Tribuna Expresso

Perfil

Benfica

Supervisor atrasa planos e vontade do Benfica na OPA

Questões colocadas pela CMVM e finalização de prospeto colocaram entraves ao otimismo do clube na OPA à SAD

Diogo Cavaleiro

Michael Steele/Getty Images

Partilhar

A interação com a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) está a atrasar os planos do Benfica. A oferta pública de aquisição (OPA), que reforça o poder do clube sobre a sociedade anónima desportiva (SAD), devia ter acabado em 2019, mas, na verdade, passados 11 dias do novo ano, ainda nem arrancou. As regras de mercado estão a refrear o otimismo inicial do clube liderado por Luís Filipe Vieira.

A Sport Lisboa e Benfica SGPS, com 67% da SAD, indicou querer chegar até aos 95% quando fez o anúncio preliminar da OPA, a 18 de novembro. A intenção inicial era terminar a operação — que teria um prazo de duas semanas — ainda naquele ano. Mas não aconteceu assim.

Este é um artigo exclusivo. Se é assinante clique AQUI para continuar a ler (também pode usar o código que está na capa da revista E do Expresso).

Torne-se assinante