Tribuna Expresso

Perfil

Atualidade

“O meu nome é Kathryn”: publicação na íntegra do artigo que comprometeu Ronaldo

Uma mulher norte-americana alega que Cristiano Ronaldo a violou em Las Vegas. Há alguns anos, a estrela de futebol pagou-lhe para ficar em silêncio. Agora, vem a público pela primeira vez e apresenta queixa contra Ronaldo. Tem na sua posse um documento que pode ser extremamente perigoso para o jogador. Este artigo é da autoria da equipa da DER SPIEGEL, jornal parceiro do EXPRESSO no consórcio internacional de jornalistas de investigação EIC

Rafael Buschmann, Andreas Meyhoff, Nicola Naber, Gerhard Pfeil, Antje Windmann, Christoph Winterbach e Michael Wulzinger

GABRIEL BOUYS / AFP / Getty

Partilhar

29 de setembro, 2018 11h59

Era suposto ficar invisível, condenada ao silêncio. Nunca ninguém deveria saber daquela noite em Las Vegas, em 2009, muito menos da sua versão dos acontecimentos.

Chegou até a assinar um acordo e a receber pagamento que garantiriam que nunca daria voz às acusações.

Assinou-o, explica, por medo - por si mesma e pela sua família. E por impotência, pela incapacidade de lhe fazer frente. Na esperança de poder finalmente ultrapassar o que aconteceu. No entanto, diz Kathryn Mayorga, nunca foi capaz de encerrar esse capítulo.

A americana é uma mulher esguia, de 34 anos, de cabelo escuro comprido e olhos verdes. Até há pouco tempo, trabalhava numa escola primária. Mas demitiu-se, “porque neste momento preciso de toda a minha força”.

Precisa de força para fazer frente ao homem que acusa de a ter violado há nove anos – uma acusação que ele nega.

O homem em causa não é qualquer um. É Cristiano Ronaldo, provavelmente o melhor jogador de futebol do mundo, detentor de grande sucesso, dinheiro e adoração por parte dos fãs. Uma mulher anónima contra Ronaldo – a discrepância não podia ser maior.

Conheceram-se a 12 de junho de 2009, numa discoteca em Las Vegas. Ronaldo estava lá a passar férias com o cunhado e o primo. Foi no verão em que o futebolista, na altura com 24 anos, seria transferido do Manchester United para o Real Madrid pela quantia então inédita de 94 milhões de euros.

Kathryn Mayorga, com 25 anos nessa altura, era modelo em começo de carreira e um dos seus empregos consistia em ficar de pé à porta de bares com outras mulheres jovens e bonitas para atrair clientela.

Naquela sexta-feira de junho, os caminhos da modelo e do multimilionário cruzaram-se na zona VIP do Rain, uma discoteca do Palms Casino Resort. As fotos dos paparazzi revelam Mayorga a conversar perto de Ronaldo. Ele veste uma camisa branca com gravata preta estreita e ela vestido cinza-claro e acessórios dourados. Ele tem um ar descontraído, ela sorri para ele. No espaço de poucas horas, as secções de mexericos dos jornais de todo o mundo estariam ocupadas a tentar descobrir quem era esta “morena misteriosa” ao lado de Ronaldo. A festa continuou até altas horas da manhã na suite de Ronaldo, no Hotel Palms Place, perto dali. E só duas pessoas sabem o que aconteceu naquele quarto: Kathryn Mayorga e Cristiano Ronaldo.

O que é claro é que a estrela de futebol pagou 375 mil dólares a Mayorga alguns meses depois como parte de um acordo extrajudicial. Em troca, Mayorga assinou um contrato em que se comprometia a nunca falar sobre a sua acusação de que Cristiano Ronaldo a tinha violado.

Emilio Andreoli

Uma acusação pérfida

A primeira vez em que a DER SPIEGEL escreveu um artigo sobre o acordo de confidencialidade foi na primavera de 2017. A revista teve acesso aos documentos relacionados com o acordo através da plataforma de denúncia Football Leaks. No decurso da investigação para o artigo, a DER SPIEGEL contactou Mayorga, referida na notícia sob o pseudónimo Susan K. “Sem comentários,” foi a sua resposta. Confrontada com jornalistas em frente a sua casa, fugiu.

Quando o primeiro artigo foi publicado, a agência de Ronaldo, a Gestifute, emitiu um comunicado a dizer que a investigação não passava de “uma peça de ficção jornalística”. A declaração prosseguia dizendo que o jornal baseara “todo o enredo” “em documentos não assinados e em que as partes são identificadas por códigos”.

Esta afirmação está incorreta.

A DER SPIEGEL tem em seu poder muitos documentos que o comprovam, incluindo alguns assinados pelo próprio Ronaldo. A existência desses documentos pode oferecer uma explicação para o facto de, no último ano e meio, ele não ter concretizado as suas ameaças de levar a DER SPIEGEL a tribunal. Numa declaração pública, a Gestifute também descredibilizou a alegada vítima, dizendo que ela “se recusa a vir a público confirmar a veracidade da acusação”.

É uma acusação pérfida. Afinal, uma das principais cláusulas do acordo extrajudicial estipulava que Mayorga não estava autorizada a comentar o incidente. Caso o fizesse, segundo o acordo, teria de restituir o dinheiro a Ronaldo e, possivelmente, com compensação acrescida.

No entanto, agora, decidiu falar, revelando detalhadamente a sua história pela primeira vez. Porquê? O que a fez mudar de ideias?

Resumidamente, são três as razões. Em primeiro lugar, Kathryn tem um novo advogado, mais experiente e inabalável. Acredita que o acordo de confidencialidade não é legalmente vinculativo e apresentou uma queixa civil contra Ronaldo em nome de Kathryn Mayorga. Essa queixa é sustentada por um documento de 27 páginas que pode vir a ter consequências profundas para a estrela de futebol. O documento contém uma versão de Ronaldo sobre o que aconteceu naquela noite, incluindo a seguinte citação: “Ela disse 'não' e 'pára' várias vezes”.

Em segundo lugar, o mundo mudou para as mulheres que alegam terem sido vítimas de abuso sexual. Há um ano, vieram a público acusações contra o produtor cinematográfico Harvey Weinstein. Segundo essas alegações, ele assediara, molestara e até violara mulheres durante décadas. Weinstein nega essas acusações.

Stephanie Keith/GETTY

Dinheiro, poder e fama

Quando o escândalo veio a público, a atriz americana Alyssa Milano incentivou as mulheres vítimas de assédio sexual a denunciá-lo com o hashtag #MeToo.

Houve dezenas de milhares de mulheres a fazê-lo, alterando assim todo o contexto social. Desde então tornou-se muito mais difícil para políticos, advogados e para o público em geral ignorar e relativizar a violência sexual contra mulheres, sobretudo nos casos em que o alegado agressor possui dinheiro, poder e fama.

O movimento #MeToo também deu mais coragem e autoconfiança a muitas vítimas. Mayorga é uma delas. Diz que passou muitas horas ao computador a ler histórias de outras mulheres.

A terceira razão é que Mayorga encara a denúncia como a única oportunidade para saber se existem outras mulheres que afirmam ter sido vítimas de abuso sexual por parte de Ronaldo. “Sempre me questionei acerca disso”, afirma.

Estivemos em Las Vegas há umas semanas e Kathryn Mayorga encontrava-se sentada a uma mesa de reunião comprida e escura, no escritório do seu advogado, juntamente com a mãe, Cheryl Mayorga, e o terapeuta.

Kathryn usava umas jardineiras pretas e brincos turquesa compridos. Maquilhou-se cuidadosamente, mas a maquilhagem não conseguia disfarçar completamente o cansaço nos olhos. Disse que teve dificuldades em dormir na semana anterior.

Parecia exausta e estava também extremamente nervosa. Os seus olhos percorriam a sala e afastava repetidamente o cabelo com a mão.

Mayorga respirou fundo. Primeiro quis falar sobre os seus receios ao tomar este próximo passo e as palavras começaram a sair. “É um homem muito conhecido. Por isso estou aterrada. Tenho medo.” Teme que alguém possa fazer-lhe mal, que a comunicação social e os fãs de Ronaldo não a deixem em paz. “A razão pela qual assinei o contrato [foi] precisamente porque não queria que o meu nome fosse revelado.”

Começou a chorar, com soluços curtos. Recostou-se na cadeira de couro e enterrou o rosto nas mãos. Isto preocupou o terapeuta e os dois foram para uma sala ao lado durante meia hora.

A mãe, Cheryl, de 66 anos, ficou na sala, uma mulher pequena com o cabelo apanhado num carrapito. Escolheu as palavras cuidadosamente: “Isto nunca a deixou. Vive com isto todos os dias,” afirmou. “Houve alturas em que ela me ligava e quando ele lhe aparecia num cartaz qualquer, ela desfazia-se completamente. Entrava numa loja para comprar um litro de leite e tinha de ver a fotografia dele por todo o lado. (…) Ele é o deus do futebol que toda a gente pensa que é perfeito e infalível. (…) E há dias em que ela nem se consegue levantar da cama.” Cheryl Mayorga abanou a cabeça. “Não está certo. Nós apoiamo-la a 100 por cento.”

Alexander Hassenstein - FIFA/Getty

“Pessoas simples”

O pai de Kathryn, Larry, de 64 anos, e o irmão Jason, de 37 anos, descrevem como aquela noite de há nove anos mudou Kathryn, que nasceu e cresceu em Las Vegas. O pai, agora reformado, foi bombeiro durante 32 anos, enquanto a mãe passou a maior parte do tempo a tomar conta dos filhos. “Somos pessoas simples,” diz Cheryl.

Kathryn jogava softbol e futebol e era escuteira. A mãe explica que Kathryn sofre de transtorno de défice de atenção e que tem dificuldades de aprendizagem. A filha tem dificuldade em concentrar-se e em organizar os pensamentos, afirma Cheryl, um dos motivos por que fala tão depressa.

A porta abre-se e Kathryn Mayorga volta a entrar na sala de reuniões. Parece ter recuperado a compostura. A mãe faz um breve resumo do que dissera entretanto. “É verdade que tive grandes dificuldades em pequena,” diz Kathryn. “Tenho dificuldade em aprender num ambiente de sala de aula. Tenho incapacidades documentadas (…) e tinha aulas adicionais.” Acrescenta: “Esforçava-me imenso na escola e tinha algo a provar”. Concluiu o curso de jornalismo na Universidade de Nevada, em Las Vegas.

Fala sobre como é crescer numa das capitais de diversão dos Estados Unidos. “Divertíamo-nos imenso. Íamos a festas em hotéis, saíamos e fazíamos programas. (…) Literalmente saíamos, bebíamos uns copos, dançávamos a noite toda e voltávamos para casa.” E depois sublinha: “Gosto de controlo”.

Após terminar a licenciatura, em 2008, casou-se com o namorado, um barman de uma família albanesa que também fazia biscates a reparar computadores, incluindo os dos pais dela. “Naquela idade tinha acabado a faculdade, tinha de me casar, sentia essa pressão”, explica. “E, de início, estava convencida de que era isso que queria.”

Mas não estava no destino. Cerca de um ano após o casamento, o casal separou-se e Mayorga voltou para casa dos pais, situada num dos melhores bairros de Las Vegas e que inclui um jardim bem arranjado, uma garagem espaçosa, uma linda piscina e uma bela vista sobre a cidade.

“Estava a divertir-me muito,” diz Mayorga. “Fazia exercício todos os dias, tinha uma dieta vegan… arranjava bons trabalhos como modelo.” Diz que também viajou muito nessa época, algo que podia fazer devido ao seu emprego à porta dos bares.

A noite que mudou a vida dela

Mayorga inclina-se para a frente com uma expressão determinada no rosto. “Tentaram descredibilizar-me”, aponta, referindo-se à equipa de advogados de Ronaldo. “Tentaram dizer: ‘Bem, o emprego dela não é de 'boa rapariga'’”, declara - mas frisa logo de seguida que era um emprego normal. “Pediam-nos que tivéssemos um copo na mão, como se estivéssemos a conversar com as nossas amigas. Por isso, íamos buscar um copo de água, precisávamos de um copo na mão, como se estivéssemos a divertir-nos com as nossas amigas. É suposto termos ido sair com amigas.”

Exausta, reclina-se para se recompor. Depois, começa a contar a história daquela noite – a noite que afirma ter destruído a sua vida. A noite que descreve como se o filme estivesse a passar na sua cabeça, apesar de ter acontecido há tanto tempo.

Nessa noite também estava a trabalhar e depois foi sair com as amigas. Havia champanhe, mas ressalva: “Bebi um bocadinho, mas estava a seguir uma dieta rigorosa”.

Mais tarde recebeu uma mensagem de uma amiga, Jordan, cujo nome foi alterado neste artigo. Encontraram-se no Rain e foram para a zona VIP. “A Jordan está muito por dentro do ambiente de discotecas, conhece muita gente”, conta. “Ele veio ter comigo… agarrou-me no braço, e disse: ‘Tu! Vem comigo!’ Eu pensei, 'está a gozar?'”

Ela sabia quem ele era e que ele estava na discoteca naquela noite. “A Jordan disse-me que ele estava lá. Calculei que ela soubesse isso pelo namorado dela, que joga futebol,” afirma. “As pessoas estavam a falar sobre ele: ‘Ele está aqui. É famoso’. E eu disse: ‘Acho que já o pesquisei na net’.”

Ela diz que Ronaldo se riu dela porque ela não quis logo juntar-se a ele. Depois, ele foi buscar-lhe uma bebida, conta, e apresentou-a às pessoas com quem estava. “‘Ele é como se fosse meu irmão,’ e apresenta-me a um tipo e às pessoas que estavam com ele. E ‘ele é como se fosse da minha família’, este tipo e aquele.”

Conversaram durante algum tempo e ela diz que ele lhe pediu o número de telefone. “Dei-lhe o meu número e ele foi-se embora… E eu pensei, ‘ok, tudo bem’.”

Mayorga diz que foi à procura de Jordan e a encontrou-a lá fora com amigos. Nessa altura, afirma, recebeu uma mensagem de Ronaldo no telefone que dizia algo do género: “Traz os teus amigos. Venham a uma festa”. Ela e Jordan decidiram aceitar o convite para ir ao Palms Place, o hotel ao lado. Mayorga diz que Ronaldo e o grupo dele estavam à espera no átrio, onde disseram às raparigas que a festa já tinha acabado.

“Ele disse, ‘vamos nós fazer a festa’. Eu chamei a Jordan de lado e acho que lhe disse: ‘Vamos só tirar uma fotografia e depois vamos embora’. A vista dali é muito bonita.”

Daniele Badolato - Juventus FC

Entra Ronaldo

Em 2009, o Palms Casino Resort era o sítio mais badalado de Las Vegas. Ronaldo tinha ficado no apartamento 57306, no último andar, onde uma noite hoje em dia custa cerca de mil dólares.

O apartamento inclui uma cozinha, uma sala espaçosa e dois quartos, cada um com uma casa de banho luxuosa. A varanda tem um jacuzzi com vista sobre a cidade.

Um jacuzzi no Palms Casino Resort com vista sobre a cidade.

Kathryn lembra-se que, quando chegaram à suite, toda a gente saltou para dentro do jacuzzi e a Jordan sentou-se na borda. “Pensámos, ‘estes tipos são giros’. Mas era tarde. E eu tinha uma sessão fotográfica na manhã seguinte.” Acrescenta: “Não queria entrar na água para não estragar o vestido”.

Mayorga diz que Ronaldo lhe ofereceu uma roupa para ela usar no jacuzzi. “A Jordan estava a divertir-se, estava de visita à cidade, e eu queria que ela se divertisse, por isso disse: ‘Vou vestir a roupa’.”

Diz que nessa altura foi à casa de banho mudar de roupa, uma das que faziam parte dos quartos. Quando estava lá dentro só de cuecas, afirma, Ronaldo entra de repente, com o pénis de fora dos calções.

Enquanto conta esta história, Mayorga interrompe por breves momentos e abre tanto os olhos que a parte branca em torno das pupilas se torna visível. “Basicamente, ele… implorou-me que lhe tocasse no pénis durante 30 segundos.”

Abana a cabeça. “Como disse que não ia tocar-lhe, implorou-me para o chupar. Que idiota! (…) Ri-me dele porque pensei, ‘Isto é a gozar?’. Este tipo tão famoso e tão giro… afinal é um imbecil e um tarado.” Mas Ronaldo não se deixou dissuadir. “Disse ‘deixo-te ir embora se me deres um beijo’. Eu disse, ‘ok, eu beijo-te, mas não vou tocar no teu pénis’.” Mayorga jura que só o beijou e que não tocou em mais parte nenhuma.

No entanto, afirma, o beijo excitou-o ainda mais. “Começou a atirar-se a mim com muita persistência. Começou a fazer-me coisas, a tocar-me e a agarrar-me e a fazer-me sexo oral. Eu empurrei-o e estava sempre a dizer ‘não’.”

Nesse momento, diz, um dos amigos dele entrou e perguntou: "O que estão a fazer?". “Eu peguei logo no meu vestido e vesti-me. E disse: ‘Vamos embora, já’. E olhei para ele. Ele disse: ‘Sim, sim. Vamos embora’.”

Mayorga fica um momento em silêncio antes de continuar. “Pensei que tinha terminado ali.” Mas não, alega. “Puxou-me para o quarto. Eu ainda não estava assustada. Pensei só ‘este tipo é persistente’. O tipo mais persistente com que tinha lidado. Expliquei-lhe: ‘Ouve, isto não vai acontecer’.”

“Não, não, não”

Mas, alegadamente, Ronaldo não desistiu. “Virei-me. Ele tentou tirar-me as cuecas. Virei-me de costas para ele e enrolei-me como uma bola. E pus a mão na vagina. Foi aí que ele me saltou em cima.” Ela afirma que disse “não, não, não, não”.

Kathryn Mayorga alega que Ronaldo a violou por via anal. Sem preservativo. Sem lubrificante.

“Depois de me ter agredido, não me deixava ir embora. Não me deixava ir. Chamou-me ‘baby, baby’. E lançou-me um olhar, um olhar culpado. Quase como se sentisse culpa. Não me lembro bem, mas tenho quase a certeza de que disse ‘desculpa’ ou ‘magoaste-te?’. Nesta altura, ele está de joelhos. Diz aquilo dos 99 por cento.” Diz que ele insistiu que era “boa pessoa” exceto aquele “um por cento”.

Foi nesse momento, diz, que percebeu pela primeira vez o que lhe tinha acontecido. “Aconteceu tão depressa. Não sabia bem o que tinha acontecido. (…) Senti que estava como que a pairar. Era como se não estivesse ali. Como se estivesse fora do meu corpo. Não consigo descrevê-lo em palavras.” A seguir, declara, “pensei que tinha apanhado uma doença”. “Pensei que ele tinha SIDA. Por isso, disse: ‘Tens de me dizer se apanhei uma doença. Apanhei uma doença?’. E ele disse: ‘Não, não. Sou atleta profissional e sou testado de três em três meses. Não conseguia jogar se tivesse uma doença’.”

Há um momento de silêncio total na sala de reuniões em Las Vegas. Kathryn Mayorga fita a mesa à sua frente. O pai, Larry, veio ter connosco à sala de reuniões do advogado, sentando-se sem fazer barulho. Tem uma t-shirt preta vestida e usa um boné de basebol preto. É um homem que gosta de se rir, mas quanto mais tempo escuta a filha, mais raiva e impotência se espelham no rosto. A filha, dir-nos-ia mais tarde, nunca tinha revelado tanto.

Kathryn Mayorga volta a falar. “Eu disse: ‘Ninguém vai ficar a saber disto’. É possível que me tenha pedido para agir de forma descontraída quando saísse. Mas não me lembro.”

Há uma pessoa que diz que ainda se lembra de ver Mayorga a sair do quarto: a amiga, Jordan. “A Kathryn estava completamente desalinhada. O cabelo estava despenteado, a maquilhagem borrada”, conta Jordan. Diz que perguntou várias vezes a Ronaldo “o que fizeste à minha amiga?”.

Mayorga recorda a situação de forma semelhante. Em resposta à pergunta de Jordan, ambas as mulheres dizem que Ronaldo só respondeu “está tudo bem, somos amigos”.

“Eu estava em transe,” diz Mayorga. Sentaram-se na borda do jacuzzi. “Primeiro ele sentou-se ao meu lado e eu afastei-me porque não queria estar perto dele.” Prossegue: “A Jordan disse que eu estava a olhar fixamente para a água [mas] não me lembro de olhar para a água. (…) Depois, houve um silêncio desconfortável. Por fim, ele levantou-se e foi-se embora. Assim que ele saiu, só me lembro de cair para dentro do jacuzzi”.

Ela inclina-se muito para a frente. Parece que, de repente, pensa que a sua queda no jacuzzi pode causar má impressão. Mais uma vez, começa a falar muito rapidamente. “Bebi algum vinho quando estava a trabalhar”, afirma, e que depois bebeu um ou dois goles de champanhe. “Estava completamente sóbria. Cem por cento.”

A queda na água, explica, ajudou-a a recompor-se um pouco. Disse para si mesma: “'Ok, agora tens de agir naturalmente!' A Jordan estava sempre a perguntar-me [se eu estava bem]. Comecei a rir e (…) disse: ‘Não, não, não aconteceu nada. Meu Deus, nem acredito que nós estamos… olha só para esta vista!’”. Encolhe os ombros, mas o gesto parece mais de desesperança do que de indiferença. Diz que se foram embora nessa altura. “Os amigos dele deram-me uma toalha.”

A caminho do elevador exclamou para Jordan: “Que noite! Foi tão divertido!”. A determinado momento, despediram-se uma da outra.

Só quando chegou ao carro é que as dores começaram. “Lembro-me que cada batimento cardíaco era como uma dor lancinante.” Diz que conduziu o carro até a um hospital, mas teve medo de entrar. Depois, dirigiu-se a casa e tentou adormecer. Mas não conseguiu.

Poucas horas depois, recebe uma chamada de Jordan. “Ela dizia ‘estamos nas notícias por todo o lado!’” Ao mesmo tempo, afirma Mayorga, começou a receber mensagens de texto a perguntar: “Andas com aquele futebolista?”. Só nessa altura é que ela viu as fotografias. “Estavam por todo o lado. Todos os noticiários.” As fotografias mostravam-na a namoriscar com Ronaldo na zona VIP do Rain.

Diz que disse logo a Jordan “isto é mau, isto é mau.” Mas afirma que Jordan não percebeu o que ela queria dizer – até que finalmente lhe disse: “Jordan. Ele violou-me!”.

Diz que Jordan ficou extremamente preocupada e que a aconselhou logo a ter cuidado, dizendo que os jogadores de futebol têm muito poder. Nesses casos, afirmou, não existe justiça.

Como as dores não diminuíram, começou a ficar preocupada. “Pensei ‘estou mesmo cheia de dores’. E comecei a entrar em pânico”, diz Mayorga. Explica que ligou para uma amiga de infância e lhe contou o que acontecera. A amiga aconselhou-a a fazer uma chamada anónima para a polícia.

Arnd Wiegmann

“Mais grave do que tu pensas”

“Não queria que eles soubessem quem eu era”, revela. “Eu repetia: ‘Não vou dizer o nome dele, não vou dizer o nome dele'. (…) Disse: ‘Preciso que alguém me leve ao hospital’. Queria que me fizessem o exame de violação. (…) Eles chegaram, o sargento e cinco carros de polícia, e foi uma confusão enorme!”

Juntos, Kathryn e os pais tentam reconstruir o que cada agente policial disse a quem e quando. As versões de cada um variam ligeiramente e a única coisa em que todos concordam é o facto de a polícia lá ter estado. E que alguém colocou o vestido e roupa interior dela num saco de plástico e o levou da casa. A determinada altura, mais tarde no mesmo dia, Kathryn Mayorga finalmente cedeu à insistência da mãe e contou-lhe o que se tinha passado.

Larry Mayorga começa a falar. Lembra-se de estar à porta, com o uniforme de bombeiro vestido. “O detetive disse-me que 'quem quer que a tinha agredido (…), quem quer que tenha sido, a sua filha tem de nos dizer quem foi’.” Olha para a filha. “E depois falei contigo e tu recusaste-te.” Conta que a filha lhe disse: “‘Não percebes, pai. Isto é mais grave do que tu pensas’”.

Existe uma gravação da chamada telefónica de Mayorga para o Departamento da Polícia Metropolitana de Las Vegas às 14h16 de a 13 de junho de 2009. No chamado “computer-aided dispatch”, ou relatório CAD, ao qual a DER SPIEGEL teve acesso, foi atribuído um número de processo ao relato de Kathryn que surge referido posteriormente no acordo extrajudicial entre Kathryn Mayorga e Cristiano Ronaldo.

No relatório CAD, sob o título “Tipo”, que se refere ao tipo de queixa registada, lê-se o número 426. É o código para delitos sexuais.

O agente policial que falou com Mayorga registou que a autora da chamada estava extremamente abalada e que não quis fornecer o nome do alegado agressor. Disse apenas que se tratava de uma “figura pública” e de um “desportista”. O agente registou que ela não tinha tomado banho.

O relatório indica também que a polícia chegou a casa da família Mayorga pouco depois das 14h30 nessa tarde de sábado. Comunicaram com a central várias vezes, onde um agente registou que a alegada vítima queria ir ao hospital fazer um exame de violação, um tipo de exame realizado a vítimas de violência sexual para obter provas e examinar e fotografar possíveis ferimentos.

A polícia levou Mayorga ao University Medical Center pouco antes das 16h. No relatório CAD está registado que às 17h15 ela apresentara informações vagas sobre a alegada cena do crime, dizendo que se tratava de um hotel “próximo” da Flamingo Road, rua onde fica o hotel Palms Place.

“Estavam sempre a tentar que eu dissesse o nome dele. E eu repetia ‘não vou dizer o nome dele’”, relata Mayorga. Queriam também saber onde tinha acontecido, mas ela teve medo de revelar demasiados pormenores. Conta que só a enfermeira que a examinou se mostrou compreensiva. “Ela disse: ‘Neste momento, só se deve preocupar consigo mesma. (…) Está a fazer o exame de violação, por isso, se quiser [apresentar queixa] mais tarde, pode fazê-lo'.”

Três meses sem chorar

O relatório do exame revela que Mayorga recebeu tratamento hospitalar durante duas horas. Revela ainda que ela estava “ansiosa, colaborativa, amável”. Disse que bebe álcool esporadicamente e testaram a presença de drogas no sangue, mas o resultado foi negativo.

De acordo com uma lista, os enfermeiros registaram o que Mayorga fizera após a alegada violação: mudou de roupa, escovou os dentes, urinou, comeu e bebeu.

Sob a categoria do tipo de agressão, a enfermeira escreveu “reto da paciente penetrado” e que a ejaculação ocorrera “nas mãos do agressor”.

Fizeram-lhe os exames a doenças sexualmente transmissíveis e um esfregaço na boca e reto para procurar possíveis vestígios de ADN. As lesões que apresentava – inchaço circunferencial com hematoma e uma laceração – foram fotografados. Foram-lhe receitados Zitromax e Rocefin, ambos antibióticos, e deram-lhe alta.

Conta que, nos dias que se seguiram, praticamente não saiu do quarto. “Sentia-me nauseada e confusa. E continuava a não sentir nada. Nenhum sentimento. Ao longo de todo o processo… estive três meses sem chorar.”

A mãe, Cheryl, intervém: “Queria abraçá-la. Queria reconfortá-la”, afirma. “Tentávamos entrar [no quarto dela] e ela ‘saiam!’.” Disse que nessa altura contratou uma advogada. A polícia disse-lhe que “ia receber uma série de contas médicas e do hospital” se não divulgasse o nome dele, diz Cheryl.

Um amigo recomendou uma advogada chamada Mary Smith, cujo nome foi alterado neste artigo. Nessa altura, ela tinha um pequeno escritório em Las Vegas. A família Mayorga descreve Smith como amigável e bem-intencionada. No entanto, em retrospetiva, acham que cometeram um erro grave em não terem contactado um advogado com mais experiência nestes casos.

A advogada aconselhou-a a fornecer um depoimento completo à polícia. Duas ou três semanas depois, calcula Mayorga, um agente policial visitou-os e registou o depoimento dela.

Como parte do depoimento, também referiu o nome de Ronaldo. “Imprimi fotografias dele. Porque o agente não sabia quem ele era.” Afinal de contas, as estrelas de futebol (soccer) internacionais não são necessariamente conhecidas nos EUA.

Ela explica que o agente policial era um homem mais velho. Afirma que, quando lhe contou que beijara Ronaldo na casa de banho, o agente reagiu dizendo: “‘Oh, isso vai ser um problema, vai ser um problema!’. E disse: ‘Bom, para que saiba, o facto de ter arranjado advogado não causa boa impressão’”, recorda Mayorga. “Ele só me criticava. E eu disse ‘foram os meus pais que me disseram para arranjar um advogado’.” E acrescenta: “Não sabia o que fazer. Estava a tentar esconder isto! Não queria que se viesse a saber.”

Massimo Pinca

Ela queria justiça

Por fim, pediu ao agente policial para não dar seguimento ao depoimento, explicando que precisava de mais algum tempo e que não estava emocionalmente estável. Ele prometeu esperar até ela se sentir pronta.

A partir daí, Mayorga estava presa num dilema: por um lado, não queria vir a público nem com o nome dela, nem com o dele. Por outro, queria que fosse feita justiça. Afirma que a advogada sugeriu que fosse tudo resolvido fora dos tribunais.

Nos Estados Unidos, os abusos sexuais são frequentemente resolvidos com acordos extrajudiciais, em que as vítimas e os agressores chegam a acordo sem os casos irem a tribunal.

O abuso sexual é o crime mais grave no estado de Nevada depois do homicídio. Se houver condenação, a pessoa enfrenta uma pena de prisão perpétua. Mas, para haver condenação, é preciso determinar que existe culpa além da dúvida razoável – o que é particularmente difícil de estabelecer em relação a crimes sexuais. Muitas vezes, trata-se do depoimento de uma pessoa contra o de outra.

Muitas vítimas decidem enveredar por processos civis em vez de criminais. O objetivo dos primeiros não é condenar o alegado agressor, mas indemnizar financeiramente a vítima. O peso das provas é substancialmente menor neste tipo de processo. É necessário que haja apenas mais de 50 por cento de probabilidade de que o alegado agressor tenha cometido o crime.

Mas um processo civil também tem desvantagens. Apesar de a vítima poder requerer que o caso seja julgado sob pseudónimo, este é público e, naturalmente, não existe qualquer garantia de que o anonimato da pessoa seja mantido.

Por esse motivo, muitas vítimas optam por resolver o caso fora dos tribunais, por exemplo através de mediação, na qual uma pessoa neutra age como mediador. Termina na celebração de um acordo.

Este tipo de processo pode ser vantajoso para ambas as partes. As identidades dos agressores e das vítimas podem ser protegidas. Todo o processo é mais curto do que um julgamento. Os pormenores penosos da violação não têm de ser revisitados.

Estes argumentos pareceram convincentes a Mayorga. “Queria dar-lhe uma lição. Queria que ele lidasse com aquilo, que tivesse de me enfrentar”, afirma. Refere também que não estava a tentar enriquecer, mas que queria que ele pagasse o tratamento médico. “Não vou pagar a porcaria do tratamento”, diz, descrevendo aquilo que pensou na altura. “Ele violou-me. Vai pagar a porcaria do tratamento!”

O questionário

Os documentos da Football Leaks demonstram que a advogada de Mayorga, Mary Smith, contactou um dos advogados de Ronaldo em Inglaterra em meados de 2009. Disse que estava em representação de uma queixosa em Las Vegas numa ação contra o futebolista. O advogado reencaminhou o e-mail para o advogado português de Ronaldo, Carlos Osório de Castro, que representa Ronaldo há anos em vários tipos de assuntos legais.

"Do que acha que se trata?"

Osório de Castro respondeu: "Não faço ideia".

No final de julho, tornara-se claro que o assunto era sério. Havia já vários advogados envolvidos no caso, incluindo um na Califórnia que tinha representado em tribunal várias figuras públicas conhecidas. Os advogados de Ronaldo debateram quais seriam as melhores medidas a tomar.

Uma lista com centenas de perguntas foi enviada a Ronaldo, ao cunhado e ao primo. No documento, Ronaldo é referido como “X” e Kathryn Mayorga como “Sra. C.”.

Existem várias versões deste questionário. As perguntas são mais ou menos consistentes em todas, mas as respostas não.

Numa versão de dezembro de 2009, Ronaldo refere relações sexuais consensuais e que não houvera qualquer indicativo de que ela não estava de acordo durante o ato, nem de que não estava bem depois.

Mas existe outra versão, muito anterior. É este o documento que pode trazer consequências graves a Ronaldo. Foi enviado por e-mail em setembro de 2009. O remetente era um advogado pertencente à firma de Osório de Castro. Os destinatários eram o próprio Osório de Castro e um colega seu.

Em resposta à pergunta sobre se a Sra. C. tinha levantado a voz, gritado ou chamado por alguém, X respondeu, segundo o documento: “Ela disse não e pára várias vezes”.

No documento, X diz que ela estava deitada de lado. “Penetrei-a por trás. Foi indelicado. Não mudámos de posição. 5/7 minutos. Ela disse que não queria, mas mostrou-se disponível.” E prossegue: “Mas estava sempre a dizer ‘não’, ‘não faças isso’, ‘não sou como as outras’. Depois pedi desculpa”.

No documento, Ronaldo é citado a dizer que ela nunca gritou e que nunca chamou por ninguém.

MASSIMO PINCA/Reuters

Tiquetaque

Pergunta: a Sra. C. disse algo após o ato sobre o sexo ter sido demasiado violento?

X: “Ela não se queixou de ter sido violento. Queixou-se de eu a ter forçado. Não disse nada sobre querer apresentar queixa à polícia”.

Nas respostas à lista de perguntas, Ronaldo corrobora a versão de Mayorga nos seguintes pontos: ela disse não várias vezes. E ele pediu desculpa depois.

As versões de um e de outro contradizem-se em vários pontos. Um deles é se Mayorga terá ou não masturbado Ronaldo. Ele diz que sim, ela diz que não. Ronaldo diz que houve preliminares entre eles na casa de banho. Também retrata o encontro de ambos na discoteca de forma diferente: Diz que as duas mulheres tinham pedido para entrar na zona VIP da discoteca e que tinham bebido. Diz também que não trocaram números de telefone, mas que convidou logo as duas mulheres para o hotel. Segundo alguns dos acompanhantes de Ronaldo, Mayorga não pareceu de todo perturbada quando saiu do quarto.

Em dezembro de 2009, o advogado de Ronaldo, Osório de Castro, pressionou os membros americanos da equipa de advogados: “O tempo está a contar e temos de decidir como prosseguir e como nos prepararmos para a batalha”.

Entretanto, os advogados de Ronaldo dos Estados Unidos tinham contratado um detetive privado para descobrir tudo o que conseguissem sobre Mayorga. Este reuniu pormenores sobre a vida dela, recolheu informações sobre multas de trânsito e afins, vigiou a casa dela e passou horas a segui-la.

Numa das suas anotações, escreveu: “Cerca das 20h, Kathryn Mayorga chegou ao MGM Grand Hotel/Las Vegas. Mayorga chegou no seu próprio veículo e estacionou na garagem. Saiu do veículo e dirigiu-se ao hotel. Um indivíduo foi ter com ela ao elevador (…). Abraçaram-se no elevador”. Noutro dia, observou-a num restaurante: “Mayorga bebeu vinho tinto. Bebeu mais de três copos de vinho”.

Mayorga reparou que estava a ser seguida. Numa das ocasiões, foi almoçar com uma amiga e “havia um detetive a olhar para nós e a tomar notas”. “Nós rimo-nos a pensar: ‘Não podia ser mais evidente!’. Olhava para nós e escrevia.”

O pai, Larry, conta: “Levei-a ao ginásio, ensinei-a a dar socos, coisas desse género. Ela queria aprender a defender-se. Nessa altura, andávamos preocupados com ela”.

Por fim, e de acordo com os documentos, os serviços do detetive privado acabaram por custar dezenas de milhares de dólares, mas os advogados de Ronaldo não estavam satisfeitos com os resultados.

Um dos advogados americanos insistiu, num e-mail, que fosse contratado um segundo detetive privado numa tentativa de refutar a afirmação da alegada vítima de que estava a sofrer a nível psicológico como consequência do crime. “Esperemos”, escreveu o advogado, que “consigamos descobrir as ocasiões entre hoje e o dia 12 de janeiro em que (ela) sai para gozar a vida noturna e os homens de Las Vegas”.

Os advogados de Ronaldo também parecem ter considerado a hipótese de apresentar queixa por chantagem contra Mayorga. No entanto, o problema dessa estratégia era que ela não referira uma quantia nem fizera qualquer outra exigência.

As duas partes reuniram-se a 12 de janeiro de 2010, em Las Vegas. Estava presente um mediador experiente e a equipa de advogados de Ronaldo chegou numa limusine. A estrela de futebol não compareceu.

“Queria que ele lidasse com aquilo”

No início da mediação, Mayorga estava numa sala com a advogada enquanto a equipa de advogados de Ronaldo se encontravam numa sala vizinha. Os pais e irmão de Mayorga ficaram sentados no corredor.

“Estava a ficar stressada,” recorda Kathryn Mayorga acerca desse dia. O seu rosto está sem expressão, os dedos da mão direita afagam os brincos turquesa. “Queria que ele estivesse na reunião. Queria que ele lidasse com aquilo, que tivesse de me enfrentar. Acima de tudo, era isso que eu queria.”

Ela afirma que o mediador andava para trás e para a frente entre as duas salas para relatar a cada parte os argumentos apresentados pela outra e para, por fim, chegarem a acordo.

O advogado de Ronaldo, Osório de Castro, tinha viajado até Las Vegas para a reunião, durante a qual enviou mensagens de texto ao seu cliente. “Agora o mediador diz que ela começou a chorar e que está perturbada porque acha que não está interessado no assunto e por estar noutro sítio qualquer”, escreveu Osório de Castro: “Até agora ainda não se falou em dinheiro, mas isso está para vir.”

Ronaldo respondeu “ok”.

Quarenta e sete minutos depois do primeiro SMS, Ronaldo recebeu uma segunda mensagem de Las Vegas. Desta vez, só continha um número: “950 mil dólares”. Parece ser a quantia que a contraparte pedia como compensação. Ronaldo retorquiu: “É essa a quantia?”.

Osório de Castro respondeu: “É a primeira exigência: são 660 mil euros. Não vamos aceitar. As negociações continuam”.

Ronaldo perguntou então: “Isso é demais?”. Osório de Castro respondeu: “Acho que sim. Acho que vamos fechar isto por menos”.

Ronaldo exigiu então: “Tem de ser menos!”. O advogado respondeu: “ok”.

A família de Mayorga estava sentada à porta da sala. Recordando esse dia, dizem que conseguiam ouvir a filha a chorar e a gritar através da porta. “Disseram coisas horríveis, basicamente tentaram dizer que eu era uma prostituta, que por ter aquele emprego de modelo que isso era comportamento de prostituta. (…) Nem sei como conseguem dormir,” afirma Kathryn Mayorga.

“Eu estava tão revoltado,” diz o pai de Kathryn, Larry. “Estava tão furioso por não poder entrar e apoiá-la. (…) Recuei e disse: ‘Morde a língua, Larry, e… A vida é dela e a decisão é dela. Ela é adulta’”.

O irmão de Kathryn lembra-se claramente do dia da mediação. Todo o processo “foi absolutamente nojento, foi horrível”, recorda. “A sala do Ronaldo estava cheia de advogados. (…) Ouvíamo-los a rir e a dizer piadas”, diz. “E, na outra sala, [a minha irmã] estava a chorar.”

Daniele Badolato - Juventus FC

“Simplesmente revoltante”

Tal como os pais, Jason Mayorga diz que tinha um mau pressentimento acerca das negociações. A advogada de Kathryn, explica, concordando com os pais, “não parecia controlar a situação”. Diz que, quando o mediador entrava na sala dos advogados de Ronaldo, “era do género ‘olá, pessoal, voltei!’. Simplesmente revoltante”.

Kathryn Mayorga conta que, a determinada altura, só conseguia estar deitada no chão. “Estava histérica, nem conseguia falar. Estava completamente instável.” Nessa altura, a advogada sugeriu que interrompessem as negociações. “Eu estava demasiado instável para assinar aquele documento.” Mas, explica, sabia que era agora ou nunca. “Pensei: ‘Nunca mais volto a passar por isto. Da próxima, isto acaba comigo. Não posso voltar a fazer isto. Se sair daqui agora sabendo que vou ter de voltar a passar por isto, isso acabará comigo.’”

No final do dia, Osório de Castro escreveu ao cliente: “Finalmente estamos a terminar, após 12 horas, por 260 mil euros. Além disso, haverá os custos da mediação de que já lhe falei, mais alguns pagamentos aos advogados que estão agora a tentar formalizar a transação. Sei que é muito dinheiro, mas acho que foi a melhor saída – e não foi nada fácil chegar até aqui”.

A quantia que Ronaldo deveria pagar a Kathryn Mayorga foi formalizada numa chamada “celebração de acordo”: 375 mil dólares. Nessa época, era o que Ronaldo ganhava numa semana no Real Madrid.

Os advogados afinaram os termos precisos do acordo até ao verão, ajustando parágrafos e reformulando trechos. Uma das questões visadas, por exemplo, era quanto é que Mayorga estava autorizada a dizer durante as suas sessões de terapia. A equipa de advogados de Ronaldo insistiu que ela ficasse proibida de mencionar o nome dele ao terapeuta e exigiu que ela não fosse autorizada a queixar-se dele. Chegaram mesmo a insistir que ela não falasse com a família acerca dele. Isso criaria um ambiente difícil de controlar, escreveu num e-mail um dos advogados de Ronaldo.

Os advogados do jogador procuraram garantir que qualquer possibilidade de o segredo ser revelado fosse eliminada. A questão de como Mayorga pagaria os impostos sobre o dinheiro do acordo também surgiu. Se não os pagasse, inquietavam-se os advogados, as autoridades fiscais americanas poderiam interessar-se pela quantia na conta bancária dela e ela teria de explicar de onde o dinheiro tinha vindo.

Durante a investigação realizada para este artigo, a DER SPIEGEL soube que os advogados de Ronaldo optaram por transferir os 375 mil dólares a partir da conta de uma empresa chamada Tollin, com sede no paraíso fiscal das Ilhas Virgens Britânicas, uma empresa que mantivera o rendimento de Ronaldo relativo à publicidade e aos patrocínios durante anos. Assim, aparentemente Ronaldo pagou o caso de Las Vegas com dinheiro dos patrocínios. As indagações da DER SPIEGEL sobre o assunto não obtiveram resposta.

O acordo extrajudicial final incluía 11 cláusulas. A mais importante é a que proíbe Mayorga de alguma vez falar sobre o incidente e que exige que ela abandone todas as acusações contra Ronaldo. E foi obrigada a “fornecer garantia de que destruiu ou apagou permanentemente todos e quaisquer materiais eletrónicos, escritos ou outros gerados ou recebidos como resultado dos alegados acontecimentos”.

A carta

Entre esses documentos está uma carta. Como Ronaldo não compareceu à reunião de arbitragem, Kathryn Mayorga insistiu que a deixassem escrever-lhe uma carta que tinha de lhe ser lida no prazo de duas semanas. Esta exigência constava do documento do acordo.

A DER SPIEGEL teve acesso a uma reprodução da carta, que tem quase seis páginas. É difícil de ler. Basicamente, é um longo lamento desesperado.

“Gritei NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO NÃÃÃÃÃO vezes sem conta e implorei-te para parares. Atacaste-me por trás”, escreve, “com um rosário branco ao pescoço!!” “O que é que Deus pensaria daquilo!!! O que é que Deus pensaria de ti!!!”

“Espero que te apercebas daquilo que me fizeste e que tenhas aprendido com este erro terrível!! Não roubes a vida de outra mulher como roubaste a minha!! Não quero saber do teu dinheiro, isso era a última coisa que eu queria!! Queria justiça! Não existe mesmo justiça neste caso.”

Além de Mayorga, vários advogados assinaram o acordo e o advogado português Osório de Castro assinou em nome de Ronaldo. A estrela de futebol surge no documento sob o pseudónimo “Topher”. Uma “Carta de Acordo Confidencial em Anexo” esclarece que o pseudónimo se refere ao futebolista. E esse documento foi assinado pelo próprio Ronaldo.

As assinaturas nos documentos significavam que, para Ronaldo, o caso de Las Vegas estava encerrado.

No entanto, Mayorga diz que, para ela, foi apenas o início de um longo período de sofrimento.

A mãe diz que os primeiros anos foram maus. “Ela tornou-se mais insegura. Afastou-nos. Completamente. Fechou-se completamente… tornou-se uma concha. Nós queríamos entrar e dizer ‘deixa-nos fazer alguma coisa e ajudar’, e ela afastava-nos”, relembra, com a voz a quebrar.

“Pensei seriamente em suicídio,” interrompe Kathryn. “Pensou mesmo”, concorda a mãe.

O pai diz: “Não me tinha apercebido de que isto ia continuar com ela”. E acrescenta: “Pensei que ela ia conseguir ultrapassar isto. Mas nunca conseguiu. É que… ela já não é a mesma pessoa”.

“Antes do incidente, ela era a minha irmãzinha mais nova,” diz o irmão. “Saíamos para comer, para jantar, passávamos tempo juntos, íamos a parques, ao cinema, coisas desse género.” Mas agora as coisas mudaram, afirma. “Tem tanta agressividade reprimida (…), mudou completamente de atitude.”

Pouco depois de o agente policial terminar de gravar o depoimento, Kathryn Mayorga começou a ir a consultas de terapia. “Não podia referir o nome ao meu terapeuta”, afirma. “Tinha sempre de ter cuidado com o que dizia por causa do contrato.”

DR

Castigo de Deus

Ela diz que só participou duas vezes em sessões de terapia de grupo para vítimas de violação. É um dos momentos durante a nossa entrevista em que os olhos dela se enchem de lágrimas. “Limitava-me a ouvir as outras pessoas”, recorda. “Houve alturas em que algumas mulheres se zangavam comigo, tipo, ‘o que estás aqui a fazer?, se não partilhas não venhas’. Algumas raparigas trataram-me mal por eu não querer partilhar.”

Nos primeiros cinco anos após o encontro com Ronaldo, andava obcecada, afirma, depois de se recompor. “Andava obcecada com o karma.” Todos os dias, explica, ia à internet ver se tinha acontecido alguma coisa a Ronaldo, um castigo de Deus, por assim dizer, pelo que lhe tinha feito.

Diz que teve de se demitir do emprego. Bastava ver o hotel, com as letras iluminadas, para não aguentar. Trabalhar na área do curso universitário que tirara estava fora de questão, refere. E os pensamentos suicidas voltavam sempre. Só quando estava a viajar é que tinha a sensação de liberdade, longe de tudo. Mas nem sempre. “Quando fui a Itália, ele… lá ele é famoso! Todos os miúdos usam a t-shirt dele.” Faz um esforço para sorrir.

No primeiro ano, bebeu uma quantidade substancial de álcool, admite. “Pois, durante… cerca de um ano, bebia todos os dias”, declara. “Era por mim, era a forma de me sentir normal.” Mas com os amigos e no Facebook, explica, tentou agir como se nada tivesse mudado.

Só ao fim de cinco anos, diz Kathryn Mayorga, é que se começou a sentir um pouco melhor. Não ao ponto de conseguir manter uma relação normal, “mas depois do quinto ano comecei a sentir-me mais feliz”.

Em grande medida, isso deveu-se ao seu novo emprego. Começou a trabalhar como professora de educação física numa escola primária. “Ensinar ajudou-me muito com a depressão e ansiedade. Trabalhar com crianças… os miúdos mantinham-me sempre estimulada.”

Mas nunca chegou a ser verdadeiramente feliz, confessa. “Tive esgotamentos graves. Mais uma vez, culpo a violação. E culpo-o a ele e culpo-me a mim por ter assinado aquilo.”

Negações

E depois, na primavera de 2017, o artigo foi publicado na DER SPIEGEL. “Tudo aquilo que era suposto ninguém saber estava lá. Li os comentários…” Kathryn Mayorga aperta os lábios. “Importo-me com o que as pessoas pensam.” Os comentários ao artigo incluíam coisas assim: “Como se o Ronaldo precisasse de violar uma mulher”.

“Isso era o que eu pensava,” diz Mayorga, baixinho.

Antes da publicação desse artigo, no ano passado, a DER SPIEGEL ofereceu a Ronaldo a oportunidade de comentar as acusações. Num e-mail enviado a 10 de abril de 2017, foi-lhe enviada uma lista de perguntas. O seu advogado de Munique, Johannes Kreile, respondeu em seu nome: “Rejeitamos categoricamente as acusações suscitadas pelas vossas perguntas”, respondeu. Acrescentou que o seu cliente “tomaria medidas contra quaisquer alegações factuais falsas, bem como qualquer violação do seu direito à privacidade”. O advogado exigia também que a DER SPIEGEL “desistisse de publicar” sobre o assunto.

No dia em que foi publicado, o artigo gerou celeuma a nível internacional. Mas a declaração da Gestifute foi citada com a mesma frequência, na qual o artigo era descrito como uma obra de “ficção jornalística”.

Quatro dias depois, Ronaldo marcou três golos num jogo da Liga dos Campeões contra o Bayern Munique e outros três contra o Atlético Madrid. A história de Mayorga rapidamente se desvaneceu.

Quando o segundo artigo da DER SPIEGEL sobre as acusações chegou às bancas de jornais, Ronaldo publicou um vídeo do filho mais velho, Cristiano Júnior. O vídeo mostra a criança de seis anos a marcar um penálti, tal como o pai. O vídeo foi visto 12 milhões de vezes.

Só no Facebook, Ronaldo tem 121 milhões de seguidores.

Em parte por temer que Ronaldo começasse a procurar a fonte do artigo da DER SPIEGEL, Mayorga contratou outro advogado.

Leslie Mark Stovall, de 65 anos, tem um calibre diferente da sua primeira representante legal. Com o cabelo grisalho apanhado num rabo-de-cavalo, Stovall exerce advocacia em Las Vegas há 30 anos. Há quem se lembre de ele comparecer em tribunal de calças de ganga e chapéu de cowboy.

Stovall tem muita experiência de julgamentos em tribunal, incluindo uma ocasião em que se representou a si mesmo. Em 2001, submeteu uma declaração fiscal incorreta, admite durante a primeira reunião com a DER SPIEGEL. Esteve suspenso de exercer direito durante dois anos. “Não posso branquear a situação,” afirma. Stovall quer evitar dar oportunidades aos adversários.

MIGUEL MEDINA

A estratégia legal

Stovall estudou os dossiês relacionados com o caso de Kathryn Mayorga ao longo de vários meses em preparação para o processo civil contra Ronaldo. “A nossa queixa pretende que o acordo e o documento de confidencialidade sejam declarados nulos”, defende Stovall. “Kathryn não estava capaz de negociar o acordo devido aos danos psicológicos de que padecia, causados pelo abuso sexual”, acrescenta. “E isso torna-o anulável.”

Segundo Stovall, a equipa de advogados de Ronaldo estava ciente da vulnerabilidade psicológica de Kathryn. Mais: “Conceberam uma estratégia que tirava partido do seu estado emocional”. O estado de Kathryn foi também abordado numa troca de e-mails entre os advogados de Ronaldo.

Em abril deste ano, Stovall quis que Mayorga fosse examinada por um psicólogo forense. No diagnóstico, este concluiu que ela sofre de stress pós-traumático e depressão clínica como “resultado direto e exclusivo do ato de abuso sexual por parte do Sr. Ronaldo”.

Além disso, Stovall diz que não foram tomadas em conta as dificuldades de aprendizagem de Kathryn durante a sessão de arbitragem. Como tal, defende, ela não era capaz de reconhecer verdadeiramente as consequências do acordo, nem a terminologia legal nele incluída. Assim, em última análise, ela não tinha a competência necessária para assinar o documento.

Mas Stovall acredita que o acordo extrajudicial é inválido ainda por outro motivo. “Na minha opinião,” afirma, “estes documentos comprovam uma conspiração criminosa para encobrir e obstruir o processo de acusação desse abuso sexual”.

E, depois, Stovall vai mais longe. “É absolutamente legal uma pessoa defender-se. É absolutamente apropriado que uma pessoa que tenha cometido um crime contrate investigadores e advogados para fazerem o seu melhor para defender esse indivíduo. Mas existe um limite. E o limite é: esses indivíduos não podem obstruir a justiça. Não podem obstruir o processo de investigação de um crime nem o processo-crime. Quando se passa de defender um criminoso a obstruir, a encobrir atividade criminosa em prol do cliente, esse mesmo ato é crime! E foi isso que aconteceu neste caso. Na minha opinião.”

Pinóquio

Stovall refere os casos de Harvey Weinstein e do ator americano Bill Cosby. “Parece-me que estes agressores sexuais em série são viabilizados por… uma equipa de advogados e outros que utilizam estes acordos para suprimir processos judiciais, viabilizando que estas pessoas continuem a cometer abuso sexual.”

Stovall afirma que apresentar queixa contra os advogados de Ronaldo poderá ter efeitos duradouros. “Não sei se estes advogados estariam dispostos a fazer isto se se arriscassem a ser alvo de processos criminais.”

No entanto, existe também razão para crer que o lado de Ronaldo possa ter violado uma das cláusulas do próprio acordo extrajudicial. Como parte do acordo, o advogado de Ronaldo, Osório de Castro, concordou em ler ao cliente a carta de Kathryn Mayorga no prazo de duas semanas após a sua receção. O advogado americano enviou um lembrete ao advogado português de Ronaldo no final de setembro de 2010. “Pelos meus cálculos”, escreveu o advogado, “faz amanhã duas semanas desde que recebeu a carta”. “Assim, por favor confirme se a carta foi lida a Topher.” Topher refere-se a Ronaldo.

Pouco mais de uma hora depois, Osório de Castro respondeu: “Confirmo que a carta foi lida por mim a Topher”. Osório de Castro incluiu um outro advogado português no e-mail. A resposta desse advogado consistia numa única palavra: “Pinóquio”.

Na declaração em que nega todas as alegações contra Ronaldo, a agência Gestifute afirma igualmente que a “alegada carta” da “suposta vítima” “nunca foi recebida” por Ronaldo.

Por sua vez, Kathryn Mayorga afirma que está focada em apenas uma coisa: preparar-se o melhor que puder para o que aí vem. Demitiu-se do emprego na escola primária e desapareceu por tempo indeterminado em paradeiro desconhecido. Já não está contactável.

Cristiano Ronaldo também tem estado incontactável. Ao longo do último ano e meio, a DER SPIEGEL ofereceu-lhe várias oportunidades para partilhar a sua versão daquilo que aconteceu em 2009. Além de enviar e-mails a confrontá-lo com os resultados da investigação, a DER SPIEGEL fez também vários pedidos para o entrevistar pessoalmente. Todas estas tentativas foram rejeitadas, incluindo a mais recente. Um dos advogados de Ronaldo respondeu apenas que qualquer reportagem sobre este assunto era ilegal.

Mas parece que Ronaldo terá, afinal, de tornar a lidar com o caso e a falar sobre o que aconteceu naquela noite em Las Vegas, há nove anos. Nas últimas semanas, a polícia falou com Kathryn Mayorga várias vezes e voltou a interrogá-la.

O código penal de Nevada inclui o seguinte decreto: se um abuso sexual for registado pela polícia atempadamente, nunca prescreverá.

Este artigo foi publicado pela primeira vez na edição alemã 40/2018 (29 de setembro, 2018) da DER SPIEGEL.