Tribuna Expresso

Perfil

As redes, by Insónias em Carvão

Y ahora, con vosotros, Julen cantando “Cuando sei Óliver Torres” (por Insónias em Carvão)

Aqui está a semana desportiva revista pelo nosso implacável curador das redes sociais - o inimitável Insónias em Carvão. Nesta edição, encontrará religião, cinema, uma careca e um abraço apertado

Insónias em Carvão

Partilhar

O imaculado Lage

Oremos, maltinha, pelas pobres almas deseducadas e pouco civilizadas que sujam o Marquês e se agridem nas bancadas, e dizem asneiras e ofendem homens e mulheres e crianças. Ímpios anónimos, pecadores, diabos, diabretes, selvagens e serpentes - e entretanto acabou-se-me o vocabulário litúrgico. Vá, jogo a jogo.

Guardiola? Pfff....

Bom, é evidente que o corte e as madeixas da Sinhá Suzeineide não correram exatamente da forma que eu esperava, mas assim fico mais parecido com aquele que toda a gente diz ser o maior, mas que é apenas o segundo maior, atrás aqui do je.

São precisos dois para dançar o reggaeton

Agora, sim, é que isto é a valer, hermano Salvio. Dá cá um abraço daqueles. Sim, eu sei, não posso apertar muito as juntas que isso pode partir.

Isto. É. Tugalândia!

Ângelo Girão, o guarda-redes imbatível, com o stick e cara de poucos amigos, pronto para defender todos os remates dos malvados argentinos que ousarem marcar-lhe um golinho.

Cuando sei Oliver Torres

Cuando sei Oliver Torres
Cuando sei quei mal d'amore
Cuando sei quei mal a su vera
Cuando sei me va al entrenador

Baila baila baila baila
Baila baila baila me
Esta rumba a ta gitana
Que yo siempre jugaré
Pero lo siempre jugaré

.....

- Óh, Julen, não era preciso
- Por ti, tudo. Pelo menos sabes o meu nome