Tribuna Expresso

Perfil

Benfica

SAD do Benfica constituída arguida no caso e-toupeira

A Sociedade Anónima Desportiva (SAD) do Sport Lisboa e Benfica foi constituída arguida no processo e-toupeira, avançou a "SIC Notícias", esta segunda-feira. A informação foi confirmada à Tribuna Expresso pelo clube da Luz

Tribuna Expresso

Gualter Fatia

Partilhar

A SAD do Benfica foi constituída arguida no caso E-Toupeira, informação confirmada à Tribuna Expresso pelo clube da Luz. A notícia foi inicialmente avançada, esta segunda-feira, a "SIC Notícias".

O canal de televisão adiantou, também, que Domingos Soares de Oliveira, CEO da SAD encarnada, e Nuno Gaioso Ribeiro, vice-presidente do Benfica e administrador da SAD, já terão comparecido perante do Ministério Público, apenas para estarem presentes no ato de notificação do processo.

À Tribuna Expresso, o Benfica garantiu que emitiria um comunicado sobre a matéria "dentro de minutos", o que veio a acontecer.

Em março, Paulo Gonçalves, assessor jurídico da SAD do Benfica, foi constituído arguido do processo, ficando em liberdade, mas proibido de contactar outros arguidos no processo. Como José Silva, funcionário do Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos de Justiça que, contudo, ficou em prisão preventiva.

Paulo Gonçalves é suspeito de corrupção ativa e ficou em liberdade depois de ter sido ouvido pela juíza de instrução Cláudia Pina. O Ministério Público e a Polícia Judiciária tinham fortes indícios, como noticiou a Tribuna Expresso, em março, de que o funcionário da SAD do Benfica recebeu informação confidencial de investigações em curso sobre o clube por parte do funcionário judicial.

Face às informações que, na altura, foram possíveis de apurar, a SAD do Benfica poderia ser constituída arguida caso fosse provado que tinha sido beneficiada da informação alegadamente recolhida por Paulo Gonçalves.