Tribuna Expresso

Perfil

Atrás da Cortina

Duarte Gomes

Duarte Gomes

ex-árbitro de futebol

O dérbi que mudou a vida de Duarte Gomes: o meu carro ficou sem pneus, com portas e capô riscados. Fui cuspido várias vezes na rua

A 15 de dezembro de 2001, o ex-árbitro Duarte Gomes apitou um Benfica-Sporting que iria atormentá-lo nos meses seguintes: "Todos queriam bater-me"

Duarte Gomes

Mário Jardel marcou os dois golos do Sporting no dérbi de 15 de dezembro de 2001, disputado no estádio da Luz (2-2)

Jose Manuel Ribeiro

Partilhar

O dérbi, escaldante como quase todos, terminou tarde. Entre as burocracias relativas ao envio do relatório e a saída do balneário, passou seguramente mais de uma hora.

Sentíamo-nos derrotados. Mais derrotados do que, porventura, qualquer uma das equipas, que em campo até dividiram os pontos.

À partida, aquilo tinha tudo para correr mal: um árbitro impreparado para aquelas andanças; um ambiente exterior crispado, potenciado por tudo e todos; adeptos distanciados por um ódio inimaginável, como se de inimigos se tratassem; e alguns jogadores bem matreiros que, diga-se de passagem, nada fizeram para fazer parte da solução.

Perante esta receita, difícil seria o cozinhado que resistisse.

Naqueles noventa minutos de jogo aconteceu um pouco de tudo: lances polémicos nas áreas, protestos excessivos, conflitos constantes, amarelos sucessivos, cartões vermelhos, erros e mais erros, pressão hostil, empurrões, discussões e contestação generalizada.

Foi um vê se te avias de tudo o que um verdadeiro espetáculo de futebol não pode nem deve ter.

Quando chegámos cá fora, parecia que estávamos dentro de um carro funerário. O ambiente estava pesadíssimo, os semblantes carregados, as expressões faciais perdidas.

Alguém ainda esboçou um ténue "devíamos comer qualquer coisa", mas o que todos queríamos mesmo era ir para casa, trancarmo-nos nos nossos quartos e ficarmos lá fechados até que o pesadelo terminasse.

Os tempos eram outros mas a fúria da opinião pública - movida por declarações irresponsáveis e por uma imprensa francamente oportunista -, encarregaram-se de fazer com que um erro de análise, um erro apenas, ganhasse proporções dantescas, como pouco se vira até então.

No epicentro do terremoto o suspeito do costume, esse ladrão sem vergonha.

Duarte Gomes, ex-árbitro português

Duarte Gomes, ex-árbitro português

Getty

O day after foi inenarrável.

Desde o cozinheiro da messe do meu local de trabalho (!!) ao vizinho mais simpático do prédio onde vivia, todos queriam bater-me. Bater-me a sério. Literalmente.

A doença psicológica da clubite é, tenho a certeza, mais patológica que qualquer outra que exista de verdade.

À porta de minha casa, umas dezenas de energúmenos, de cor bem identificada, incendiaram todos os contentores de lixo que encontraram. O meu carro ficou sem pneus, com portas e capô riscados, os pára-brisas desapareceram e, como se não bastasse, os pontapé na porta da minha casa quase a deitavam abaixo. Isto às 4 horas da manhã.

A GNR foi chamada e andou a fazer "patrulha preventiva" durante umas semanas, dada a credibilidade das ameaças que entretanto recebi.

Nas semanas que se seguiram, as coisas não acalmaram como se previa. Fui cuspido várias vezes na rua (vezes sem conta, acreditem) e insultado a toda a hora, de perto e à distância, por garotos, adultos e idosos. A ameaça e o palavrão vinham de todo o lado, mesmo de onde menos esperava.

O senhor do quiosque, onde comprava os jornais há anos, deixou de me falar e a senhora do café, onde quase sempre tomava o pequeno-almoço, disse-me que só não me chamava nomes horríveis porque o patrão avisou-a para se controlar.

O futebol é assim, espantoso. Tem a capacidade de dar, às pessoas, a maior de todas as alegrias mas, ao mesmo tempo, de transformá-las em animais ferozes, desprovidos de alma e sequiosos de sangue.

A memória desse jogo, o primeiro do género que alguma vez arbitrei, devia ser bonita mas é feia, muito feia.

A culpa será sempre do árbitro que foi enganado num penálti, não do batoteiro que o enganou. Esse disse que "apenas faz o seu trabalho".

Dizem que faz parte. Eu digo que não devia fazer.