Tribuna Expresso

Perfil

Benfica

Benfica vai recorrer de chumbo da OPA pela CMVM

Há irregularidades no modelo de financiamento da OPA do Benfica sobre a sua SAD, considera a CMVM. Clube diz à Lusa que há interpretações diferentes

Lusa

Partilhar

O Benfica discorda do chumbo da OPA parcial lançada sobre a sua SAD, devido às condições de financiamento, e deverá recorrer da decisão, disse hoje à Lusa fonte oficial dos 'encarnados'.

"Há diferentes interpretações sobre o método de financiamento da OPA", revelou à agência Lusa fonte oficial do Benfica, avançando que o departamento jurídico dos 'encarnados' tem opinião diferente daquele que lhe foi apresentado pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), e que está preparado para a defender.

O clube respondeu à Lusa - ainda que não tenha respondido ao Expresso ao longo do dia de hoje - depois de ter sido noticiado pela TVI (e depois pelo Expresso) sobre o facto de a CMVM ter encontrado irregularidades na OPA, pelo que tinha decidido chumbar a operação anunciada em novembro.

O modelo de financiamento da OPA foi o ponto que levantou as preocupações no regulador liderado por Gabriela Figueiredo Dias. A TVI revelou que o modelo financiamento era conseguido com o aumento das rendas cobradas pela Benfica SGPS à SAD pela utilização do estádio, além da antecipação dessas rendas em vários anos. Ou seja, o clube recebia dinheiro da SAD para depois usá-lo para comprar ações da SAD. O que não pode acontecer num contexto de uma OPA: o alvo da oferta não pode ser o financiador da mesma oferta.

O clube tem cerca de 67% do capital da SAD, querendo chegar a um máximo de 95% do capital. Tanto a SAD como o clube são presididos por Luís Filipe Vieira.

A TVI sublinha que a irregularidade na OPA (e não ilegalidade) devia, além de tudo, ter sido comunicada nos documentos já tornados públicos sobre a operação. Não aconteceu – aliás, o que pode levar à abertura de uma contraordenação por parte da CMVM, já que a informação deveria ter sido pública.

A oferta pública de aquisição cai, então, nos moldes atuais pelo chumbo da CMVM.

O regulador dos mercados decidiu suspender a negociação das ações esta segunda-feira, à espera que o Benfica desse esta informação ao mercado. Oficialmente, ainda nada foi transmitida através do site da CMVM.