Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Diogo Pombo, enviado ao Euro 2020

Diogo Pombo, enviado ao Euro 2020

Jornalista

Começou longe do desporto, no Sol e no I, até ajudar a fundar o Observador, onde o deixaram entrar a pés juntos nestes campos. Está sempre de olho no futebol e em tudo o que tem uma bola à mistura, para escrever sobre isso. Quando não pode, tenta estar a jogar qualquer coisa. Ou ver outros a fazerem história, jogando, como no Europeu de 2016, quando andou por França atrás da seleção. Pouco depois, chegou ao Expresso.

  • Que se pegue nesta triste canção e se faça melhor
    Euro 2020

    A Bélgica acertou apenas um remate na baliza, Portugal perdeu (1-0) e foi eliminado do Europeu nos oitavos-de-final é o resumo possível de uma despedida. O outro, é contar como a seleção se atreveu a pressionar alto os belgas, a arriscar e a jogar com os mais amigos da bola ao mesmo tempo, durante 45 minutos. Tentou remediar-se, mas só quando já não havia outro remédio e, pelo segundo grande torneio seguido, Portugal fica aquém da sorte que tem: a de ter bastante potencial para poder fazer melhor

  • Em torneio de nómadas, tenta ser sedentário (como Portugal)
    Euro 2020

    Excluindo quem jogou em casa, Portugal foi quem menos horas passou em aviões até aos oitavos-de-final do Europeu. Ao contrário da Bélgica, o próximo adversário a seleção nacional, que acumulou cerca de 18 horas de viagem até chegar a Sevilha, onde se defrontam este domingo (20h, TVI)

  • Tiago Ferreira, o central que pede pressão contra os três centrais da Bélgica: "Caso contrário, é muito difícil cobrir o espaço por fora"
    Euro 2020

    O central português de 27 anos jogou esta temporada no MTK de Budapeste, antes disso na Roménia num sistema de 3-4-3, tal e qual os belgas, próximos adversários de Portugal no Euro. Em conversa com a Tribuna Expresso, falou de como se enfrenta este tipo de sistema e como se pode pressionar os centrais, deixando também elogios a Pepe, que diz ser "sensacional", "um rapazito que ainda está ali e vai jogar mais cinco ou seis anos"

  • Fernando Santos quer morrer com as suas ideias, não é com as ideias dos outros
    Euro 2020

    A falta de critério defensivo durante aquela hora desastrosa em Munique voltou a ser tema, também o foram as coisas que ainda faltam a Portugal na definição das jogadas, nos últimos 20/30 metros do campo. Houve conversa informal entre o selecionador nacional e os jornalistas, esta quinta-feira, em Budapeste, e Fernando Santos lembrou, uma vez mais, que jogar bem é uma coisa binária, é defender tão bem quanto se ataca. E garantiu: não há seleção que conquiste coisas sem o fazer

  • Não vale mesmo a pena ir para a estrada com a senhora sorte
    Euro 2020

    O jogo de Portugal com a França terminou ao ralenti, sendo uma amostra de futebol inofensivo porque o 2-2 servia a toda a gente, alemães incluídos. Cristiano Ronaldo marcou dois penáltis, já é quem mais golos tem (109) por uma seleção e esta, nestes 90 minutos, esteve em 1.º e 2.º lugar do grupo e até fora do Europeu, mas, pelo segundo torneio seguido, está nos oitavos-de-final graças a ser um dos melhores terceiros. Porque, neste jogo, lutou contra o incontrolável

  • Não perguntem a Robert Pirès sobre a seleção portuguesa: "Gosto sempre muito de Portugal, o problema é esse. Também sou português"
    Euro 2020

    As conversas também surgem por sorte e encontrar um ex-campeão mundial e europeu no pequeno-almoço do hotel só pode ser boa fortuna. O simpático Robert Pirès, a expressar-se no seu português com sotaque, não gosta que lhe perguntem sobre Portugal quando em causa está um jogo contra a França, mas, em entrevista à Tribuna Expresso ainda em Munique, explicou por que não critica jogadores na televisão, admitiu a sua preferência por Bruno Fernandes e lembrou como "não é fácil" para os futebolistas passarem semanas sem "a fórmula vitamínica" que é verem as famílias de vez em quando

  • Um entrou no futebol com uma carta enviada a Bielsa, o outro foi pelo Irão. Conheceram-se há um mês, agora treinam na I divisão da Hungria
    Euro 2020

    João Janeiro entrou futebol profissional dentro quando "atirou o barro à parede" e enviou uma carta a Marcelo Bielsa com um CD cheio de relatórios de jogo. Foi analista no Athletic Bilbao, também no Abu Dhabi e depois iria para os EUA antes de acabar na Hungria devido a uma surfada com pessoas que conheciam pessoas. E, para seu adjunto, foi buscar Ricardo Pedro, que andou por Irão, Moldávia, Vietname e Angola e a quem vai pagar do próprio salário. Os dois vão treinar o Kisvárda e apenas se conheceram cerca de um mês antes de falarem com a Tribuna Expresso num café de Budapeste

  • Do café de Budapeste à caixa de pandora da Alemanha
    Euro 2020

    João Janeiro, o único treinador português na Hungria, começou no futebol como analista de Marcelo Bielsa e Fernando Santos foi uma espécie de mentor para a sua entrada no curso de IV Nível da UEFA. Encontrámo-nos com ele em Budapeste, onde disse que não se sabe bem o que esperar da "incógnita" que é esta Alemanha "em renovação"

  • Arnold, o segurança que guarda a Allianz Arena, estádio que já não é o seu
    Euro 2020

    Se não está próximo da idade da reforma, estará quase. Arnold Lemke é um dos seguranças que trabalha na Allianz Arena, onde TSV 1860, o seu clube de Munique, já não joga devido a problemas financeiros, mas no sábado joga Portugal com a Alemanha. "Vou ler tudo sobre o jogo para me preparar", diz o senhor que habituado estará a estudar: sabe, por exemplo, a altura das torres de televisão de cidades um pouco por todo o mundo