Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Benfica

Jorge Jesus e o Bayern: "É a equipa mais forte do mundo, mas isso não nos tira a ambição"

O Benfica recebe na quarta-feira, no Estádio da Luz, o Bayern Munique (20h, TVI e Eleven Sports1). Jesus anunciou que Rafa está apto para o jogo e que o sucesso da equipa da casa vai depender da qualidade da "organização defensiva"

Tribuna Expresso

MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

Partilhar

Bayern

“Temos a consciência dos adversários que nos calharam nesta fase de grupos, concretamente o jogo de amanhã. A grande maioria tem a opinião de que é a equipa mais forte do mundo. Eu também penso da mesma maneira. A minha classificação desta equipa não é por ter os melhores jogadores do mundo, se calhar o PSG tem melhores individualidades, mas como equipa não é como o Bayern Munique. O Bayern é a sustentabilidade entre o trabalho técnicos, tático, uma ideia de jogo defensivamente e ofensivamente, que faz com que seja diferenciada de todas. Isso não nos tira a ambição, não nos tira também a convicção que temos poder para discutir este jogo. Preparámos bem, dentro do limite do tempo. O ‘bem’ foi um dia… O ideal era ter sido dois. Respondendo concretamente, se um ponto nos satisfazia, claro que vamos para o jogo com a sensação de sabermos vários dados fundamentais: não vai ser um jogo de 0-0, tenho quase a certeza absoluta que o Bayern faz golos. O Bayern não fez um jogo que não tenha feito golos [este ano], isso pressupõe que a equipa [do Benfica] tem de ter uma boa capacidade técnica e tática, mas também psicológica para saber conviver com o jogo, porque muitas vezes vai estar por baixo. Se pudesse escolher, escolhia três pontos. Se não puder ganhar, um ponto já é bom [risos].

Efeito surpresa

“Enquanto o Barcelona sabia que o Benfica era uma equipa com poder, mas nunca pensava que pudéssemos fazer o jogo que fizemos. O Bayern já tem esse dado, que ganhámos 3-0 ao Barcelona, como eles ganharam, portanto já estão em alerta. O jogo tem várias nuances e nós, treinadores, não sabemos o que vai acontecer. Não é uma ciência exata, se fosse era mais fácil. Acredito que o Bayern Munique esteja muito mais focado naquilo que o Benfica pode fazer e [que será] menos surpreendido que a equipa do Barcelona.”

Favoritismo bávaro

“Uma equipa que nos últimos quatro anos tem quatro derrotas na Champions… isto são sinais evidentes. Perde um jogo por Champions, isso diz tudo. Claro que à partida, nas casas de apostas, devemos ter 5%, mas o futebol não é isso. É um sinal, mas no futebol, porque já estive do outro lado, vi que nem sempre os melhores ganham e com esse favoritismo todo pode acontecer. Nem sempre o melhor ganha o jogo. É nisso que nos vamos bater, com as nossas possibilidades. Não vou dizer que é 5%, mas acho que temos muito mais do que esses 5%. Acreditamos na nossa qualidade coletiva, acreditamos que temos jogadores para fazerem a diferença individual, e isso qualifica-nos como uma equipa com poder. Acreditamos que podemos disputar este jogo, não direi taco a taco, porque sei que o Bayern vai ter mais tempo de posse de bola, mas isso não quer dizer que seja sinónimo de poder vencer o jogo. Agora, temos de ser perfeitos nos muitos momentos de jogo que tenhamos de fazer a organização defensiva para fazer aquele equilíbrio com esta equipa do Bayern, para podermos pensar que temos possibilidades de sair daqui com pontos, que é isso que interessa.”

Goleado?

Há essa hipótese para a maioria das pessoas, mas não há essa hipótese na cabeça do treinador e jogadores do Benfica. No futebol, pode acontecer muitas vezes, mas acreditamos que temos possibilidades. Vamos convictos para o jogo, temos possibilidades de sair com pontos. Vou lançar uma equipa para a frente, não é para trás, com jogadores muito criativos, que são rápidos. Se calhar 70% das pessoas dizem que é a melhor equipa do mundo, agora, que isso é cíclico. Não vamos para dentro do jogo a pensar que podemos ser goleados, não é assim que a gente pensa, acreditamos na nossa capacidade, vamos para o campo a acreditar que podemos ganhar.”

Se pontuar, mais perto da qualificação?

“Com a vitória ao Barcelona, dá-nos aqui alguma folga, entre aspas, para sonhar em ser uma das equipas que passa esta fase de grupos.”

Surpresas no 11?

“Tens ideias defensivas [mas], mas tens sempre de te adaptar ao adversário, seja o Bayern ou o Trofense. Há treinadores que dizem que têm uma ideia e que a ideia é sempre a mesma, isso é mentira. É mentira. O futebol é adaptação. Portanto, vamos tentar anular alguns pontos fortes do Bayern, como eles vão fazer com o Benfica. Com marcações individuais? Não, com ideias coletivas, na nossa forma de defender. [Vamos] tentar que esta equipa não jogue muito entrelinhas, é um dos pontos fortes, principalmente os três avançados. Vamos tentar que isso não aconteça. O momento mais importante amanhã é ter uma boa organização defensiva. Se [o Benfica] conseguir, vai discutir o jogo, não tenho dúvida nenhuma.”

Alphonso Davies está fora: muda algo no plano?

“É uma pergunta interessante, também já pensei nela. É talvez o melhor lateral esquerdo do mundo, pode fazer-me pensar no jogo de maneira diferente. Não jogando amanhã [o Davies], ainda tenho o treino da manhã para ter a certeza daquilo que podemos lançar no jogo, pode haver ali alguns jogadores do Bayern Munique que vão mudar de posição, se calhar jogando com uma linha de 4 muito diferente. Isso faz com que até amanhã me vá preocupar um pouco sobre esse tema. Não jogando [aquele jogador], já está a mexer um pouco comigo, com o que tinha preparado para o jogo.”

Barça e Bayern

“São equipas completamente diferentes. Cada uma com uma ideia de jogo. A equipa do Barcelona é mais refinada no jogo posicional, o Bayern é muito mais virado para o golo, mais rápido nas suas decisões ofensivas, e mais difícil de parar. Não posso comparar, são incomparáveis naquilo que é o jogo ofensivo de ambos.”

Rodrigo Pinho

“É um jogador que não teve sorte. Logo no início da época fez a cirurgia que o tirou da pré-época e do começo do campeonato. Agora, que estava a recuperar, voltou a ter um problema, muito mais grave, que o vai tirar do jogo este ano, no mínimo de 6 a 8 meses. Agora ele vai ter de saber viver com isto, faz parte da profissão. Seguramente vai aparecer, para o ano, mais forte, valor tem, acreditamos no valor dele e vamos continuar a acreditar.”

Rafa

“Amanhã ainda vamos treinar, mas está em condições para o jogo, se não acontecer nada. Um jogador, de um momento para o outro, qualquer coisa, um sopro, e fica de fora [com lesão].”