Tribuna Expresso

Perfil

Atualidade

Pai de Emiliano Sala: "Não tenho esperança que o Emiliano esteja vivo. Seria um milagre. Agora, sim, acabou a nossa esperança"

O pai do futebolista desaparecido disse ainda não saber se o corpo encontrado entre os destroços é o do filho ou do piloto

Tribuna Expresso e Lusa

Partilhar

O pai de Emiliano Sala afirmou esta segunda-feira já não ter esperança de que o filho esteja vivo, depois de no domingo ter sido encontrado um corpo entre os destroços do avião em que viajava o futebolista argentino.

"Não tenho esperança que o Emiliano esteja vivo. Seria um milagre. Agora, sim, acabou a nossa esperança. Não me restam mais palavras", disse Horacio Sala a alguns órgãos de comunicação social argentinos.

"Não conseguimos acreditar em nada do que está a acontecer. Esperemos que os dois corpos sejam resgatados de entre os destroços, para aliviar um pouco mais toda esta dor", transmitiu, desejando que sejam "iniciadas investigações para apurar responsabilidades".

A Agência Britânica de Investigação a Acidentes Aéreos (AAIB) revelou hoje que foi encontrado um corpo entre os destroços do avião em que viajava o futebolista argentino Emiliano Sala, detetados no domingo no fundo do canal da Mancha.

As buscas subaquáticas para tentar encontrar o avião privado em que seguia Emiliano Sala começaram no domingo de manhã, dia em que foram descobertos destroços da aeronave, tendo hoje sido possível identificar um corpo, através do sistema de vídeo de um veículo operado remotamente.

O avião desapareceu dos radares em 21 de janeiro, pelas 20:00, quando o futebolista argentino e o piloto David Ibbotson seguiam viagem de Nantes para Cardiff, onde o jogador era esperado no dia seguinte para treinar no seu novo clube.

Sala, de 28 anos, tinha sido contratado pelo Cardiff ao Nantes, por 17 milhões de euros, e preparava-se para representar os galeses na primeira liga inglesa de futebol.

O avançado, que iniciou a carreira nos portugueses do FC Crato e representou também o Bordéus, o Orleáns, o Chamois Niortais e o Caen, tinha-se encarregado de marcar o voo, recusando a oferta de transporte oferecida pelo clube galês.