Tribuna Expresso

Perfil

Ciclismo

Volta a Portugal em bicicleta vai pedalar de 27 de setembro a 5 de outubro (se tudo correr bem)

Em comunicado, a Federação Portuguesa de Ciclismo assumiu estar "a trabalhar para que a Volta a Portugal possa realizar-se entre 27 de setembro e 5 de outubro", acrescentando que "a nova data já está inscrita no calendário da União Ciclista Internacional"

Imagem da fuga do dia na etapa que ligou Reguengos de Monsaraz a Castelo Branco este domingo.

79ª Volta a Portugal

Partilhar

A 82.ª edição Volta a Portugal em bicicleta poderá realizar-se entre 27 de setembro e 5 de outubro, sob organização da Federação Portuguesa de Ciclismo (FPC), anunciou esta quinta-feira o organismo, que apresentou o plano ao Presidente da República.

Em comunicado, a FPC assumiu estar "a trabalhar para que a Volta a Portugal possa realizar-se entre 27 de setembro e 5 de outubro", acrescentando que "a nova data já está inscrita no calendário da União Ciclista Internacional (UCI)".

A edição de 2020 da principal corrida velocipédica nacional, que deveria decorrer entre 29 de julho e 09 de agosto, foi adiada, em 25 de junho último, para datas a determinar, tendo, segundo o anúncio de hoje, sofrido uma redução para nove dias de prova -- eram 11 com um dia de descanso.

"O presidente da FPC, Delmino Pereira, e o diretor da Volta a Portugal, Joaquim Gomes, foram recebidos em audiência pelo Chefe de Estado, sensibilizando-o para o valor estratégico e para o interesse nacional da Volta a Portugal", frisou o organismo que rege o desporto velocipédico nacional.

Segundo o comunicado, a "FPC assumiu a responsabilidade de colocar o evento na estrada", devido à importância para a modalidade e pelo "sentimento geral da comunidade velocipédica nacional", enaltecendo ainda a importância do evento para "a vivência sociocultural dos portugueses e para a dinamização da economia, ao longo dos diferentes territórios locais unidos pela caravana da corrida".

"Mais ainda num ano como este, em que as dinâmicas internas de turismo e ocupação hoteleira são essenciais para a economia do país. O ciclismo pretende dar o seu contributo", vincou a FPC, comprometendo-se "a criar um evento seguro, aplicando as normas acordadas com a Direção-Geral da Saúde (DGS)".

Em 25 de junho último, a Podium Events, em comunicado conjunto com a FPC, anunciou o adiamento da corrida, devido à pandemia de covid-19, "tendo em conta as manifestações públicas e particulares de não autorização da passagem e permanência da Volta a Portugal em bicicleta por diversos municípios integrantes do percurso da prova".

"A Podium e a FPC estão neste momento a equacionar outros cenários e a procurar ativamente encontrar com os seus parceiros uma data alternativa para a realização do evento, ainda em 2020", frisaram, na ocasião, as duas entidades.

A realização da Volta tinha recebido 'luz verde' da DGS e do Governo, atendendo às orientações para a retoma de competições ao ar livre de modalidades individuais e à aprovação do plano sanitário para a prova.

No entanto, as Câmaras Municipais de Viana do Castelo e Viseu anunciaram que não receberiam a passagem da corrida nos seus concelhos.

O calendário velocipédico esteve suspenso desde meados de março, devido à pandemia de covid-19, e foi retomado em 05 de julho, com uma prova de reabertura, em Anadia.

Na terça-feira passada, a 43.ª edição do Troféu Joaquim Agostinho foi adiada para 19 e 20 de setembro, após ter sido detetado um caso positivo de covid-19, obrigando a um período de quarentena para vários membros da organização.