Tribuna Expresso

Perfil

Atualidade

Oficial e “unânime”: Rui Costa assume a presidência do Benfica (designado por Vieira)

Decisão é tomada nos “termos da alínea a) do número 3 do artigo 61 dos estatutos do clube”, ou seja, Rui Costa foi designado especificamente por Luís Filipe Vieira para assumir funções como presidente do Benfica

Lusa

TF-Images

Partilhar

Rui Costa assume a presidência do Benfica depois de Luís Filipe Vieira ter decidido suspender o mandato por estar a ser investigado no processo 'cartão vermelho', confirmou esta sexta-feira o clube.

"O Sport Lisboa e Benfica informa que, nos termos que se encontram estatutariamente previstos e em virtude da comunicação realizada hoje pelo presidente da direção, Luís Filipe Vieira, o vice-presidente Rui Manuel César Costa assume, com efeitos imediatos, a presidência do Sport Lisboa e Benfica, nos termos da alínea a do número 3 do artigo 61 dos estatutos do clube", lê-se no comunicado dos 'encarnados'.

No mesmo documento, publicado no site oficial do Benfica, o clube assegura que "esta nomeação tem o apoio unânime dos membros da Direção do Sport Lisboa e Benfica".

O empresário Luís Filipe Vieira comunicou a suspensão, "com efeitos imediatos", do exercício de funções como presidente do Benfica, em consequência de detenção no âmbito da operação 'cartão vermelho'.

"O Benfica está primeiro, perante os eventos dos últimos dias, no âmbito da operação 'cartão vermelho', em que sou diretamente visado, e enquanto o inquérito em curso puder constituir um fator de perturbação suspendo, com efeitos imediatos, o exercício das minhas funções como presidente do Sport Lisboa e Benfica, bem como de todas as participadas do clube", comunicou o advogado de Luís Filipe Vieira, à porta do Tribunal Central de Instrução Criminal.

O empresário e presidente do Benfica, de 72 anos, foi um dos quatro detidos na quarta-feira numa investigação que envolve negócios e financiamentos superiores a 100 milhões de euros, com prejuízos para o Estado e algumas sociedades.

Segundo o Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) estão em causa factos suscetíveis de configurar "crimes de abuso de confiança, burla qualificada, falsificação, fraude fiscal e branqueamento de capitais".

Para esta investigação foram cumpridos 44 mandados de busca a sociedades, residências, escritórios de advogados e uma instituição bancária em Lisboa, Torres Vedras e Braga. Um dos locais onde decorreram buscas foi a SAD do Benfica, que em comunicado adiantou que não foi constituída arguida.

No mesmo processo foram também detidos Tiago Vieira, filho do presidente do Benfica, o agente de futebol Bruno Macedo e o empresário José António dos Santos, conhecido como "o rei dos frangos".