Tribuna Expresso

Perfil

Atualidade

“Violaste-me no parque de estacionamento, nos balneários e recantos da pista de gelo que nunca suspeitei que existissem”

A antiga patinadora francesa Sarah Abitbol acusa o antigo treinador Gilles Beyer num livro confessional que rebentou num escândalo em França, pois outras ex-atletas vieram a público denunciar alegadas condutas criminosas

Tribuna Expresso

Sarah Abitbol com Stéphane Bernardis, o parceiro na altura em que competia nas pistas de gelo

GERARD JULIEN

Partilhar

Sarah Abitbol tem 44 anos e foi em tempos uma extraordinária patinadora artística francesa, como atestam os seus 10 títulos nacionais. Mas Sarah também é uma mulher que garante ter sido violada, repetidamente, entre 1990 e 1992, por Gilles Beyer, também ele um antigo patinador campeão olímpico, quando era seu treinador.

“Foi a primeira vez que um homem me tocou. Durante dois anos, tu dizias à minha mãe: ‘Hoje vou ser babysitter da Sarah para podermos treinar’. E violaste-me no parque de estacionamento, nos balneários e recantos da pista de gelo que nunca suspeitei que existissem”. À altura dos alegados crimes, Sarah tinha 15 anos e Gilles 70. As revelações da antiga patinadora estão num livro chamado “Um Tão Longo Silêncio” que foram, antes de mais, conhecidas numa entrevista à revista francesa “Le Nouvel Observateur”.

Depois destas confissões, outra patinadora, Hèléne Godard (55 nanos), também acusou Gilles Beyer de a ter molestado sexualmente.

Estes casos levaram à demissão do presidente da federação de patinagem francesa, Didier Gailhaguet, pressionado pela ministra do Desporto, Roxana Maracineanu. A PGR francesa já abriu uma investigação a Gilles Beyer.