Tribuna Expresso

Perfil

Atualidade

"Queremos que se saiba exatamente o que aconteceu com ele": Michael morreu sexta-feira, em junho testara positivo à covid-19

O basquetebolista Michael Ojo apresentou sinais de melhoria, a um diagnóstico de pneumonia, e regressou aos treinos intensivos ao contrário da recomendação médica

Lusa

Wilfredo Lee

Partilhar

O basquetebolista nigeriano Michael Ojo, que morreu sexta-feira aos 27 anos de ataque cardíaco, em Belgrado, tinha testado positivo à Covid-19 em junho, confirmou hoje o seu anterior clube, o Estrela Vermelha.

"Queremos, por princípios morais, que se saiba exatamente o que aconteceu com ele", afirmou o presidente do clube, Nebojsa Covic, em declarações ao canal Sportklub, em que confirmou que Michael Ojo testou positivo à Covid-19.

Nebojsa Covic, de 62 anos, explicou que tanto a família de Michael Ojo como a embaixada da Nigéria na Sérvia pediram esclarecimentos sobre as circunstâncias da morte do basquetebolista, ocorrida na sexta-feira durante um treino.

Jogador começou a ter sintomas no mês de junho

O presidente do clube de basquetebol Estrela Vermelha, que já foi primeiro-ministro e presidente da câmara de Belgrado, explicou que, entre o final de junho e o início de julho, Michael Ojo começou a sentir dores num pulmão, febre e tosse, e o teste foi positivo para o novo coronavírus.

Em 6 de julho, foi diagnosticado com pneumonia no pulmão direito, mas o jogador recusou-se a ser atendido em uma clínica especializada em doenças infecciosas e preferiu receber tratamento num centro privado.

Nebojsa Covic refere que uma semana depois, Michael Ojo foi diagnosticado com início de pneumonia no outro pulmão e os exames de sangue mostraram também valores anormais.

Nos dias seguintes, foi submetido a mais exames que não mostraram sinais de melhora, mas em 6 de agosto um novo teste mostrou que a pneumonia havia desaparecido e a presença de anticorpos, sinais que indicavam que ele havia superado a Covid-19.

Michael Ojo regressou aos treinos ao contrário da recomendação dos médicos

Segundo Covic, Ojo não recebeu autorização dos médicos para treinar, mas sim "a recomendação de realizar atividade física de intensidade moderada", até que se recuperasse totalmente.

No entanto, o jogador realizou quatro treinos entre 31 de julho e 7 de agosto, dia da sua morte, e, segundo Covic, o poste nigeriano tinha dito aos médicos que se sentia muito cansado.

Covic questiona hoje porque é que ninguém no centro onde o jogador foi treinar exigiu o atestado médico que o autorizava a praticar desporto e garantiu que o Ministério Público está a investigar o caso e que o corpo do atleta será submetido a novo teste à Covid-19.

Michael Ojo, que se encontrava sem clube depois de em 2019/20 representar o Estrela Vermelha, desmaiou durante um treino e foi transferido para um centro de emergência, onde os médicos tentaram, sem sucesso, reanimá-lo.

O poste nigeriano chegou à Sérvia em 2017, proveniente dos Estados Unidos, onde cumpriu o seu percurso académico na Universidade da Florida, para representar o FMP de Belgrado. Um ano depois, passou a envergar o emblema do Estrela Vermelha.

Nas duas épocas em que permaneceu no Estrela Vermelha, o poste nigeriano conquistou a Supertaça e o campeonato da Liga Adriática de Basquetebol (ABA), assim como o campeonato sérvio.

Michael Ojo, de 2,17 metros de altura, nascido em Lagos, estava em negociações com o Partizan e a sessão de treino estava a ser acompanhada por alguns elementos do clube sérvio.