Tribuna Expresso

Perfil

Benfica

“O Benfica está numa tempestade e se a passar vai ser muito difícil pará-lo. Mas agora sou impotente para travar a covid-19”

Visivelmente abatido, o treinador do Benfica lançou o jogo de segunda-feira, com o Nacional, reconhecendo as dificuldades de um grupo a quem faltam 10 jogadores e espera que, após "esta tempestade", a equipa possa ficar mais forte

NurPhoto

Partilhar

A confiança

"Nós temos que, como é óbvio, trabalhar com os jogadores que temos. Acreditamos em todas as possibilidades e qualidades dos jogadores. Dez jogadores com covid são muitos jogadores, e a estes junta-se a minha equipa técnica que influi no meu trabalho. Mas estamos muito confiantes, os que vão jogar têm que dar o melhor de si, por eles e pelos colegas que estão em casa. Esperamos que, dentro do possível, o Benfica mantenha um ritmo alto, um ritmo competitivo de forma a que a equipa possa corresponder às dificuldades que o Nacional possa apresentar. Temos qualidade individual nos nossos avançados".

Futebol continua

"É assim, se eu tivesse a ceretza de que o futebol parava e que, a partir daí, a pandemia ficava controlada, devíamos parar já. Mas não é pelo futebol estar em competição que há tantos problemas com a covid. Não é fácil poder ter uma opinião em relação a isso, mas se tivesse a certeza que, parando o futebol parava a covid-19, assinava já ontem. Temos de ter cada vez mais cuidados."

Trabalhar com grupos separados

"É complicado. Não tenho mais de metade do plantel, tenho de trabalhar alguns dias em grupos separados, as ideias que transportamos para a equipa não são iguais. Agora, para trabalhar por sectores, tens de ter uma equipa técnica para ajudar [que Jesus não tem], tivemos de ir buscar elementos à equipa B. Estamos a adaptar-nos uns aos outros. Mas temos de ter confiança na equipa que vai para o jogo amanhã".

Benfica é o mais prejudicado?

"O Benfica teve um surto muito complicado. É a equipa que mais jogos tem sem jogadores infetados. Em 30 anos de carreira, já tive de trabalhar três defesas novas: tive uma linha de quatro, outra linha de quatro e agora outra linha de quatro que nunca jogou junta. Nunca me tinha acontecido isto. Agora, é fazer das fraquezas, forças. Se Benfica passar esta tempestade, vai ser difícil parar o Benfica. Só que a tempestade não dura apenas um jogo, dura vários jogos."

Adiar o jogo

"Não temos dois guarda-redes, mas temos o Svilar, confiamos muito nele. Não queremos desculpas, compete-me trabalhar com a equipa que tenho. Se tiver mais do que onze jogadores, vamos para a frente".

O balanço

"Só posso fazer o balanço no final do calendário. Como é que posso fazer avaliação neste momento? Não há vencedores de inverno, os vencedores são no final do campeonato."

O 3x4x3

"Contra o Braga, foi uma estratégia diferente. Achámos que podia surpreender o Braga e acho que, durante a primeira-parte, surpreendeu. No próprio dia, soubemos que dois, três jogadores tinham covid. Achei que não era melhor deixar dois laterais com dois centrais que nunca tinham jogado juntos. Passámos a linha de quatro para cinco. Estivemos bem nas primeiras bolas, mas não nas segundas bolas nos lances de bola parada, não nos soubemos organizar nesse momento, mas isso é reflexo de nunca termos jogado juntos antes. Mas vamos usar esse sistema mais vezes durante o campeonato, depende do adversário e do tempo para o trabalhar".

O 11

"Ontem tinha uma equipa na cabeça, agora tenho de ter outra ideia na cabeça. Todos os dias é uma certeza: pensas num nome, depois perdes um, dois jogadores. Uma coisa é um infetado, outra coisa são 10, 11 jogadores. Sou impotente perante isto, não tenho força para reverter a covid-19".

Miles Svilar

"Temos andado a preparar o Svilar, tem muita qualidade, temos segurança nele, tenho a certezinha absoluta que não será por ele que as coisas podem correr mal."

Darwin

"Não tem havido tempo para trabalhar os jogadores individualmente e coletivamente, porque jogas de dois em dois dias. Não podes fazer treino específico. O Darwin tem muito para aprender, não conhece muito os momentos do jogo, quando tem bola e não tem, mas faz parte do conhecimento de todos. Mas só podemos ajudá-los quando os trabalhamos especificamente e, neste momento, não temos tido tempo".

A imunidade

"Temos estado a sofrer, mas somos a equipa que vai ter a imunidade de grupo mais rápida, digo eu. Quando passarmos a tempestade vamos ficar muito fortes".