Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
A casa às costas

"Naquele ano do FC Porto tivemos mais de 10 brigas nos treinos. Andei metido em algumas, mas depois ficava tudo bem e ninguém soube cá fora"

Henrique Sereno nasceu e cresceu em Elvas, mas o futebol só se intrometeu entre a natação, a ginástica e a equitação aos 13 anos. Do Elvas, parte para o V. Guimarães, onde acabou a ser operado aos dois joelhos ao mesmo tempo, perdendo uma época inteira. Tem uma passagem por Valladolid, antes de ser contratado pelo FC Porto, em 2010/11, onde ganhou com André Villas-Boas todos os títulos nacionais que tem no currículo. Na segunda parte da entrevista falaremos das aventuras além-fronteiras durante sete anos seguidos, na Alemanha, Espanha, Turquia e Índia, onde foi duas vezes campeão

Alexandra Simões de Abreu

Jean Paul Thomas

Partilhar

Nasceu em Elvas. Filho de quem?
O meu pai chama-se José Carlos Fonseca é natural de Angola, veio de lá com 18 anos e foi estudar para o Porto. A minha mãe, Olívia, foi estudar para o Porto na mesma altura, tiraram o curso juntos e depois foram viver para Elvas porque a minha mãe é natural de Elvas. Somos cinco irmãos, três rapazes e duas raparigas, eu sou o segundo mais velho.

O que faziam profissionalmente os seus pais?
Funcionários públicos. O meu pai trabalhava nas finanças e a minha mãe na alfândega de Elvas, onde ainda trabalha.

Cresceu onde concretamente?
Como os meus pais eram funcionários públicos e eram destacados para outras cidades, vivi com os nossos avós até mais ou menos aos quatro anos. Depois quando os meus pais vieram destacados para Elvas, mudámos para uma casa, onde ainda hoje os meus pais vivem. Mas a minha primeira memória de criança é da casa dos meus avós, de estar a brincar cá fora.

Tinha alguém na família ligado ao futebol?
O meu avô chegou a ser presidente do Elvas, mas nunca fez desporto, era dirigente apenas.

Em criança fazia jus ao apelido ou não?
Era um bocadinho reguila como a maioria dos jovens, eu não fugia à regra, gostava de estar sempre fora de casa, principalmente naquela idade dos 10 aos 16 anos.

Artigo Exclusivo para assinantes

No Expresso valorizamos o jornalismo livre e independente

Já é assinante?
Comprou o Expresso? Insira o código presente na Revista E para continuar a ler