Tribuna Expresso

Perfil

Atualidade

“Não havia segurança porque é um país muito pacífico”: como uma equipa de críquete do Bangladesh escapou ao atentado na Nova Zelândia

O ataque terrorista a duas mesquitas na Nova Zelândia matou pelo menos 49 pessoas. A equipa de críquete do Bangladesh viveu o drama de perto e chegou em segurança ao hotel: “A equipa toda está a salvo dos atiradores!!!”, escreveu um dos jogadores no Twitter

Tribuna Expresso

Kai Schwoerer/Getty Images

Partilhar

Não estavam muito longe do campo onde iam jogar no sábado. A equipa de críquete do Bangladesh tinha chegado há pouco tempo à mesquita Al Noor, em Christchurch, quando as balas começaram a voar e a roubar vidas. Ainda não sabiam o que se passava mas, quando viram corpos a tombar no chão, meteram-se debaixo do autocarro. Seriam 15 minutos complicados. Os tiros davam forma a um atentado terrorista contra duas mesquitas, que mataria pelo menos 49 pessoas, segundo a primeira-ministra da Nova Zelândia.

O correspondente da ESPN que acompanhava a equipa disse à BBC que um dos jogadores lhe ligou a pedir ajuda. “Não levei a sério mas depois a voz estava a quebrar e eu corri para lá. Estava a haver um tiroteio, havia um fogo. Eu vi um cadáver e outra pessoa passou por mim com sangue no ombro.” Quando chegou mais perto dos jogadores, disseram-lhe para sair dali. “Corremos para o parque e ficámos no chão durante uma hora. Os jogadores estavam a passar mal, eles viram demasiado naqueles 15 minutos que estiveram retidos no autocarro, não havia segurança porque é um país muito pacífico.”

Depois, alguns jogadores relataram o episódio no Twitter. “A equipa toda está a salvo dos atiradores!!! Experiência assustadora e por favor mantenham-nos nas vossas preces”, escreveu Tamim Iqbal Khan, um atleta.

Mushfiqur Rahim estava agradecido. “Louvado seja Deus. Alá salvou-nos hoje durante o tiroteio na mesquita em Christchurch… Somos extremamente sortudos. Nunca mais quero ver algo deste género acontecer. Rezem por nós.”

Três pessoas, uma delas nascida na Austrália, foram detidas pelo ataque às duas mesquitas, que deixou ainda pelo menos 20 feridos com gravidade, conta o “The Guardian”. A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Arden, definiu o evento desde cedo como “ataque terrorista”. Mais: “Um extremista, de direita e violento ataque terrorista”. A cidade de Christchurch, a terceira maior do país, está encerrada num perímetro de segurança policial.

O diário inglês revela que um dos atacantes terá transmitido em direto pelo menos um dos ataques. A polícia pede às pessoas para não partilharem esse tipo de vídeos.

Kai Schwoerer/Getty Images

De acordo com o jornal australiano “ABC News”, o ataque à mesquita Al Noor ocorreu perto das 14h locais, onde teve lugar a morte de 41 pessoas. O segundo ataque ocorreu noutra mesquita nos subúrbios de Linwood, onde morreram sete pessoas (outra morreria no hospital). A polícia descobriu explosivos em dois veículos e revelou que retirou muitas armas das mesquitas.

O jogo de críquete entre Nova Zelândia e Bangladesh foi cancelado, anunciou pouco depois o chefe executivo daquele desporto da Nova Zelândia, David White. “Ambas as equipas estão profundamente afetadas.” Apesar do susto, os jogadores chegaram ao hotel em segurança.