Tribuna Expresso

Perfil

Benfica

Ministério Público recorre no caso e-toupeira

Procurador Valter Alves insiste no julgamento do Benfica e vai recorrer da decisão da juíza Ana Peres, que ilibou a SAD de todos os trinta crimes de que era acusada

Rui Gustavo

ANTONIO COTRIM/LUSA

Partilhar

O Ministério Público não se conforma com a decisão da juíza de instrução Ana Peres e vai recorrer da não-pronúncia da SAD do Benfica, que era acusada de trinta crimes, incluindo corrupção.

De acordo com uma fonte judicial, o procurador Valter Alves, que na fase de instrução argumentou que poucos casos de corrupção eram tão claros como este, vai insistir no julgamento do Benfica junto do Tribunal da Relação de Lisboa, que irá apreciar o recurso.

Na decisão instrutória que ilibou a SAD, a juíza argumentou que os indícios de corrupção eram "vagos e imprecisos" e que o Benfica não estava obrigado a vigiar os atos do seu assessor jurídico Paulo Gonçalves, que irá ser julgado por corrupção, tal como o funcionário judicial José Augusto Silva, que deixou de estar em prisão domiciliária.

Júlio Loureiro, que é escrivão e foi observador de árbitros, também foi despronunciado dos crimes de que era acusado.

O Ministério Público sustenta que todos os arguidos montaram "uma teia de interesses" que beneficiou todos. Paulo Gonçalves terá tido acesso a documentos judicias cedidos por José Augusto Silva a troco de camisolas e bilhetes para jogos do Benfica. A juíza destruiu quase toda a argumentação do MP, mas a palavra final será agora dada pelos desembargadores da Relação.

Contactado pelo Expresso, o advogado do Benfica, João Medeiros, disse que o recurso é "um direito que assiste ao Ministério Público".