Tribuna Expresso

Perfil

Benfica

Seferovic diz "chapeaux" e mantém Benfica na liderança

Golo do suiço (que bisou) no início da segunda parte ajudou a tranquilizar um Benfica que passou muitas dificuldades na primeira parte e esteve mesmo em desvantagem na casa do último classificado do campeonato, que chegou a fazer o 2-0. Golo que o VAR anulou e que manteve os encarnados vivos e rumo à reviravolta que os mantém no primeiro lugar da Liga

Tiago Oliveira

JOSE COELHO/LUSA

Partilhar

Já dizia Vasco Santana na imortal rábula do filme "A Canção de Lisboa" que "chapéus há muitos", algo que, se formos a ver bem, também se aplica no futebol. Há chapéus para todos os gostos e feitios e uma saída extemporânea do guarda-redes pode sempre levar um avançado mais audacioso a tentar a sua sorte. Ora, se alguém dissesse há uns meses que esse jogador seria Seferovic e que a tentativa seria de fora de área, esse alguém poderia ser encarado com algumas dúvidas. Só que agora seria vingado porque foi exatamente isso que aconteceu num momento de inspiração do suíço que marcou o Feirense-Benfica e descansou a equipa rumo à vitória.

O avançado acabaria por bisar e foi a grande figura de uma tarde em que o resultado de 4-1 acaba por mascarar um pouco as dificuldades que os encarnados sentiram no Marcolino de Castro, sobretudo na primeira parte. Aí, os fogaceiros não pareceram a equipa que está em último do campeonato - sem vencer desde a segunda jornada - e a vantagem do Benfica ao intervalo acabou por ser lisonjeira para os visitantes.

Benfica que procurava reagir à vitória do FC Porto e recuperar o primeiro lugar da campeonato sem Gabriel (por lesão) e Rafa (por castigo). Jogadores importantes na manobra encarnada e que foram substituídos por Florentino e, pasme-se, Taarabt. O marroquino continuou a sua reabilitação improvável com um lugar no onze inicial e ainda deu um outro ar de sua graça, apesar de ser notória a falta de entrosamento com a equipa.

A entrada encarnada não foi famosa e o Feirense cedo mostrou não querer fazer figura de corpo presente em casa. Com Tiago Silva a mexer os cordelinhos no meio campo e a equipa a mostrar-se compacta e capaz de controlar o Benfica, os fogaceiros foram ganhando confiança nos primeiros minutos e depois de terem ameaçado aos 8 minutos após uma série de falhas defensivas das águias, chegaram mesmo ao golo aos 10 minutos. Cruzamento com conta, peso e medida de Edson Fariás que apanhou Odysseas e André Almeida a diormir na formatura com a bola a chegar a Sturgeon que, de cabeça, meteu a bola na baliza.

1-0 e jogo difícil para o Benfica que procurou reagir e até esteve próximo do empate aos 15 minutos com um desvio de João Félix ao lado. Só que seria o Feirense a fazer o segundo golo, com a bola a entrar na baliza na sequência de um livre. Só que o árbitro João Pinheiro anulou o golo por considerar que Briseño desviou a bola em fora de jogo, numa decisão duplamente contestada (pelo desvio e fora de jogo) pela equipa da casa. Fortuna dos encarnados que só perto do final da primeira parte voltaram ao jogo, após um golo também anulado por fora de jogo de João Félix.

Podem agradecer à entrada imprudente de Aly Ghazal sobre Pizzi na grande área, que o árbitro não viu à primeira mas que chamou a atenção do VAR. As imagens não deixaram dúvidas e o juiz apontou para a marca de grande penalidade, onde o próprio Pizzi se encarregou de bater o castigo máximo e deixar tudo empatado aos 40 minutos.

Rude golpe

O jogo parecia encaminhar-se para um empate ao intervalo que premiava a boa atitude do Feirense só que o Benfica mostrou-se forte nas bolas paradas e não desaproveitou mais uma falha defensiva dos fogaceiros. Com papel ativo de Samaris que sem oposição após um canto, deu inteligentemente para André Almeida que redimiu-se da falha de concentração no primeiro golo e deixou os encarnados a ganhar no segundo minuto de descontos.

O foi um rude golpe para as aspirações do Feirense e um bálsamo para as águias que surgiram com outra atitude na segunda parte e cedo foram recompensadas com o terceiro golo. Foi o início do "show" Seferovic que aproveitou uma descordenação defensiva para receber fora da área e, sem preparação dar um toque carregado de técnica na bola que a fez subir sobre o adiantado Caio Seco e aninhar-se na baliza adversária aos 49 minutos. Chapéu sem mácula do suíço que deixou o jogo praticamente resolvido e o Benfica em pleno controlo das operações.

A partir dai, os encarnados foram somando oportunidades para avolumar o resultado, perante a ténue resposta do Feirense. O entrado Jonas, Pizzi e Seferovic foram tentando perante a oposição do guardião fogaceiro e algum desacerto no último passe ou na finalização. Só que o golo acabaria mesmo por chegar e seria pela cabeça do inevitável (e ainda é estranho escrever isto) Seferovic. Cruzamento de Grimaldo para a cabeçada do avançado que fechou o marcador aos 89 minutos e aumentou a folga da vitória encarnada.

Triunfo que coloca os encarnados de novo no primeiro lugar da campeonato e permite encarar com outras certezas os desafios importantes que se avizinham. Com um suíço improvável é mostrar que é uma das figuras da Liga.