Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
A casa às costas

“Passei por uma fase complicada da minha vida pessoal e abri o coração com o Abel Ferreira. Se calhar, não percebeu. Deixei de jogar”

Filho de peixe, Fábio Martins foi cedo para as escolinhas do FC Porto, clube onde tirou "uma foto horrível" com Lionel Messi e no qual o pai, Niromar, jogou na década de 80. Saiu dos dragões para o Desp. Aves, por não conseguir vingar na equipa principal e a seguir fez um contrato longo com o SC Braga, mas acabou mais vezes emprestado (ao Paços de Ferreira, Desp. Chaves e Famalicão) do que a jogar na Pedreira. Sem o reconhecimento que achava merecer em Portugal, optou pelo estrangeiro, aventuras que iremos conhecer na II parte da entrevista

Alexandra Simões de Abreu

D.R.

Partilhar

Nasceu em Mafamude, Vila Nova de Gaia. Filho de um jogador de futebol brasileiro, Niromar, e de uma portuguesa, certo?
Sim, sou aquela mistura. O meu pai jogou maioritariamente em Portugal, no Beira-Mar, Estrela da Amadora, Covilhã, Portimonense e chegou a jogar no FC Porto. A minha mãe sempre foi cabeleireira e continua a ser, tem o salão dela. O meu pai quando a conheceu, casaram e ele nunca mais foi para o Brasil, ficou por cá.

É filho único?
Sou.

Quais são as primeiras memórias que tem da infância?
Se quer que seja sincero, é sempre bola. Cresci com a bola, talvez pelos genes que o meu pai me passou. O bichinho já estava cá dentro e as brincadeiras eram todas com bola ou um pouco mais tarde com a PlayStation, ainda hoje sou viciadíssimo, já em miúdo gostava muito de videojogos.

Era um miúdo agitado?
Não, era super tranquilo, era e sou muito tranquilo.

Gostava da escola?
Sim. Não era um aluno de cincos ou vintes a tudo, mas era bom aluno, era tranquilo e gostava da escola.

Quando nasceu o seu pai já não jogava?
Não porque foi uma ideia que os meus pais sempre tiveram, a minha mãe principalmente, de esperar que o meu pai terminasse a carreira para pensar no filho. Infelizmente nunca o vi jogar, nem ao vivo, nem por vídeo.

Quis sempre ser jogador de futebol? Nunca teve aquela fase de querer ser bombeiro, médico ou astronauta?
Não. Tive uma fase, que era naquela altura em que o Jardel jogava no FC Porto, e eu sempre fui fã do FC Porto, sempre adorei o FC Porto, em que dizia à minha mãe que queria ter um irmão e queria que se chamasse Jardel [risos].

Artigo Exclusivo para assinantes

No Expresso valorizamos o jornalismo livre e independente

Já é assinante?
Comprou o Expresso? Insira o código presente na Revista E para continuar a ler
  • Fábio Martins: “Há equipas que ganham, mas depois espremes e pronto, ok, ganharam, mas qual jogador se mostrou? Tens de tentar jogar bem”
    Entrevistas Tribuna

    Foi um dos destaques do surpreendente Famalicão e estava nomeado para a equipa ideal da Liga NOS, mas acabou por ser emprestado ao Al-Shabab, da Arábia Saudita, onde o futebol é vertical, de transições e há menos espaço, garante Fábio Martins, talvez o jogador português que mais interage com adeptos no Twitter. Porque um jogador "pode ter a sua opinião, desde que com pés e cabeça", tal e qual conversou com a Tribuna Expresso sobre o jogo e futebol. Assegura que está feliz, que foi receber o que nunca lhe pagariam em Portugal e a quem diz que foi "acabar a carreira" chamou de "falsos moralistas", porque "qualquer pessoa que ganhasse 500€ ou 600€ e aparecesse alguém a dar 1.000€, 1.500€, 2.000€, trocaria também e a vida é mesmo assim"