Tribuna Expresso

Perfil

Benfica

Jorge Jesus: “É mais difícil haver contágio no estádio que em casa. O futebol não pode parar, os artistas têm de trabalhar e de cantar”

Jorge Jesus congratulou-se com o triunfo diante do Standard Liège, elogiou a atitude de Pizzi, que deu um penálti a marcar a Waldschmidt, e pediu mais gente nos estádios

PATRICIA DE MELO MOREIRA

Partilhar

A defesa belga

O futebol é isso. Na primeira-parte uma equipa a jogar num 5x4x1, com muitos jogadores à entrada da área. Tens de jogar muito bem entrelinhas e num curto espaço. Mesmo assim, fomos dominantes. Conseguimos fazer várias situações de finalização. Mas também estivemos bem defensivamente: o Standard Liège praticamente não fez um remate.

A defesa encarnada e o descanso

"A nossa linha de quatro esteve impecável, o Nuno e o Diogo estiveram muito bem. Disse-lhes ao intervalo para não se preocuparem, que vinha lá o cansaço e os espaços iriam aparecer; temos jogadores muito rápidos. Desde que o André Almeida se lesionou, temos feito experiências com o Diogo Gonçalves para lateral-direito. Não foi inventado, foi trabalhado. Pensei em fazer descansar o Darwin, mas também pensei nesta jornada da Liga Europa: se ganhássemos, fazíamos seis pontos e se o Rangers ganhasse, também fazia seis. Talvez no futuro possa descansar o Darwin. Mas houve aqui seis jogadores que não jogaram com o Belenenses e a equipa esteve muito bem".

O capitão

"Por isso é que ele é o primeiro capitão do Benfica. Teve um comportamento e uma atitude de capitão de equipa. Para mim, um capitão pensa primeiro na equipa e não nele. E o Pizzi fez isso, dando ao Luka a oportunidade de marcar o penálti".

O público

"Quem tem paixão pelo jogo sabe que sem público não há entusiasmo, paixão… tu não és o mesmo treinador no banco sem público. Hoje estavam 5 mil, mas pareciam 55 mil. Tudo isso dá-nos outra alegria e concentração".

A covid-19

"Com regras, é mais difícil ser contagiado num estádio do que em casa. É em casa que os contágios acontecem. Temos de ser felizes e temos de viver. Não podemos parar. Não é só o futebol, também são os artistas, que têm de trabalhar, cantar. Está bem, ok, temos de nos prevenir e temos de ser testados - eu sei que nem todas as actividades podem ser testadas como nós, no futebol".