram com ele.

Ao lado de Hugo Leal

Ao lado de Hugo Leal

D.R.

Estava a dizer que fez a sua formação quase toda no Benfica, qual foi o treinador que mais o marcou nesse período e porquê?
O José Paisana, porque foi o primeiro no Benfica e porque tinha um discurso bom. Hoje sou pai e consigo entender. Hoje um dos problemas do futebol de formação são os pais e ele chamou-os logo e disse-lhes: "Vocês são os pais e mandam nos vossos filhos, mas para dentro deste portão quem manda somos nós. Portanto não quero ver por fora os pais a dizer vais para a esquerda, vai para a direita, aqui quem manda somos nós”. Deu logo um passo muito importante para a nossa formação enquanto homens. Havia regras, como na vida há regras, e havia regras a partir dos nove anos e tínhamos essas regras muito claras na nossa cabeça. No início de formação é muito mais importante formar o homem do que o jogador, porque estamos ali para nos divertir, é claro que já começamos a ter alguns conceitos de futebol, e no Benfica, Sporting ou Porto muito mais, porque é uma formação diferente, como é no Braga hoje em dia, mas acho que é muito mais a formação de homens, e por isso esse treinador marcou-me. Depois fui tendo alguns bons treinadores, o mister João Couto, o João Paulo, que está agora no Canal 11 a comentar e que esteve em Angola... Tive o mister Bruno Lage. Lembro-me de um episódio em que ele pedia ao Romeu Ribeiro, que está no Penafiel, para me dar porrada de propósito porque achava que eu era muito molinho, e então que tinha que ganhar um bocado de nervo, de sangue [risos]. Eu dizia-lhe: "Então mister o que é isto?! Eu nem tinha bola...". E ele: "Contigo eles podem fazer o que quiserem" [risos]. Mais tarde comecei a perceber exatamente aquilo que ele queria com aquela atitude.

Tem mais algum episódio de relevância durante a formação?
O último ano de júnior, em que o campeonato coincidiu com uma invasão de campo em Alcochete, marcou-me pela negativa porque era um ano que... Eu nunca fui campeão nacional na formação e, nesse ano, nesse jogo, precisávamos de um empate. Aos 25 minutos, que foi mais ou menos quando o jogo foi interrompido, estávamos empatados e portanto não conseguimos ser campeões não por culpa própria mas de terceiros. Acabaram por entregar o título ao Sporting, porque disseram que a culpa era dos adeptos do Benfica que tinham invadido Alcochete. Portanto, se calhar esse episódio não me deixou ganhar um título nacional e obviamente isso marca.

Quando assina o primeiro contrato e começa a ganhar dinheiro com o futebol?
No Benfica, como júnior, tinha 17, 18 anos. Mas tive contrato de formação; com 15 anos já recebia uns €250, se calhar.

Recorda-se do que fez com o primeiro ordenado?
Eu guardava o dinheiro para comprar prendas e jogos. Até ali eram sempre os meus pais que me compravam tudo e então eu ficava orgulhoso de poder comprar os meus jogos, a minha roupa por vezes. Acho que foi muito por aí. Lembro-me também de dar uma prenda à minha irmã, assim mais cara, e ficar super orgulhoso. Aliás ainda hoje sou muito mais de dar, do que de receber.

Quando começam os primeiros namoros e as primeiras saídas à noite?
Se calhar por volta dessa altura, com 14 anos. Na escola onde eu andava, antes de me mudar para o Seixal, comecei com os namoricos, nada de muito sério. Nunca fui muito de sair à noite, só quando comecei a ter idade para isso, idade legal; até lá tinha ido àquelas matinés que iam até à meia noite, com colegas que estavam mais habituados do que eu. Para mim aquilo era uma loucura, sair até à meia noite [risos]. A minha mãe estava à minha espera fora da discoteca. Mais a sério, só quando tive idade, com 18 anos. Mas, como disse, nunca fui muito de sair à noite, até porque conheci a minha mulher tinha 17 anos.

Como é que ela se chama e onde é que a conheceu?
Chama-se Lara e conheci-a através de uma colega que é a mulher do Josué [jogador de futebol]. Nessa altura, elas viviam juntas.

O que ela fazia, estudava?
Não, já trabalhava, ela é oito anos mais velha do que eu. Trabalhou alguns anos na noite e também em lojas. Quando eu tinha 17 anos ela já conduzia, levava-me aos treinos e esperava por mim.

Enquanto capitão de equipa David recebeu vários troféu ao longo da formação no Benfica

Enquanto capitão de equipa David recebeu vários troféu ao longo da formação no Benfica

D.R.

Quando é chamado pela primeira vez à equipa principal do Benfica e por quem?
Acho que foi pelo mister Camacho. Com ele fui convocado para alguns jogos, lembro-me de fazer uma eliminatória com o Getafe para a Taça UEFA, fomos eliminados, ainda com a equipa do Rui Costa, Di Maria, Makukula, Nuno Gomes...

Como foi entrar pela primeira vez no balneário sénior?
Era um sonho para mim. Cresci a ser do Benfica, cresci a ser apanha-bolas no estádio. Portanto, para mim, estar ali com essas figuras todas, era estar a viver um sonho. Claro que jogar era o que eu queria, mas só entrar no autocarro, ter aquela festa toda - o Benfica, como é sabido, move muita gente, nos jogos aonde vai tem sempre os estádios cheios - e portanto para mim era sempre uma satisfação estar ali. Ver aquela multidão, sempre à nossa espera, ficava super orgulhoso de mim próprio e depois era sempre um desfrutar do dia-a-dia.

Não foi praxado?
Tiveram algumas brincadeiras, nomeadamente uma que já contei algumas vezes, do autocarro. Um dia íamos jogar, eu entro no autocarro, salvo erro era a primeira vez que estava a viajar com a equipa, fiquei em pé durante algum tempo e depois perguntei onde é que me podia sentar. Apontaram para aqueles lugares de quatro que têm uma mesa, disseram-me: "Eh pá senta-te aqui, estás à vontade". Era o Nuno Assis e o Nuno Gomes e já não me lembro se também o Quim, eram daqueles com mais moral. Estava um lugar livre e eles: "Senta-te aqui". Eu naquela inocência sentei-me. Quem é que faltava? O Rui Costa [risos]. O Rui Costa entra, o lugar que eu tinha ocupado era de costas para a entrada, eles começam-se a rir, eu começo a achar aquilo estranho, olho para trás, está o Rui Costa de mãos na cintura: "O que é que estás a fazer, miúdo?!". "Ah, eles disseram que eu podia sentar aqui...". "Sabes quem é que é aí?". "Você", que na altura tratava-o por você. "Sou. Vá sai daí senão nunca mais cá pões os pés. Põe-te a andar". Fiquei vermelho, fiquei de todas as cores [risos].

Estava a contar que foi chamado pelo Camacho e fez alguns jogos com ele. Chegou a apanhar o Chalana e o Fernando Santos?
Nesse jogo, de que estava a falar de Getafe, o treinador já era o Chalana e depois deixei de ir. Com o mister Chalana fui a esse jogo, porque já vinha a ser convocado há uns cinco, seis jogos consecutivamente. Mas depois deixei de ir e já não apanhei o mister Fernando Santos. Fiz alguns treinos com o mister Quique Flores, não me lembro se cheguei a jogar com ele, mas ainda treinei com ele.

José Fernandes

Notou muita diferença entre o Quique Flores e o Camacho?
O Camacho era mais afável, de melhor trato. Pelo menos para mim, enquanto jovem, o Camacho falava mais comigo. O Quique Flores, com aqueles jogadores mais velhos, com mais moral...Também me parecia uma pessoa acessível, mas comigo, o mister Camacho pareceu-me mais próximo. Aliás, eu comecei a ser chamado depois de lhe ter dado uma bolada na cara.

Como assim?
Estávamos a fazer um jogo de treino de juniores contra seniores, eu atirei a bola à cara sem querer, ele ficou com a cara vermelha e eu fiquei outra vez de todas as cores [risos]. Fui lá a correr: "Ei, desculpe mister". "Vá lá, não é nada, segue, segue". Se calhar foi com a potência da bola, ele gostou do meu pé esquerdo e começou a chamar-me [risos].

Na época seguinte volta aos juniores com o João Alves.
Sim.

O que achou dele como treinador?
Achei que não era um treinador de formação. Acho que há treinadores de formação e treinadores de homens, de seniores. Acho que ele não é um treinador de formação. Tem mais jeito para lidar com homens. Eu já o conhecia, o meu irmão jogou com o filho dele, com o Ivan, e eu já o conhecia. O meu pai, que era da construção, teve alguns negócios com o João Alves. Mas fiquei sempre com um bocadinho de mágoa digamos, porque, lá está, algumas pessoas falavam que eu mais tarde podia ser jogador do Benfica, mas depois nas duas fases finais de júnior, numa delas fui o melhor marcador da equipa, não jogava. Aconteceu-me isto duas vezes com ele, e portanto fiquei com uma mágoa grande com ele, porque depois também soube que na transição para seniores, com o Rui Vitória, ele tentou levar outro jogador para lá. Pediram-lhe informações sobre mim, porque ele tinha sido o meu último treinador, e ele tentou que levassem o Leandro Pimenta. Disse que eu era muito conflituoso, tinha um feitio mais difícil. Felizmente, o mister Rui Vitória continuou com a ideia de vir buscar-me. Acabámos por fazer um excelente ano no Fátima e continuei com o Rui Vitória, no Paços de Ferreira.

Quando vai para o Fátima, ficou desiludido por não ter sido chamado à equipa principal do Benfica?
Tendo em conta que essa fase final passei toda sem jogar, já não esperava. Se nos juniores não jogo, como é que vou fazer uma pré época com os seniores? Tirou-me um bocadinho dessa ambição e dessa expectativa. Eu estava até com algum receio de como iria ser o meu futuro. Acho que é um ano importante, o da transição de júnior para sénior, e tinham sido uns meses muito difíceis para mim. Estava com medo de não arranjar nada, ou de ser algo ainda mais abaixo do que a II liga. Mas acabamos por fazer um excelente ano e ficámos em 7.º ou 8.º lugar, salvo erro.

Vai sozinho para Fátima ou com a namorada?
Nessa altura já estava com a Lara; ainda não vivíamos juntos, mas namorávamos. Eu fiquei a viver em Lisboa. Ia e vinha diariamente como quase a equipa toda.

Com que opinião ficou do Rui Vitória?
É uma pessoa excepcional. Ajudou-me bastante nessa fase de transição de júnior para sénior, joguei sempre com ele. Joguei numa posição que nem era a minha, como extremo-direito, um falso extremo-direito. Como treinador fez excelentes trabalhos e por isso é que está onde está e chegou onde chegou. Tinha uma equipa técnica também espectacular, com o mister Arnaldo Teixeira, mais tarde o Sérginho, que durante a época jogava connosco e que depois acabou por integrar a equipa técnica do mister Rui. Estivemos dois anos seguidos juntos. Ele levou-me para Paços de Ferreira, diziam que era meu pai [risos]. E acabou por me dar essa mãozinha.

A receber mais um trofeu, já como júnior

A receber mais um trofeu, já como júnior

D.R.

E para Paços também foi viver sozinho ou já foi com a namorada?
Aí já fui com a Lara. E nasce o Martim, o meu primeiro filho, quando estava em Paços. Ou seja, há nove anos.

Assistiu ao nascimento do seu filho?
Assisti, sim. Foi depois de um jogo em Alvalade, há muitas pessoas que falam das luas, de quando é lua cheia que vai nascer, e eu estava a ver o relvado, já não me lembro com quem, olhámos para cima e um deles disse: "Olha está lua cheia, ainda vais ter o teu filho enquanto estás a jogar aqui". "Não, ele espera que eu chegue e depois nasce, não te preocupes". Curiosidade: no dia a seguir era folga, fomos para uma consulta de rotina e quando chegamos lá de manhã a médica disse: "já trouxe as coisas todas para ter o Martim?". “Não, não trouxemos nada". "Então fazem assim, vão até casa, vão almoçar e por volta das três horas estejam aqui". Fomos, almoçámos no shopping lá em Paços, ainda apanhámos dois ou três colegas e eles perguntaram à minha mulher: "Então quando é que vai nascer?". E ela disse-lhes "Vai nascer daqui a nada" e eles começavam-se a rir. Chegámos lá às três e às 20h45 já tinha nascido. Os dias do nascimento dos meus filhos, foram os melhores dias da minha vida. Dias que tenho guardados quase minuto a minuto. Este dia aconteceu há nove anos e lembro-me perfeitamente onde é que fomos, a que horas fomos, como fomos, são coisas que estão bem marcadas nas minha cabeça.

Foi a sua primeira época na I divisão. Era o que estava à espera ou achou mais difícil do que que supunha?
Achei que ia ser muito difícil do que na realidade foi. Talvez pela conjuntura, foi um "casamento". O clube era super familiar, eu já tinha muito à vontade com a equipa técnica. Quando nós sabemos que o treinador confia… Só para dar um exemplo: eu escolhi o número 21, que era o número que tinha no Fátima, e o mister Rui Vitória disse "não, tu vais ser o número 10". Foi ele que me atribuiu o número. O número 10 é sempre o número com mais peso e era a minha primeira época na I divisão, era um rapaz quase desconhecido. Porque há uns anos a formação não tinha o eco que tem hoje em dia. Hoje, um jogador dos juniores toda a gente conhece em Portugal, porque é falado nos jornais, e vai para aqui e tem propostas de 10, 15 milhões, sobretudo do Benfica, mas na minha altura era-se muito desconhecido. E só aquele gesto passa logo confiança. E depois apanho um grupo fantástico, com que mantenho contacto até hoje. O Pizzi, o Nelson Oliveira, o André Leão, tantos... o Olímpio, o Manuel José, o Filipe Anunciação, que agora é adjunto do Petit. Tenho ali um misto de pessoal já mais velho e de jovens que ligou muito bem. Perdemos a final da Taça da Liga, mas foi uma excelente época.

Na seleção de sub15

Na seleção de sub15

D.R.

Depois do Paços de Ferreira o que aconteceu? O Benfica chamou-o?
Sim, nesse ano fiz parte do plantel.

Com o Jorge Jesus.
Sim.

Que tal?
Muito bom. Levei muitas duras, mas acho que ele está melhor em tudo o que lhe apontavam, que era a questão do feitio.

Por que razão levou muitas duras dele?
Porque ele é muito de detalhe. Àquele nível, sem desprezar os outros clubes, para ele era inconcebível um avançado estar à frente da baliza, fechar os olhos e encher o pé. Para ele isso não existe. Ele dizia muitas vezes ao Nelson Oliveira, que era bem mais novo e vínhamos os dois de Paços de Ferreira: "Ó Nelson, isto já não é o Paços de Ferreira, já estás noutro nível". Ele dá muitas duras, porque depois não gosta de repetir. Ele acha que, estamos no Benfica, eu não tenho que estar a explicar como se estivesse na II ou III divisão. Ali o nível é alto, a exigência dele é alta, ou seja ele dizia muitas vezes ao Aimar: "A diferença de ti para os outros, é que eu para ti não preciso de explicar, tu já sabes. E há alguns a quem tenho de explicar duas e três vezes". E era esse explicar duas e três vezes que o tirava do sério, não era o ensinar, porque o ensinar ele gosta e tem prazer depois de ver as coisas replicadas no jogo, mas chateava-se muito ter de explicar consecutivamente e os erros voltarem a ser os mesmos. Ele até ao Mika... Num exercício faltava-nos um defesa esquerdo e o Mika, o guarda-redes, foi para defesa esquerdo e ele deu-lhe um berro: "Mika, tu não estás a ver que estás a meter toda a gente em jogo, olha a linha". Ele era um guarda-redes [risos]. Mas a exigência dele e o estar tão vidrado no treino e tão no pormenor... Seja quem for, ou melhor, não é bem seja quem for.

Como assim?
Porque há alguns que é preciso chamar muito menos a atenção do que outros, até pelo estatuto que têm. O Luisão já sabia de trás para a frente aquilo que ele queria, portanto, por vezes, podia falhar aqui ou ali, mas não era chamado à atenção como é óbvio, pelo estatuto. Mas, por exemplo, lembro-me que o Jardel e o Matic sofreram bastante até serem o Jardel e o Matic de hoje. Se o jogador perceber que não é uma coisa pessoal, porque depois podemos debater ali com ele dois, três minutos, e está tudo bem a seguir, a seguir ele está a dar um abraço e acabou. Portanto, se o jogador conseguir perceber que isto é o feitio de querer ganhar, de querer a perfeição e às vezes um bocadinho de falta de paciência mas, se nós percebermos isto e não levarmos para o lado pessoal, vamos perceber que é uma forma de estar no futebol, não é pessoal. Ele tem aquelas ideias e enquanto elas não forem atingidas, aquele patamar não for atingido, para ele não está bom. Está a ganhar 4-0 e continua a gritar.

Mas disse que ele entretanto mudou…
Sim, ele está melhor, fui vendo algumas entrevistas dele e ele falou sobre isso, sobre a forma de estar dele. Depois da passagem pela Arábia Saudita, ele percebeu que tem um papel nos jogadores e nas equipas muito maior que aquilo que ele achava que tinha. Na Arábia Saudita foi chamado à atenção porque pagavam-lhe tanto dinheiro e ele não podia ter atitudes daquelas, tinha que ser também um exemplo para as crianças, para toda a gente. Acho que isso acaba por marcá-lo positivamente. E a forma como ele se despede agora do Flamengo, a forma fácil como ele diz aos jogadores "amo-te", não é o Jorge Jesus a que nós estávamos habituados aqui no Benfica, muito mais frio, muito mais distante, muito mais dos mind games. Acho que hoje é muito mais humano, chegado aos jogadores, acho eu.

No Paços de Ferreira, em 2010/11

No Paços de Ferreira, em 2010/11

Icon Sport

Estava à espera que JJ regressasse ao Benfica tão cedo?
Eu acho que era uma vontade dele muito grande. Acho que ele assim que saiu do Sporting, sempre teve vontade de voltar ao Benfica.

Porquê?
Ele é muito competitivo e é muito de família também. É muito patriota também, portanto ele está mais perto de ganhar hoje em dia, se estiver no Benfica do que se estiver no Sporting, certo? Ele sabe que o Benfica vai ter muitas condições, e ele cá está próximo da família, porque ele vive a 20, 15 minutos do Seixal. Há ali uma conjugação de factores. E ele sempre nos dizia: "Já tive propostas do Milan, já tive propostas..." Ele não se sente benfiquista, vamos assumir isso, mas sempre teve o Benfica em grande consideração. Eu também não sou portista, mas era um orgulho jogar no FC Porto. Não sendo portista, respeito o Futebol Clube do Porto, é um excelente clube, um dos maiores clubes em Portugal, se não for o maior nestes últimos anos. E ele sempre reconheceu grande valor ao Benfica. Fala-se que vem ganhar um grande salário, mas se fosse por dinheiro, ele tem muitos outros clubes que lhe pagam muito mais do que o Benfica, muito mais. Agora é óbvio que está num patamar alto, como é o Flamengo, não pode vir para o Benfica só por amor à camisola, tem que ter algumas condições para voltar. Como, por exemplo, o salário. E se o Benfica acha que é compatível, acho que sim, acho que é um bom casamento. Se calhar exagerou uma ou outra vez nas palavras que proferiu, mas temos de perceber, ele estava a defender um clube e muitas vezes para ficarmos bem com o nosso clube...

O que quer dizer com isso?
Quando ele falava bem do Sporting e metia o Sporting acima do Benfica, para os adeptos do Sporting ele estava a fazer uma super coisa, estava quase a rebaixar o Benfica. Mas ele naquela altura tinha que defender os seus e tinha que atacar os outros porque é a forma dele estar. Não tenho dúvidas nenhumas que ele hoje no Benfica se tiver de rebaixar o Sporting que é o clube dele, o vai fazer e vai defender o Benfica. Ele foi sempre profissional por onde passou, pelo menos é a ideia que eu tenho. Gostem mais, gostem menos, ele foi profissional. E ao que se sabe ele não sai do Benfica por vontade própria. O Benfica entendeu que tinha acabado um ciclo, entendeu assim e ele teve que seguir a vida dele. E por ser patriota, se calhar na altura tinha outras opções, mas pensou: estou aqui num grande clube também, estão a dar-me um grande salário, estou perto da minha família, vou trocar porquê? Vou sair do meu país para quê? Eu acho que as pessoas que falam, podemos discutir depois a forma como foi feito, mas as pessoas que falam, 90% se tivessem na mesma situação, tinham decidido de igual forma.

O David acaba por fazer só dois jogos com ele.
É por isso que pedi para sair. O Benfica tinha uma super equipa e estar ali ao lado do Pablo Aimar, Saviola, Rodrigo, Cardoso...

Era uma concorrência de peso.
Exatamente. Há algum tempo saiu qualquer coisa que eu disse que os jogadores do Benfica, estes jogadores, não tinham lugar na minha equipa do Benfica. Atenção que eu não me referia a todos, como é óbvio. Não me referia a todos, mas acho que é simples se olharmos para uma equipa e para a outra e ver que havia mais qualidade na altura. Mas claro que o Pizzi cabe em qualquer equipa.

 David (à direita) jogou no Marítimo em 2012/13

David (à direita) jogou no Marítimo em 2012/13

AFP

Pede para sair do Benfica, vai para a Académica e ganha a Taça de Portugal, com o Pedro Emanuel como treinador.
Sim. Para mim foi o dia mais feliz da minha carreira desportiva.

Gostou do Pedro Emanuel como treinador?
Bastante. É alguém super humano, por isso as coisas tornam-se mais leves durante o ano. Gostei muito de trabalhar com ele.

Foi viver para Coimbra?
Fui, mas fui sozinho.

Então?
Porque eram seis meses e, na altura, a minha mulher estava a trabalhar e achámos que não fazia sentido. Não era um contrato de longa duração, não fazia sentido ela perder o trabalho.

A vossa base era em Lisboa?
Na Charneca da Caparica.

Entretanto, regressa à equipa B, mas já tem as coisas encaminhadas com o Marítimo, como já contou, e há o episódio com o António Carraça. Para o Marítimo também vai sozinho ou leva a família?
Depois, fui sempre com a família.

Gostou do Pedro Martins como treinador?
Sim, outro bom homem, com uma sensibilidade boa para jogadores. Também tem feito excelentes trabalhos, a nossa equipa jogava muito bem.

Dessa época no Marítimo o que é lhe ficou marcado?
Foi jogar a fase de grupos da Liga Europa. Foi a primeira vez em que participei ativamente, porque por vezes estamos no plantel, como era o caso no Benfica, mas depois não jogamos e acabamos por nos sentir um bocadinho "um peixe fora de água". Mas ali eu joguei mesmo a fase de grupos da Liga Europa. E jogar numa competição que não é a maior de todas, mas é uma competição importante, jogar em estádios como o Newcastle em Inglaterra com um ambiente fantástico, foi o que mais me marcou.

Como surge o Arouca? É convite do Pedro Emanuel?
Sim, foi um convite do Pedro Emanuel. Para ser sincero, eu não aceitei porque já tinha a ideia de sair para fora, pela questão monetária como é óbvio, mas também para experimentar coisas diferentes...

Acabava o contrato com o Benfica?
Não, ainda não acabava esse ano e por isso é que fui "obrigado" a passar o contrato de três anos, que ainda tinha, para o Arouca.

Quando diz "obrigado" o que é que isso quer dizer?
Quer dizer que eu inicialmente não queria ir para o Arouca. Era um clube que nunca tinha estado na I divisão, ou seja, era uma incógnita muito grande. Eu não conhecia nada do clube, que podia subir ou descer, e eu não tinha interesse. Era um clube que na verdade não me atraía. Depois, estavam algumas situações a andar, monetariamente muito melhores para mim.

Para onde?
Na altura, estava a falar com um clube da Rússia. Um projeto maior, que me iria dar uma estabilidade financeira que nunca tive em Portugal. As pessoas têm uma ideia errada do que é jogar na I liga, acham que os jogadores ficam ricos, mas não é nada disso. Veja agora o caso do Aves, infelizmente. Se calhar, há jogadores que passam dificuldades ao fim do mês para poderem dar comida às famílias. Mas, estava a dizer, foi a única solução que o Benfica me deu: foi mandar-me para o Arouca ou então voltar à equipa B. Preferi ir para o Arouca e tentar fazer uma boa época para dar o salto. A verdade é que não aconteceu: fiquei três anos em Arouca, excelentes pessoas, uma vila muito simpática, tive ali bons momentos, pude estabilizar com a minha família e durante três anos estivemos todos juntos e não andei com a casa às costas como tinha andado até ali. Aliás, foi o clube onde joguei mais anos seguidos, tirando a formação do Benfica. Acabo por sair em grande, com uma qualificação para a pré-eliminatória da Liga Europa, pois ficámos em 5.º lugar.

Com o Vidigal não foi?
Sim, com o mister Lito, que acaba por ser quase campeão. Em Portugal uma equipa como o Arouca ficar em 5.º lugar é como ser campeão.

Muito diferente o Lito Vidigal do Pedro Emanuel?
Sim, bastante. Um treinador já mais distante, trabalha muito, um volume de trabalho muito grande, são treinos de duas horas, duas horas e meia por vezes. Mas a verdade é que deu excelentes resultados. Nunca podemos dizer que nunca mais vai acontecer, mas ficar em 5.º no Arouca... não perspetivo que seja do dia para a noite.

Quando acaba essa época já estava em conversações com o CSKA, da Bulgária?
Na verdade, foi um bocadinho ir para onde havia. Fiquei um bocado desiludido com os projetos que me apareceram. Não apareceu nada de especial; poderia ter continuado em Portugal, mas a minha vontade era mesmo sair, era a primeira vez que me via sem contrato e portanto nós perspetivamos: acabas um época, és 5.º lugar no Arouca pensas, bem, vai-me aparecer alguma coisa boa. E a única coisa que me apareceu de melhor foi o CSKA. Acabei por ir.

No Arouca a receber instruções de Lito Vidigal

No Arouca a receber instruções de Lito Vidigal

Gualter Fatia

Como foi o primeiro impacto quando chega à Bulgária?
Eu tinha lá colegas, isso amenizou um bocadinho o impacto. Tinha colegas que vinham de um clube, o Litex, que se uniu com o CSKA, ou seja, eles vinham de uma cidade que era quase fantasma e depois chegaram a Sofia, a capital, e disseram-me que era bom. Foi giro, foi a nossa primeira experiência familiar fora, a minha filha acabou por nascer nesse ano.

Nasceu na Bulgária?
Não, nasceu em Portugal e também consegui assistir ao parto. Deram-me permissão para me ausentar dois, três dias. O Martim ficou com as mulheres dos meus colegas Rui Pedro e Arsénio, porque não fazia sentido estar a fazer a viagem com ele para estar dois dias e voltar. A minha mulher é que tinha ido para Portugal ter a Maria. Curiosamente, no jogo antes do parto, lesiono-me, uma lesão que ia-me dar para algum tempo. Tive que dizer uma mentirazinha à minha mulher para fazer-lhe a surpresa. Disse-lhe que ia ser operado ao tornozelo, que ia desligar o telefone durante umas horas. Falei com os meus colegas e pedi-lhes para lhe ligarem a dizer que a operação tinha corrido bem e tal, isto enquanto eu voava. Ela ficou super contente quando me viu. Já tinha tudo combinado com a mãe, para ser a mãe a assistir ao parto, mas claro quando cheguei, fui eu porque são dias que...O futebol dá-nos algumas e tira-nos muitas coisas. Essa era uma coisa que eu não queria perder. Desde cedo, falei com o meu treinador e com os responsáveis do clube e disse que era um dia que não iria perder quer me deixassem, ou não. Mesmo que me fizessem pagar multa, eu assumiria a responsabilidade, mas queria estar presente no dia de nascimento da minha filha, caso não tivesse jogo. As pessoas perceberam e não houve problema.

Adaptou-se bem ao futebol búlgaro?
Muito mais fraco do que o português. Adaptei-me relativamente bem. A maior parte dos jogos fui jogando. Mas era um futebol que não me atraía. Tanto que quis vir embora no início do 2.º ano. Fui ganhar um bocadinho mais do que ganhava em Portugal, como é óbvio, porque se não fosse assim não tinha ido. Mas se calhar, se fosse hoje, na verdade, não tinha ido. Foi uma experiência engraçada, porque até vivia numa cidade relativamente boa sem ser espetacular. Era uma capital e tínhamos restaurantes, o meu filho andava numa escola inglesa e adaptou-se super bem.

Do que gostou mais e menos nos búlgaros?
Menos: o facto de não serem nada profissionais. Isso em Portugal nós temos em todo o lado. Ali não têm hábitos de um profissional, não têm hábitos de refeições de um profissional, não têm hábitos de descanso profissionais, muitas coisas que vão falhando. Eu estava num dos maiores clubes da Bulgária e por vezes nem uma marquesa tinha para levar uma massagem. Um bocadinho de falta de profissionalismo, de brio, de cultura; acho que é um bocado cultural porque eles têm meios e dinheiro. Os salários são melhores do que os dos clubes médios em Portugal, mas em tudo o resto que não tem a ver com o dinheiro, as pessoas em Portugal são muito mais profissionais do que lá.

Como foi com a língua, percebia alguma coisa?
Safei-me com o inglês e a determinada altura jogava eu, o Rúben Pinto, o Arsénio, o Diogo Viana e o Rui Pedro, de cinco para a frente era só portugueses, por isso quase que comunicávamos só em português, era fácil. Com o resto do pessoal era em inglês e algumas palavras soltas de búlgaro.

Só esteve uma época na Bulgária.
Sim, depois acabo por ter a possibilidade de ir para o Boavista. Foi num dia à noite, estava com a minha mulher na cama, tinha mandado mensagem ao Maciel, que trabalhava para o Boavista, a perguntar se havia alguma possibilidade, porque depois de eu acabar contrato com o Arouca ele já me tinha tentado meter no Boavista, mas eu estava mesmo virado para ir para fora. Falei com ele, falámos de valores e disse-lhe: "por X, vou". Ele disse: "OK, vou ver, acho que por isso pode ser possível". Foi uma coisa muito rápida, ele liga a dizer: "Tá feito, podes vir". Acordei logo a minha mulher e disse vamos embora, vamos para Portugal.

David Simão representou o Boavista em 2017/18

David Simão representou o Boavista em 2017/18

Gualter Fatia

Quando chega ao Boavista quem está à frente da equipa?
É o Miguel Leal. Tenho logo uma impressão muito má, para ser sincero. Porque ele chama-me com uma ficha na mão e diz-me: "Olha, mete aqui o teu nome e em que posição é que tu jogas". E eu, não, não acredito, então o meu treinador que deu o aval supostamente para eu ser contratado, está-me a perguntar em que posição é que jogo? Aquilo chocou-me logo. Pronto, já vi que vim aqui parar de pára-quedas. Depois do 1.º jogo, em que vou para o banco, um jogo em Guimarães, ele sai. Entra o Jorge Simão, para o jogo com o Benfica que ganhámos em casa, no Bessa. Ele disse que ia manter a última equipa que tinha chegado, porque não tinha tempo para trabalhar nem ver nada. Entrei ao intervalo e a partir daí fui titular em todos os jogos.

Tem um episódio marcante com o Jorge Simão. Pode contar?
É público que o meu irmão Bruno teve um acidente grave e, no dia em que aconteceu, eu estava num jantar de equipa. Fui logo ter com ele, chamei-o à parte e disse-lhe: "Mister, o meu irmão está em coma, hoje já não vou porque é muito tarde, mas amanhã quero ir para Lisboa". E ele disse: "David vai e fica à vontade tens os dias que quiseres, volta quando te sentires preparado para voltar". Fui, estive dois dias em Lisboa, volto, e temos o jogo com o Marítimo. Foram talvez os meus piores 45 minutos no Boavista. Falhei um penálti, que acaba por dar golo, mas falhei o penálti. E quando vou a entrar para o balneário, o mister dá-me um toque nas costas e mete-me dentro do balneário dele. E diz: "Sei que tiveste uma semana difícil. Chora aqui o que não choraste até hoje, porque estou a ver que estás de rastos". Aquelas palavras tiveram efeito imediato, comecei a chorar compulsivamente, chorei muito mesmo, ele abraçou-se a mim, comoveu-se também comigo. Estivemos ali cinco minutos em que eu nem conseguia falar e ele disse: "É uma semana difícil para ti mas eu não te vou tirar, preciso de ti, esta equipa precisa de ti, a equipa contigo joga de uma forma e sem ti joga de outra, e sei que nos vais ajudar, que vais marcar um golo ou fazer uma assistência na 2.ª parte. Alguma coisa vais fazer. Eu confio em ti, os teus colegas confiam em ti. Vais dar a volta por cima". Estava 1-1 a o intervalo e aquelas palavras vão-me marcar para o resto da minha vida. Acabámos por ganhar 2-1, eu faço uma assistência para o 2.º golo. Se eu já tinha um respeito e uma admiração gigantes por ele, a partir desse dia duplicou ou triplicou. Porque foi uma atitude que nem tinha que ter comigo - eu não estava a jogar bem, não conseguia dominar uma bola, não conseguia fazer nada, bastava ele chegar e dizer sais e entra o Joaquim ou Manuel e siga. Mas teve esse cuidado de me abraçar quase como um pai e de perceber que eu estava num momento complicado e difícil. Tenho uma relação com ele próxima e com os adjuntos dele, nomeadamente com o Leandro Morais, que é quase como um irmão mais velho para mim.

O que o faz sair do Boavista?
O jogador de futebol é mesmo assim. Estamos mal ou não jogamos e queremos sair porque queremos jogar e, se jogamos muito bem, queremos ir para níveis superiores e ganhar mais dinheiro. O jogador de futebol nunca está bem com o que tem. Foi isso que aconteceu, porque eu estava num ótimo período, mas também porque chegaram propostas ao Boavista, eu nunca forcei a saída. Agora, a partir do momento em que tinha propostas para sair, que eu achava que podiam ser boas para mim, falei com os responsáveis. O Boavista na altura era um clube que precisava de fazer vendas e acabou por ser bom para mim e para o clube. Ao fim da 1.ª época com o Jorge Simão, eu nunca me senti tão jogador e tão bom jogador. Eu jogava contra qualquer equipa e achava que estava ao nível deles ou até superior, para ser sincero. Nunca senti isso noutros clubes durante quase dez anos de carreira em Portugal. Naquele ano, eu voava dentro do campo, sentia-me super capaz. E os meus empresários também dizem até hoje que não conseguem perceber como é que naquele ano não houve propostas para mim.

Em 2018/19 David jogou na Bélgica pelo Antuérpia

Em 2018/19 David jogou na Bélgica pelo Antuérpia

Photonews

Acaba por ir para a Bélgica.
No ano a seguir. Ou seja, ainda faço mais meio ano no Boavista e só no ano a seguir é que vou para o Antuérpia da Bélgica. Estive próximo de ir para o Vitória de Guimarães.

E não foi porquê?
Porque na altura o Antuérpia subiu a proposta para o Boavista e também porque me disseram que Boavista e Guimarães são clubes rivais - e o Boavista dizia que, no entender deles, não fazia sentido vender os dois melhores jogadores deles para o Vitória de Guimarães. O Rochinha já estava fechado e eu sei que o Vitória de Guimarães tinha feito uma proposta de um pacote para os dois, mas depois com a proposta do Antuérpia e esta questão da rivalidade... Tudo acabou por me conduzir para o Antuérpia.

Foi com a familia?
Não, a partir daí comecei a ir sozinho, porque o meu filho já estava na escola. A 1.ª classe fez em inglês, mas o 2.º ano em português, e com dificuldades, por isso, optamos estabilizar a família. O meu filho hoje diz que está muito contente porque finalmente tem amigos, ou seja, ele tinha amigos de ocasião, amigos de seis meses ou um ano e depois trocava. Hoje ele sabe que é ali que vai viver, ao lado da Abóboda, onde eu cresci a minha vida toda. Comprei um apartamento também lá e estou a construir a minha casa lá. Acho que vai ser ali a minha vida pós futebol.

Quando chegou à Bélgica como foi o impacto?
Eu gostei muito da Bélgica. Não o país em si, que é cinzento e frio, e eu sou muito mais de festa, calor, esplanada, mas do campeonato. Campeonato super forte. Eu chego nos seis meses em que era entrar no play off final com as seis melhores equipas, Standard Liége, Genk, Gent, Brugge, Anderlecht e nós o Antuérpia. Portanto, só apanhei jogos de alto nível, estádios sempre cheios, um futebol muito forte.

E apanhou o Bölöni como treinador.
Sim. Ele trabalha forte, mas era um treinador que não se adequou aquilo que era o meu perfil enquanto jogador. Eu sou um jogador de posse, de ter a bola, e ele era muito mais um treinador de jogar em contra-ataque, de defender, ter homens fortes no meio e sair rápido em contra-ataque. Portanto não se adequava muito ao meu futebol. Para além de eu achar que seis meses é sempre curto para fazer uma adaptação. Tirando isso, a equipa estava a fazer uma boa temporada, não havia razão por que mudar e o estilo de jogo claramente não era o meu. Acabei por entrar em muitos jogos, mas nunca fui um titular da equipa.

É por essa razão que não fica?
Sim. Andámos ali em negociações muito tempo e, no dia em que chega a proposta da Arábia Saudita para trabalhar com o mister Jorge Simão outra vez, chega ao mesmo tempo uma proposta de compra do AEK de Atenas, do mister Miguel Cardoso. Uma proposta de três anos, enquanto que a da Arábia era de um ano de empréstimo. Deixou-me um dia ou dois a pensar muito. Porque por um lado está o treinador e a pessoa Jorge Simão com quem me senti um jogador muito bem, ao nível dos melhores, e do outro lado um projeto de um grande clube da Grécia, um clube com projeção europeia que no ano transato tinha participado na Liga dos Campeões, no grupo do Benfica. Portanto eram dois bons projetos, cada um à sua maneira. Acabei por decidir ir para o AEK, porque é na Europa, porque é o AEK, e por pensar que me podia dar estabilidade, que era um contrato de três anos. No conjunto, por ser três anos, ia ganhar mais no AEK.

David chegou ao AEK em 2019

David chegou ao AEK em 2019

MB Media

Porque é que as coisas não correm bem na Grécia?
Porque o Miguel Cardoso é despedido ao fim de uma jornada. O diretor-desportivo, que foi responsável pela minha contratação também foi despedido, houve uma reestruturação e o novo treinador, um grego, logo à partida optou por outros jogadores. Começou-me a faltar jogo, coisa que tinha na pré-época e nos primeiros jogos da época, e acaba por ser isso.

Resolvem rescindir?
Não, eu tenho ainda dois anos de contrato com o AEK. Eu fui emprestado depois. Acabam por aparecer-me algumas situações na Europa, mas que não me agradaram de todo. E depois surge Israel, que já era um namoro antigo.

Quando vai para Israel há um choque ou não?
Não há um choque, porque o Miguel Vítor já esta lá há muito tempo e acabou por me facilitar a adaptação. Apesar de a Grécia ser um pais convidativo - e especialmente aquele sítio onde eu vivia me levasse a sair mais do que eu estava habituado, ou seja, a ir beber um café à rua em vez de estar em casa no sofá a descansar - em Israel vivia numa vivenda num condomínio privado muito bom. As pessoas têm uma ideia muito diferente de Israel daquilo que realmente é. Pensam que é só bombas, mas a verdade é que nunca apanhei nenhum susto, senti-me sempre super protegido e à vontade. Tínhamos diferentes religiões na nossa equipa, judeus, muçulmanos, etc., mas super bem resolvidos, respeitavam-se uns aos outros. Aliás, eram amigos uns dos outros. Não tive problema. E eu mal chego... entramos em quarentena por causa da Covid-19. A maior parte dos dias fui comer a casa do Miguel. Estava lá a esposa dele, que me acolheu super bem. Era um ambiente familiar. O Josué acaba por se isolar um bocadinho nessa fase. Quando cheguei, até foi ele que andou mais comigo a mostrar-me as coisas, mas depois com a quarentena ele ficou assustado e optou ficar mais em casa, enquanto que eu e o Miguel mantivemos mais o contato, até a treinarmos juntos. Acabei por ter um tempo muito bom com o Miguel e a família, a quem estou agradecido. Sem eles teria sido especialmente difícil. Eles ampararam-me e fizeram sentir como se estivesse em casa.

Esta época 2019/20 David foi emprestado ao Hapoel Beer Sheva, de Israel

Esta época 2019/20 David foi emprestado ao Hapoel Beer Sheva, de Israel

D.R.

Ficou sempre em Israel durante a quarentena.
Sim, eles não deixaram viajar para Portugal. Eu só venho para Portugal depois do final da Taça. Só cheguei no dia 15 de julho.

Foi muito difícil viver este período longe da família?
Sim, isso foi o mais fácil. Eu já não via a minha família desde fevereiro. São muitos meses. Mesmo não vivendo com eles, eu tinha muito maior contacto do que aquele que tive agora. Não poder estar com eles, a minha filha com três anos, a crescer, notei bastante diferenças, sobretudo ao nível da fala da minha filha. São coisas que vou perdendo, infelizmente, mas acho que em prol de um bem maior que será uma vida mais desafogada no futuro.

Já sabe como vai ser a próxima época?
Não. Acredito que dentro de algumas semanas vá saber qual é a intenção do AEK, se faço a pré-época, se vão querer emprestar-me outra vez, se vai haver algum clube... Porque nesta altura não tenho nenhuma opção, tenho apenas o AEK.

Se pudesse escolher o que preferia?
Não sei. A questão do AEK tornou-se um bocadinho difícil e eu não sei se vai haver possibilidade de voltar, porque entretanto colocaram-me a treinar à parte.

Porquê?
Pois, também não sei. Estive com o Francisco Geraldes durante dois meses, ambos a treinar sozinhos, à parte, sem nenhuma explicação. Embora ele não tivesse vontade de continuar, porque depois da sadia do Miguel Cardoso o insucesso da equipa caiu-lhe um bocadinho em cima e ele deixou de sentir-se confortável lá; eu nunca pedi para sair, sempre tive vontade de ter minutos, não consegui. Estive um mês e tal a treinar à parte e nunca me deram uma explicação, isto antes de ir para Israel. Portanto, não sei se vai haver possibilidade de voltar. Agora, é certo que tenho dois anos de contrato com o AEK. E se não tiver nenhum projeto que ache que seja bom para mim, até porque a questão do salário nesta altura é importante, tenho 30 anos, em Portugal nunca ganhei grandes salários, e não quero abdicar destes dois anos de salário no AEK. Todas essas coisas vão contar. Acredito que, se não tivesse havido a pandemia, o Hapoel Beer Sheva ter-me-ia comprado, porque joguei sempre. Mas com isto, o budget no próximo ano é muito menor e eles fizeram-me uma oferta muito baixa, completamente fora daquilo que é o meu salário. Vamos ter que arranjar um projeto que seja bom, que possa cobrir o meu salário, ou chegar a um entendimento com o AEK - ou se o AEK quiser dar-me uma nova oportunidade lá.

Ganhou uma Taça em Israel, as comemorações foram muito diferentes do que estava habituado?
Foi, porque não podemos comemorar. Havia adeptos na rua. À semelhança do que aconteceu na Académica, foi a segunda taça do clube, já não ganhava a taça há 23 anos. Quando estamos a chegar à cidade, o que acontece é que a polícia mandou-nos parar quase num descampado, e tivemos que ir quatro em cada carro para nos levar a casa, porque não queriam que nós festejássemos com os adeptos. Na verdade, acaba por ser um bocadinho triste. Tivemos que festejar só entre nós jogadores. O mais importante do futebol são os jogadores, acho eu, mas a seguir são os adeptos e queríamos partilhar com eles, ainda por cima depois do ano difícil que foi em que a dona do clube também abandonou o clube.

Já pensou no futuro pós carreira de futebolista?
Tenho pensado cada vez mais. Vou jogando até me sentir confortável e quando achar que é altura de me retirar, porque monetariamente já não me compensa ou porque não quero andar mais fora e quero estar junto da minha família... Bom, não tenho uma meta. Mas penso cada vez mais no futuro, sim.

Sabe o que vai fazer?
Quando estava no Boavista estava a tirar o nível I do curso de treinador, infelizmente acho que vou perder esse meio ano porque me faltava agora o estágio. As regras, a meu ver são muito estúpidas, porque diz que tenho quatro anos para acabar o curso. Mas se eu faço um contrato fora eu não posso estar em Portugal a acabar o curso, não é? Eu não deixei de ir ao curso, eu não posso é estar no curso. Uma coisa é uma pessoa que vive em Portugal e que deixa de ir ao curso, outra coisa é eu ser comprado, estar fora de Portugal e agora quando voltar vou ter de iniciar novamente o curso.

Está disposto a isso?
Não sei. Mas tenho que fazer algo liga ao futebol. Eu cresci no mundo do futebol, eu vivo no meio do futebol. O papel de diretor-desportivo é uma área que me fascina bastante, a questão da organização dos clubes. O lado do empresário, a questão da negociação, de descobrir, de oferecer, também me fascina. Lá está, tudo o que tem a ver com o futebol eu gosto. Vou tentar formar-me em alguma coisa, mesmo lá fora consigo fazer alguns workshops para diretor-desportivo, por exemplo. O importante é formar-me e ter cada vez mais conhecimento.

Onde ganhou mais dinheiro até agora?
No AEK.

Investiu no quê?
Em imobiliário. ainda não me meti noutros negócios, mas estou a pensar em avançar com algumas coisas, nomeadamente em algo que tenha a ver com cuidados a idosos, não um lar, propriamente. Por outro lado, gostava de de apalpar terreno para ver se na região de Lisboa há mercado para uma pequena coisa de francesinhas. Eu sei que é muito cultural, mas a verdade é que em Lisboa não conheço nenhum sítio especializado nessa área.

David com a família

David com a família

D.R.

Qual foi a maior extravagância que fez?
Acho que nada. Sou uma pessoa discreta, não sou de grandes extravagâncias. Acho que peça mais cara que tenho é uma mala Louis Vuitton que custou mil e tal euros, exatamente por isso, porque gosto, porque podia e queria.

Superstições?
Zero.

Tatuagens?
Tenho a cara do meu filho e a da minha filha.

Qual o clube de sonho onde gostava de ter jogado?
Já joguei, no Benfica.

Se não tivesse sido jogador de futebol teria sido o quê?
Se calhar um empresário no ramo da construção. Um bocadinho seguindo o meu pai.

Pensa ter mais filhos?
Não. Eu na verdade tenho três filhos porque a minha mulher já tinha um filho, o Ruben, e vivo com ele desde os seis anos de idade dele. Ele é meu filho também.

Tem algum hóbi?
Ir à praia, que a minha mulher odeia [risos]. E gosto de ver séries também.

Quais as preferidas?
“Prison Break”, “Narcos” e “Fauda”.

Tem algum outro desporto que goste de praticar ou seguir?
Vejo um bocadinho de tudo. Só não sou muito de basquetebol. Gosto de jogar voleibol na praia.