Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Benfica

Jesus: "O adversário foi crescendo, com muito antijogo, não é? Assim que ficou a ganhar... O 'keeper' tirou 10 minutos ao jogo"

As declarações de Jorge Jesus à BTV, depois da derrota do Benfica frente ao Gil Vicente, na Luz (1-2)

Tribuna Expresso

PATRICIA DE MELO MOREIRA/Getty

Partilhar

A derrota

"Esta derrota complica toda a nossa recuperação. Perder três pontos... Se empatas perdes dois, mas não é a mesma coisa. A perder 2-0, fomos tentar recuperar. A 1.ª parte não foi boa, dividimos muito o jogo, a nossa primeira linha de pressão não conseguiu parar a saída do Gil Vicente. Na segunda parte, com as alterações táticas que tivemos, começámos a ter mais poder de pressão, a ter mais jogadores na frente. Mas acabámos por sofrer o segundo golo e é aí que os jogos se decidem. Por mais remates que tenhamos, mas não tantos na baliza... O Benfica fez um jogo diferente na primeira e na segunda partes. A segunda foi boa, tentámos inverter o resultado, procurámos, tivemos algumas situações de golo que não fizemos."

O Gil Vicente

"O adversário foi crescendo, com muito antijogo, não é? Assim que ficou a ganhar, fez muito antijogo. O jogador com cãibras e o árbitro a parar o jogo. O jogo não tem de parar, só quando há choque de cabeças é que é obrigatório. Cada vez que está um jogador cansado temos de parar o jogo. Isso tirou intensidade ao nosso jogo. O Gil Vicente fez o que o árbitro permitiu. O 'keeper' tirou dez minutos ao jogo e é só no último segundo que dão amarelos aos guarda-redes. Por isso somos o campeonato na Europa com menos jogo [tempo de jogo útil]. É impossível haver mais tempo. O árbitro tem alguma culpa nestas suas decisões, mas não foi por aí que perdemos. É verdade que se perdeu tempo, mas o que o Gil fez na segunda parte não justificava o golo. Podíamos ter feito o 1-1, os jogadores bateram-se, acreditaram. Taticamente arriscámos o que tínhamos de arriscar. Este resultado tira-nos esta marcha que tínhamos de recuperação. Sofremos golo, perdemos e é isso. Não há nada mais a fazer do que pensar no próximo."