Tribuna Expresso

Perfil

Análise

Tiago Teixeira

Tiago Teixeira

Analista de futebol

PSG-Leipzig: Neymar & Mbappé contra o coletivo montado por Nagelsmann

PSG e Leipzig abrem as meias-finais da Liga dos Campeões esta terça-feira (20h, Eleven Sports), na Luz, com um jogo que deverá colocar duas enormes individualidades - Neymar e Mbappé - contra um coletivo bem oleado, antecipa o analista Tiago Teixeira

Tiago Teixeira

NurPhoto

Partilhar

Depois de eliminar a Atalanta nos quartos-de-final, e consequentemente ter igualado a melhor prestação da sua história – a única vez que tinham alcançado as meias-finais foi na época 1994/95 -, o PSG de Neymar, Mbappé e companhia procura agora garantir um lugar na tão aguardada final da Liga dos Campeões.

Pelo caminho, tem o Leipzig de Julian Nagelsmann, pela primeira vez numa meia-final da Liga dos Campeões, e que demonstrou mais uma vez, ao eliminar o Atlético de Madrid, ser uma equipa muito bem preparada coletivamente em todos os momentos do jogo.

Espera-se, por isso, um jogo muito equilibrado, com duas equipas a procurar jogar um futebol apoiado e sempre com os olhos postos na baliza adversária. O PSG mais dependente dos rasgos individuais de Neymar e Mbappé e o Leipzig cuja maior força será o coletivo.

DAVID RAMOS

PSG

O guarda-redes Keylor Navas é a grande baixa para o jogo das meias-finais, mas nem tudo são más notícias. Com Di Maria disponível, após ter cumprido um jogo de suspensão frente à Atalanta, e com o previsível regresso de Mbappé ao onze inicial, Tuchel ganha mais soluções ofensivas.

Não é de todo improvável que o técnico alemão apresente um sistema diferente daquele que usou contra a Atalanta (a utilização de Marquinhos como central ou médio-defensivo permite mudar dentro do próprio jogo), como por exemplo o 3x4x3, com Neymar, Mbappé e Di Maria muito móveis na frente de ataque, relegando Icardi e Sarabia para o banco de suplentes.

Com o argentino, o PSG ganha mais um criador (Di Maria tem feito uma grande época no que diz respeito a servir as zonas de finalização) e, com o francês, maior capacidade de atacar a profundidade e de desequilibrar em velocidade nos corredores laterais.

Ao contrário do que aconteceu contra a Atalanta, quando Neymar enfrentou muitas vezes situações de 1x1, provocadas pelas referências individuais que os italianos usam no momento defensivo (ver parte inicial do vídeo seguinte e reparar no espaço nas costas do jogador da Atalanta na marcação a Neymar), o Leipzig terá mais atenção às coberturas defensivas, sendo por isso fundamental maior proximidade entre elementos para que Neymar possa combinar e progredir.

Mas será sempre ele, com menor ou maior dificuldade, o grande perigo para a organização defensiva do Leipzig.

É também de esperar um PSG muito perigoso nos momentos de transição defesa-ataque, dada a qualidade e velocidade com que os três da frente conduzem a bola em direção à baliza adversária, e o facto do Leipzig, ainda que bem preparado para a perda da bola, envolver sempre muitos jogadores no seu processo ofensivo.

Leipzig

O Leipzig encontrará frente ao PSG um contexto quase oposto ao que enfrentou nos quartos-de-final, contra o Atlético de Madrid, dada a diferença de estilos entre Simeone (mais preocupado com o controlo defensivo) e Tuchel (adepto do futebol ofensivo).

A sua organização defensiva será mais testada, tanto a nível do espaço entre linhas - será fundamental que mantenham o bloco defensivo compacto, para que Neymar não tenha tempo e espaço para desequilibrar pelo corredor central -, como ao nível do controlo da profundidade, onde Mbappé colocará muitas dificuldades através dos movimentos de rutura. Neste momento do jogo, deverão apresentar-se em 4x2x3x1, com a intenção de condicionar a primeira fase de construção do PSG.

Por outro lado, em ataque posicional, haverá mais espaço para aproveitar, dado que o PSG não tem tanta preocupação em ter sempre as linhas próximas, e os da frente são menos agressivos a recuperar defensivamente.

Embora seja difícil de adivinhar o que vai na cabeça de Nagelsmann, a hipótese mais provável é vermos novamente um ataque posicional em 3x1x5x1, com Laimer (médio centro em organização defensiva) a abrir mais no corredor direito, permitindo a Olmo (mais próximo de Poulsen), Sabitzer (fundamental na maneira como aproxima de Kampl) e Nkunku, jogarem em zonas interiores. Angeliño será o responsável pela largura no corredor lateral esquerdo.

Independentemente da estrutura tática escolhida por Nageesmann, é certo que iremos ver um Leizpig ofensivo, a usar muito os apoios frontais para explorar as costas dos médios do PSG, e a procurar chegar ao último terço de forma conjunta, como aconteceu no segundo golo frente ao Atlético de Madrid, onde estavam vários jogadores em zonas de finalização.

Os jogadores que podem desequilibrar

Neymar

No jogo dos quartos-de-final frente à Atalanta, e apesar de ter pecado na finalização, foi o grande desequilibrador ofensivo do PSG, e espera-se que o mesmo suceda no jogo frente ao Leipzig. As prováveis presenças de Di Maria e Mbappé no ataque dão a Neymar mais soluções, seja ao nível do último passe, seja para combinar e progredir. É da sua qualidade técnica e criatividade que se esperam os melhores lances ofensivos.

Mbappé

No duelo dos quartos-de-final frente aos italianos, Mbappé entrou apenas aos 60 minutos, mas a sua qualidade foi desde logo sentida (vários desequilíbrios pelo corredor lateral esquerdo) e ainda foi a tempo de fazer a assistência para o golo da vitória, marcado pelo inesperado Choupo-Moting. Contra o Leipzig, é isso mesmo que se espera de Mbappé: desequilíbrios pelos corredores e muita capacidade e velocidade para explorar a profundidade através de movimentos de rutura.

Upamecano

Realizou uma enorme exibição contra o Atlético de Madrid, tanto a nível ofensivo (desequilíbrios em condução e através do passe) como a nível defensivo. Contra o PSG, terá pela frente jogadores que lhe causarão mais problemas, como Neymar e Mbappé, e as esperanças do Leipzig em garantir um lugar na final passarão muito pela qualidade da exibição de Upamecano.

Dani Olmo

Além de marcar o primeiro golo na vitória frente ao Atlético de Madrid, o criativo espanhol foi também muito importante em ataque posicional, pelo critério e qualidade técnica que ofereceu no espaço entre linhas. Contra o PSG, deverá jogar novamente no apoio a Poulsen, e espera-se que tenha influência em zonas de criação, desequilibrando em condução e no passe.

Julian Nagelsmann: “Jogar ao primeiro toque não é a minha coisa preferida. Gosto de jogar a dois toques. Os meus jogadores não são o Messi”

Começou a treinar aos 28 anos, aos 31 recebeu um telefonema do Real Madrid e agora, com 33, está a três jogos da final da Liga dos Campeões em Lisboa. Defronta, esta quinta-feira, o Atlético de Madrid (20h, E1) com o seu RB Leipzig, que é talvez a equipa mais versátil e difícil de decifrar da prova, porque tanto começa o jogo em 4-4-2, como o acaba em 3-5-2, tendo mudado a meio para um 3-4-3. Mas, para Julian Nagelsmann, “os sistemas ou as formações táticas não contam” e “são apenas números”, porque ele pode mudá-los “10 vezes durante o jogo, que isso não vai alterar a nossa forma de jogar de futebol”. Em entrevista exclusiva à <strong>Tribuna Expresso</strong>, o treinador mais novo da competição defende como, durante a semana, tenta que haja um dia em que os jogadores possam jogar “sem regras, sem pensarem em futebol, apenas para se divertirem”, como se estivessem com “os amigos no parque”
  • Só 12 minutos a jogar futebol com João Félix não chegam para o futebol que há no Leipzig

    Liga dos Campeões

    O Atlético Madrid foi encostado, pressionado e dominado, em tudo, pelo esparguete flexível que é o Leipzig, até Diego Simeone tirar João Félix e o que lhe resta de arrojo do banco, de onde viu a equipa de Julian Nagelsmann a jogar não como um clube com 11 anos de vida, que nunca esteve aqui, mas como uma equipa que arrisca ser valente e surpreendente. Por isso ganhou (2-1) e está nas meias-finais da Liga dos Campeões

  • A Atalanta derrotou o PSG. Mas Neymar derrotou a Atalanta

    Liga dos Campeões

    A Atalanta superiorizou-se ao PSG na 1ª parte do jogo dos quartos de final da Liga dos Campeões, no Estádio da Luz, e até esteve a ganhar, 1-0, até bem perto do final. Só que, do outro lado, estava um rapaz chamado Neymar, que nos relembrou que é um dos melhores do mundo e carregou os franceses às costas até conseguirem dar a volta a um conto de fadas italiano e vencerem, 2-1