Tribuna Expresso

Perfil

Automobilismo

Brigadas internacionais nas 24 Horas de Fronteira

Forte participação de pilotos estrangeiros na grande prova de resistência disputada este fim-de-semana na vila alentejana de Fronteira

Rui Cardoso

Dan Istitene

Partilhar

Mais de um terço das 84 equipas inscritas nas AFN 24 Horas TT Vila de Fronteira são estrangeiras, sobretudo vindas de França. A prova que já vai na 21ª edição, realiza-se este fim-de-semana na vila alentejana de Fronteira, encerrando a temporada do todo-o-terreno português. Os treinos que determinarão a grelha de partida realizam-se sexta-feira, dia 30 de Novembro, à tarde. A partida é às 14 horas de sábado dia 1 e a chegada à mesma hora de domingo, sendo a prova organizada pelo ACP Motorsport.

A estas equipas estrangeiras corresponde também o melhor material e alguns dos melhores pilotos, uns especialistas deste tipo de provas, outros com palmarés no Dakar. Trata-se quase sempre de protótipos concebidos de origem para provas de resistência, com estruturas tubulares muito leves e motorizações acima dos 250 cv. O grosso do pelotão dos participantes é constituído por jipes e pick-ups mais ou menos próximos das versões de série, cujo trunfo é a fiabilidade e a capacidade de transpor eventuais zonas de muita lama ou água em caso de condições climatéricas adversas. Finalmente há uma meia dúzia de automóveis de tracção às duas rodas, incluindo um Renault 4 ou uma Peugeot 504 cujo objectivo é tentar chegar ao fim com a chapa tanto quanto possível intacta e a mecânica a funcionar.

Duas equipas femininas

Se a grande maioria das equipas é masculina há duas exclusivamente femininas. É o caso da 59, em Suzuki Jimny com Ana Pereira, Otília Marto, Sílvia Reis e Paula Marto e da 85, num protótipo Propulsion Steenbok com Isabelle Patissier, Cristina Giampaoli, Jessye Murat e Lígia Albuquerque, esta última a mais antiga piloto portuguesa de TT em actividade.

O Campeão Nacional de TT de 2016 volta ao Terródromo de Fronteira pela sétima vez fazendo equipa com com Alexandre Ré e Victor Conceição e aos comandos de um protótipo MMP Rally Raid.

Do lote de participantes notáveis faz parte gente vinda dos ralis como Ricardo Teodósio ou Pedro Almeida. Outros dos animadores do campeonato nacional de ralis estarão presentes mas numa prova paralela realizada sábado de manhã com a duração de quatro horas e reservada a SSV, os vulgarmente designados “aranhiços”. É o caso de José Pedro Fontes e Miguel Barbosa.

Luta entre pai e filho

Algumas equipas estrangeiras merecem uma referência especial. Desde logo a equipa luso-francesa de Mário Andrade, cinco vezes vencedora da prova, que este ano se desdobra em duas, uma capitaneada pelo patriarca Mário e a outra pelo seu filho Alexandre. Um dos seus grandes adversários vem também de França: a equipa de Gilles Billaut, composta pelo próprio e por Philippe Boutron, Antoine Galland e Laurent Fouquet vencedora da última edição das 24 Horas de Paris. Haverá ainda o regresso do Mini All4 Racing, apresentado pelo preparador alemão X-Raid pilotado por Michele de Nora, Carlo Cinotto, Paolo Bacchella e Michele Cinotto.

Como habitualmente andarei por lá ao volante do meu mais que histórico Nissan Patrol GR e dar-vos-ei conta do desenrolar da corrida vista por dentro nas crónicas a publicar na Tribuna Expresso.

A grande maioria das 84 equipas que vão alinhar nesta 21ª edição das AFN 24 Horas TT Vila de Fronteira são compostas totalmente por homens, ou contam com uma presença minoritária de mulheres. A grande maioria, mas não a totalidade!