Tribuna Expresso

Perfil

Atualidade

Operação Lex. Luís Filipe Vieira entre os 17 acusados. Três são juízes

O Ministério Público concluiu a acusação da Operação Lex. Há 17 acusados e três são juízes: Rui Rangel, o principal arguido; Fátima Galante, mulher do desembargador apesar de estarem separados há anos e Luís Vaz das Neves, que já foi presidente da Relação de Lisboa. Luis Filipe Vieira, presidente do Benfica, irá responder pelo crime de recebimento indevido de vantagem

Rui Gustavo

Partilhar

A investigação da Operação Lex chegou ao fim com uma acusação contra 17 arguidos. Maria José Morgado, responsável pela investigação, vai acusar três magistrados: Rui Rangel, o principal arguido; Fátima Galante, mulher do desembargador apesar de estarem separados há anos e Luís Vaz das Neves, que já foi presidente da Relação de Lisboa. Luis Filipe Vieira, presidente da SAD do Benfica também está entre o rol de 17 acusados e vai responder pelo crime de recebimento indevido de vantagem por ter, alegadamente, aliciado Rui Rangel com bilhetes para jogos viagens ao estrangeiro a troco de informação sobre um processo no Tribunal Fiscal de Sintra que envolvia a empresa do filho.

Os três juízes estão acusados de corrupção. Vaz das Neves, que foi presidente da Relação de Lisboa, também é acusado de abuso de poder por ter entregado manualmente um processo que envolvia Álvaro Sobrinho a Rui Rangel. No entanto, João Rodrigues Martins, advogado do empresário angolano que chegou a estar entre os arguidos, não é acusado e viu o MP arquivar as suspeitas contra si.

José Veiga, ex-empresário de futebol e antigo homem-forte do Benfica para a modalidade, também está entre os acusados.

De acordo com um comunicado enviado pelo Ministério Público, entre os crimes imputados aos 17 acusados está corrupção, usurpação de funções, abuso de poder, fraude fiscal, recebimento indevido de vantagem e branqueamento. O MP calcula que os arguidos tenham conseguido uma vantagem indevida no valor de 1,5 milhões de euros e que tenham provocado um rombo ao Estado em cerca de 474 mil euros.

Entre os acusados está Otávio Correia, funcionário judicial da Relação de Lisboa

Foram extraídas certidões para outros processos e Orlando Nascimento, ex-presidente da Relação de Lisboa, deverá ser investigado por abuso de poder.