Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Atualidade

Família de Di María roubada e sequestrada enquanto jogador estava em campo. Marquinhos foi outro dos alvos

O argentino não foi o único alvo: os meios de comunicação franceses escrevem que os pais de Marquinhos também foram sequestrados durante um assalto

Christian Hartmann

Partilhar

A família de Di Maria foi este domingo roubada e sequestrada enquanto jogador estava em campo. O futebolista do PSG foi substituído aos 62 minutos do jogo com o Nantes.

Segundo o jornal francês L'Équipe, o diretor desportivo Leonardo terá recebido uma chamada a relatar o facto, tendo descido do camarote até ao banco de suplentes para avisar o treinador Mauricio Pochettino. Instantes depois, o argentino fez sair Di María e entrar Paredes para o seu lugar, e pôs um braço sobre o ombro do compatriota enquanto o encaminhava para o balneário.

Mas Di María não foi o único alvo: a RMC garante que os pais do defesa Marquinhos também foram sequestrados em casa durante um assalto. Os dois futebolistas vivem no mesmo bairro e ambos os incidentes foram classificados como "extremamente violentos", particularmente o de Di María, diz a RCM. O "Le Parisién", pelo contrário, descreve um cenário menos pesado: a família de Di María não deu conta da entrada dos ladrões que terão esvaziado o conteúdo de um cofre situado no andar de cima.

No final do encontro, que resultou na derrota dos parisienses (1-2), Pochettino referiu-se ao incidente: "Por vezes, há situações extra-desportivas que explicam certas coisas. Não é uma desculpa [para a derrota], mas esses acontecimentos baixam a nossa energia".

Não é a primeira vez

Esta semana, Di María renovou contrato até junho de 2022 com o PSG, clube ao qual chegou proveniente do Manchester United, em 2015. Foi nesse mesmo ano, em fevereiro, que o extremo argentino e a sua família foram alvos de uma tentativa de assalto e sequestro, quando se encontravam a jantar em casa. O alarme de segurança terá feito fugir os assaltantes - e terá também sido este um dos motivos para Di María querer deixar Inglaterra, diria, mais tarde, Wayne Rooney.