Tribuna Expresso

Perfil

Atualidade

João Loureiro tinha lugar marcado num avião privado onde foram apreendidos 500 quilos de cocaína

Notícia SIC

Ex-presidente do Boavista diz que “está a viver um autêntico filme” no Brasil. Garante ser completamente alheio ao que se passou e assegura que continua no Brasil à espera de ser ouvido pelas autoridades

Partilhar

João Loureiro, antigo presidente do Boavista e filho de Valentim Loureiro, era um dos passageiros que iam viajar para Portugal num avião privado onde há uma semana foram apreendidos 500 quilos de cocaína, no aeroporto da Bahia.

À SIC, João Loureiro, que já tinha viajado para o Brasil no mesmo avião, garante ser completamente alheio ao que se passou e assegura que continua no Brasil à espera de ser ouvido pelas autoridades.

A Polícia Federal do Brasil apreendeu no dia 10 de fevereiro meia tonelada de cocaína escondida num avião particular que já tinha recebido autorização para descolar da cidade de Salvador com destino a Portugal, divulgaram esta quarta-feira as autoridades locais.

A droga foi encontrada terça-feira durante uma inspeção que agentes da Polícia Federal fizeram ao avião, que se encontrava na pista do Aeroporto Internacional de Salvador.

A aeronave onde foram encontrados os 500 quilos de cocaína pertence a uma empresa privada que oferece serviços de transporte aéreo. “As investigações continuarão para identificar os responsáveis pela carga ilícita, que poderão responder pelas acusações de tráfico internacional de drogas e associação com o narcotráfico, cujas penas combinadas podem chegar a 25 anos de prisão”, informou um comunicado da Polícia Federal.