Tribuna Expresso

Perfil

Benfica

PGR esclarece que Luís Filipe Vieira não é arguido no caso dos emails

Gabinete da PGR garante à Tribuna Expresso que há apenas um arguido no caso e não é nenhum dos nomes referidos na notícia avançada esta manhã

Hugo Franco

MIGUEL A. LOPES

Partilhar

O presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, não é arguido no caso dos e-mails. Contactada pela Tribuna Expresso, a Procuradoria-Geral da República esclarece que há de facto um arguido no processo mas que não se trata do dirigente encarnado.

"Neste momento, o referido inquérito tem um arguido constituído, não sendo nenhuma das pessoas mencionadas na notícia", esclarece a PGR.

Esta manhã, o "Correio da Manhã" dava conta de que Luís Filipe Vieira era arguido, há quase um ano, por corrupção desportiva do caso dos e-mails, juntamente com Paulo Gonçalves, ex-assessor jurídico do Benfica acusado no âmbito do processo E-Toupeira, Pedro Guerra, comentador desportivo, e Adão Mendes, ex-árbitro de futebol.

Segundo o matutino, esta informação constaria de uma certidão enviada para o processo que agora vai chegar à fase de instrução. No documento em causa, lia-se que a apreensão dos telemóveis e Ipads de Luís Filipe Vieira foi feita no âmbito da sua alegada constituição como arguido.

Buscas na Luz

Há quase um ano, a PJ e o MP realizaram buscas buscas no Estádio da Luz no âmbito do caso dos e-mails, horas depois da derrota caseira do Benfica contra o Manchester United.

A PGR confirmou na altura a ocorrência das buscas em comunicado e já referia a existência de um suspeito: "No inquérito investiga-se a prática, por parte de um suspeito, dos referidos crimes, relacionados com os denominados emails do Benfica. A operação encontra-se em curso, contando com a presença de 4 magistrados do Ministério Público, 2 Juízes de instrução e 28 elementos da PJ, incluindo Inspectores e Peritos financeiros e contabilísticos e informáticos”.

O caso dos e-mails começou quando o Porto Canal passou a revelar o conteúdo de correio eletrónico dos encarnados os quais, segundo os responsáveis do FC Porto, configuravam tráfico de influências junto da arbitragem. De acordo com o FCP, as trocas de bilhetes entre elementos da FPF e do Benfica, relatórios de arbtragem, comunicações entre Paulo Gonçaves e responsáveis pela classificação dos árbitros, fazem parte do rol de indícios de alegada corrupção desportiva.

Francisco J. Marques arguido

Em julho, o diretor de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques, confirmou ao "Record" a sua constituição como arguido no caso dos e-mails, por suspeitas do crime de violação de correspondência privada ao divulgar o conteúdo de emails do Benfica sem consentimento. "É verdade que sou arguido por esse processo, mas não estou nada preocupado. Não roubei, nem violei nada. Limitei-me a receber os emails e divulguei aqueles que considerei serem de interesse público", explicou ao diário desportivo.

Francisco J. Marques tinha sido interrogado pela Polícia Judiciária quatro meses antes, já como arguido.

[artigo atualizado às 15h00]