Tribuna Expresso

Perfil

Benfica

“Rei dos frangos” compra mais 2,7% da SAD do Benfica

José António dos Santos, maior acionista individual da SAD, adquiriu ações à Olivedesportos de Joaquim Oliveira, concretizando a vontade de reforçar o peso na sociedade. Aquisição foi feita ao preço oferecido pelo clube na OPA, que continua por concretizar

Partilhar

José António dos Santos, presidente do Grupo Valouro, aumentou esta sexta-feira a sua participação na SAD do Benfica, ao comprar os 2,7% que estavam nas mãos da Olivedesportos, a empresa de Joaquim Oliveira que durante décadas controlou o mercado de transmissões televisivas de futebol em Portugal. A aquisição foi feita pelo preço de cinco euros por ação e custou cerca de três milhões de euros ao empresário, que já era o maior acionista individual da SAD.

Com esta transação, José António dos Santos ficará com, pelo menos, 15,4% da SAD, visto que, de acordo com a última informação oficial, detinha 12,7% do capital. Os cinco euros que pagou por ação são precisamente o mesmo valor que o Benfica quer pagar na oferta pública de aquisição (OPA) com que pretende reforçar o controlo da sua SAD, que ainda não foi aprovada pela Comissão do Mercado e Valores Mobiliários (CMVM).

A operação, com a qual o Benfica pretende adquirir 28% da sociedade, foi anunciada a 18 de novembro. Há duas semanas, o “Correio da Manhã” e o “Jornal de Notícias” noticiavam que o regulador do mercado de capitais tem enviado várias questões à Benfica SGPS e ao presidente Luís Filipe Vieira, com dúvidas sobre o preço e possíveis conflitos de interesses.

Um dos grandes beneficiados da operação pode ser precisamente José António dos Santos, já que comprou parte das ações da SAD por cerca de um euro, ao Novo Banco e Somague. No entanto, o líder da Valouro – empresa que inclui marcas do setor agroalimentar como a Avibom – revelou ao Expresso que não só não estava vendedor na OPA como também gostaria de reforçar a sua participação no capital da SAD encarnada.

Ao “Público”, a 19 de fevereiro, garantiu mesmo que dois dias antes tinha adquirido “largas centenas de milhares de euros”, pelo que deverá deter neste momento mais do que 15,4% do capital. Na mesma entrevista, classificava o potencial lucro de 11 milhões de euros com a venda das suas ações na OPA como um “mau negócio”.

O Benfica pretende aplicar 32,3 milhões de euros para comprar 6,4 milhões de ações da Benfica SAD, a cinco euros por ação, o que iguala o preço a que os títulos foram colocados no mercado mas que é 81% superior relativamente à última cotação antes do anúncio da OPA.

Luís Filipe Vieira justificou a operação como uma forma de defender o clube de ataques de potenciais investidores, que poderiam assim passar a controlar ou influenciar decisivamente o seu rumo, retirando o poder aos sócios. O presidente do clube lisboeta garante que a situação financeira robusta do clube permite “devolver o Benfica aos benfiquistas”. Aquando do anúncio, os responsáveis do clube da Luz indicaram esperar que a OPA ficasse concluída em janeiro.