Tribuna Expresso

Perfil

Atualidade

O rescaldo do dia negro em Alcochete: 23 detidos e 36 testemunhas ouvidas

GNR chegou à Academia do Sporting em Alcochete catorze minutos depois do primeiro telefonema de alerta. A cronologia da operação policial da Guarda que envolveu mais de cem militares

Hugo Franco

A Academia do Sporting, em Alcochete, foi invadida por 50 adeptos no dia 15 de maio de 2018

Mário Cruz/Lusa

Partilhar

A GNR recebeu o primeiro telefonema de alerta do centro de estágio em Alcochete às 17h06 desta terça-feira. Os elementos da empresa de segurança privada não conseguiram impedir a entrada de adeptos naquelas instalações, "que foi forçada sem qualquer tipo de consentimento ou autorização", refere a Guarda.

Às 17h15, um novo telefonema de Alcochete para a GNR. Os adeptos estavam encapuçados e já teriam ameaçado, coagido e agredido fisicamente jogadores e elementos da equipa técnica da equipa principal de futebol.

As primeiras patrulhas da GNR chegaram às instalações da Academia às 17h20 (catorze minutos depois do primeiro telefonema), montando barreiras policiais nas estradas de acesso ao centro de estágios.

Pouco depois, a GNR detetou três carros suspeitos e perseguiu-os. Conseguiu intercetar uma das viaturas e deter cinco suspeitos.

Com a chegada de mais meios da GNR, foram intercetadas mais quatro viaturas nas imediações, tendo os militares detido mais 18 suspeitos. Ou seja, no total 23 pessoas.

De acordo com a GNR, os suspeitos foram levados para o posto territorial de Alcochete e as vítimas e testemunhas encaminhadas para o destacamento territorial do Montijo, onde foram identificados e recolhidos os depoimentos, respetivamente.

"No total, foram detidos 23 suspeitos, apreendidas 5 viaturas ligeiras, vários artigos relacionados com os crimes e recolhidos depoimentos de 36 pessoas, entre jogadores, equipa técnica, funcionários e vigilantes ao serviço do clube", esclarece a GNR.

A operação policial foi realizada por mais de cem militares, do comando territorial de Setúbal, da Unidade de Intervenção e da Direção de Investigação Criminal. Tiveram o apoio da PJ e da PSP.