Tribuna Expresso

Perfil

Lídia Paralta Gomes

Lídia Paralta Gomes

Jornalista

Escreveu o primeiro texto sobre futebol aos 7 anos, quando a professora primária pediu uma redação de tema livre à turma. Daí até começar a esgueirar-se pela papelaria da terra para ler os desportivos à socapa foi um pequeno passo. Ainda tentou Direito, mas logo percebeu que aquela composição tinha o carimbo do destino. Estudou jornalismo na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e, depois de uma passagem por Madrid, aterrou em Lisboa para estagiar no Record. Por lá ficou seis anos, até chegar ao Expresso em 2016. É capaz de fazer quilómetros por um bom arroz de cabidela, ainda que nenhum deles seja como o da sua mãe.

  • Um FC Porto deskoffienado

    FC Porto

    Pouco seguro na defesa e incipiente na hora de rematar à baliza, o FC Porto escorregou (1-1) em casa do Belenenses SAD, que jogou com as armas que tinha, nomeadamente a grande exibição do guarda-redes Hervé Koffi. Os dragões já estão a quatro pontos do Benfica

  • E se Carlos Vinícius tiver sido, afinal, barato?

    Benfica

    O preço de Carlos Vinícius deixou muito boa gente com dúvidas no início da temporada mas, mais uma vez, o brasileiro foi decisivo, ainda para mais num campo difícil como é o Estádio do Bessa. Vitória por 4-1 do Benfica frente ao Boavista, com dois golos e uma assistência do avançado que, por estes dias, já não parece assim tão caro

  • Está a correr-te tudo mal, Bruno, não estava?

    Sporting

    Bruno Fernandes, mais uma vez, para o resgate. Numa noite em que nada parecia estar a sair bem ao capitão do Sporting, ainda assim o médio teve a capacidade de decidir, com um golo e uma assistência nos minutos finais que deram a vitória ao Sporting por 2-0 frente ao Gil Vicente. A final four da Taça da Liga está menos complicada

  • O 8.º dia do julgamento de Alcochete: a segurança, Bas Dost a chorar no chão e os pedidos dos jogadores para falar longe dos arguidos

    Atualidade

    Prosseguiu esta terça-feira o julgamento da invasão à Academia do Sporting, no Tribunal de Monsanto. O diretor de segurança da Academia continuou a ser ouvido, mas houve caras novas no julgamento do ataque em Alcochete: Manuel Fernandes e Paulo Cintrão também foram inquiridos, numa sessão marcada pelas questões sobre a segurança do local. No final da manhã, o advogado do Sporting anunciou que Bruno Fernandes, Ristovski, Coates, Acuña, Wendel, Maximiano, Mathieu e Battaglia pediram para ser ouvidos por vídeoconferência ou com os arguidos fora da sala

  • O 7.º dia do julgamento do caso de Alcochete: os quatro elementos reconhecidos por Ricardo Gonçalves, cintos, socos, geladeiras a voar

    Atualidade

    Sétimo dia do julgamento do caso de Alcochete teve o testemunho do então diretor de segurança da Academia do Sporting. Ricardo Gonçalves descreveu as agressões: socos, empurrões, geladeira a voar, cintos como arma. “Vou matar-te, não jogas nada, não vão sair daqui vivos”, diz ter ouvido, ele que admitiu ter reconhecido quatro elementos da Juve Leo. Durante a parte da tarde, os advogados de defesa dos arguidos tentaram descredibilizar o testemunho do funcionário do Sporting

  • Um jovem rapaz renascido

    FC Porto

    Em casa do Young Boys, houve um rapaz a nascer de novo para o jogo e para o golo. Aboubakar foi titular, pela primeira vez esta época, e marcou pela primeira vez desde setembro de 2018, um bis que desenovelou um encontro que chegou a estar complicado para o FC Porto. A vitória por 2-1, numa reviravolta conseguida já nos últimos 15 minutos, deixa os dragões dependentes apenas de si próprios para seguir em frente na Liga Europa

  • O incrível Hulk já não é assim tão incrível

    Fórmula 1

    Chegou à Fórmula 1 como um futuro campeão do Mundo e partirá (para já) como o piloto com mais grandes prémios realizados sem qualquer pódio. Ainda assim, a saída de Nico Hulkenberg da Renault e da grelha, onde será substituído por Esteban Ocon, parece estranha aos colegas do alemão, um talento a quem talvez tenha faltado uma oportunidade numa das equipas de topo

  • Chama-se Hannah Schmitz e tornou-se numa das poucas mulheres a alguma vez subir ao pódio na F1. Porque a vitória de Verstappen também é dela

    Fórmula 1

    O triunfo do holandês da Red Bull chegou com uma mistura de talento e velocidade dentro do carro e de coragem e risco na box. Foi lá que Hannah Schmitz, engenheira de estratégia da equipa austríaca, congeminou o plano que deixou Verstappen no controlo da corrida. E, por isso, a Red Bull ofereceu-lhe a justa honra de subir ao pódio para receber a taça da vitória por construtores, tornando-se apenas na 6.ª mulher em mais de mil corridas a fazê-lo

  • Carmelo está de volta. Será o canto do cisne?

    NBA

    Aos 35 anos e sem equipa desde janeiro, Carmelo Anthony parecia esquecido para a NBA, pouco crente que aquele que um dia foi um dos jovens mais impressionantes da liga possa voltar a dar jeito a quem quer que seja. Mas o extremo está de volta, talvez para uma última oportunidade, nuns Portland Trail Blazers desesperados e em crise de resultados