Tribuna Expresso

Perfil

Atualidade

Quaresma lembra gesto de jogador que recusou a saudação nazi e foi detido para criticar Ventura. Outra vez

Jogador da seleção nacional diz que nunca teve medo de dizer não ao racismo e recordou gesto de tio-avô durante um jogo

JEWEL SAMAD

Partilhar

Ricardo Quaresma voltou esta quarta-feira a criticar o deputado do Chega André Ventura. Numa publicação no Twitter, o futebolista escreve que a família Quaresma sempre soube estar do lado certo da história e nunca se vergou nem teve medo de dizer não ao racismo. Acontece que Artur Quaresma não era seu tio-avô e, posteriormente, o jogador corrigiu o que tinha publicado, com um post no Facebook a esclarece a situação.

Na publicação original, o jogador da seleção nacional recuperou um texto do site "Abril de Novo Magazine" em que recorda atitude de Artur Quaresma num jogo entre Portugal e Espanha, em 1938. Artur Quaresma recusou fazer uma saudação nazi, assim como mais dois colegas de equipa, um gesto que os levou à prisão pela PVDE, a antecessora da PIDE.

Na terça-feira, Quaresma acusou André Ventura de usar populismo racista para "virar homens contra homens". A publicação do futebolista no Facebook surgiu depois de o líder do Chega ter dito que a comunidade cigana deveria ter um plano de desconfinamento específico.

Hoje, o deputado do Chega reagiu às declarações do internacional português. Garante que não vai voltar atrás na proposta de um plano de desconfinamento específico para a comunidade cigana. Ventura aproveitou ainda para deixar um recado a Quaresma.

*Artigo corrigido às 11h46 com o esclarecimento de Ricardo Quaresma

Garante que não volta atrás na proposta para a comunidade cigana.