Tribuna Expresso

Perfil

Atualidade

Dois dos detidos de Alcochete foram mandados para casa

Advogados confirmam ao Expresso que os jovens que se encontravam em preventiva tiveram a luz verde dos serviços sociais, do Ministério Público e do juiz Carlos Delca

Hugo Franco

Academia de Alcochete foi invadida por cerca de meia centena de adeptos do Sporting na tarde de 15 de maio do ano passado

d.r.

Partilhar

Dois dos detidos mais jovens do caso da invasão de Alcochete tiveram luz verde dos serviços de reinserção social, do Ministério Público e do juiz de instrução Carlos Delca para irem para casa com pulseira eletrónica.

Encontravam-se em prisão preventiva há mais de um ano, tal como a maioria dos arguidos do caso. Ao Expresso, Aníbal Pinto, advogado de um dos dois jovens libertados, confirma o aligeiramento da medida de coação: "Tinha requerido que ele ficasse em casa com obrigação de permanência na habitação. A procuradora Cândida Vilar e o juiz Carlos Delca concordaram. Estou satisfeito porque esta é uma medida de coação que acautela todos os perigos apontados pelo Ministério Público."

Prevê-se que o seu cliente esteja em casa já amanhã, sexta-feira.

Também o advogado Nuno Loureiro Coelho confirma que o seu cliente foi libertado. "Já está em casa com pulseira eletrónica", diz ao Expresso.

O facto de terem entre 21 e 22 anos e de ainda estudarem terão sido argumentos de peso para a sua libertação. No entanto, mantêm-se intactos os indícios sobre eles.

De acordo com a agência Lusa, Cândida Vilar promoveu junto do juiz de instrução criminal Carlos Delca que três arguidos passassem a ter a medida de coação de obrigação de permanência na habitação com pulseira eletrónica. Mas Delca decidiu alterar a medida de coação apenas a um. Em relação aos outros dois, o juiz aguarda ainda que cheguem os relatórios sociais para depois decidir se, também nestes casos, dá provimento ao pedido do MP. Delca decidiu alterar a medida de coação do um outro arguido fora deste rol do MP.

O processo tem 44 arguidos. Neste momento 36 deles encontram-se em prisão preventiva.

O Expresso sabe que nos próximos dias mais suspeitos da invasão podem ir também para casa com a mesma medida de coação. Alguns dos casos necessitam da luz verde de Carlos Delca e outros dos juízes desembargadores do Tribunal da Relação de Lisboa, que há poucas semanas permitiu que um outro arguido fosse também libertado.

Há pouco tempo, o Ministério Público também pediu a libertação de Fernando Mendes, o ex-líder da Juventude Leonina, que está preso na sequência do ataque à Academia do Sporting "por questões de saúde”. Mendes necessita de um tranplante de medula óssea. O pedido continua a ser analisado pelo juiz Delca, que terá pedido um relatório médico sobre o caso.

Em sentido contrário, Nuno "Mustafá" Mendes, líder da claque, ficou em prisão preventiva por suspeitas de tráfico de droga.

A fase de instrução inicia-se no próximo dia 2 de julho, no Campus da Justiça. O ex-presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, será ouvido no dia seguinte.