Tribuna Expresso

Perfil

Benfica

Vieira não teve a “intenção” de vender Rui Vitória, mas também não “corta as pernas” a ninguém

Em entrevista à TVI, o presidente do Benfica explicou que o Everton manifestou interesse em comprar Rui Vitória e que fez chegar uma oferta financeira acima daquela que o Benfica poderia pagar ao técnico

NurPhoto

Partilhar

Luís Filipe Vieira afirmou esta terça-feira, em entrevista à TVI, que nunca teve a intenção de vender Rui Vitória, justificando assim o telefonema que fez ao empresário César Boaventura em que os dois negociaram os valores de uma eventual saída do treinador para o Everton e cujo conteúdo foi revelado. “Pelas condições que me disseram que iam fazer os contratos, não era eu que iria cortar as pernas ao Rui Vitória”, disse o Presidente do Benfica, realçando que a diferença entre o que Rui Vitória recebia no Benfica e aquilo que iria receber era de “oito vezes mais”.

Vieira sublinhou que o treinador é um “chefe de família” e que o “vetor família” é importante para o clube. “Não há um jogador, após a saída, que diga mal do Benfica. Se um jogador ou treinador tem alguma proposta, não vale a pena estarmos a ‘entreter’, como costumo dizer. A vida é assim, está feita disso. O cemitério está cheio de insubstituíveis”, afirmou o presidente.

Luís Filipe Vieira também defendeu que “há hoje uma grande injustiça em relação ao Rui Vitória. Isto porque “nos primeiros dois anos conquistou seis títulos, soma o máximo de pontos, foi bicampeão no Benfica e os adeptos habituaram-se a ganhar muito”.

“Rui Vitória tem um trabalho fantástico na formação, lançou cerca de 10 jogadores na equipa principal do Benfica e tem sido injustiçado. É o treinador certo para o projeto”, acrescentou, garantindo que, por sua vontade, Vitória será treinador até ao final do contrato, que termina no verão de 2020. Também prometeu que se ficar provado que cometeu atos ilícitos que resultaram em corrupção, se demitirá do clube, porque “sempre” criticou a “atitude dessas pessoas”.

O presidente do Benfica prometeu que se demite se for provado que o clube cometeu atos ilícitos que resultaram em corrução: “Posso-lhe garantir, se algum dia se provar que ao longo destes 15 anos, algum dia o Benfica praticou atos ilícitos e corrupção, garanto-lhe que me demito, porque critiquei sempre essas atitudes dessas pessoas”.