Tribuna Expresso

Perfil

Benfica

Rui Pinto, o alegado hacker dos emails do Benfica, foi detido pela PJ na Hungria

Detenção foi confirmada em comunicado pela Polícia Judiciária e PGR. Rui Pinto é suspeito dos crimes de extorsão qualificada na forma tentada, acesso ilegítimo, ofensa a pessoa coletiva e violação de segredo e deverá ser extraditado para Portugal no espaço de "três semanas a um mês". Contactado pela Tribuna Expresso, o Benfica diz preferir aguardar e declinou comentar

Hugo Franco e Pedro Candeias

Partilhar

Rui Pinto, o alegado pirata informático que terá roubado emails do Benfica, foi esta quarta-feira detido pela Polícia Judiciária.

A notícia foi confirmada pela PJ e pela PGR através de comunicado. Segundo a Procuradoria-Geral da República, que não cita a identidade do hacker, “na sequência de diligências cumpridas em sede de cooperação internacional em país comunitário”, foi concretizada “a detenção de um cidadão nacional de 30 anos de idade, sobre quem impendia Mandado de Detenção Europeu”.

O Expresso sabe que Rui Pinto foi detido na Hungria e ainda não se encontra em território nacional. É suspeito dos crimes de extorsão qualificada na forma tentada, acesso ilegítimo, ofensa a pessoa coletiva e violação de segredo e foi detido no âmbito da operação CYBERDUNA.

Contactado pela Tribuna Expresso, o Benfica diz preferir aguardar, declinando comentar a detenção do alegado hacker.

Em Portugal daqui a três semanas

Carlos Cabreiro, diretor da Unidade Nacional de Combate ao Cibercrime e à Criminalidade Tecnológica, confirmou em conferência de imprensa que o suspeito foi detido em Budapeste, em colaboração com as autoridades húngaras. Sem nunca referir o nome Rui Pinto, Cabreiro afirma que o suspeito virá para Portugal num prazo de "três semanas a um mês" e que foi apreendido também material informático do suspeito.

Confirmou que é um alvo que a PJ já tinha detetado na extração de documentos mas evitou referir casos concretos em que possa estar envolvido. As autoridades vão agora investigar a existência de possíveis cúmplices. De acordo com Carlos Cabreiro, Rui Pinto não terá oferecido resistência na hora da detenção.

Leia aqui o comunicado:

"Ao abrigo do disposto no art.º 86.º, n.º 13, alínea b) do Código de Processo Penal, a Procuradoria-Geral da República e a Policia Judiciária esclarecem:

No âmbito de inquérito dirigido pelo Ministério Público, com investigação realizada pela Polícia Judiciária e na sequência de diligências cumpridas em sede de cooperação internacional em país comunitário, foi concretizada a detenção de um cidadão nacional de 30 anos de idade, sobre quem impendia Mandado de Detenção Europeu.

Em causa estão factos suscetíveis de integrarem crimes de extorsão qualificada na forma tentada, acesso ilegítimo, ofensa a pessoa coletiva e violação de segredo.

O inquérito corre termos no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) e o Ministério Público é coadjuvado pela Unidade Nacional de Combate ao Cibercrime e à Criminalidade Tecnológica (UNC3T) da Polícia Judiciária.

Refira-se que a Polícia Judiciária está a acompanhar presencialmente a execução da detenção e das diligências subsequentes, no âmbito de uma Decisão Europeia de Investigação. (DEI)"