Tribuna Expresso

Perfil

Atualidade

A revolução, segundo a FIFA: cortar os empréstimos de jogadores para “seis ou oito” por clube

Esta é uma nova medida que pretende “garantir a integridade” do desporto

Lusa e Tribuna Expresso

Arnd Wiegmann

Partilhar

A FIFA pretende limitar entre seis e oito o número de futebolistas emprestados pelos clubes em cada época desportiva, no quadro de uma reforma do regulamento de transferências, noticia hoje AFP, citando fonte próxima do processo

A medida visa "garantir a integridade das competições" e acabar com situações de monopólio por parte de alguns clubes, que contratam um elevado número de jogadores apenas para serem emprestados a outros clubes, que ficam em posição de inferioridade.

Vários clubes portugueses, em especial o Benfica, o FC Porto e o Sporting, cederam na temporada 2018/2019, a equipas nacionais e estrangeiras, um número muito superior ao que a FIFA pretende impor como máximo de atletas emprestados por época.

A Liga portuguesa chegou a proibir o empréstimo de futebolistas entre clubes do mesmo escalão, mas reverteu a medida, restringindo apenas o número máximo permitido e impedindo os jogadores cedidos de defrontarem as equipas de origem.

A mesma fonte indicou que a FIFA está também a pensar criar uma 'câmara de compensação', gerida por um banco, que será responsável pela recolha e distribuição de verbas provenientes da transferência de jogadores, destinadas a indemnizar os clubes pela sua formação.

A FIFA delegou numa 'comissão de parceiros', liderada pelo canadiano Victor Montagliani, os estudos que servirão de base à reforma do regulamento de transferências, um desejo do presidente do organismo regulador do futebol mundial, o suíço Gianni Infantino.