Tribuna Expresso

Perfil

Atualidade

Governo admite que Portugal ainda está longe da igualdade de género no desporto

O secretário de Estado da Juventude e Desporto salientou a necessidade de "eliminar estereótipos associados a algumas modalidades, porque não existem desportos só de homens, nem só para mulheres". O setor do desporto é o que tem a maior diferença de salários e prémios entre homens e mulheres

Lusa

ANTÓNIO COTRIM

Partilhar

O secretário de Estado da Juventude e Desporto afirmou hoje que Portugal ainda está longe de alcançar o objetivo da igualdade de género no desporto, mas considerou que o país tem desenvolvido várias iniciativas nesse sentido.

João Paulo Rebelo falava na abertura do Fórum ALL IN -- Rumo à Igualdade de Género no Desporto, durante o qual foi apresentado um estudo que mostra que em Portugal as mulheres representam apenas um terço dos desportistas federados e que as atividades de treinador e a liderança no movimento desportivo são também dominadas por homens.

"A participação de Portugal no projeto [de realização do estudo] permitiu perceber que estamos longe de alcançar o objetivo. É urgente reconhecer os problemas para depois podermos procurar soluções", afirmou.

O governante considerou que as políticas desportivas em Portugal "têm dado exemplos da procura dessa igualdade", dando como referência o programa nacional desporto para todos, que "apresenta objetivos para a garantia plena da participação das mulheres".

João Paulo Rebelo defendeu também a necessidade de "eliminar estereótipos associados a algumas modalidades, porque não existem desportos só de homens, nem só para mulheres" e defendeu a participação feminina em outras áreas do desporto. "Sabemos que a participação de mulheres nas atividades desportivas é importante, mas também devemos potenciar o seu aumento em outras áreas, como o treino e o dirigismo", disse.

Maior diferença entre salários

A secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade lembrou que o setor do desporto é o que tem a maior diferença de salários e prémios entre homens e mulheres, e classificou a promoção da igualdade no desporto como "um trabalho lento, que é preciso acelerar".

"Felizmente, há cada vez maior abertura para discutir este tema e isso é resultado de medidas concretas, como os critérios de majoração, ou as quotas de participação", afirmou Rosa Monteiro.

O Fórum ALL IN -- Rumo à Igualdade de Género no Desporto, que pretende ser um momento de partilha de conhecimento sobre as desigualdades de género no mundo do desporto, a nível nacional e europeu, decorre entre hoje e sábado e é organizado pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ), em parceria com a Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género, os comités olímpico e paralímpico de Portugal e a Confederação do Desporto de Portugal.

Num formato 'online', o Fórum servirá para discutir as abordagens estratégicas recomendadas e o plano de ação nacional (2021-2024) para diminuir barreiras, obstáculos e aumentar a participação das mulheres no desporto, um tema que deu origem ao estudo das diferentes realidades nacionais, com a recolha de dados uniformizados em 18 países, com base num conjunto de indicadores "básicos" de igualdade de género.

Apenas 30% dos desportistas federados em Portugal são mulheres

Esta é uma das conclusões do estudo feito no âmbito do projeto “ALL IN: Towards balance gender in sport”, da União Europeia e do Conselho da Europa, que compilou dados de 18 países com base num conjunto de indicadores de igualdade de género. A discrepância entre a percentagem de treinadores e treinadoras em Portugal ainda é maior
  • Apenas 30% dos desportistas federados em Portugal são mulheres

    Atualidade

    Esta é uma das conclusões do estudo feito no âmbito do projeto “ALL IN: Towards balance gender in sport”, da União Europeia e do Conselho da Europa, que compilou dados de 18 países com base num conjunto de indicadores de igualdade de género. A discrepância entre a percentagem de treinadores e treinadoras em Portugal ainda é maior