Tribuna Expresso

Perfil

Ciclismo

“Fizemos o que tínhamos de fazer para vencer. Não foi legal, mas não mudava nada”. 20 anos depois, Lance Armstrong não parece arrependido

Em 1999, Lance Armstrong venceu pela primeira vez a Volta a França. Venceria mais seis, num total de sete títulos que lhe seriam retirados em 2013, quando admitiu que o seu grande feito tinha sido conseguido com o recurso a substâncias dopantes. Agora, numa entrevista à NBC Sports, diz que não mudava nada do que fez

Tribuna Expresso

Ezra Shaw/Getty

Partilhar

Arrependido? Não parece. Numa entrevista que o canal norte-americano NBC Sports vai transmitir na próxima semana, Lance Armstrong reafirma que não mudava nada do que fez para ganhar um recorde de sete títulos na Volta a França, sete títulos que lhe seriam retirados em 2013, depois de admitir numa entrevista a Oprah Winfrey que havia recorrido a substâncias dopantes para vencer.

“Fizemos o que tínhamos de fazer para vencer. Não foi legal, mas não mudava nada. Seja perder um monte de dinheiro, ou ir de herói a zero”, diz o antigo ciclista num excerto da entrevista já revelado pela NBC Sports.

Depois de vencer o cancro, o norte-americano venceria de forma consecutiva a Volta a França entre 1999 (há precisamente 20 anos) e 2005. Mas a história de superação estava alicerçada numa teia de doping e corrupção, revelada inicialmente por antigos colegas de equipa.

“Não mudava nada. Não mudava nada na forma como atuei. Quer dizer, mudava, mas essa é uma longa história. Mas em primeiro lugar, não mudava as lições que aprendi e não teria aprendido essas lições se não tivesse atuado dessa forma”, revela ainda Armstrong, de forma algo críptica.

“Se não tivesse agido da forma como agi, nunca teria sido investigado e sancionado. Se eu me tivesse dopado mas nunca tivesse dito nada, nada disto se teria passado. Eu estava a pedi-las, estava a pedir que fossem atrás de mim. Era um alvo fácil”, continua.

A entrevista completa, com 30 minutos, será transmitida na próxima quarta-feira e, nela, o antigo ciclista de 47 anos vai falar da sua ascensão e queda, quando passam 20 anos da sua primeira vitória na Volta a França.