Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Benfica

Jorge Jesus: "Esta equipa que não tem jogado tanto deu uma boa resposta, mostraram que posso confiar neles"

Treinador do Benfica satisfeito com o jogo de alguns dos jogadores menos utilizados, após a vitória frente ao Estoril que selou o regresso à final da Taça de Portugal

Tribuna Expresso

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Partilhar

Boa resposta

“Satisfeito principalmente por estar na final da Taça de Portugal, que era um dos objetivos. O jogo hoje ganhámos 2-0, mas voltámos a ter muitas oportunidades de golo, fizemos 21 remates. E esta equipa que não tem jogado tanto deu uma boa resposta, mostraram que posso confiar neles. Acho que o Chico foi um dos jogadores que esteve muito bem. O objetivo fundamente deste jogo era jogar bem e passar a eliminatória. Tivemos períodos bons, outros menos bons, é normal quando se joga na pressão ao adversário, logo à saída do keeper. É um desgaste grande. Fisicamente com estes jogos a equipa melhorar e já consegue fazer isso. Os jogadores do Benfica estão de parabéns”

Mudança de sistema

“Depois da 1.ª meia-hora mudámos o nosso sistema porque não estávamos muito bem a parar a primeira saída do Estoril e os nossos centrais estavam a entrar muito no risco. Nesses 15 minutos mudámos para um 4x3x3 e equilibrámos mais o corredor central. Muitas oportunidades de golo criadas pela pressão, o 2.º golo também é assim. Tivemos mais duas ou três com essa ideia de jogo. Com bola o Chiquinho tem critério e fez um bom jogo. Eu tirei-o porque não quis tirar o Cervi. Face ao que estava a acontecer seria o Cervi a sair e não o Chico mas quis dar tempo aos jogadores. A dupla de centrais voltou a estar muito bem. É tentarmos jogo a jogo crescer, que é o que estamos a fazer”

Ausências

“Temos estado a jogar de três em três dias e o Julian e o Rafa foram jogadores que nestes últimos jogos mais quilómetros fizeram. Senti que hoje não teriam a intensidade que, por exemplo, o Gabriel deu, que os jogadores mais frescos deram”

Melhorias

“A equipa tem vindo a melhorar fisicamente de jogo para jogo. O problema de janeiro foi não termos ritmo de competição, a equipa caía nas segundas partes, já sabemos porquê, não vale a pena falar mais nisso. Agora há mais capacidade física”