Tribuna Expresso

Perfil

Benfica

Luís Filipe Vieira deve ser ouvido esta quinta-feira em primeiro interrogatório judicial

O presidente do Benfica é uma das quatro pessoas detidas, que, segundo o Departamento Central de Investigação e Ação Penal, são suspeitas de estarem envolvidas em “negócios e financiamentos em montante total superior a 100 milhões de euros, que poderão ter acarretado elevados prejuízos para o Estado e para algumas das sociedades”

Lusa

ANTÓNIO PEDRO SANTOS

Partilhar

O presidente do Benfica deverá ser ouvido esta quinta-feira em primeiro interrogatório judicial na sequência da sua detenção, na quarta-feira, no âmbito de uma investigação a alegados crimes de burla qualificada, fraude fiscal e branqueamento.

Luís Filipe Vieira é uma das quatro pessoas detidas, que, segundo o Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), são suspeitas de estarem envolvidas em “negócios e financiamentos em montante total superior a 100 milhões de euros, que poderão ter acarretado elevados prejuízos para o Estado e para algumas das sociedades”.

Está previsto que os quatro detidos sejam presentes hoje a primeiro interrogatório judicial, do qual poderá resultar a aplicação de medidas coação, “com vista a acautelar a prova, evitar ausências de arguidos e prevenir a consumação de atuações suspeitas”.

O DCIAP informou na quarta-feira que foram detidos um dirigente desportivo, dois empresários e um agente do futebol e realizados cerca de 45 mandados de busca a sociedades, residências, escritórios de advogados e uma instituição bancária, em Lisboa, Torres Vedras e Braga.

Em causa estão “factos ocorridos, essencialmente, a partir de 2014 e até ao presente” e suscetíveis de configurarem “crimes de abuso de confiança, burla qualificada, falsificação, fraude fiscal e branqueamento”.

O Benfica reagiu ainda na quarta-feira à detenção de Luís Filipe Vieira e a direção disse estar “firmemente determinada” a defender os interesses do clube lisboeta, pouco tempo depois de a SAD ‘encarnada’ ter indicado que as funções do presidente serão "asseguradas nos termos previstos na lei e nos estatutos" da sociedade.