Tribuna Expresso

Perfil

Benfica

Jorge Jesus e as aspirações europeias do Benfica: "A minha grande ambição agora já não é só ser campeão nacional"

Treinador do Benfica assume que os encarnados querem chegar longe na Liga dos Campeões, mas para isso terá de, para já, ultrapassar o PAOK de Abel Ferreira, "uma boa equipa", com "uma ideia de jogo muito positiva"

Tribuna Expresso

Gualter Fatia/Getty

Partilhar

Expectativas para o primeiro jogo da época

"Expectativas são as melhores, numa eliminatória de Champions, a prova máxima. Tanto nós como o PAOK queremos passar e as nossas expectativas são as melhores porque acreditamos muito no trabalho que fazemos durante a semana, acreditamos nos jogadores individualmente, acreditamos que, independentemente deste ser o primeiro jogo oficial, que temos tudo para fazer um excelente jogo que nos permita passar a eliminatória, que é o objetivo. É a um jogo, não importa muito, é o que está determinado"

Pressão

"O que aumenta a pressão, e temos a noção disso, é termos uma eliminatória a um jogo, em que temos a responsabilidade de ganhar. A responsabilidade é de ganhar. Quando estás num clube como o Benfica a pressão é diária e quanto melhor for a equipa mais a pressão se acentua, porque as pessoas exigem que essa qualidade seja transferida para os jogos. As pessoas querem que o Benfica vá mais longe este ano nas competições europeias, mais concretamente na Champions. Não é um sonho, é uma realidade que queremos. Agora, há condicionantes e os condicionantes são os adversários. O que queremos demonstrar amanhã é que somos melhores. Não direi que há pressão. Se me perguntarem a mim se esta pressão me diz alguma coisa? Zero, para mim, zero. Estou habituado a tantas pressões, não é? Não só no Benfica mas também de onde eu vim. Faz parte dos grandes treinadores, dos grandes jogadores e das grandes equipas - os grandes treinadores não têm pressão, os grandes jogadores não têm pressão e as grandes equipas não têm pressão"

Reencontro com Abel

"Eu não me importo que nos coloquem o favoritismo em todos os jogos que o Benfica jogar, é um bom sinal. Sinal de qualidade, que temos uma equipa forte. Mas não vamos ser os vencedores antecipados. O Abel está a ser a fazer um grande trabalho aqui na Grécia, foi meu jogador no V. Guimarães. Tenho a certeza que ele conhece as minhas ideias de jogo e conhece-me como treinador e vamos ter um duelo que os dois querem ganhar. Eu acredito que vai ser o Benfica e estamos confiantes"

Jogador que mais o surpreendeu

"Como vocês sabem, ainda há aqui quatro jogadores do meu tempo. Também é uma vantagem que tenho tido, são jogadores que me conhecem, é uma relação mais fácil e mais prática do que com os que não me conhecem. Todos os novos jogadores estão a surpreender-me. É uma equipa jovem, que sabe onde está e para onde quer ir. É verdade que hoje os jogadores são muito valorizados em função das transferências, mas os reforços não quer dizer que vão para o onze, quer dizer que são parte do plantel. E muitas das vezes alguns não deixam dúvida que vão entrar no onze. Mas nem todos os reforços vão ter lugar, comigo não é assim. Vão ter de mostrar e estão a mostrar. Todos eles me têm surpreendido"

PAOK

"Fizemos o nosso trabalho de casa. É uma boa equipa. O Abel tem uma ideia de jogo muito positiva, com uma ideia de jogo difícil de treinar. Nós temos um conhecimento do adversário como de certeza o PAOK tem um conhecimento profundo do Benfica"

Svilar e covid-19

"Faz parte da vida de todos, saber conviver com a covis porque não há outra maneira. Concretamente o futebol penso que deu um exemplo muito grande de como tinha de conviver com esta pandemia. É preciso testar, prevenir e isolar. Para mim não é nada de novo, no Brasil tive 11 jogadores com covid-19. Desde que as coisas sejam feitas bem. Os protocolos não podem fugir daquilo que é testar semanalmente todos os atletas. O Benfica testa três vezes por semana e montou uma comunidade de cerca de 100 pessoas que são testadas frequentemente. Não quer dizer que não possa aparecer um caso. O problema aqui é que um jogador que tenha covis pode estar duas ou três semanas sem treinar, se forem vários já começa a ser um problema. De resto é testar e isolar"

Estádio sem público

"Um estádio sem público não beneficia ninguém, não beneficia quem joga fora, nem quem joga em casa. É claro que emocionalmente há sempre um factor importante e os grande clubes que têm uma massa adepta grande, esses são mais prejudicados. Mas para o futebol em si não é bom para os jogadores do PAOK, nem para os do Benfica. Nós não sentimos a mesma adrenalina. Aquilo que eu mais gostava era de amanhã jogar com o estádio cheio de público"

Eliminatória num só jogo

"Dentro da minha cabeça não está muito esse pormenor de isso dar vantagem ao nosso adversário. É um jogo, para nós é uma final e quando jogas uma final normalmente é sempre fora do teu pais. Se és uma grande equipa isso não vai ser um factor"

Ambição na Champions

"No primeiro ano, quando cheguei ao Benfica, a minha grande ambição era ser campeão nacional, porque nunca tinha sido. A minha grande ambição agora já não é ser só campeão nacional, é poder chegar o mais longe possível nas competições europeias, que é o que o Benfica quer, é o projeto do Benfica. Até onde vamos chegar? Não sabemos. Esta ambição ninguém ma pode tirar. Até onde? Até onde nos deixarem. E quanto mais longe nos deixarem passar, mais essa ambição fica forte"