Tribuna Expresso

Perfil

Lídia Paralta Gomes

Lídia Paralta Gomes

Jornalista

Escreveu o primeiro texto sobre futebol aos 7 anos, quando a professora primária pediu uma redação de tema livre à turma. Daí até começar a esgueirar-se pela papelaria da terra para ler os desportivos à socapa foi um pequeno passo. Ainda tentou Direito, mas logo percebeu que aquela composição tinha o carimbo do destino. Estudou as artes do jornalismo na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e, depois de uma passagem por Madrid, aterrou em Lisboa para estagiar no Record. Por lá ficou seis anos, até chegar ao Expresso em 2016.

  • O Benfica e as noites brancas na Europa

    Benfica

    Continua difícil a vida do Benfica, que depois da derrota em casa na estreia, voltou a perder na Liga dos Campeões, em casa do Zenit por 3-1. Se nas Noites Brancas de Dostoiévski, o jovem e sonhador narrador se apaixonava por Nastenka, o Benfica parece ter-se apaixonado por um discurso vão sobre uma tal de “dimensão europeia”. Só que esta demora a chegar

  • Serviços mínimos e o ai jesus

    FC Porto

    O FC Porto marcou cedo mas não se impôs e nos últimos minutos sofreu para arrancar uma vitória por 1-0 em casa do Rio Ave, que começou assim-assim e acabou a encostar os dragões às cordas

  • A desgraça da Ferrari foi o ganho de Hamilton na Rússia

    Fórmula 1

    Lewis Hamilton voltou às vitórias no Mundial no GP Rússia, bastião da Mercedes desde 2014. Numa prova em que tudo parecia indicar novo domínio da Ferrari, a desistência de Sebastian Vettel deitou tudo a perder. Ganhou a estratégia da Mercedes, que permite ao britânico aumentar ainda mais a vantagem no topo da tabela de pilotos

  • A madrugada prateada do "jovem" João Vieira

    Modalidades

    João Vieira foi mais forte que o calor e a humidade de Doha e conquistou já madrugada dentro a medalha de prata nos 50 km marcha, depois de uma prova de trás para frente. Aos 43 anos, não só conquistou a primeira medalha para Portugal nestes Mundiais como se tornou no mais velho medalhado de sempre na história dos Mundiais de atletismo. Inês Henriques desistiu a 12 km da meta

  • Nuno Pinto, o português que treinou estrelas da Fórmula 1: "Em talento puro, os melhores que treinei foram Verstappen, Leclerc e Ocon"

    Entrevistas Tribuna

    Se tenistas, golfistas e futebolistas têm treinadores, porque não pode um piloto ter? Foi o que pensou Nuno Pinto quando em 2009 se tornou driver coach. Daí para cá, o português teve a oportunidade de trabalhar com alguns dos maiores talentos da atualidade e entre 2017 e 2018 conheceu por dentro o paddock da Fórmula 1, ao lado de Lance Stroll na Williams. À Tribuna Expresso, numa pausa antes de partir para o GP Rússia, em Sochi, explica porque não gostou assim tanto de estar na Fórmula 1, porque é que o trabalho nas fórmulas de iniciação é muito mais interessante, o que é o talento puro e como ele se consegue ver logo à primeira volta, como é trabalhar com Mick Schumacher, filho de Michael Schumacher, e o que é, afinal, ser um treinador de pilotos

  • Uma questão de nervos

    Benfica

    O Benfica venceu o V. Setúbal por 1-0, voltou a agarrar os 3 pontos, mas os dias das goleadas e do futebol intenso parecem andar em paradeiro desconhecido. Foi mais um jogo de nervos para a equipa de Bruno Lage, que teve o condão de acertar nas alterações: Carlos Vinícius saiu do banco para fazer o único golo do jogo

  • Leclerc como Schumacher

    Fórmula 1

    Charles Leclerc conquistou a sexta pole do ano e vai partir na frente para o GP Rússia, em Sochi. É a quarta pole seguida para o monegasco. O último piloto da Ferrari a fazê-lo? Michael Schumacher

  • Com vontade (de) grande

    Benfica

    O V. Guimarães foi ao Estádio da Luz jogar como grande frente ao Benfica, num o jogo acabou sem golos. Mas golos foi mesmo a única coisa que faltou, porque oportunidades e futebol decente também podem acontecer em noites de quarta-feira da Taça da Liga