Tribuna Expresso

Perfil

Diogo Pombo

Diogo Pombo

Jornalista

Começou longe do desporto, no Sol e no I, até ajudar a fundar o Observador, onde o deixaram entrar a pés juntos nestes campos. Está sempre de olho no futebol e em tudo o que tem uma bola à mistura, para escrever sobre isso. Quando não pode, tenta estar a jogar qualquer coisa. Ou ver outros a fazerem história, jogando, como no Europeu de 2016, quando andou por França atrás da seleção. Pouco depois, chegou ao Expresso.

  • No meio do caos e descontrolo nasceu um tipo chamado Vietto

    Sporting

    O Sporting é líder do campeonato à terceira jornada porque encontrou, finalmente, o jogo interior e criador que pode ser gerado entre Bruno Fernandes e Luciano Vietto, que apareceu no meio de um jogo de loucos contra o Portimonense, que venceu (3-1) à lei das transições rápidas e contra-ataques constantes durante quase uma hora

  • Os números de Ferro não foram de ferro no clássico e a culpa é do contexto

    Futebol nacional

    O resultado do clássico não é uma consequência, de forma alguma, de Ferro ter sido o defesa que menos duelos ganhou, mais passes errou na saída de bola e o mais vezes foi driblado no Benfica. Os seus números individuais são, sim, uma consequência de como a equipa jogou e o FC Porto atacou. Logo, do contexto que foi criado para que fosse o português a ter mais ações defensivas - e mais hipóteses de as coisas lhe correrem mal

  • Sim, o risco até compensa

    Futebol nacional

    O Benfica não teve Rafa para saídas rápidas, nunca ligou jogo interior com Pizzi a ir ao centro do campo, jamais viu Grimaldo a construir jogadas e em minuto algum chegou à área contrária com a bola controlada. Porque o FC Porto pressionou alto, anulou tudo o rival tem de forte, criou oportunidades para marcar e ganhou (2-0) o clássico que apenas viu um remate perigoso dos encarnados ao fim de hora e meia

  • Uma vida medida ao milímetro, Ronaldo

    Ronaldo

    O português para quem não rematar uma bola para dentro da baliza faz dele notícia é-o porque o VAR assim o quis. Ou porque o seu ombro estava à frente da linha definida pelo joelho de Bruno Alves, o que deu um fora-de-jogo milimetricamente detetado pela tecnologia que dá morte aos golos, durante a vitória (0-1) da Juventus em Parma

  • Neymar só está bem onde não está

    Futebol internacional

    O brasileiro das fintas mil, cujo talento é espetacular e inegável, é o jogador mais caro de sempre que não quer estar mais onde está. Mesmo com 51 golos em dois anos, o projeto Neymar no PSG falhou e o jogador alvo de milhões de euros é o mesmo que, agora, é milenar nas razões que podem levar um clube a duvidar em contratá-lo

  • Pela primeira vez, o mundo oval é de Gales

    Râguebi

    Findas 509 semanas consecutivas (quase 10 anos) em que o ranking mundial de râguebi foi liderado por tipos vindos da terra onde há mais ovelhas do que pessoas, há uma mudança inédita: o País de Gales é o novo número um, agora que faltam 31 dias para o arranque do Mundial

  • O FC Porto cruzou muito. Corona acertou um em nove

    FC Porto

    O FC Porto cruzou a bola 34 vezes para a área do Krasnodar e 18 aconteceram na segunda parte, quando a equipa passou a tentar atacar a baliza russa ainda mais dessa forma, por fora e deixando vários jogadores na área. Fê-lo através de dois jogadores em particular, responsáveis por metade desses cruzamentos após o intervalo. Um deles só acertou uma bola que cruzou para a área em todo o jogo e, mesmo assim, a equipa continuou a 'forçá-lo' a cruzar