Tribuna Expresso

Perfil

Benfica

“Fica-nos bem chegar ao último jogo e ter mais uma final para disputar”

À SportTV, Bruno Lage falou sobre trabalho, estratégia, tática, ansiedade, elogiando o adversário Rio Ave após a vitória difícil por 3-2

Tribuna Expresso

Rafael Marchante

Partilhar

O triunfo

“Vencer perante uma grande equipa, recheada de grandes valores individuais e com grande treinador que, para além do percurso fantástico, está a fazer uma ponta final de campeonato muito boa. Foi um jogo de doidos com muitos golos, e muito difícil como prevíamos, tínhamos de ser muito competentes, muito pressionantes, tivemos os nossos momentos, o Rio Ave teve os seus. A forma como jogamos e a entrega que dedicamos ao jogo, vê-se por aquilo que temos vindo a fazer ao longo destes quatro meses, fica-nos bem chegar ao último jogo e ter mais uma final para disputar.”

A tática

O Daniel mudou o seu meio campo, começou a construir com dois médios, e sentimos que a nossa forma de pressionar estava diferente, estávamos a vencer por 3-1. Mudamos nós para 4-3-3, a colocar o Félix entre o Semedo e o Coentrão, começámos a sentir que o Coentrão por ter feito os últimos dez minutos começou a jogar mais baixo, a receber mais baixo, longe da pressão para lançar as bolas nas diagonais, principalmente no lado contrário onde aparece o Nuno que é muito forte nesse tipo de movimentos”

O trabalho e a ansiedade

“Acabámos de falar nisso com os jogadores, mérito do trabalho, disse-lhe que há quatro ou cinco meses, nunca imaginaria que estaria a celebrar o meu aniversário juntamente com esta família que é a base de tudo. E nós temos de sentir isso, somos uma família lá dentro, e agora é poder desfrutar um dia de folga, estar com as famílias, e depois vir novamente focados e fazer mais um jogo, e mais uma final...
E acabar no lugar onde estamos. A ansiedade tem sido a normal. Ansiedade ou pressão não deve existir. Tem de existir é oportunidade, porque eles têm uma vida fantástica são saudáveis, fazem aquilo que gostam, não há pressão, não há ansiedade. Há sim a oportunidade de fazer coisas bonitas e em equipa, e para este clube e para estes sócios da forma carinhosa que nos têm apoiado do primeiro ao último minuto, e começou fora do estádio.”