Tribuna Expresso

Perfil

Atualidade

Um Benfica-Sporting com tolerância zero para ajuntamentos depois dos festejos do título

PSP prepara o derby deste sábado com todas as cautelas, na ressaca dos festejos e episódios de violência após a vitória do Sporting no campeonato

Hugo Franco

Quality Sport Images

Partilhar

O Comando Metropolitano de Lisboa da PSP (Cometlis) apresentou esta sexta-feira o plano de segurança para o jogo de amanhã entre o Benfica e o Sporting para o campeonato. Uma conferência de imprensa em que a PSP avisou que não iria responder a perguntas dos jornalistas sobre os festejos e episódios de violência da última terça e quarta-feira por causa da vitória do Sporting no campeonato.

Apesar de não referir demasiados pormenores sobre como vai ser esta segurança antes e durante o derby, que se inicia às 18h deste sábado no estádio da Luz, o intendente Francisco Alves lembrou que apesar de o jogo não ter público nas bancadas, a partir das 15h vai estar já montado um perímetro de segurança alargado nas imediações do estádio. Haverá por isso tolerância zero para ajuntamentos naquela zona, embora seja previsível a presença de claques do Sporting e do Benfica.

"Se não houver motivo para as pessoas se deslocarem ao estádio, ou imediações, não o façam. Vai haver artérias com forte constrangimento de movimentos de carros e de pessoas, entre elas a Av. Machado Santos, Rua Frei Luís de Granada, Alto dos Moinhos e a Av. Lusíada, se necessário. Iremos criar um perímetro mais alargado para as equipas do evento entrarem em segurança”. O intendente Francisco Alves reforçou o apelo para os adeptos das duas equipas para não criarem ajuntamentos, e ao dever cívico de recolhimento.

“O consumo de álcool na via pública não é permitido”, frisou. “Os 'spotters' da PSP vão estar junto dos adeptos.” “Fiquem em casa ou não se desloquem ao estádio sem ter motivo aparente”, alertou.

O perímetro alargado da PSP serve para demover os eventuais ajuntamentos de pessoas, explicou o intendente. “Vamos trabalhar na raiz. Vamos ter equipas da PSP a 360 graus, para reagir e avisar as pessoas que não podem estar nessa situação.”

Inquirido sobre os incidentes durante os festejos, e sobre a atuação da PSP em reação às pedras, garrafas e petardos atirados pelos adeptos, o intendente lembra que está a decorrer um inquérito do MAI, pede para que as pessoas respeitem o Estado de Direito e as autoridades e lembra que os "os polícias são de carne e osso e não são de ferro".